Cupira

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde julho de 2018). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Disambig grey.svg Nota: Para a abelha, veja Irapuã.
Município de Cupira
Bandeira de Cupira
Brasão indisponível
Bandeira Brasão indisponível
Hino
Fundação 29 de dezembro de 1953 (64 anos)
Gentílico cupirense[1]
Lema Labor crescunt homines
"Trabalhar para crescer"
Prefeito(a) José Maria Leite de Macedo (DEM)
(2017 – 2020)
Localização
Localização de Cupira
Localização de Cupira em Pernambuco
Cupira está localizado em: Brasil
Cupira
Localização de Cupira no Brasil
08° 37' 01" S 35° 57' 00" O08° 37' 01" S 35° 57' 00" O
Unidade federativa Pernambuco
Região
intermediária

Caruaru IBGE/2017[2]

Região
imediata

Caruaru IBGE/2017[2]

Municípios limítrofes Norte: Agrestina, Altinho e São Joaquim do Monte;
Sul: Lagoa dos Gatos;
Leste: Belém de Maria;
Oeste: Panelas[3]
Distância até a capital 167 km
Características geográficas
Área 95,155 km² [1]
Distritos Cupira (sede) e Laje de São José[4]
População 23 977 hab. estatísticas IBGE/2017[5]
Densidade 251,98 hab./km²
Altitude 416 m
Clima semiárido BSh
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,592 baixo PNUD/2010[6]
PIB R$ 219 595,21 mil IBGE/2015[7]
PIB per capita R$ 9 210,82 IBGE/2015[7]

Cupira é um município brasileiro do estado de Pernambuco, Região Nordeste do país. Sua população estimada em 2017 era de 23 977 habitantes.[5] Administrativamente, Cupira é formado pelos distritos Laje de São José e sede.

História[editar | editar código-fonte]

Os primeiros habitantes da região provavelmente se estabeleceram em Cupira por volta de 1881. Entre eles, os Srs. José de Melo, Manoel Gomes da Silva, Antônio Soares da Silva e Aleluia de Tal. Aleluia de Tal propôs a construção de uma capela, que foi edificada às margem de uma lagoa onde havia uma baraúna habitada por abelhas da espécie conhecida por cupira. O local, na época parte do município de Panelas, passou então a ser chamado Cupira, em alusão aos insetos. À medida que a povoação crescia, mais estradas eram abertas. Eventualmente, a região tornou-se povoado e, em 1896, fez-se a primeira feira-livre da povoação.[4]

Em 1900, a povoação tornou-se distrito do município de Panelas, com o nome de Taboleiro. Em 1914, o Distrito foi renomeado para Cupira. Em 1953, Cupira desmembrou-se de Panelas, tornando-se município, sendo instalado em 1954. Já em 1955, a região de Laje de São José foi desmembrada do Distrito-sede, tornando-se distrito próprio. Até hoje, o município é composto pelo Distrito-sede de Cupira e pelo Distrito de Laje de São José.[4]

O topônimo Cupira provém do Tupi kupi'ira e significa "abelha do cupim". É uma abelha que faz sua colmeia nos cupinzeiros.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Localiza-se a uma latitude 08º37'00" sul e a uma longitude 35º57'00" oeste, estando a uma altitude de 416 metros. De acordo com a divisão do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística vigente desde 2017,[8] o município pertence às Regiões Geográficas Intermediária e Imediata de Caruaru.[2] Até então, com a vigência das divisões em microrregiões e mesorregiões, o município fazia parte da microrregião do Brejo Pernambucano, que por sua vez estava incluída na mesorregião do Agreste Pernambucano.[9]

O município está incluído na área geográfica de abrangência do semiárido brasileiro, definida pelo Ministério da Integração Nacional em 2005.[10] Esta delimitação tem como critérios o índice pluviométrico inferior a 800 mm, o índice de aridez até 0,5 e o risco de seca maior que 60%. Devido à altitude, o microclima local apresenta-se com verões brandos e secos, com ocorrência de tempestades de verão e eventual queda de granizo leve, temperaturas com picos entre 30 °C e 35 °C, névoa seca durante o período, e invernos chuvosos com mínimas absolutas entre 12 °C e 14 °C e ocorrência de névoa úmida nas noites entre junho e setembro.

