Custe o Que Custar

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Custe o Que Custar
Logotipo do programa, seguindo o padrão do formato utilizando sua sigla, desenhada para as temporadas de 2014 e 2015.
Informação geral
Também conhecido(a) como CQC
Formato Programa de auditório
Gênero Jornalismo
Humor
Duração 120 minutos
Estado Em pausa, com previsão de retorno para 2017.
Criador(es) Diego Guebel
Mario Pergolini
Desenvolvedor(es) Cuatro Cabezas
(atual Eyeworks)
País de origem  Brasil
Idioma original (português brasileiro)
Produção
Diretor(es) Diego Barredo
(2008)
Juan José Buezas
(2009)
Gonzalo Marco
(2010-2015)
Produtor(es) executivo(s) Diego Guebel
Distribuída por Band Content Distribuition[1]
Apresentador(es) Dan Stulbach
Rafael Cortez
Marco Luque
(ver mais detalhes)
Elenco Mauricio Meirelles
Lucas Salles
Juliano Dip
Erick Krominski
(ver mais detalhes)
Tema de abertura "Electric Head, Pt.1 (Satan In High Heels Mix)", White Zombie
(vinheta de abertura)
"Shoot to Thrill", AC/DC
(entrada)
Tema de encerramento "Funky Mama", Danny Gatton
Empresa(s) de produção Eyeworks
Exibição
Emissora de televisão original Rede Bandeirantes
Formato de exibição 480i (SDTV)
1080i (HDTV)[nota 1]
Formato de áudio Estéreo
Transmissão original 17 de março de 200828 de dezembro de 2015
N.º de temporadas 8
N.º de episódios 339
Cronologia
Programas relacionados CQC 3.0

Custe o Que Custar (mais conhecido pela sigla CQC) é um programa de televisão humoristico brasileiro, de frequência semanal, produzido pela Eyeworks e exibido pela Rede Bandeirantes de 2008 a 2015, totalizando oito temporadas e 339 episódios. O formato é baseado no original argentino Caiga quien caiga, criado por Mario Pergolini e Diego Guebel em 1995, com sua primeira exibição no canal América TV. Composto de uma bancada com três apresentadores fixos e um time de repórteres, o programa trata os fatos políticos, artísticos e esportivos da respectiva semana, ocorridos no Brasil e no mundo, com pitadas satíricas e humorísticas, brincando com as informações. Suas reportagens, quando editadas, passam a ter efeitos gráficos e sonoros entre as matérias. O elenco tem a missão de "falar e perguntar o que ninguém tem coragem". No entanto, devido a algumas declarações dadas por entrevistados e piadas feitas pelos integrantes, o programa já foi alvo de controvérsias e ações judiciais, que refletiram em sua liberdade editorial.

O programa teve sua primeira exibição em 17 de março de 2008. Logo no primeiro ano, a abordagem política mesclada com humor foram recebidas positivamente pela mídia especializada, rendendo comparações com o humorístico Pânico na TV da RedeTV! por possuírem formatos semelhantes e pelo fato deste último ter grande popularidade na época. Também aclamado por seu formato inovador na televisão brasileira, o programa foi eleito um dos destaques de 2008 pelo jornal Folha de S. Paulo. Conquistando prestígio e público a cada temporada, CQC recebeu diversas nomeações e vitórias em importantes premiações televisivas. A partir da última temporada, com um formato desgastado pela troca de integrantes e ajustes em seu formato original, o programa teve uma significativa queda de audiência e foi cortado da grade de programação de 2016 da Band.

Em sua temporada inicial, o CQC contou em seu elenco fixo os apresentadores Marcelo Tas, Marco Luque e Rafinha Bastos, com reportagens de Danilo Gentili, Oscar Filho, Felipe Andreoli e Rafael Cortez. Na temporada seguinte (2009), Monica Iozzi foi escolhida em um concurso para a seleção de seu oitavo integrante. Entre a quarta e a sétima temporada (2011-14), Maurício Meirelles, Ronald Rios, Guga Noblat, Dani Calabresa, Naty Graciano e Lucas Salles foram incorporados ao elenco do programa, sendo Calabresa a apresentadora da sétima temporada. Em sua oitava e última temporada exibida (2015), o programa teve na apresentação o ator Dan Stulbach, acompanhado de Luque e Cortez, com reportagens de Meirelles, Salles, Juliano Dip e Erick Krominski, onde Meirelles e Krominski também comandavam um spin-off do programa chamado CQC 3.0, exibido minutos antes da atração oficial começar.

Antecedentes e produção[editar | editar código-fonte]

Mais informações: História da Rede Bandeirantes

Criado por Mario Pergolini e Diego Guebel, Caiga quien caiga foi transmitido pela primeira vez na Argentina pela América TV em 1995.[3] Com o sucesso, o formato passou a ser exportado pela produtora Cuatro Cabezas para outros países da América Latina e chegou ao Brasil no começo de 2008[4] , quando Guebel entra na direção artística da Rede Bandeirantes.

Ainda no começo de 2008, a Band anunciou em um evento a sua nova grade de programação para março, em vias de aumentar a audiência do canal. O pacote de novas atrações incluía a estreia de um novo programa com Daniela Cicarelli, com exibição aos domingos (que posteriormente seria intitulado Quem Pode Mais?), e uma nova linha de shows para o horário nobre, que contavam com as produções nacionais do reality show All Your Need Is Love (produzido com o nome de É o Amor), da Endemol, e do programa humorístico argentino Caiga quien caiga, da então produtora Cuatro Cabezas.[5] Para começar os trabalhos da edição brasileira do humorístico, Guebel e Pergolini inauguraram em fevereiro uma filial da produtora em São Paulo.[6]

Após o anúncio, a equipe do programa teve pouco mais de um mês para escolher o elenco fixo.[7] [6] A maioria do elenco de humoristas foi escolhido durante seus espetáculos de stand-up, como Marco Luque[3] , Danilo Gentili[8] e Rafinha Bastos[9] . Oscar Filho foi descoberto por um produtor através de vídeos de suas apresentações de humor no YouTube.[10] Marcelo Tas foi sondado pela direção da emissora para compor a bancada do programa.[11]

Formato[editar | editar código-fonte]

O formato desenvolvido na Argentina é composto de uma bancada com três apresentadores fixos e um time de repórteres. Satirizando assuntos de interesse público que repercutiram na semana, seus repórteres tem a missão de "perguntar o que ninguém tem coragem" para políticos, anônimos e celebridades, acompanhadas de efeitos gráficos e sonoros colocados estrategicamente.[3] [4]

