Dangerously in Love

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para a canção com o mesmo nome, veja Dangerously in Love (canção).
Dangerously in Love
Álbum de estúdio de Beyoncé
Lançamento 23 de junho de 2003 (2003-06-23)
Gravação Março de 2002—Março de 2003
Gênero(s)
Duração 60:52
Formato(s)
Gravadora(s)
Produção
  • Mathew Knowles (exec.)
  • Beyoncé Knowles (exec.)
  • Rich Harrison
  • Scott Storch
  • Missy Elliott
  • Craig Brockman
  • Nisan Stewart
  • Bryce Wilson
  • Focus...
  • Andreao "Fanatic" Heard
  • Sherrod Barnes
  • D-Roy
  • Mr. B
  • Nat Adderley, Jr.
  • Errol "Poppi" McCalla, Jr.
  • Mark Batson
Cronologia de Beyoncé
B'Day
(2006)
Singles de Dangerously in Love
  1. "Crazy in Love"
    Lançamento: 18 de maio de 2003 (2003-05-18)
  2. "Baby Boy"
    Lançamento: 3 de agosto de 2003 (2003-08-03)
  3. "Me, Myself and I"
    Lançamento: 19 de outubro de 2003 (2003-10-19)
  4. "Naughty Girl"
    Lançamento: 14 de março de 2004 (2004-03-14)

Dangerously in Love é o álbum de estreia solo da artista musical estadunidense Beyoncé. Foi lançado em 23 de junho de 2003 pela Columbia Records e Music World Entertainment. Durante a gravação do terceiro álbum de estúdio do Destiny's Child Survivor (2001), o grupo anunciou que elas produziriam álbuns solos para serem lançados. As sessões de gravação do álbum aconteceram de março de 2002 a março de 2003 em vários estúdios, durante o hiatus de seu então grupo Destiny's Child. Como produtora executiva do álbum, Beyoncé assumiu um papel mais amplo em sua produção, co-escrevendo a maioria das músicas, escolhendo quais produzir e compartilhar idéias sobre a mixagem e masterização de faixas.

As faixas do álbum são uma mistura de músicas uptempo e baladas, que são basicamente inspiradas nos gêneros R&B e soul; também apresenta elementos de hip hop e música árabe. Embora Beyoncé tenha se mantido discreta sobre sua interpretação das canções, seus significados subjacentes foram atribuídos pelos escritores de música como uma alusão à sua relação íntima com o então namorado e conhecido rapper Jay-Z. Dangerously in Love recebeu críticas positivas de críticos de música após seu lançamento, com os críticos elogiando o "salto artístico" de Knowles. O álbum também recebeu inúmeros elogios, ganhando cinco prêmios no Grammy Awards de 2004 em 8 de fevereiro.

A Dangerously in Love alcançou um sucesso comercial mundial, obtendo certificações multi-platina na Austrália, no Reino Unido e nos Estados Unidos. O álbum estreou em primeiro lugar na parada americana Billboard 200, vendendo 317.000 cópias em sua primeira semana, o que rendeu a Beyoncé as maiores vendas de estréia entre os álbuns solo dos membros do Destiny's Child. Dangerously in Love já vendeu mais de onze milhões de cópias em todo o mundo[2] e produziu dois singles número 1 da Billboard Hot 100 - "Crazy in Love" e "Baby Boy" - e dois top cinco singles - "Me, Myself and I" e "Naughty Girl".

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Beyoncé iniciou sua carreira musical como vocalista principal do grupo feminino de R&B Destiny's Child no final da década de 1990. De acordo com Corey Moss, da MTV News, "os fãs estavam ansiosos para ver como Beyoncé, depois de anos com o grupo [Destiny's Child], seria em sua carreira solo".[3] Durante a gravação do terceiro álbum de estúdio das Destiny's Child, Survivor, em 2000, Beyoncé anunciou o grupo seria colocado em hiato para que cada uma de suas integrantes pudessem produzir álbuns solo. As integrantes do grupo inicialmente planejaram que este anúncio iria despertar mais interesse no Destiny's Child.[4] A ideia dos lançamentos solo do grupo emanou seu empresário e pai de Beyoncé, Matthew Knowles.[5]

Com diferentes estilos musicais para serem produzidos por cada integrante, os álbuns não tinham intenção de competir nas tabelas musicais.[6] A gestão das Destiny's Child estrategicamente planejou o lançamento do álbum em diferentes épocas; Michelle Williams foi a primeira das integrantes a lançar seu álbum solo de estreia, intitulado Heart to Yours, em abril de 2002.[6] Enquanto isso, Beyoncé estreou nos cinemas como uma das protagonistas do longa-metragem Austin Powers in Goldmember e lançou seu primeiro single solo "Work It Out", que conta com a participação de Missy Elliott. Além de fazer parte da trilha sonora do filme.[6] Kelly Rowland colaborou com o rapper Nelly na faixa "Dilemma" como artista convidada. Após atingir sucesso comercial ao liderar a Billboard Hot 100 por sete semanas consecutivas, a gravadora de Rowland avançou o lançamento de seu primeiro álbum solo Simply Deep no final de 2002. Beyoncé também atuou em The Fighting Temptations e gravou mais um single solo. Em agosto de 2002, ela colaborou com o rapper Jay-Z em "'03 Bonnie & Clyde" e passou a namorá-lo após diversas especulações. Apesar de ser um single de Jay-Z, Beyoncé acabou por ganhar maior credibilidade e aumentou as possibilidades do lançamento de Dangerously in Love.[6][7]

Gravação[editar | editar código-fonte]

Beyoncé cantando a faixa-título "Dangerously in Love 2", cantada originalmente por Destiny's Child.

