Cupom

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Cupom de juros ou simplesmente cupom de títulos é um termo utilizado no mercado financeiro, no âmbito da renda fixa, que significa a taxa de juros anual prefixada paga sobre o valor nominal de um título ou securitização.[1] Ele é utilizado como uma ferramenta pelos emissores, com o objetivo de tornar os títulos de médio e longo prazo atrativos, através de geração de fluxo de caixa que melhora a Taxa Mínima de Atratividade do investimento.[2] Em uma simplificação, considera-se que quando o juro de mercado do título ou securitização está acima do cupom, diz-se que ele está sendo negociado com um prêmio. Se está abaixo, diz-se que ele está sendo negociado com desconto.[3]

Etimologia[editar | editar código-fonte]

O termo cupom vem do francês, coupon, que significa literalmente "uma parte cortada em um papel" ou "um vinco em papel".[4] Esta definição remete ao tempo em que os títulos públicos e privados eram impressos em papel e possuíam pequenas tiras que eram destacadas e trocadas pelo equivalente em dinheiro aos juros. Hoje os títulos não são mais físicos, mas o termo continuou a ser usado.[5]

O Cupom de Juros nos Títulos Públicos Federais[editar | editar código-fonte]

Dentre os títulos públicos federais, apenas as notas do tesouro nacional possuem cupons[6], sendo que são ofertadas ao público apenas as notas das séries B, C e F, normalmente chamadas através das siglas NTN-B, NTN-C e NTN-F. A diferença entre elas é exatamente o valor nominal sobre qual a taxa de juros é aplicada. As NTN-B e da NTN-C são títulos pós-fixados, que pagam cupons de juros semestrais sobre valores nominais que são atualizados mensalmente por índices de inflação, sendo que a primeira é atualizada através do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) e a segunda pelo Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M). A NTN-F é um título prefixado que também paga cupom de juros semestrais, porém estes incidem sobre um valor nominal fixo de R$1000,00.[7]

Referências

  1. «Coupon Rate». Investopédia. Consultado em 09 de dezembro de 2014  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  2. Santos, Ieda Maria Antunes dos (2009). Análise de Investimentos. Campinas: [s.n.] p. 5 - 9 
  3. U.S. Securities and Exchange Commission (junho de 2013). «What Are Corporate Bonds?» (PDF). Investor BulletIn (em inglês). Consultado em 09 de dezembro de 2014  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  4. «Coupon» (em inglês). Online Etymology Dictionary. Consultado em 09 de dezembro de 2014  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  5. João Sandrini (13 de janeiro de 2012). «15 respostas essenciais sobre o Tesouro Direto». Revista Exame. Consultado em 09 de dezembro de 2014  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  6. Banco Central do Brasil. «Principais Características dos Títulos da Dívida Pública Federal Registrados no Sistema Especial de Liquidação e Custódia (SELIC)» (PDF). Banco Central do Brasil. Consultado em 09 de dezembro de 2014  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  7. Silva, Anderson Caputo; Lena Oliveira de Carvalho, Otavio Ladeira de Medereiros (2009). Dívida Pública: A Experiência Brasileira. Brasília: Secretaria do Tesouro Nacional - Banco Mundial. p. 307 - 309. ISBN 978-85-87841-34-6. Consultado em 09 de dezembro de 2014  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)