Exibição[editar | editar código-fonte]

Custe o Que Custar estreou em 17 de março de 2008, uma segunda-feira, às 22h15[12] , exibido de acordo com o Sistema de Classificação Indicativa Brasileiro como "Não recomendado para menores de 12 anos"[13] , ocupando o horário da telessérie britânica Mr. Bean.[14] Desde a estreia, o programa também teve horário alternativo aos sábados, onde eram exibidos os melhores momentos da edição anterior.[15] [16] Em 2012, o TBS Brasil adquiriu 85 episódios do programa (abrangendo a primeira e segunda temporada), sendo reprisada desde então, devido as leis de conteúdo nacional da TV paga.[17] [18]

Ao final de cada temporada, o CQC era substituído por programas especiais que duravam dois meses. Na primeira pausa do programa, a emissora exibiu o especial Band Verão.[19] A partir de 2010, a Band começou a investir em novos formatos com a produtora Cuatro Cabezas para esse período. Por dois anos seguidos, foi exibido o programa É Tudo Improviso[20] . Entre 2012 e 2013, foi exibido o reality show Mulheres Ricas.[21] [22] Em 2014, o espaço foi preenchido com o reality Quem Quer Casar Com Meu Filho?, apresentado por Adriane Galisteu[23] e em 2015, por séries.[24]

Pausa[editar | editar código-fonte]

A Band, em um comunicado enviado para a imprensa, anunciou que o programa deixaria de ser exibido durante o ano de 2016, definido como um "ano sabático" para o programa, devido aos baixos índices de audiência marcados pela atração em 2015, após a mudança drástica do elenco.[25] [26] Assim, todo o elenco do programa foi dispensado de cumprir os seus contratos vigentes com a rede.[25] [26] Diego Guebel, diretor artístico da Band e criador do programa, justificou que a pausa é necessária para que o programa volte com mais força em 2017.[25] [27] Rafael Cortez afirmou o mesmo que o diretor disse em entrevista ao programa Morning Show, da rádio Jovem Pan, e ainda reforçou que "a maior parte que eles prometeram, sempre cumpriram", referindo-se a promessa da Band de voltar com o programa em 2017.[28]

Dan Stulbach é o único do elenco que irá permanecer como contratado da Band, já que irá apresentar um programa sobre a história do Brasil chamado de História não Escrita, em co-produção da mesma produtora do CQC, a Eyeworks, e a Cinegroup.[25] [27] O último episódio da temporada de 2015 foi exibido no dia 21 de dezembro, sendo que na semana seguinte, no dia 28, foi exibido um especial com os melhores momentos do programa.[26]

Temporadas[editar | editar código-fonte]

Temporada Episódios Exibição original
Estreia de temporada Último episódio ao vivo Final de temporada
1 (2008) 42 17 de março 22 de dezembro 29 de dezembro
2 (2009) 44
[nota 2]
9 de março 21 de dezembro 28 de dezembro
3 (2010) 42 15 de março 20 de dezembro 27 de dezembro
4 (2011) 42 14 de março 19 de dezembro 26 de dezembro
5 (2012) 42 12 de março 17 de dezembro 24 de dezembro
6 (2013) 41 18 de março 23 de dezembro 30 de dezembro
7 (2014) 44 17 de março 22 de dezembro 29 de dezembro
8 (2015) 44 9 de março 21 de dezembro 28 de dezembro

CQC 3.0[editar | editar código-fonte]

Em vias de reerguer a audiência da oitava temporada, a Band estreou em 27 de abril de 2015 o CQC Clássicos, um spin-off da atração principal onde eram exibidos os melhores momentos das temporadas anteriores. Seu primeiro programa teve apresentação de Lucas Salles e Maurício Meirelles.[30] Durante sua curta duração, o formato chegou a ser alterado, onde também foram adicionados vídeos da internet.[31] Sem obter audiência satisfatória, o formato foi reformulado e renomeado para CQC 3.0, que já foi utilizado para um quadro que era exibido para a internet entre 2010 e 2012.[32] Nesta versão, os apresentadores Erick Krominski e Maurício Meirelles apresentam um pequeno resumo de notícias da semana, tendo como quadros o CQC Clássicos, Vídeos da Internet e o Semana em Fotos. Em outras edições, Erick e Meirelles recebem vloggers e personalidades da internet para participarem de duelos de popularidade.[33] [34] [35]

Programas relacionados[editar | editar código-fonte]

Com o sucesso do CQC, a Band passou a comprar mais formatos da produtora Cuatro Cabezas, como o E24, exibido em 2009.[36] Além disso, os integrantes do humorístico passaram a apresentar programas solo com os formatos comprados e atrações inéditas com o auxílio da produtora. Em maio de 2010, Rafinha Bastos passou a integrar o elenco do jornalístico A Liga, permanecendo por três temporadas.[37] Em julho do mesmo ano, Marco Luque passou a comandar o talk show O Formigueiro, que devido aos baixos índices de audiência, foi encerrado no final do ano com uma temporada inédita.[38] Em junho de 2011, Danilo Gentili passou a comandar o late-night Agora É Tarde[39] , fazendo com que o humorista deixasse o elenco do CQC no ano seguinte. Após duas temporadas de sucesso, Gentili levou seu elenco para o SBT e no fim de 2013 assinou contrato para apresentar o The Noite com Danilo Gentili.[40] A atitude fez com que a Band colocasse Rafinha Bastos em seu lugar na temporada de 2014[41] , sendo assim até seu encerramento, em março de 2015.[42] [43] [44] Bastos, que tinha saído do programa em 2011, acabou sendo contratado pela RedeTV! e apresentou em 2012 o Saturday Night Live, versão brasileira do programa estadunidense homônimo.[45] [46] A contratação do humorista foi feita para suprir a falta que a equipe do Pânico na TV fez na emissora depois de sua transferência para a Band.[47] Paralelamente, para o canal pago FX, criou a série A Vida de Rafinha Bastos, baseada em um futuro no qual ele é preso depois do processo movido por uma piada feita por ele com a cantora Wanessa Camargo durante uma edição do CQC (ver seção "Controvérsias").[48] [49] [50]

Em junho de 2012, Felipe Andreoli passou a apresentar o esportivo Deu Olé!, que durou até julho de 2013.[51] [52] . No mês seguinte, Marcelo Tas passou a apresentar o Conversa de Gente Grande, que durou até agosto, com promessa de segunda temporada para 2013.[53] [54]

Marcas registradas[editar | editar código-fonte]

Em sua totalidade, suas marcas registradas foram importadas do formato argentino, passando do figurino até as suas artes visuais.