Antes de Beyoncé começar a gravar para Dangerously in Love, ela selecionou os produtores com quem iria colaborar. Durante dois dias, ela realizou reuniões com potenciais produtores da Costa Oeste do outro lado da Costa Leste, e teve entrevistas com eles.[8] Beyoncé foi para Miami, Flórida, para começar as sessões com o produtor musical canadense Scott Storch, seu primeiro colaborador,[9] e morou em um hotel de Miami nos meses seguintes.[10] Como ela queria se concentrar no álbum, Beyoncé tomou seu tempo para evitar o aumento de pressão, significativamente diferente das produções apressadas de Destiny's Child.[10]

Como ela fez em Survivor, Beyoncé assumiu um papel mais amplo na produção de Dangerously in Love, co-escrevendo a maioria das músicas, escolhendo quais produzir e compartilhar idéias sobre a mixagem e masterização de faixas.[11] Apesar de Beyoncé não criar batidas, ela surgiu com melodias e idéias que compartilhava com os produtores. Com 43 músicas concluídas - 15 das quais chegaram ao álbum[10]- Beyoncé é creditada como co-roteirista e co-produtora,[12] bem como produtor executivo do álbum ao lado de Matthew Knowles.

Beyoncé sentiu que gravar um álbum sem seus companheiros de grupo era "libertador e terapêutico", entrando no estúdio e livremente expressando suas idéias com seus colaboradores.[11] A dependência que ela desenvolveu com o Destiny's Child, no entanto, significava que era mais difícil "fazer isso com criatividade".[11] Como ela queria crescer como artista, Beyoncé contatou outros artistas com o objetivo de formar uma parceria colaborativa. Quando o coletivo terminou de escrever várias músicas, ela imprimiu cópias de cada uma e enviou-as a possíveis artistas convidados. Ela conversou com eles por telefone para uma possível colaboração, eventualmente obtendo sua aprovação. Além de Jay-Z, Beyoncé pôde trabalhar com o artista jamaicano Sean Paul, entre outros. Em contraste, alguns artistas enviaram cópias de músicas para Beyoncé, que acabaram sendo produzidas. Além disso, Beyoncé também trabalhou com Timbaland e Missy Elliott em uma faixa intitulada "Wrapped Around Me" para o álbum. Eventualmente, no entanto, por motivos desconhecidos, a música não apareceu no álbum.[13]

Dangerously in Love foi originalmente uma canção do mesmo título que Beyoncé havia escrito para Survivor. A música foi considerada muito sofisticada em comparação com outras músicas no Survivor, e o grupo decidiu não lançá-la como single do álbum. Depois de gravar várias faixas de Dangerously in Love , Beyoncé decidiu adicionar "Dangerously in Love", depois de perceber que ele se encaixava no tema principal do álbum.[9] Desde que a data de lançamento do álbum foi adiada para capitalizar o sucesso de "Dilemma", Beyoncé foi oferecida a chance de melhorar ainda mais o álbum.[12] Embora ela tenha ficado desapontada com a mudança, Beyoncé percebeu que "tudo acontece por um motivo",[14] concordando em retornar ao estúdio de gravação para trabalhar com outros compositores. Isso permitiu que ela gravasse mais músicas, incluindo o single principal do álbum, "Crazy in Love" mas semanas para gravar em março de 2003, Beyoncé ainda estava colaborando com outros convidados do álbum, incluindo Sean Paul e P. Diddy.[13]

Música e letras[editar | editar código-fonte]

A mãe-gerente de Beyoncé, Tina Knowles, disse que Dangerously in Love mostra suas raízes musicais.[15] Enquanto Williams e Rowland estavam no gospel e no pop alternativo, respectivamente, Beyoncé se concentrou em gravar músicas de R&B.[16] As músicas do álbum são variadas: de faixas de ritmo médio e orientadas a clubes no primeiro tempo, e baladas no segundo tempo.[11][17] Beyoncé comentou: "Meu álbum é um bom balanço de ... baladas e ... mid-and-acos com apenas a sensação de curtir o carro, muitas músicas de ritmo acelerado, muito sexy músicas, para músicas que fazem você se sentir emocional. É uma boa mistura de diferentes tipos de faixas."[18] Embora o álbum contenha músicas de alta energia como "Crazy in Love" e "Naughty Girl", o modo focal do álbum, no entanto, é lento e temperamental.[10] Beyoncé disse que ela tinha escrito muitas baladas para o álbum.[11] De acordo com Beyoncé, ela queria ser entendida como uma artista e mostrar seu alcance, e ao fazê-lo, ela misturou vários gêneros e influências musicais no álbum.[11] O álbum incorpora influências de R&B, hip hop, soul e o reggae.[19] O álbum teve influências de hip hop de Jay-Z, Outkast e Lil' Kim; o reggae é de Sean Paul; e cortesia de Storch, o álbum explora a música árabe.[11] Seu estudo pessoal desse tipo de música deu ao álbum uma vibe do Oriente Médio.[20] Beyoncé e os produtores também usaram uma ampla gama de instrumentações.[19]

