Cyprian Norwid

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Cyprian Norwid
Nome completo Cyprian Konstanty Norwid
Nascimento 24 de setembro de 1821
Głuchy, Império Russo
Morte 23 de maio de 1883
Paris
Nacionalidade Polónia Polaco
Ocupação Poeta, dramaturgo, pintor e escultor

Cipriano Kamil Norwid, também conhecido só como Cyprian Norwid (Głuchy, 24 de setembro de 1821 - Paris, 23 de maio de 1883) foi um poeta, dramaturgo, pintor e escultor polonês, natural da aldeia de Głuchy, perto de Varsóvia. É considerado como um dos românticos da segunda geração.[1]

Vida[editar | editar código-fonte]

Foi um poeta, dramaturgo, pintor e escultor polonês de  renome nacional. Ele nasceu na aldeia de Laskowo-Głuchy perto de Varsóvia. Um de seus ancestrais maternos foi o rei polonês João III Sobieski.

Norwid é considerado um da segunda geração de românticos. Ele escreveu muitos poemas conhecidos, incluindo Fortepian Szopena ("Piano de Chopin"), Moja piosnka [II] ("Minha Canção [II]") e Bema pamięci żałobny-rapsod (Uma rapsódia fúnebre em memória do General Bem). Norwid levou uma vida trágica e muitas vezes pobre (uma vez que ele teve que viver em uma cripta de cemitério). Ele experimentou crescentes problemas de saúde, amor não correspondido, críticas severas e crescente isolamento social. Ele viveu no exterior a maior parte de sua vida, especialmente em Londres e, em Paris, onde morreu.

O estilo original e não-conformista de Norwid não foi apreciado em sua vida e, em parte devido a esse fato, ele foi excluído da alta sociedade. Seu trabalho só foi redescoberto e apreciado pelo movimento artístico Jovem Polônia (Polonês: Młoda Polska) do final do século XIX e início do século XX. Ele é agora considerado um dos quatro poetas românticos poloneses mais importantes. Outros historiadores literários, entretanto, consideram isso uma simplificação exagerada e consideram seu estilo mais característico do classicismo e do parnasianismo.[2][3][4]

Trabalhos[editar | editar código-fonte]

Baixo-relevo de Norwid, Catedral de Wawel

O trabalho mais extenso de Norwid, Vade mecum, escrito entre 1858 e 1865, foi publicado pela primeira vez um século após sua morte. Algumas das obras de Norwid foram traduzidas para o inglês por Walter Whipple e Danuta Borchardt nos Estados Unidos da América e por Jerzy Pietrkiewicz e Adam Czerniawski na Grã-Bretanha.

Em inglês[editar | editar código-fonte]

Em polonês[editar | editar código-fonte]

Em bengali[editar | editar código-fonte]

  • Poems of Cyprian Norwid (কামিল নরভিদের কবিতা) traduzidos para a língua bengali por Annonto Uzzul.

Referências

  1. Editores 1998.
  2. Król, Marcin. Konserwatyści a niepodległość. Warszawa 1985
  3. Jarzębowski, Józef. Norwid i Zmartwychstańcy. London: Veritas, 1960. ("Norwid and The Resurrectionists")
  4. Kalergis, Maria. Listy do Adama Potockiego (Letters to Adam Potocki), edited by Halina Kenarowa, translated from the French by Halina Kenarowa and Róża Drojecka, Warsaw, 1986

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Links externos[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) escritor(a) é um esboço relacionado ao Projeto Biografias. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.