Vinheta de abertura[editar | editar código-fonte]

A vinheta de abertura é protagonizada pelos apresentadores da temporada, acompanhados (ou não) por efeitos gráficos e anunciantes.[55] A vinheta apresenta como trilha a versão Satan In High Heels Mix da música "Electric Head, Pt.1", da banda de heavy metal White Zombie. Em 2011, no entanto, a sua identidade visual causou controvérsia ao usar mensagens subliminares que traziam símbolos da maçonaria.[56]

Efeitos gráficos[editar | editar código-fonte]

Os efeitos gráficos do programa é um dos diferenciais da atração. Satirizando assuntos e informações apresentadas, eles são inseridos entre entrevistados ou em posições estratégicas no vídeo, seja em matérias com celebridades até em pautas formais, como reportagens em Brasília e quadros de prestação de serviço como o Proteste Já. No entanto, a resolução 23.191/09 do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), proibiu "trucagem, montagem e recursos que possam ridicularizar candidatos, partidos políticos ou coligações" em coberturas jornalísticas, atingindo diretamente esse ponto do CQC em 2010, durante a cobertura das eleições daquele ano.[57] [58] Em agosto do mesmo ano, a resolução foi derrubada após protestos de humoristas.[59]

Figurino[editar | editar código-fonte]

O elenco de 2011 do programa caracterizado com o uniforme padrão.

Composto por terno e gravata fina e óculos escuros, o figurino do programa se tornou uma de suas das características principais.[32] Por conta disso, os integrantes foram apelidados de "Homens de Preto"[60] [61] . A imagem dos integrantes também era representada por um símbolo: a mosca[4] , que foi usada até a quarta temporada (2011). Os óculos escuros já foram entregues pelos repórteres a celebridades entrevistadas, como o ator Arnold Schwarzenegger[62] [63] , o apresentador Silvio Santos[64] e o então presidente da Venezuela, Hugo Chávez[65] .

Quadros[editar | editar código-fonte]

Uma característica do CQC é ter quadros definidos. Entretanto, estes representam parte minoritária do programa, já que entrevistas diversas em eventos tomam a maior parte do programa. Alguns quadros mudam de uma temporada para outra. Entre os quadros mais populares do programa, estão o Repórter Inexperiente - que lançou Danilo Gentili -, o Proteste Já e o Top Five.[66]

Elenco[editar | editar código-fonte]

De 2008 a 2015 o elenco do CQC teve 16 integrantes fixos, sendo 7 apresentadores e 9 repórteres ao longo de oito temporadas. Entre os seus dois últimos anos, o programa sofreu o maior número de reformulações, onde cinco integrantes foram adicionados ao programa e sete deixaram o elenco ou foram dispensados pela Band.[67]

Apresentadores[editar | editar código-fonte]

A primeira temporada do CQC (2008) contou com a apresentação de Marcelo Tas, ao lado de Marco Luque e Rafinha Bastos. Na metade da quarta temporada (2011), Bastos é suspenso do programa e repórteres do elenco passaram a revezar seu espaço, sendo Monica Iozzi, Oscar Filho, Felipe Andreoli e Rafael Cortez[68] os substitutos. Na temporada seguinte (2012), Filho é fixado na bancada do programa, onde permanece até a sexta temporada (2013). Na sétima (2014), Dani Calabresa deixa as reportagens e assume a bancada. Em sua oitava temporada (2015), Tas e Calabresa deixam o programa e são substituídos por Cortez e o recém contratado Dan Stulbach.

Em ocasiões excepcionais, personalidades foram convidadas para apresentar o programa no lugar de seus representantes oficiais, como Datena, Luciana Gimenez, Ivete Sangalo[69] e Ana Paula Padrão.

Apresentador Período Notas Ref.
Marcelo Tas 2008 - 2014 Dispensado da emissora em 2014.
Marco Luque 2008 - 2015
Rafinha Bastos 2008 - 2011 Suspenso do programa em 2011.
Oscar Filho 2012 - 2013 Dispensado pela emissora em 2013.
Dani Calabresa 2014 Dispensada pela emissora em 2014 [70]
Dan Stulbach 2015
Rafael Cortez 2015

Repórteres[editar | editar código-fonte]

O elenco de repórteres do CQC era composto em sua primeira temporada por Danilo Gentili, Oscar Filho, Felipe Andreoli e Rafael Cortez. Em 2009, no concurso de oitavo integrante, a atriz Monica Iozzi entra para a equipe e passa a fazer reportagens em Brasília, substituindo Gentili nesta função e em 2011, Maurício Meirelles entra no programa para substituí-lo em sua vaga. Em 2012, Cortez deixa o programa e assina contrato com a Rede Record para apresentar um talent show, voltando em 2015 para a bancada. No mesmo ano, Ronald Rios entra para substituir a vaga deixada. Em 2013, o produtor Guga Noblat assume a reportagem e Dani Calabresa começa a fazer reportagens individuais. Em 2014, Naty Graciano e Lucas Salles são inclusos ao quadro de repórteres, sendo a primeira permanecendo somente este ano. Também no mesmo ano, Noblat e Rios são dispensados do programa. Na última reformulação, ocorrida na oitava temporada, Erick Krominski e Juliano Dip são contratados, permanecendo até o seu fim.

Humoristas e outras personalidades artísticas também viraram repórteres por um curto período, como Warley Santana - que comandou um quadro no final da primeira temporada -, João Pedro Carvalho - o "repórter mirim" da quinta temporada -, além de Lucas Lucco, Tomer Savoia e Aline Riscado[71] .