Quando "'03 Bonnie & Clyde" foi lançada como single no final de 2002, os críticos e o público haviam especulado que Beyoncé e Jay-Z estavam tendo um caso mútuo.[21] Apesar dos rumores generalizados, eles permaneceram em silêncio sobre seu relacionamento.[12] De acordo com os críticos, o próprio título do álbum soou "mais intrigante" com Beyoncé cantando canções pessoais.[3] Embora o amor é o tema que Beyoncé incorporou no álbum, "a maioria do material é vago o suficiente para ser sobre qualquer relacionamento";[12] no entanto, existem músicas que sugerem a afirmação de seu relacionamento. Na canção "Signs", Beyoncé canta sobre estar apaixonada por um Sagitário, que coincidentemente é o signo de Jay-Z.[12] Em resposta aos rumores persistentes sobre eles, Beyoncé declarou: "As pessoas podem chegar a qualquer conclusão que quiserem ... Essa é a beleza da música ... Eu sou uma cantora, vou falar sobre como escrever músicas para você, Mas quando se trata de certas coisas pessoais, qualquer pessoa normal não diria às pessoas que elas não conhecem, eu apenas sinto que não tenho que falar [sobre isso]."[12]

Beyoncé disse que Dangerously in Love é liricamente semelhante aos álbuns do Destiny's Child. Mas porque ela só tinha que escrever para si mesma, Beyoncé teve a chance de compor músicas pessoalmente mais profundas do que seus registros anteriores com o grupo.[11] Com um tema que é baseado em diferentes fases de um relacionamento romântico, Dangerously in Love contém canções que falam de amor e honestidade. Além disso, Beyoncé admitiu que há músicas sobre fazer amor.[10] O conteúdo pessoal do álbum, no entanto, não foi geralmente atribuído às próprias experiências de Beyoncé - embora algumas fossem baseadas nas dela - em vez disso, o tema continuou recorrente em sua mente. Beyoncé explicou mais tarde: "Eu queria ter um álbum que todos pudessem se relacionar e ouvir enquanto eu estivesse vivo e mesmo depois ... O amor é algo que nunca sai de moda. É algo que todo mundo experimenta, e se eles não estão apaixonados, as pessoas geralmente querem sentir isso ..."[3] Enquanto algumas músicas meramente focam na "beleza do amor", o álbum também explora outro lado do amor, com músicas que" celebram o rompimento "e canções que narram o desejo de uma mulher de ter um grau de controle em um relacionamento.[3] A faixa escondida do álbum, "Daddy", é uma homenagem a Mathew Knowles, pai da cantora que liderou o Destiny's Child como seu gerente. A canção é um relato de Beyoncé querendo que seu futuro marido e filho possuam qualidades semelhantes às do pai dela.[12] Originalmente, Beyoncé não pretendia incluir a faixa no álbum, tendo pensado que suas letras a fariam parecer imatura. No entanto, considerando-a uma das músicas que refletiu sua vida naquele momento de transição, ela relegou "Daddy" como a faixa de encerramento.[22]

Lançamento e promoção[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Dangerously in Love Tour
Uma mulher morena é dançar e detém um microfone com a mão. Ela veste roupas escuras enquanto segura as mãos na frente do peito.
Beyoncé performando "Baby Boy" durante a The Beyoncé Experience Tour em 2007.

Beyoncé disse que teve dificuldade em convencer os executivos da Columbia Records a lançarem o álbum. O cantor contou que o projeto quase não foi lançado: "Em 2003, eu tive meu primeiro álbum solo. Mas quando eu toquei para minha gravadora, eles me disseram que eu não tinha um hit no meu álbum. Eu acho que eles estavam meio certos, pois eu não tinha um eu tinha cinco "Dangerously in Love", "Naughty Girl", "Me, Myself and I", "Baby Boy" e "Crazy in Love".[23] Desde que "Dilemma" estava concorrendo no topo da Billboard Hot 100, a direção de Beyoncé lançou "Work It Out", uma das músicas da trilha sonora de Austin Powers in Goldmember, impedi-o de possivelmente competir com o primeiro.[24]

A partir da data de lançamento original de outubro de 2002, o álbum foi lançado em dezembro do mesmo ano,[24] e até maio do ano seguinte.[25] Beyoncé gravou uma versão de "In Da Club", e serviu o seu caminho para mixtapes antes de sua data de lançamento original. O single não conseguiu dominar como um "dancefloor favorite"; Mathew Knowles, no entanto, confirmou que era apenas um "buzz cut" e não foi incluído no álbum.[26] No entanto, não ganhou airplay suficiente para aparecer nos Hot R&B/Hip-Hop Songs.[27] Enquanto Beyoncé estava encerrando o álbum, várias de suas músicas vazaram. Nos esforços para evitar que mais faixas do álbum sejam propagadas ilegalmente, além de ser uma vítima de contrabando,[15] a Columbia Records, com altas expectativas comerciais do álbum,[10] puxou o lançamento de Dangerously in Love para 24 de junho de 2003, duas semanas antes do lançamento planejado em 8 de julho.[28]

