Década Infame

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

É conhecido como a "Década Infame" na Argentina, o período iniciado em 6 de setembro de 1930 com o golpe civil-militar que derrubou o presidente Hipólito Yrigoyen por José Félix Uriburu e terminou em 4 de junho de 1943 com o golpe militar que derrubou o presidente Ramón Castillo. O nome foi dado pelo historiador José Luis Torres[1]

Os quatro presidentes do período: Uriburu, Justo, Ortiz e Castillo

Com o contexto global da Grande Depressão, em primeiro lugar, e depois a Guerra Civil Espanhola (1936-1939) e a Segunda Guerra Mundial (1939-1945), a fase foi caracterizada pela fraude eleitoral sistemática, a repressão de opositores, proscrição da União Cívica Radical e a corrupção generalizada.

Nesta conjuntura, a Argentina negociou o Pacto Roca-Runciman com o Reino Unido, que assegurou as exportações de carne, em troca de concessões econômicas importantes por parte da Argentina, entre os quais destacou a disposição de todos os meios de transportes públicos de Buenos Aires para uma empresa britânica chamada Transport Corporation. Além disso, o isolamento comercial das grandes potências, eventualmente, ajudou a iniciar o desenvolvimento industrial através da substituição de importações. A política econômica tornou-se intervencionista e criou-se o Banco Central da Argentina, junto com muitas agências reguladoras e públicas.

Durante este período também começou a migração maciça das zonas rurais para as cidades e as províncias do norte de Buenos Aires e o desenvolvimento do setor industrial que, em 1943, superou o setor agrícola, pela primeira vez na história da Argentina.

Esta década foi marcada pelo êxodo rural significativo, muitos pequenos proprietários rurais sendo arruinados pela Grande Depressão, o que empurrou o país para a industrialização por substituição de importação. Os maus resultados econômicos da política e o descontentamento popular levaram a um outro golpe em 1943, a "Revolução de 43", pelo Grupo de Oficiales Unidos (GOU), a facção nacionalista das Forças Armadas, contra o presidente interino Ramón Castillo, pondo o fim a Década Infame.

Governantes da Década Infame[editar | editar código-fonte]

Outros usos[editar | editar código-fonte]

A Presidência de 10 anos de Carlos Menem (dois períodos consecutivos, 1989-1999) tem sido referido como a "segunda" (ou a "nova") Década Infame por fortes críticas das suas políticas neoliberais e sua corrupção percebida, especialmente pela ala esquerda. O período de 1999-2001 com Fernando de la Rúa, por vezes, é incluído, como uma continuação dessas políticas[2]

Referências

  1. José Luis Torres escreveu em 1945 un livro intitulado La Década Infame, em que analisa criticamente o período. O termo foi desde então tomado de maneira geral para denominar o período.
  2. For the expression Década Infame applied to Menem's administration, see for example Clarín, Página/12, La Capital.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Felipe Pigna, Los Mitos de la Historia Argentina, 3, ed. Planeta, 2006 (reed.2007)
  • Gisela Cramer, "Argentine Riddle. The Pinedo Plan of 1940 and the Political Economy of the Early War Years," Journal of Latin American Studies, 30 (octubre 1998), pp. 519–550
  • Gisela Cramer, "Pre-peronist Argentina and the Origins of IAPI," en: Iberoamericana Vol. 2, No. 5 (2002), pp. 55–78.
  • Juan José LLach, "El Plan Pinedo de 1940, su significado histórico y los orígenes de la economía política del peronismo", Desarrollo Económico (enero-marzo 1984)
  • Torres, José Luis (1945). La Década Infame, Freeland, 1973
  • Jaureche, Arturo (1962). FORJA y la Década Infame. Buenos Aires: Peña y Lillo, 1983
  • Sanguinetti, Horacio (1977). La democracia ficta. 1930-1938. Buenos Aires, La Bastilla
  • Ferrero, Roberto A. (1976). Del fraude a la soberanía popular. 1938-1946. Buenos Aires, La Bastilla