Repórter Período Função Motivo de saída Ref.
Danilo Gentili 2008 - 2011 Reportagens de Brasília e comando do quadro Proteste Já. Passou a comandar o Agora É Tarde em 2011.
Oscar Filho 2008 - 2014 Reportagens em geral, comandando também os quadros Proteste Já e Elefante Branco. Passou a apresentar o programa.
Felipe Andreoli 2008 - 2014 Reportagens em geral e coberturas esportivas. Deixou a emissora.
Rafael Cortez 2008 - 2012 Reportagens em geral e o quadro CQTeste. Deixou a emissora, retornando ao programa em 2015.
Warley Santana 2008 Apresentador do quadro Assessor de Imprensa.
Monica Iozzi 2009 - 2013 Reportagens em geral e cobertura política. Deixou a emissora.
Maurício Meirelles 2011 - 2015 Reportagens em geral. [72]
Ronald Rios 2012 - 2014 Reportagens em geral Dispensado pela emissora
Guga Noblat 2013 - 2014 Reportagens em geral Dispensado pela emissora
Naty Graciano 2014 Reportagens em geral Dispensada pela emissora
Lucas Salles 2014 - 2015 Reportagens em geral
Erick Krominski 2015 Reportagens em geral e comando do CQC 3.0 [73]
Juliano Dip 2015 Reportagens em geral

Outros integrantes[editar | editar código-fonte]

  • O jornalista Fred Mello Paiva chegou a ser anunciado nos bastidores da Band com uma das apostas do programa para a temporada de 2014, mas se desentendeu com a direção da emissora antes mesmo de assinar o contrato.[74]

Equipe de produção[editar | editar código-fonte]

  • Diego Barredo - Gerência de produção
  • Maxi García Solla & Diego Pignataro - Direção
  • Marcelo Salinas - Coordenador de conteúdo
  • Juliana Dantas - Coordenadora de produção
  • Gastón Turiel - Coordenador Proteste Já
  • Juliana Francini - Pauta
  • Ignacio Iglesias - Coordenador (SAC - Testes - Simuladores)
  • Adriana Alves - Produtora de conteúdo PJÁ
  • Eduardo Rondon - Produtor de conteúdo PJÁ
  • Fernanda Segura - Produtora de conteúdo (SAC - Testes - Simuladores)
  • Glauber Magalhães - Produtor de externa (SAC - Testes - Simuladores)
  • Pedro Perondi - Assistente de Produção
  • Ruggiero Antonucci de Sá - Produtor (externa & edição)
  • Gus Fernándes - Diretor de externa
  • Diego Delari - Diretor de externa
  • Filippo Cecilio - Diretor de externa
  • Beatriz Gavia - Assistente de produção
  • Débora Barroso - Produtora de logística
  • Amanda Bomtempi - Assistente de produção
  • Camila Colombo - Produção de convidados
  • Danilo Nakamura - Jefe de Roteiro
  • Fabio Gueré - Roteirista
  • Marcelo Zorzarelli - Roteirista
  • Felipe Haliday - Roteirista

Lançamento e repercussão[editar | editar código-fonte]

Audiência[editar | editar código-fonte]

Anunciada como uma "aposta" da Band para conquistar maior audiência em sua linha de shows, sua estreia em 17 de março de 2008 registrou apenas dois pontos de audiência, ficando na quarta colocação. O índice foi considerado baixo comparado com o programa antecessor, que registrava três pontos.[14] Na semana seguinte, subiu um ponto.[4] No décimo primeiro programa, o CQC registrou a sua melhor marca, ficando pela primeira vez na terceira colocação com seis pontos de audiência, e máxima de oito pontos.[75] Em junho, o programa estava registrando índices de quatro pontos de média[76] , empatando com o Jornal da Band com a segunda maior audiência da emissora.[77] Em 18 de agosto, o programa registrou sete pontos com máxima de 8, superando a marca conquistada no décimo programa.[78] A temporada obteve média de 5 pontos.[79]

A temporada de 2009 teve média geral de 5,9 pontos[30] , registrando as maiores audiências em 9 de novembro (6,5 pontos de média com máxima de 9) - na exibição de matéria de Danilo Gentili em Assis (SP), onde foi detido[80] -, e em 7 de dezembro (6 pontos de média com máxima de 10)[81] . Em 2011, a média geral foi de 5,3 pontos. A partir de 2012, o programa começou a decair em seus números, obtendo neste ano uma média geral de 4,1 pontos. Em 2014, o programa teve 3,1 pontos de média geral e em sua última temporada exibida, encerrou com a menor audiência de suas temporadas: 2,3 pontos.[82] A queda foi atribuída as diversas reformulações no elenco, iniciadas em 2011 com a saída de Rafinha Bastos. Cristina Padiglione, do jornal O Estado de S. Paulo, relacionou a baixa audiência com a retirada "das peças essenciais da formação do programa - Bastos e Danilo Gentili -", que já estavam fora do elenco desde 2012.[82] Mauricio Stycer, em seu blog no portal UOL, também atribuiu a queda no ibope com a troca de apresentadores.[83]

Análise da crítica[editar | editar código-fonte]

Com diversas comparações ao Pânico na TV em seu começo, o CQC foi bem recebido pela crítica especializada. Em matéria publicada em abril pela jornalista Laura Mattos, do jornal Folha de S. Paulo, ela analisa o novo panorama do humor televisivo com a ascensão de novos formatos, como o 15 Minutos, da MTV Brasil, que tentam "se diferenciar do estilo criado pelo "Pânico"", completando que: "Na TV, eles estão buscando um humor mais elaborado e indireto, a fim de não cair no escracho cru do "Pânico".[84] Ao final do ano, a Folha colocou o CQC entre os destaques de 2008.[85]

Em 2009, o programa manteve a avaliação positiva da crítica. No entanto, com a escolha da oitava integrante Monica Iozzi, seu desempenho durante as suas primeiras reportagens foi observado.[86] Já na terceira temporada, Iozzi passou a ser bem avaliada por suas reportagens em Brasília, cuja função era de Danilo Gentili.[87] [88] Neste ano, o CQC foi eleito o melhor programa da televisão brasileira, através de enquete promovida pela Comissão de Direitos Humanos e Minorias (CDHM) da Câmara dos Deputados como parte da campanha "Quem Financia a Baixaria é Contra a Cidadania".[89]

Apesar das boas avaliações, o programa foi criticado por integrantes do humorístico Casseta & Planeta Urgente, da Rede Globo em dois momentos. Em 2008, a atriz Maria Paula elogiou o âncora Marcelo Tas, mas achava o CQC como um todo "meio chatinho".[90] Em 2011, com o Casseta fora do ar, o diretor José Lavigne afirmou em entrevista que o CQC é "muito segmentado".[91]

Controvérsias[editar | editar código-fonte]

A história do programa ficou marcada por sua abordagem política dos fatos semanais e de seu humor considerado "ácido", que por várias vezes renderam conflitos com políticos e celebridades, alguns deles influenciando sob a liberdade editorial do programa. O CQC já foi alvo de ações judiciais, avaliações negativas de outros humoristas, comparações com outros programas do gênero, ofensas e agressões físicas aos repórteres do elenco e produção. No primeiro ano, o programa foi impedido de gravar no Congresso Nacional devido à pressão de políticos incomodados com perguntas feitas por Danilo Gentili - o repórter das coberturas em Brasília -, revertida por uma petição criada pela emissora. Em 2009 e 2010, Gentili foi detido por policiais civis em Assis (SP) e, ao assumir o quadro Proteste Já, causou confusão em prefeituras por duas vezes seguidas.