Compradores que encomendaram o álbum on-line receberam links onde puderam baixar uma música intitulada "I Can't Take No More"; a promoção durou até o lançamento do álbum.[29] Em 14 de junho de 2003, Beyoncé estreou canções do álbum durante seu primeiro concerto solo e o especial de televisão pay-per-view, a Ford Presents Beyoncé, Friends & Family, Live From Ford's 100th Anniversary Celebration em Dearborn, Michigan.[15] Na noite do lançamento do álbum, o show de Beyoncé foi transmitido em mais de vinte cinemas nos Estados Unidos.[29] Kelly Rowland, Michelle Williams, Tyrese e a irmã mais nova de Beyoncé, Solange Knowles, também se apresentou durante o show. Beyoncé também promoveu o álbum apresentando-se em programas de televisão como Saturday Night Live, Late Show with David Letterman, Today, The Early Show e The View.[18]

Em abril de 2003, a direção de Beyoncé estava escolhendo o single principal do álbum entre duas músicas. Enviado para os clubes, a música que receberia recepção positiva seria considerada o single principal.[26] Finalmente, "Crazy in Love" foi lançado como o primeiro single do álbum. Com sucesso comercial que incluiu mercados de música crossover,[30] o single passou oito semanas consecutivas no topo da Billboard Hot 100 dos EUA.[31] "Baby Boy" seguiu, e recebeu mais sucesso que "Crazy in Love". Com o seu domínio nas estações de rádio,[32] o single superou a performance do "Crazy in Love", permanecendo no topo por nove semanas consecutivas.[33] "Me, Myself and I" foi lançado como o terceiro e "Naughty Girl" como o quarto e último single;[34] embora os dois últimos lançamentos tenham alcançado apenas os cinco primeiros no Hot 100, todos alcançaram sucesso comercial imediato e ajudaram o álbum a ganhar certificações multi-platina.[35]

Beyoncé promoveu Dangerously in Love com sua turnê Dangerously in Love Tour em novembro de 2003, passando pelo Reino Unido, Irlanda e Holanda. Seu show na Wembley Arena, em Londres, Inglaterra, em 10 de novembro de 2003, foi apresentado no DVD incluído em seu álbum ao vivo, Live at Wembley, lançado em 26 de abril de 2004.

Singles[editar | editar código-fonte]

"Crazy in Love" foi lançado como o primeiro single em 18 de maio de 2003. Foi elogiado pelos críticos que a descreveram como "delirantemente cativante".[36] O single liderou o Billboard Hot 100, baseado apenas na rotação pesada.[30] Na mesma semana em que a música alcançou o número um, Dangerously in Love também liderou a Billboard 200. O substancial airplay e mais tarde as vendas no varejo de "Crazy in Love" facilitaram a dominar o gráfico,[37] subseqüentemente passando oito semanas seguidas no Hot 100,[31] tornando-se o primeiro single número um de Beyoncé em sua carreira solo. De acordo com Nielsen SoundScan, "Crazy in Love" foi a música mais baixada nos Estados Unidos por quatro semanas consecutivas em julho de 2003.[31] Também se tornou um sucesso internacional, alcançando o topo das paradas na Irlanda e no Reino Unido.[38][39]

"Baby Boy" foi lançado como o segundo single em 3 de agosto de 2003. Foi bem recebido pela crítica, que declarou ser uma "colaboração de alto nível"[40] que "preenche a lacuna entre os gêneros de R&B e dancehall."[41] Ele finalmente chegou ao Top 100.[32][42] Atingiu o primeiro lugar da parada oito semanas depois de sua estréia, e ficou lá por nove semanas consecutivas.[32][33] Atingiu o número dois no UK Singles Chart.[43]

"Me, Myself and I" foi lançado como o terceiro single do álbum em 19 de outubro de 2003. Recebeu uma resposta geralmente positiva, sendo considerada uma balada típica de R & B com um tema familiar, no qual Beyoncé canta com paixão.[44] Chegou ao top dez no Canadá e nos Estados Unidos.[45][46]

"Naughty Girl" foi lançado como o quarto single do álbum em 14 de março de 2004. A canção foi elogiada pela crítica, que citou sua vibe sensual e escreveu: "Beyoncé emprestou uma parte do clássico "Love to Love You Baby" de Donna Summer, para criar esta celebração da desobediência sensual".[47] Internacionalmente, tornou-se um hit top 10 nos Estados Unidos, Austrália, Canadá, Holanda, Nova Zelândia e Reino Unido.[48][49][50]

Recepção da crítica[editar | editar código-fonte]

Críticas profissionais
Pontuações agregadas
Fonte Avaliação
Metacritic 64/100[51]
Avaliações da crítica
Fonte Avaliação
AllMusic 4 de 5 estrelas.[36]
Blender 4 de 5 estrelas.[52]
Entertainment Weekly A−[53]
The Guardian 2 de 5 estrelas.[41]
Hot Press 7/10[54]
NME 5/10[55]
Q 3 de 5 estrelas.[51]
Rolling Stone 3 de 5 estrelas.[56]
Slant Magazine 3.5 de 5 estrelas.[57]
Vibe 3/5[58]

