Dési Bouterse

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Dési Bouterse
8º Presidente do Suriname
Período 12 de agosto de 2010
a 16 de julho de 2020
Vice-presidente Robert Ameerali
Ashwin Adhin
Antecessor Ronald Venetiaan
Sucessor Chan Santokhi
Presidente pro tempore da União de Nações Sul-Americanas
Período 30 de agosto de 2013
4 de dezembro de 2014
Antecessor Ollanta Humala
Sucessor José Mujica
Dados pessoais
Nome completo Desiré Delano Bouterse
Nascimento 13 de outubro de 1945 (75 anos)
Domburg, Guiana Holandesa (hoje Suriname)
Esposa Ingrid Figueira
Partido Partido Nacional Democrático
Profissão Militar e político

Desiré Delano Bouterse[1] (Domburg, 13 de outubro de 1945) é um político e líder militar do Suriname. Foi presidente do seu país de 2010 até 2020.

O nome de Bouterse, que era filiado ao Partido Democrata Nacional (Nationale Democratische Partij, NDP), está intimamente ligado ao regime militar que controlou o país de 1980 até o início da década seguinte. Em 25 de fevereiro de 1980, o governo do Suriname, então recém-independente, sofreu um golpe militar que declarou o país uma república,[2] com Bouterse como presidente do Conselho Militar Nacional. Embora o cargo da Presidência do Suriname tenha sido conservada, Bouterse foi o soberano de facto da nação até a sua renúncia, em 1988.

Bouterse tomou o poder num golpe, entre 1980 e 1982, ajudou a derrubar um governo eleito e prendeu e executou 15 opositores políticos, incluindo advogados, jornalistas e empresários. Tudo aconteceu em 1982 no que ficou conhecido como "assassinatos em dezembro". Em 2007 reconheceu a "responsabilidade política" pelo que aconteceu, mas negou a responsabilidade pessoal. Em 2019 foi condenado a 20 anos de prisão pela execução de opositores em 1982, depois do golpe que o levou ao poder. O presidente do Suriname recorreu da condenação.

Num caso separado, um tribunal holandês em 1999 condenou Bouterse a 11 anos de prisão à revelia por tráfico de droga, acusação que ele nega.

Após o retorno do governo democrático ao país, liderado sucessivamente por Ronald Venetiaan, Jules Wijdenbosch, e Venetiaan novamente, Bouterse tentou retornar ao poder pelas eleições, sem sucesso.

Neste país, o presidente é eleito pelo Parlamento unicameral. Nas eleições de 2020, Bouterse procurava conquistar um terceiro mandato, apesar de ter sido condenado por homicídio[3], mas acabou derrotado por Chan Santokhi.[4]


Referências

  1. De acordo com os estatutos do NDP, grafado como Desiré (http://www.ndp.sr/statuten-00.htm Arquivado em 20 de dezembro de 2013, no Wayback Machine. ).
  2. CIA World Factbook
  3. «Condenado por homicídio quer continuar a liderar Suriname. E está confiante» 
  4. «Suriname elege Santokhi presidente e põe fim a governo de Bouterse». Correio do Povo. 13 de julho de 2020. Consultado em 14 de julho de 2020 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Runaldo Ronald Venetiaan
Presidente do Suriname
2010 – atualmente
Sucedido por
no cargo
Precedido por
Ollanta Humala
Presidente da UNASUL
2013 – 2014
Sucedido por
José Mujica
Ícone de esboço Este artigo sobre um político é um esboço relacionado ao Projeto Biografias de Políticos. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.