O "caso Wanessa", ocorrido em 2011, foi o primeiro a provocar mudanças em sua equipe. Após a piada que Rafinha Bastos fez com a cantora, a emissora suspendeu-o por tempo indeterminado. Posteriormente, Bastos pediu demissão. A saída do humorista é apontada pela imprensa como um dos motivos que levaram o formato a um desgaste gradual, que se estendeu ao longo das temporadas seguintes.

Declarações feitas por entrevistados também provocaram polêmicas fora da atração. A mais notável foi a participação do deputado Jair Bolsonaro no quadro O Povo Quer Saber (2011). Bolsonaro se posicionou contra os movimentos que fazem apologia à homossexualidade e à bissexualidade. Disse que seu filho, com "boa educação e um pai presente", "não corre o risco" de se tornar homossexual, e que desfiles gays são "promoção de maus costumes". Ao ser perguntado pela cantora Preta Gil sobre o que faria se seu filho caso apaixonasse por uma garota negra, Bolsonaro disse que "não discutiria promiscuidade" e que "não corre esse risco porque seus filhos foram muito bem educados", uma das declarações que mais causou polêmica na entrevista.[92] No dia seguinte, afirmou que a resposta a cantora fora um "mal entendido".[93] Dado a repercussão da entrevista, o programa reapresentou trechos no programa seguinte e vários processos por quebra de decoro e racismo foram abertos, incluindo uma ação da própria Preta Gil.[94]

Prêmios, indicações e homenagens[editar | editar código-fonte]

De 2008 a 2013 o CQC recebeu vinte nomeações em oito premiações diferentes, obtendo quinze vitórias, sendo que em três delas - concorrendo ao Troféu Imprensa de melhor programa humorístico - empatou a vitória com o Pânico na TV (2010, 2012) e o Show do Tom (2011). Na última indicação, Monica Iozzi venceu a categoria "Melhor repórter".

Em 2011 o programa recebeu uma homenagem em quadrinhos do cartunista Maurício de Sousa.[95]

Prêmios[editar | editar código-fonte]

Abaixo, segue a lista de prêmios e indicações do programa e seus integrantes:

Ano Prêmio Categoria Indicação Resultado Ref.
2008 Prêmio APCA Melhor programa humorístico CQC Venceu [96]
Prêmio Contigo Programa humorístico Venceu [97]
Prêmio About Mídia Venceu
Prêmio Arte Qualidade Brasil Programa humorístico Venceu [98]
Prêmio Tudo de Bom! (Jornal O Dia) Venceu
Prêmio Extra de Televisão Melhor humorístico Indicado
Melhor revelação masculina Danilo Gentili por CQC Indicado
[99]
2009 Troféu Imprensa Melhor programa humorístico CQC Venceu [100]
Prêmio Arte Qualidade Brasil Programa humorístico Venceu [101]
Prêmio Extra de Televisão Melhor Humorístico Venceu
Prêmio Contigo Programa humorístico Venceu [102]
2010 Troféu Imprensa Melhor programa humorístico Venceu
(junto com o Pânico na TV)
[103]
Prêmio Arte Qualidade Brasil Melhor programa humorístico Venceu [104]
Prêmio Extra de Televisão Melhor humorístico Indicado
2011 Troféu Imprensa Melhor programa humorístico Venceu
(junto com o Show do Tom)
[105]
Prêmio Extra de Televisão Melhor humorístico Indicado [106]
Prêmio Arte Qualidade Brasil Melhor programa humorístico Venceu [107]
2012 Troféu Imprensa Melhor programa humorístico Venceu
(junto com o Pânico na TV)
[108]
2013 Troféu Imprensa Melhor programa humorístico Indicado
Prêmio Jovem Brasileiro Melhor repórter Monica Iozzi por CQC Venceu [109]

Prêmiações digitais[editar | editar código-fonte]

Em votação promovida pelo site UOL através do prêmio "Melhores do Ano de PopTevê", o programa havia sido indicado entre 2008 e 2009, vencendo nesses dois anos a categoria "Melhor programa de TV". Em 2011, ficou na segunda colocação. Em 2015 - com a premiação renomeada "Troféu UOL" - o CQC apareceu na sétima colocação, com 5,5% de votos.

Ano Site responsável Categoria Indicação Resultado
2008 UOL PopTevê
Troféu UOL
Melhor programa de TV Custe o Que Custar Primeira colocação[110] [111]
2009
2011 Segunda colocação[112]
2015 Melhor programa de humor Sétima colocação[113]

Versões[editar | editar código-fonte]

A versão original Caiga quien caiga foi produzida e exibida pela primeira vez em 1995 pelo canal América TV, sendo encerrado em 1999. Em 2002, o programa retornou no canal El Trece, permanecendo até 2005, quando a emissora contrata o apresentador Marcelo Tinelli, que era alvo constante de críticas pelos humoristas do CQC e o mesmo ter atrito com o produtor Mario Pergolini. O programa e todos os produtores da Cuatro Cabezas assinam contrato com a Telefe no mesmo ano. Em 2012, os baixos índices de audiência motivaram uma nova troca de emissora, desta vez de volta ao seu canal de origem. Em 2013, o programa retorna ao Trece, permanecendo até 2014, quando a produtora Eyeworks anuncia uma pausa no formato, sem previsão de retorno.

Notas

  1. A partir de 2010, o programa passou a ser exibido totalmente em HDTV[2]
  2. Incluindo episódio especial que foi ao ar no dia 10 de dezembro, uma quinta-feira.[29]