Dangerously in Love recebeu críticas positivas de críticos de música. No Metacritic, que atribui uma classificação normalizada de 100 a críticas da crítica mainstream, o álbum recebeu uma pontuação média de 64, com base em 16 avaliações.[51] Anthony DeCurtis da Rolling Stone viu que apresenta Beyoncé em dois estilos, um "muito mais lisonjeiro" do que o outro, e encontrou as canções orientadas para baladas no álbum menos lisonjeiro, comentando que Beyoncé tem "muito tempo" para desenvolver o estilo com maturidade que "faria sentido para ela".[56] Neil Drumming do Entertainment Weekly, comentou que o álbum valida o "gosto pela inovação" de Beyoncé. Ele também viu que a colaboração de Beyoncé com vários produtores de discos explora novos rumos na música contemporânea, fazendo mais reinvenção do que revisitando. Como a crítica de DeCurtis, no entanto, Drumming apontou que "a maioria dos erros do disco" está em sua parte final.[53] Sal Cinquemani, da revista Slant, escreveu que "[Beyoncé] tem mais espaço para experimentar vocalmente como artista solo, explorando registros mais suaves e ensaiando a persona coquete que foi apenas sugerida nas faixas de Destiny's Child como 'Bootylicious.'".[57] Steve Jones do USA Today, declarou: "Beyoncé consegue mostrar maior profundidade como compositora e mais ampla gama como cantora".[59] Ben Ratliff do Blender elogiou o desempenho de Beyoncé e declarou: 'Ela está jogando o caçador legal, mas cobrindo as bases com arranjos seráficos de múltiplas vozes. Seu alcance é notável'.[52] Mark Anthony Neal da PopMatters, o chamou de "salto artístico" e escreveu que "encontra a Sra. B no meio de uma feminilidade completamente florescente e fazendo o melhor canto de sua carreira".[40]

Em uma crítica mista, Jason King , da revista Vibe, disse que o álbum ocasionalmente "parece desesperado para alcançar todos os grupos demográficos".[58] Escrevendo no The New York Times, Kelefa Sanneh sentiu que sentia falta das harmonias que Beyoncé tinha nos discos de Destiny's Child e que ela é mais eficaz "quando ela tem uma legião atrás dela".[17] Rob Fitz patrick da NME, chamou isso de "um cruel vislumbre de um talento que ocasionalmente brilha, mas é frustrantemente inconsistente".[55] Uncut chamou suas baladas de "autopiedade / auto-mitificação", enquanto Q declarou: "Ela tem boas canções, mas não tem ótimas canções". a escritora Natalie Nichols expressou que "demonstra finesse vocal [...] Mas, especialmente nas baladas, [Beyoncé], muitas vezes arrasta as coisas com acrobacias diva".[60] Adam Sweeting do The Guardian, escreveu que 'o desejo desesperado para cobrir cada base musical de dancefloor a balada soul, significa que há apenas uma faixa aqui com qualquer identidade distinta ou mesmo uma melodia'.[41] Em seu guia do consumidor para The Village Voice, Robert Christgau citou "Yes" e "Baby Boy" como os destaques do álbum e comentou, "Dangerously In Love... com seu pai, o conteúdo bônus revela - como se nós não soubesse".[61] Ele deu ao álbum uma menção honrosa de uma estrela,[62] indicando "um esforço digno que os consumidores sintonizados com sua estética dominante ou visão individual possam gostar".[63] Em uma revisão retrospectiva, o editor da AllMusic, Stephen Thomas Erlewine, comentou que "o primeiro semestre é bom o suficiente para tornar Dangerously in Love um dos melhores álbuns urbanos de R&B lançados em 2003, e faz um forte argumento de que Beyoncé poderia ser melhor". cumprindo este destino em vez de se reunir com o Destiny".[36]

Conquistas[editar | editar código-fonte]

Disambig grey.svg Nota: Para obter uma lista completa de prêmios e indicações recebidas por Beyoncé Knowles, veja Lista de prêmios e indicações recebidos por Beyoncé.

Dangerously in Love e seus singles deram a Beyoncé inúmeros prêmios e indicações. Beyoncé foi reconhecida como Nova Artista Feminina e Nova Artista de R&B, entre os quatro prêmios que ganhou durante o Billboard Music Awards de 2003.[64] No American Music Awards de 2003, o álbum foi indicado na categoria de Álbum de soul/R&B.[65] Ele também recebeu uma indicação na categoria de Melhor Álbum no MOBO Awards de 2003.[66] No Grammy Awards de 2004, Beyoncé ganhou o prêmio de Melhor Álbum de R&B contemporâneo junto com outros quatro prêmios pelas músicas do álbum.[67] Com esse feito, ela empatou com Alicia Keys, Norah Jones, e Lauryn Hill para a maioria dos prêmios Grammy conquistados por uma artista feminina em uma noite.[68] No Brit Awards de 2004, o álbum foi indicado na categoria de Melhor Álbum Internacional, mas perdeu para o Justified de Justin Timberlake. No entanto, a cantora ganhou na categoria Artista Solo Internacional Feminino.[69] Dangerously in Love também foi indicado na categoria de Melhor Álbum no MTV Europe Music Awards de 2004.[70]

