Cyberskin

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Cyberskin é um material que foi desenvolvido pela NASA, e que normalmente usado para imitar a pele humana, uma vez que possui grande semelhança com a mesma. O cyberskin pode ser encontrado comumente em bonecas infláveis e outros acessórios sexuais. Sua aplicação no entanto se dá como substituto de outros materiais do gênero, como silicone e borracha. Um exemplo de outra aplicação é na confecção de chupetas infantis. Existem muitos materiais similares, mas que utilizam a mesma tecnologia, que são apresentados com outros nomes como softskin.

Características[editar | editar código-fonte]

Diz-se que este material é inteligente pois é capaz de reter sua forma original mesmo quando esticado ou manuseado. De fato, a elasticidade e capacidade de adaptação são notáveis. Além disso, é capaz de absorver e reter calor. Diferente do silicone, é uma material poroso. Outra característica que o torna atraente para a confecção de alguns itens é o fato de não ser "grudento".

Cuidados[editar | editar código-fonte]

Devido às suas características, alguns cuidados são necessários para maior durabilidade.

  1. Após a utilização, é recomendável lavar com água morna e sabonete para bebê, ou sabão neutro.
  2. Para enxugar, utilizar papel toalha ou uma toalha de algodão. É importante que as áreas do produto que não foram secas com a toalha sequem ao vento, naturalmente.
  3. Para guardar o item, polvilhar com amido de milho tipicamente encontrado na forma de maisena. Não polvilhar com talco, pois há relatos de incidência de câncer.
  4. Por fim, colocar o produto dentro de um saquinho plástico com Maizena para que o produto não se misture com outros materiais e fique pegajoso.

Perigos[editar | editar código-fonte]

Não há estudos conclusivos que afirmem, ou rejeitem, a possibilidade de o Cyberskin fazer mal à saude. Em sua composição pode ser encontrado o elemento Phtalates. Estudos indicam que altas quantias deste químico no corpo de mamíferos causou efeitos adversos. Porém, alguns grupos defendem que os efeitos em humanos seria centenas de vezes menor, e que as quantias ingeridas ou absorivas são mínimas. Em caso de dúvida, utilize alguma proteção entre mucosas e o material composto de cyberskin (no caso de objetos sexuais, utilize preservativos, por exemplo).