Referências

  1. «Entertainment» (em inglês). Band Content Distribuition. Consultado em 28 de dezembro de 2015. 
  2. Erro em Lua em Módulo:Citação/CS1 na linha 2140: attempt to call upvalue 'year_date_check' (a nil value).
  3. a b c Redação PortalIMPRENSA (27 de fevereiro de 2008). «Band estréia programa de humor com versões de sucesso na Europa». O Estado de S. Paulo. Portal IMPRENSA. Consultado em 11 de dezembro de 2015. 
  4. a b c d Erro em Lua em Módulo:Citação/CS1 na linha 2140: attempt to call upvalue 'year_date_check' (a nil value).
  5. Erro em Lua em Módulo:Citação/CS1 na linha 2140: attempt to call upvalue 'year_date_check' (a nil value).
  6. a b Erro em Lua em Módulo:Citação/CS1 na linha 2140: attempt to call upvalue 'year_date_check' (a nil value).
  7. Erro em Lua em Módulo:Citação/CS1 na linha 2140: attempt to call upvalue 'year_date_check' (a nil value).
  8. Erro em Lua em Módulo:Citação/CS1 na linha 2140: attempt to call upvalue 'year_date_check' (a nil value).
  9. Rodrigues, André. (Spring). "A Graça de um Herege". Rolling Stone (56). Visitado em 22 de fevereiro de 2014.
  10. Fabiana Faria (2009). «Oscar Filho: "Consegui o emprego no CQC por causa do YouTube"». Revista Gloss. 
  11. Redação (19 de fevereiro de 2008). «Marcelo Tas negocia com a Band». NaTelinha. Consultado em 25 de dezembro de 2015. 
  12. Erro em Lua em Módulo:Citação/CS1 na linha 2140: attempt to call upvalue 'year_date_check' (a nil value).
  13. «Classificação Indicativa - CQC - CUSTE O QUE CUSTAR». Ministério da Justiça. Consultado em 23 de dezembro de 2015. 
  14. a b Redação PortalIMPRENSA (18 de março de 2008). «Estréia de "Custe o Que Custar" na Band não decola no Ibope». Portal IMPRENSA. Consultado em 11 de dezembro de 2015. 
  15. Redação (12 de março de 2009). «Band reativa reprise de CQC aos sábados». NaTelinha. Consultado em 19 de dezembro de 2015. 
  16. Luis Nassif (18 de fevereiro de 2013). «Para cumprir lei, TV fechada compra conteúdo de canal aberto». Luis Nassif Online. Jornal GGN. Consultado em 11 de dezembro de 2015. 
  17. Cristina Padiglione (1º de junho de 2012). «TBS exibe 85 edições do 'CQC' com Rafinha». Estadão. Consultado em 20 de dezembro de 2015. 
  18. Alberto Pereira Jr. (17 de fevereiro de 2013). «Canais a cabo importam conteúdo e reprisam filmes para cumprir cota de produção». Ilustrada. Folha de S. Paulo. Consultado em 20 de dezembro de 2015. 
  19. Redação PortalIMPRENSA (2 de janeiro de 2009). «Projeto de verão da Band terá estréia de cinco programas diferentes». Portal IMPRENSA. Consultado em 11 de dezembro de 2015. 
  20. Flávio Ricco; José Carlos Nery (1º de janeiro de 2010). «Programa "É Tudo Improviso" substitui "CQC" nas férias». Coluna do Flávio Ricco. UOL. Consultado em 20 de dezembro de 2015. 
  21. Flávio Ricco; José Carlos Nery (11 de novembro de 2011). «Reality "Mulheres Ricas" toma o lugar do "CQC" na Band durante férias». Coluna do Flávio Ricco. BOL. Consultado em 20 de dezembro de 2015. 
  22. Flávio Ricco; José Carlos Nery (9 de novembro de 2012). «Band monta programação nas férias do "CQC"». Coluna do Flávio Ricco. UOL. Consultado em 20 de dezembro de 2015. 
  23. «Estreia hoje "Quem Quer Casar Com Meu Filho?"». Band.com.br. UOL. 6 de janeiro de 2014. Consultado em 20 de dezembro de 2015. 
  24. «Band define datas de retorno do “Pânico”, “Agora É Tarde” e “CQC”». RD1. iG. 7 de janeiro de 2015. Consultado em 20 de dezembro de 2015. 
  25. a b c d Rafaela Santos (9 de dezembro de 2015). «'CQC' não será exibido em 2016; só Dan Stulbach segue na Band». Blog da Patrícia Kogut. O Globo. Consultado em 10 de dezembro de 2015. 
  26. a b c Gabriela Sá Pessoa (9 de dezembro de 2015). «Band tira 'CQC' do ar em 2016 e dispensa a maior parte do elenco». Ilustrada. Folha de S.Paulo. Consultado em 10 de dezembro de 2015. 
  27. a b «Band deixa de exibir o CQC». Meio&Mensagem. 9 de dezembro de 2015. Consultado em 10 de dezembro de 2015. 
  28. «"É uma dúvida", diz Cortez sobre retorno do CQC em 2017». Morning Show. Jovem Pan FM. 10 de dezembro de 2015. Consultado em 28 de dezembro de 2015. 
  29. «Band exibe hoje a noite especial do "CQC" na África do Sul». UOL Televisão. BOL. 10 de dezembro de 2009. Consultado em 20 de dezembro de 2015. 
  30. a b Gabriel Vaquer (27 de abril de 2015). «Band reprisará matérias antigas do "CQC" antes de programa inédito». NaTelinha. Consultado em 11 de dezembro de 2015. 
  31. José Armando Vannucci (16 de junho de 2015). «“CQC Clássicos” perde sua função e graça ao apelar para vídeos da internet». Parabólica. UOL. Consultado em 20 de dezembro de 2015. 
  32. a b Renê Castro (13 de março de 2011). «CQC volta à tela da Band nesta segunda; saiba todas as novidades». eBand. Consultado em 21 de dezembro de 2015. 
  33. «Tweet anunciando a estreia do CQC 3.0». Twitter. 8 de junho de 2015. Consultado em 20 de dezembro de 2015. 
  34. «Tweet anunciando a estreia do CQC 3.0 (2)». Twitter. 8 de junho de 2015. Consultado em 20 de dezembro de 2015. 
  35. «Humoristas dispensados do "CQC" tiram sarro e pedem emprego no ar». iG Gente. iG. 15 de dezembro de 2015. Consultado em 20 de dezembro de 2015. 
  36. Redação (22 de setembro de 2009). «Band renova com produtora; "CQC" permanece na emissora por mais 2 anos». NaTelinha. Universo Online. Consultado em 19 de dezembro de 2015. 
  37. Redação (29 de outubro de 2009). «"A Liga": Rafinha Bastos comandará mais um programa na Band». NaTelinha. Consultado em 11 de dezembro de 2015. 