A milésima edição da Entertainment Weekly, que celebrou "os novos clássicos" na indústria do entretenimento no período de 1983 a 2008, classificou Dangerously in Love décimo nono na lista "Top 100 dos melhores álbuns dos últimos 25 anos".[71] O álbum também ficou em número cento e oitenta e três na lista "200 álbuns definitivos que moldaram o Rock and Roll" de acordo com o Rock and Roll Hall of Fame.[72] O álbum ficou em décimo segundo na "Gravação do Ano", pela revista The Face,[73] quinquagésimo oitavo no Village Voice na lista "Pazz + Jop 2003",[74] Vibe dos '150 álbuns que definem o Vibe'.[75] Uma pesquisa pública da MTV Base em 2009 colocou o álbum no número cinquenta e oito da lista "Greatest Albums Ever".[76]

Desempenho comercial[editar | editar código-fonte]

Dangerously in Love estreou em primeiro lugar na tabela na Billboard 200, com vendas de 317.000 cópias de acordo com a Nielsen SoundScan.[77] Na sua segunda semana o álbum caiu para o número dois com 183.000 vendidos, atrás do Chapter II de Ashanti. Embora as vendas da primeira semana do álbum não coincidam com a de Survivor, que vendeu 663.000 unidades em sua estréia em 2001, Beyoncé teve o maior desempenho de um álbuns solo de uma integrante do Destiny's Child: Rowland vendeu 77.000 cópias de Simply Deep enquanto Williams vendeu 17.000 cópias de Heart to Yours na sua semana mais forte.[77] O álbum foi certificado de platina quádrupla pela Recording Industry Association of America (RIAA).[78] Dangerously in Love continua sendo o álbum mais vendido de Beyoncé até hoje,[79] com vendas acumuladas de cinco milhões de cópias nos Estados Unidos em junho de 2016.[80][81]

Internacionalmente, Dangerously in Love teve uma recepção comercial semelhante. Em 12 de julho de 2003, Beyoncé tornou-se a primeira artista feminina (e a quinta artista de todos os tempos) a liderar os singles - com "Crazy in Love" - e álbuns ao mesmo tempo nos Estados Unidos e no Reino Unido, seguindo os Beatles, Simon & Garfunkel, Rod Stewart e Men at Work.[82] Em junho de 2011, o álbum havia vendido mais de 1.150.000 cópias no Reino Unido,[83] e a British Phonographic Industry (BPI), já certificou o álbum com platina quádruplo para vendas de mais de 1,2 milhão de unidades.[84] Dangerously in Love foi o décimo quinto álbum mais vendido de 2003 no Reino Unido,[85] e é o segundo álbum mais vendido de Beyoncé no país.[86] Na Austrália, alcançou o número dois; o álbum foi certificado como platina tripla pela Australian Recording Industry Association (ARIA) para vendas de 210.000 cópias.[87] Em 2003, Dangerously in Love foi o quinquagésimo primeiro álbum mais vendido na Austrália, e o setenta e quatro no ano seguinte.[88][89] A partir de 2011, o álbum vendeu mais de onze milhões de cópias em todo o mundo.[2]

Impacto e legado[editar | editar código-fonte]

Com o lançamento de Dangerously in Love e o sucesso comercial combinado de seus singles, Beyoncé se estabeleceu como uma artista solo estável. Rebecca Louie do New York Daily News, escreveu que o sucesso de Dangerously in Love trouxe Beyoncé em uma "estrela solo sensual" que "floresceu a partir de um grupo feminino", referindo-se ao Destiny's Child.[7] O álbum também facilitou que ela se tornasse uma das artistas mais vendáveis do setor.[16] Ela apareceu na capa de várias revistas, convidada a TV para promoções e assinou acordos comerciais lucrativos.[14] Beyoncé assinou com a PepsiCo, um fabricante de bebidas conglomerado, em 2003, e apareceu em vários comerciais de TV para seus produtos.[11]

A saída criativa das sessões para Dangerously in Love deixou várias faixas prontas para outro álbum.[6][90] No final de 2003, Beyoncé planejava lançar um álbum de acompanhamento que incluiria músicas que sobraram de Dangerously in Love.[91] O movimento foi solicitado quando uma colaboração de P. Diddy chamada "Summertime", uma faixa que sobrou do álbum, foi enviada para estações de rádio e recebeu uma resposta favorável.[92]

Enquanto isso, o sucesso do álbum incitou o público a acreditar que ele sinaliza que o futuro do Destiny's Child estava incerto, assim como o cantor pop Justin Timberlake "não quis retornar ao 'N Sync depois de experimentar sucesso solo".[6] No entanto, Beyoncé disse que seus projetos paralelos eram apenas "um breve desvio no rolo compressor que se tornou o Destiny's Child".[14] Como o tempo não permitiu, as aspirações musicais de Beyoncé foram colocadas em hiato para ela se concentrar em sua performance no Super Bowl, onde ela foi escalada para cantar o hino nacional dos EUA, e a gravação do quarto álbum do Destiny's Child Destiny Fulfilled;[6][90] o grupo finalmente se desmembrou em 2006.

