Dívida externa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Lang-pt.gifGnome-globe.svg
Esta página ou seção está redigida sob uma perspectiva principalmente lusófona e pode não representar uma visão mundial do assunto.
Por favor aperfeiçoe este artigo ou discuta este caso na página de discussão.

Dívida externa é o somatório dos débitos de um país, resultantes de empréstimos e financiamentos contraídos no exterior pelo próprio governo, por empresas estatais ou privadas. Esses recursos podem ser provenientes de governos, entidades financeiras internacionais (FMI, Banco Mundial, etc.), bancos ou empresas privadas.[1]

Brasil[editar | editar código-fonte]

O primeiro empréstimo externo do Brasil foi obtido em 1824, no valor de 3 milhões de libras esterlinas e ficou conhecido como "empréstimo português", destinado a cobrir dívidas do período colonial e que na prática significava um pagamento a Portugal pelo reconhecimento da independência.

Depois disso o Brasil passou a ter mais e mais dívidas. Em 1906 com o "Convênio de Taubaté", um acordo feito com os governadores e SP, MG e RJ, que, a partir de empréstimos tomados no exterior, comprariam e estocariam o excedente da produção de café.

A continuidade do pagamento da dívida externa foi muito questionada no Brasil por alguns grupos e estudiosos, que denunciam o fato de que a dívida "já foi paga várias vezes", mas por causa dos juros, quanto mais se paga, mais ela aumenta. Denunciam também o fato de que os encargos governamentais com dólares, bem abaixo do valor registrado no Reino Unido e nos Estados Unidos da América e próximo do valor da dívida da Turquia e Rússia.Atualmente, estima-se a dívida externa total em US$271 bilhões, US$14,3 bilhões superior ao montante apurado para dezembro de 2010. A dívida externa de médio e longo prazos subiu US$4,2 bilhões, para US$204 bilhões. Por outro lado,o estoque de curto prazo cresceu US$10,1 bilhões, para US$67,4 bilhões.

O balanço de pagamentos foi positivo, com um superávit de US$9,6 bilhões em fevereiro, embora as transações correntes tenham sido deficitárias em US$3,4 bilhões, acumulando déficit de US$49,2 bilhões nos últimos doze meses, equivalente a 2,31% do PIB. A conta financeira teve ingressos líquidos de US$12,8 bilhões no mês. De destaque foram os ingressos líquidos de investimentos estrangeiros diretos, US$7,7 bilhões, e os retornos líquidos dos investimentos diretos brasileiros, US$2,1 bilhões.

As reservas internacionais somam atualmente US$307,5 bilhões, patamar US$9,8 bilhões superior ao apurado no primeiro mês do ano. A receita com a remuneração das reservas totalizou US$527 milhões, enquanto as demais operações externas, concentradas em variações de preços e de paridades, elevaram o estoque em US$256 milhões.[1] [2]

Portugal[editar | editar código-fonte]

Portugal encontra-se em 23º lugar do ranking de dívida externa dos países do mundo, segundo a última pesquisa publicada. A 30 de Junho de 2011 essa dívida era estimada em 548,3 mil milhões de dólares. [1]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c CIA - The World Factbook. Country Comparison :: Debt - external www.cia.gov. Visitado em 23 de Novembro de 2011.
  2. Setor Externo

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikinotícias
O Wikinotícias tem uma ou mais notícias relacionadas com este artigo: Brasil passa a ter saldo credor contra dívida externa
Portal
A Wikipédia possui o
Portal da economia.
Ícone de esboço Este artigo sobre economia é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.