  38. Redação (23 de dezembro de 2010). «"O Formigueiro" chega ao fim na Band». NaTelinha. Consultado em 11 de dezembro de 2015. 
  39. Redação (24 de junho de 2011). «Danilo Gentili estreia "Agora é Tarde" na próxima quarta». NaTelinha. Consultado em 11 de dezembro de 2015. 
  40. Flávio Ricco (27 de dezembro de 2013). «Danilo Gentili assina contrato com o SBT». Coluna do Flávio Ricco. UOL. Consultado em 29 de dezembro de 2013. 
  41. Flávio Ricco; José Carlos Nery (14 de janeiro de 2014). «"Agora É Tarde" com Rafinha Bastos passará por grande reforma». Coluna do Flávio Ricco. UOL. Consultado em 16 de janeiro de 2014. 
  42. «Após anunciar fim do talk show, Band corta piadas sobre demissão no 'Agora É Tarde'». F5. UOL. 26 de março de 2015. Consultado em 29 de março de 2015. 
  43. Flávio Ricco; José Carlos Nery (27 de março de 2015). «Band antecipa fim do "Agora É Tarde", e programa termina nesta sexta (27)». Coluna do Flávio Ricco. UOL. Consultado em 29 de março de 2015. 
  44. Daniel Castro (28 de março de 2015). «Piadas sobre Band e desemprego anteciparam fim do Agora É Tarde». Notícias da TV. Universo Online. Consultado em 29 de março de 2015. 
  45. Barbara Sacchitiello (2 de março de 2012). «RedeTV contra-ataca com Rafinha Bastos». Meio&Mensagem. Consultado em 28 de dezembro de 2015. 
  46. Luiz Gustavo Pacete (2 de março de 2012). «“Pedir desculpas por piada vai contra minha formação humorística”, diz Rafinha Bastos». Portal Imprensa. Consultado em 28 de dezembro de 2015. 
  47. «Pelo Twitter, Rafinha Bastos confirma que foi contratado pela RedeTV!». NaTelinha. UOL. 29 de fevereiro de 2012. Consultado em 28 de dezembro de 2015. 
  48. Ricardo Feltrin (27 de novembro de 2011). «Rafinha Bastos negocia contrato com canal Fox». F5. Folha de S.Paulo. Consultado em 28 de dezembro de 2015. 
  49. Marcos Bonfim (10 de abril, 2012). «Fox investe em produções nacionais». Propmark. Consultado em 28 de dezembro de 2015. 
  50. Barbara Sacchitiello (19 de julho de 2013). «Rafinha Bastos vai parar atrás das grades». Meio&Mensagem. Consultado em 28 de dezembro de 2015. 
  51. «"Deu Olé" estreia neste sábado na Band; confira o cenário». UOL. NaTelinha. 13 de junho de 2012. Consultado em 16 de junho de 2012. 
  52. F5 - Folha de S. Paulo (11 de Julho de 2013). «Band tira programa "Deu Olé", de Felipe Andreoli, do ar e demite equipe». 16h05. 
  53. «Band define data de estreia do novo programa de Marcelo Tas». UOL. NaTelinha. 19 de junho de 2012. Consultado em 22 de junho de 2012. 
  54. Ricco, Flávio (27 de dezembro de 2012). «Band dá segunda chance ao ‘Conversa de Gente Grande’, de Marcelo Tas, e nova temporada estreia em janeiro». iG. Na TV. Consultado em 27 de dezembro de 2012. 
  55. «Ford continua como anunciante do CQC pelo segundo ano». propmark. 9 de março de 2015. Consultado em 20 de dezembro de 2015. 
  56. «Mensagem Subliminar? Símbolos maçons supostamente aparecem na abertura do programa CQC». Gospel Prime. 23 de março de 2015. Consultado em 20 de dezembro de 2015. 
  57. Thomaz Pires (29 de julho de 2010). «Marcelo Tas avisa: ‘Não vão me intimidar’». Congresso em Foco. Consultado em 20 de dezembro de 2015. 
  58. Marina Dias; Mirella D'Elia (22 de agosto de 2010). «O humor – ou a falta dele – na campanha». Veja. Consultado em 24 de dezembro de 2015. 
  59. «Vídeo:CQC sem censura». Band.com.br. 2010. Consultado em 20 de dezembro de 2015. 
  60. Aline Pinto (2008). «Conheça os homens de preto». ISTOÉ Gente. Consultado em 13 de dezembro de 2015. 
  61. Erro em Lua em Módulo:Citação/CS1 na linha 2140: attempt to call upvalue 'year_date_check' (a nil value).
  62. «Luque relembra famosos com óculos do CQC». Blog do CQC. Band.com.br. 4 de junho de 2013. Consultado em 20 de dezembro de 2015. 
  63. Renê Castro (24 de março de 2011). «Em resposta ao “CQC”, Schwarzenegger diz que Carnaval deveria gerar energia para o mundo». Band.com.br. Consultado em 21 de dezembro de 2015. 
  64. Erro em Lua em Módulo:Citação/CS1 na linha 2140: attempt to call upvalue 'year_date_check' (a nil value).
  65. Erro em Lua em Módulo:Citação/CS1 na linha 2140: attempt to call upvalue 'year_date_check' (a nil value).
  66. José Armando Vannucci (15 de junho de 2010). «“CQC” completa 100 programas no ar e mostra que ainda vai dar muito o que falar». Parabólica. UOL. Consultado em 20 de dezembro de 2015. 
  67. Keila Jimenez (16 de junho de 2015). «Em crise de audiência, “CQC” parece estar perto do fim». KTV por Keila Jimenez. R7. Consultado em 21 de dezembro de 2015. 
  68. Flávio Ricco; José Carlos Nery (22 de outubro de 2011). «Rafael Cortez é o próximo na bancada do "CQC"». Coluna do Flávio Ricco. UOL. Consultado em 21 de dezembro de 2015. 
  69. José Armando Vannucci (6 de novembro de 2012). «“CQC” acerta com Ivete Sangalo na apresentação do programa». Parabólica. UOL. Consultado em 20 de dezembro de 2015. 
  70. Dani Calabresa assina com a Band
  71. Giulia Bressani (24 de novembro de 2015). «Aline Riscado é aposta do CQC para 2016: "Há um interesse dos dois lados"». iG. Consultado em 29 de janeiro de 2016. 
  72. Erro em Lua em Módulo:Citação/CS1 na linha 2140: attempt to call upvalue 'year_date_check' (a nil value).
  73. Erick Krominski é recebido com trollada no CQC Visitado em 2 de março de 2015.
  74. «Fred Melo Paiva diz que contrato o impediu de entrar para o “CQC”». MSN Entretenimento. MSN. 19 de março de 2014. Consultado em 15 de maio de 2014. 