O município de Cupira está localizado na unidade geoambiental do Planalto da Borborema, apresentando relevo ondulado. A vegetação nativa é a floresta subcaducifólia,[3] com ocorrência de juazeiro, umbuzeiro, algaroba, ipê roxo, ipê rosa, ipê amarelo, conhecidos na região pelo nome de pau d'arco. Por ser uma região de transição entre a zona da Mata Atlântica e a Caatinga, é comum a ocorrência de cactos, sendo o mandacaru e a coroa-de-frade espécies endêmicas na região; há também a ocorrência de árvores nativas da Mata Atlântica tais como o pau-brasil, jamelão e exóticas como a mangueira, jaqueira, fruta-pão. No passado a região dispunha de resquícios de Mata Atlântica bem pronunciados pela formação dos brejos de altitude.

O município está inserido nos domínios da Bacia Hidrográfica do Rio Una e tem como principais tributários o Rio Panelas e o Riacho da Serra, todos de regime intermitente.[3]

Economia[editar | editar código-fonte]

As principais atividades econômicas são a agropecuária e o setor de confecções que conta com mais de mil fabricos que movimentam a economia, sendo Cupira o 4º polo têxtil do agreste, conta, ainda, com feira livre e a feira de teste apenas com artigos do vestuário.

Os principais produtos agrícolas são batata doce, mandioca, banana, feijão, cará e milho.

Em Cupira as diversas fábricas de confecções são uma tendência entre as cidades do Agreste Pernambucano, porém a cidade se destaca pelo povo empreendedor, aguerrido e batalhador . Há grande produção de mosquiteiro e enxovais infantis. A economia aposta nas confecções, na indústria de móveis e bebidas e também no turismo, por meio do incentivo ao motociclismo com evento anual.

Nas comunicações conta com três emissoras de rádio, a Nova FM, Rádio Agreste FM, a pioneira na cidade e ouvida em mais de 70 cidades da região, inaugurada na década de 1980 lugar que revelou a jornalista, apresentadora e repórter brasileira Luciana Ávila, e Cupira FM, que atendem toda a região do Agreste Meridional e outras regiões de Pernambuco e Alagoas.

As festas como a Romaria de Frei Damião, as festividades de Pe. Cícero Romão do Juazeiro do Norte, as festas juninas, a Semana da Cultura e o Enduro das Águas contribuem positivamente para a economia local.

Turismo e cultura[editar | editar código-fonte]

A pista de motociclismo se destaca como opção de lazer com obstáculos naturais, areião, lamaçal, rios para travessia e muito mais.

O município preserva ainda uma região de descendentes dos quilombos, o ponto Zumbi dos Palmares, no Sítio Sam Baguim, a exatos três quilômetros da cidade.

As manifestações culturais do município destacam-se com a prática da capoeira e da mazurca, tradicional dança de origem europeia, mas que é largamente difundida na região. Anualmente, em outubro, a cidade realiza a Semana da Cultura, evento coordenado pela Secretaria Municipal de Cultura em parceria com a Secretaria de Educação, em que se apresentam grupos folclóricos regionais.

Ao longo do ano, o município realiza diversas festas, como a Festa de Santos Reis, em janeiro, a Caminhada da Fé, procissão que sai da Igreja Matriz para o sítio Serrote Liso, a festa de São João que movimenta bastante a cidade, com atrações juninas e quadrilhas estilizadas, na avenida Miguel Pereira Neto, um dos cartões postais da cidade, além do tradicional Enduro das Águas, evento anual de motociclismo desportivo e que reúne trilheiros e apaixonados por motociclismo de todas as cidades da região, do Brasil e do exterior.