Após a separação formal do grupo, Beyoncé gravou e lançou seu segundo álbum B'Day em seu vigésimo quinto aniversário em 4 de setembro de 2006. O álbum deu a Beyoncé seu segundo lugar nos Estados Unidos, e suas vendas na semana de estréia excederam a de Dangerously. Apaixonado , o primeiro vendeu 541.000 unidades.[93] Apesar do desempenho comercial médio dos dois primeiros singles do álbum - nenhum dos quais atingiu o pico da Billboard Hot 100 - sua "bela estreia" foi notada por Keith Caulfield da Billboard, como tendo gerado "por boa vontade obtida com o desempenho de o primeiro álbum de Beyoncé".[94]

Lista de faixas[editar | editar código-fonte]

Edição padrão[95]
N.º TítuloCompositor(es)Produtor(es) Duração
1. "Crazy in Love" (com Jay-Z)Beyoncé Knowles, Rich Harrison, Shawn Carter, Eugene RecordHarrison, Beyoncé 3:56
2. "Naughty Girl"  Knowles, Scott Storch, Robert Waller, Angela Beyincé, Pete Belotte, Giorgio Moroder, Donna SummerStorch, Beyoncé 3:29
3. "Baby Boy" (com Sean Paul)Knowles Sean Paul Henriques, Waller, CarterStorch, Beyoncé 4:05
4. "Hip Hop Star" (com Big Boi e Sleepy Brown)Knowles, Bryce Wilson, Makeda Davis, Antwan Patton, CarterWilson, Beyoncé 3:43
5. "Be With You"  Knowles, Harrison, Beyoncé, Shuggie Otis, George Cliton, Jr., William Collins, Gary CooperHarrison, Beyoncé 4:20
6. "Me, Myself and I"  Knowles, Storch, WallerStorch, Beyoncé 5:01
7. "Yes"  Knowles, Bernard Edwards, Jr., CarterFocus..., Beyoncé 4:19
8. "Signs" (com Missy Elliott)Melissa Elliott, Nisan Stewart, Craig BrockmanElliott, Brockman*, Stewart* 4:58
9. "Speechless"  Knowles, Andreao Heard, Sherrod Barnes, BeyoncéAdreao "Fanatic" Herad, Barnes, Beyoncé 6:00
10. "That's How You Like It" (com Jay-Z)Delroy "D-Roy" Andrews, Brian Bridgeman, Carter, Randy DeBarge, Eldra DeBarge, Etterlene JordanD-Roy, Mr. B, Beyoncé 3:39
11. "The Closer I Get to You" (dueto com Luther Vandross)James Mtume, Reggie LucasNat Adderley, Jr. 4:58
12. "Dangerously in Love 2"  Knowles, Errol McCalla, Jr.Errol "Poppi" McCalla, Jr., Beyoncé 4:53
13. "Beyoncé Interlude"  KnowlesBeyoncé 0:16
14. "Gift from Virgo"  Knowles, Shuggie OtisBeyoncé 2:45
15. "Daddy" (faixa escondida)Knowles, Mark BatsonBatson, Beyoncé 4:57
Duração total:
60:52

Prêmios[editar | editar código-fonte]

Ano Prêmio Nomeação Categoria Resultado
2004 BRIT Awards[100] Dangerously In Love Best International Female Solo Artist Venceu
BET Awards[101] "Crazy in Love" (com Jay-Z) Best Female R&B Artist Venceu
Best Collaboration Venceu
Grammy Awards[102][103]
Record of the Year Indicado
Best Rap/Sung Collaboration Venceu
Best R&B Song Venceu
"Dangerously In Love 2" Best Female R&B Vocal Performance Venceu
Dangerously In Love Best Contemporary R&B Album Venceu
"The Closer I Get to You" (com Luther Vandross) Best R&B Performance by a Duo or Group with Vocal Venceu
2003 International Dance Music Awards[104] "Crazy in Love" (com: Jay-Z) Best R&B/Urban Dance Track Venceu
MTV Music Video Awards[105] Best Female Video Venceu
Best R&B Video Venceu
Best Choreography Venceu
Viewer's Choice Indicado
2004 "Naughty Girl" Best Female Video Venceu
2003 MTV Europe Music Awards[106] "Crazy in Love" (com: Jay-Z) Best R&B Song Venceu
Best Song of the year Venceu
2004 MTV Video Music Awards Japan[107] Best Collaboration Venceu
ASCAP Pop Music Awards[108][109] Most performed song Venceu
2005 "Baby Boy" (com: Sean Paul) Venceu
"Me, Myself and I" Venceu
Songwriter of the Year Indicado
"Naughty Girl" Venceu
Most performed song Venceu
2004 Soul Train Music Awards"[110] Dangerously In Love Best R&B/Soul Album Venceu
Nickelodeon Kids' Choice Awards[111] "Crazy in Love" (com Jay-Z) Favorite Female Performer Venceu
2003 "Vibe Awards"[112] Coolest Collaboration Venceu

Precessão e sucessão[editar | editar código-fonte]

Créditos[editar | editar código-fonte]

Lista-se abaixo os profissionais envolvidos na elaboração de Dangerously in Love, de acordo com encarte do álbum:

Desempenho nas tabelas musicais[editar | editar código-fonte]

Singles[editar | editar código-fonte]

Ano Single Melhor posição Certificações
EUA
[113]
EUA Dance
[113]
AUS
[114]
AUT
[115]
CAN
[113]
FRA
[116]
GER
[117]
NZ
[118]
SWI
[119]
UK
[120]
2003 "Crazy in Love" 1 1 2 8 2 21 6 2 3 1

"Baby Boy" 1 2 3 18 8 2 5 2

"Me, Myself and I" 4 3 11 51 7 35 18 41 11

2004 "Naughty Girl" 3 1 9 29 2 18 16 6 18 10

"—" denotas não entrou na tabela musical do país.