  75. Erro em Lua em Módulo:Citação/CS1 na linha 2140: attempt to call upvalue 'year_date_check' (a nil value).
  76. Erro em Lua em Módulo:Citação/CS1 na linha 2140: attempt to call upvalue 'year_date_check' (a nil value).
  77. Erro em Lua em Módulo:Citação/CS1 na linha 2140: attempt to call upvalue 'year_date_check' (a nil value).
  78. Erro em Lua em Módulo:Citação/CS1 na linha 2140: attempt to call upvalue 'year_date_check' (a nil value).
  79. Erro em Lua em Módulo:Citação/CS1 na linha 2140: attempt to call upvalue 'year_date_check' (a nil value).
  80. Redação (10 de novembro de 2009). «"CQC" garante pico de 9 pontos para a Band». NaTelinha. Consultado em 19 de dezembro de 2015. 
  81. Redação (8 de dezembro de 2009). «"CQC" garante pico de 10 pontos para a Band». NaTelinha. Consultado em 19 de dezembro de 2015. 
  82. a b Cristina Padiglione (24 de dezembro de 2015). «2015 foi o ano de menor ibope do 'CQC'». Estadão. Consultado em 24 de dezembro de 2015. 
  83. Mauricio Stycer (19 de março de 2015). «Números do “Hoje em Dia” e “CQC” mostram que apresentador não faz milagre». UOL. Consultado em 24 de dezembro de 2015. 
  84. a b Erro em Lua em Módulo:Citação/CS1 na linha 2140: attempt to call upvalue 'year_date_check' (a nil value).
  85. Erro em Lua em Módulo:Citação/CS1 na linha 2140: attempt to call upvalue 'year_date_check' (a nil value).
  86. Alberto Pereira Jr. (15 de dezembro de 2009). «Em programa especial, Silvio Santos faz chover dinheiro». Zapping. Folha de S. Paulo. Consultado em 19 de dezembro de 2015. «Ver "Sem noção"» 
  87. Gustavo Villas Boas; Gustavo Hennemann (25 de julho de 2010). «Mulheres levam beleza e graça ao "CQC"». Ilustrada. Folha de S. Paulo. Consultado em 19 de dezembro de 2015. 
  88. «Monica Iozzi se vira bem no ambiente "testosterônico" do "CQC", diz Tas». Ilustrada. Folha de S. Paulo. 25 de julho de 2010. Consultado em 19 de dezembro de 2015. 
  89. Redação (20 de outubro de 2009). «"CQC" é eleito o melhor programa da televisão brasileira». NaTelinha. Consultado em 19 de dezembro de 2015. 
  90. Zean Bravo (30 de novembro de 2008). «Maria Paula volta ao 'Casseta' e critica os concorrentes 'Pânico' e 'CQC'». O Globo. Consultado em 24 de dezembro de 2015. 
  91. Redação (3 de janeiro de 2011). «CQC é muito chato, diz diretor do Casseta & Planeta». Os Paparazzi. Consultado em 24 de dezembro de 2015. 
  92. «Deputado nega ser racista, mas mantém declarações homofóbicas». Correio da Bahia. 29/3/2011. Consultado em 9/4/2011. 
  93. Eduardo Bresciani (29/3/2011). «Depois de polêmica, Bolsonaro diz que errou». Estadão. Consultado em 29/3/2011. 
  94. Marcela Rocha (29/3/2011). «Contra Bolsonaro, Preta Gil vai a Ministério Público, Câmara, e pede indenização». Jornal do Brasil. Consultado em 29/3/2011. 
  95. «Turma do CQC vira história em quadrinhos». R7. 17 de novembro de 2010. Consultado em 17 de janeiro de 2012. 
  96. Erro em Lua em Módulo:Citação/CS1 na linha 2140: attempt to call upvalue 'year_date_check' (a nil value).
  97. Contigo! (2008). «10º Prêmio Contigo! - Vencedores». Abril.com.br. Consultado em 9 de dezembro de 2011. 
  98. Erro em Lua em Módulo:Citação/CS1 na linha 2140: attempt to call upvalue 'year_date_check' (a nil value).
  99. CQC no Prêmio Extra de Talentos da Televisão (9/12/08). TV UOL. Página visitada em 19 de maio de 2014.
  100. Erro em Lua em Módulo:Citação/CS1 na linha 2140: attempt to call upvalue 'year_date_check' (a nil value).
  101. «Prêmio Arte Qualidade Brasil 2009». 2009. Consultado em 9 de dezembro de 2011. 
  102. Contigo! (2009). «11º Prêmio Contigo! - Vencedores». Abril.com.br. Consultado em 9 de dezembro de 2011. 
  103. Redação NaTelinha (2010). «Vaza lista de vencedores do "Troféu Imprensa", que vai ao ar domingo no SBT». NaTelinha. Consultado em 9 de dezembro de 2011. 
  104. «Prêmio Arte Qualidade Brasil 2010». 2010. Consultado em 9 de dezembro de 2011. 
  105. «"Trofeu Imprensa" registra boa audiência e impulsiona "Programa Silvio Santos"». Universo Online. 11 de abril de 2011. Consultado em 7 de maio de 2012. 
  106. Erro em Lua em Módulo:Citação/CS1 na linha 2140: attempt to call upvalue 'year_date_check' (a nil value).
  107. «Prêmio Arte Qualidade Brasil 2011 - Vencedores (Televisão)». Consultado em 13 de dezembro de 2015. 
  108. «Troféu Imprensa -Vencedores». SBT. Consultado em 27 de março de 2012. 
  109. Joao Felipe Marques (6 de novembro de 2015). «Monica Iozzi irá comandar a festa da 14ª edição do Prêmio Jovem Brasileiro. Conheça os jovens indicados!». HCnoAr. Consultado em 13 de dezembro de 2015. «Monica mesmo já foi agraciada com o prêmio de melhor repórter do Prêmio Jovem, por sua atuação no CQC em 2013.» 
  110. «Vote no melhor programa de 2008». UOL. 2008. Consultado em 13 de dezembro de 2015. 
  111. «"Caminho das Índias" e "Maysa" faturam as principais categorias do prêmio Melhores do Ano UOL PopTevê; Conheça os vencedores». UOL. 28 de dezembro de 2009. Consultado em 13 de dezembro de 2015. 
  112. «"Rebelde" conquista três categorias da eleição Melhores do Ano do PopTevê». UOL. 22 de dezembro de 2011. Consultado em 22 de dezembro de 2011. 
  113. «"BBB" perde espaço e realities culinários são mais votados no Troféu UOL». UOL. 4 de dezembro de 2015. Consultado em 22 de dezembro de 2011. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Categoria no Commons