A cidade está localizada em terreno razoavelmente plano, porém é cercada de montanhas, conhecidas na região por serras. O terreno acidentado é propício às trilhas de bicicleta, de moto e ao trekking e caminhadas rurais.

Educação[editar | editar código-fonte]

Em 2009, Cupira conta com 20 escolas de ensino fundamental, três de ensino médio e vinte escolas de educação infantil, além de colégios de grande e pequeno porte, sob controle da administração estadual, municipal e privada.

Religião[editar | editar código-fonte]

Católica Apostólica Romana

O município de Cupira pertence a Diocese de Palmares, que tem como bispo Dom Henrique Soares da Costa

O município possui quatro paróquias:

  • Paróquia de São João Batista, Sede;
  • Paróquia de Nossa Senhora de Fátima;
  • Paróquia de Nossa Senhora Auxiliadora;
  • Paróquia de Nossa Senhora da Glória, Fazenda Glória;

São párocos de Cupira os Padres Euberico Gilberto e Josias Manoel Firmino Dias.

Protestante - O Município de Cupira possui várias confissões protestantes, dentre elas podemos citar:

  • Comunidade Evangélica Restaurando Vidas
  • Igreja Pentecostal Assembleia de Deus ( IPAD)
  • Igreja Adventista do Sétimo Dia
  • Igreja Presbiteriana do Brasil Rev. Marcos Antônio Sobral
  • Igreja Evangélica Congregacional de Cupira;
  • Igreja Metodista Wesleyana;
  • Igreja Verbo da Vida
  • Igreja Assembleia de Deus Ministério Belém;
  • Igreja Assembleia de Deus Ministério Madureira;
  • Igreja Batista de Cupira;
  • Igreja Universal do Reino de Deus;
  • Igreja Cristã Maranata.
  • Igreja Mundial do Poder de Deus

Estas igrejas possuem congregações e pontos de pregação espalhados por todo o município.

Política[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). «Cupira». Consultado em 6 de julho de 2018.. Cópia arquivada em 6 de julho de 2018 
  2. a b c Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2017). «Base de dados por municípios das Regiões Geográficas Imediatas e Intermediárias do Brasil». Consultado em 6 de julho de 2018. 
  3. a b c Projeto Águas Subterrâneas. «Diagnóstico do município de Cupira» (PDF). Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais (CPRM). Consultado em 1 de janeiro de 2010.. Cópia arquivada (PDF) em 24 de fevereiro de 2014 
  4. a b c Enciclopédia dos Municípios Brasileiros (2007). «Cupira - Histórico» (PDF). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Consultado em 22 de janeiro de 2008.. Cópia arquivada (PDF) em 2 de outubro de 2017 
  5. a b Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (30 de agosto de 2017). «Estimativas da população residente no Brasil e unidades da federação com data de referência em 1º de julho de 2017» (PDF). Consultado em 30 de setembro de 2017. 
  6. Atlas do Desenvolvimento Humano (29 de julho de 2013). «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil» (PDF). Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). Consultado em 1 de outubro de 2013.. Cópia arquivada (PDF) em 8 de julho de 2014 
  7. a b Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2015). «Produto Interno Bruto dos Municípios - 2015». Consultado em 6 de julho de 2018.. Cópia arquivada em 6 de julho de 2018 
  8. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2017). «Divisão Regional do Brasil». Consultado em 6 de julho de 2018.. Cópia arquivada em 6 de julho de 2018 
  9. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1990). «Divisão regional do Brasil em mesorregiões e microrregiões geográficas» (PDF). Biblioteca IBGE. 1: 53–54. Consultado em 6 de julho de 2018.. Cópia arquivada (PDF) em 6 de julho de 2018 
  10. Ministério da Integração Nacional, 2005. Nova delimitação do semiárido brasileiro.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre municípios do estado de Pernambuco é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.