Dési Bouterse

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Dési Bouterse
9º Presidente do Suriname
Período 12 de agosto de 2010
a atualidade
Vice-presidente Robert Ameerali
Ashwin Adhin
Antecessor(a) Ronald Venetiaan
Presidente pro tempore da União de Nações Sul-Americanas
Período 30 de agosto de 2013
4 de dezembro de 2014
Antecessor(a) Ollanta Humala
Sucessor(a) José Mujica
Dados pessoais
Nome completo Desiré Delano Bouterse
Nascimento 13 de outubro de 1945 (71 anos)
Domburg, Guiana Neerlandesa
Esposa Ingrid Figueira
Partido Partido Nacional Democrático
Profissão Militar e político

Desiré Delano Bouterse[1] (Domburg, 13 de outubro de 1945) é um político e líder militar do Suriname.

O nome de Bouterse, que era filiado ao Partido Democrata Nacional (Nationale Democratische Partij, NDP), está intimamente ligado ao regime militar que controlou o país de 1980 até o início da década seguinte. Em 25 de fevereiro de 1980, o governo do Suriname, então recém-independente, sofreu um golpe militar que declarou o país uma república socialista,[2] com Bouterse como presidente do Conselho Militar Nacional. Embora o cargo da Presidência do Suriname tenha sido conservada, Bouterse foi o soberano de facto da nação até a sua renúncia, em 1988. Bouterse também serviu por um curto período de tempo como presidente em 1982.

Bouterse foi uma figura de destaque na guerra civil ocorrida no Suriname após a independência, e é responsável pelos célebres "Assassinatos de Dezembro", de 1982, e de eventos semelhantes na aldeia quilombola (Marron) de Moiwana, em 1986. Desde então foi acusado por diversas vezes de envolvimento com o tráfico de drogas; em julho de 1999 foi condenado in absentia nos Países Baixos por tráfico de cocaína.[3] O país europeu emitiu um mandado internacional para a sua prisão, o que tornou praticamente impossível que ele abandone o Suriname, que por sua vez não pode extraditá-lo por ser um ex-chefe de Estado.

Após o retorno do governo democrático ao país, liderado sucessivamente por Ronald Venetiaan, Jules Wijdenbosch, e Venetiaan novamente, Bouterse tentou retornar ao poder pelas eleições, sem sucesso.

Embora tenha sido condenado nos Países Baixos, permanece em liberdade no Suriname - cujo governo afirma estar preparando um processo legal contra os responsáveis pelos Assassinatos de Dezembro; Bouterse, no entanto, nega qualquer envolvimento nas mortes, ocorridas em 8 de dezembro, em Fort Zeelandia, onde quinze importantes opositores do regime militar foram fuzilados. Bouterse alega que não estava presente, e que a decisão teria sido tomada pelo comandante do batalhão, Paul Bhagwandas, que morreu em 1986. Bouterse admite, no entanto, responsabilidade política.[4]

Referências

  1. De acordo com os estatutos do NDP, grafado como Desiré (http://www.ndp.sr/statuten-00.htm ).
  2. CIA World Factbook
  3. World briefing - New York Times
  4. «Ex-Suriname head faces murder trial». Al Jazeera. 21 de fevereiro de 2009 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Runaldo Ronald Venetiaan
Presidente do Suriname
2010 - Atualmente
Sucedido por
no cargo
Precedido por
Ollanta Humala
Presidente da UNASUL
2013 - 2014
Sucedido por
José Mujica
Ícone de esboço Este artigo sobre um político é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.