Posições[editar | editar código-fonte]

Vendas e certificações[editar | editar código-fonte]

Região Certificação Vendas/distribuição
Argentina (CAPIF)[184] Platina 40,000^
Alemanha (BVMI)[185] Platina 200,000^
Austrália (ARIA)[87] 3× Platina 210,000^
Áustria (IFPI Austria)[186] Ouro 15,000*
Bélgica (BEA)[187] Ouro 25,000^
Canadá (Music Canada)[188] Platina 100,000^
Espanha (PROMUSICAE)[189] Ouro 50,000^
EUA (RIAA)[78] 4× Platina 5,000,000[80]^
França (SNEP)[190] 2× Ouro 280,000*
Grécia (IFPI Grécia)[191] Ouro 10,000^
Hong Kong (IFPI Hong Kong)[192] Ouro 7,500*
Japão (RIAJ)[193] Ouro 100,000^
Noruega (IFPI Noruega)[194] Ouro 20,000*
Nova Zelândia (RMNZ)[195] Platina 15,000^
Reino Unido (BPI)[84] 4× Platina 1,200,000^
Rússia (NFPF)[196] Platina 20,000*
Suécia (GLF)[197] Ouro 30,000^
Suíça (IFPI Suíça)[198] Platina 40,000^
Resumos
Europa[199] Platina 1,000,000
Mundo 11,000,000[2]

^distribuições baseadas apenas na certificação
*números de vendas baseados somente na certificação

Histórico de lançamento[editar | editar código-fonte]

Lista de datas de lançamento, mostrando a região, formato (s), etiqueta (s) e referência (s).
País Data Edição Formato Gravadora(s) Referência(s)
Dinamarca 23 de junho de 2003 (2003-06-23) Standard Sony Music [200]
Finlândia [201]
França [202][203][204]
Noruega [205]
Suécia [206][207]
Reino Unido RCA [208][209][210]
Argentina 24 de junho de 2003 (2003-06-24) Sony Music [211]
Brasil [212][213]
Canada [214][215]
Mexico [216][217]
Nova Zelândia [218]
Portugal [219]
África do Sul [220]
EUA
  • CD
  • digital download
  • LP
[221][95]
Japão 25 de junho de 2003 (2003-06-25)
  • CD
  • digital download
Sony Music [222][223]
Austrália 27 de junho de 2003 (2003-06-27) [224][225]
Alemanha [226][227][204]
Itália [228][229][204]
Taiwan 3 de julho de 2003 (2003-07-03) Special [230]
Hong Kong 7 de julho de 2003 (2003-07-07) [231]

Referências

  1. «Dangerously in Love – Beyoncé». AllMusic. 26 de abril de 2016. Consultado em 16 de junho de 2016. 
  2. a b c Chandler, D. L. «Jay-Z And Beyoncé Celebrate Three Years Of Wedded Bliss». MTV Rapfix. Viacom. Consultado em 29 de setembro de 2012. 
  3. a b c d Moss, Corey. «Beyoncé: Genuinely In Love – Part 1» (em inglês). MTV News. MTV Networks. Consultado em 9 de maio de 2008. 
  4. vanHorn, Teri (8 de dezembro de 2000). «Destiny's Child Solo CDs Won't Compete With Group, Each Other» (em inglês). MTV News. MTV Networks. Consultado em 24 de abril de 2008. 
  5. «Kelly Rowland pursues her own destiny» (em inglês). CNN. Turner Broadcasting System. 13 de janeiro de 2003. Consultado em 22 de maio de 2008. 
  6. a b c d e f g Kaufman, Gil (13 de junho de 2005). «Destiny's Child's Long Road To Fame (The Song Isn't Called 'Survivor' For Nothing)» (em inglês). MTV News. MTV Networks. Consultado em 24 de abril de 2008. 
  7. a b Louie, Rebecca (6 de agosto de 2007). «Crazy in love with Beyonce». Daily News (em inglês). Daily News, L.P. Consultado em 8 de maio de 2008. 
  8. Garfield, Simon. «Uh-oh! Uh-oh! Uh-oh!». The Guardian. Guardian Media Group. Consultado em 29 de setembro de 2012. 
  9. a b Beyoncé, Beyoncé (2003). The Making of Dangerously in Love. Columbia Records 
  10. a b c d e f Tyrangiel, Josh. «Destiny's Adult – Part 1». Time. Time Inc. Consultado em 29 de setembro de 2012. 
  11. a b c d e f g h i «Beyoncé's debut Album, Dangerously in Love,». Thread. Consultado em 29 de setembro de 2012. 
  12. a b c d e f g Moss, Corey. «Beyoncé: Genuinely In Love – Part 2». MTV News. MTV Networks. Consultado em 29 de setembro de 2012. 
  13. a b Moss, Corey. «Beyonce Working It With Missy Elliott On Solo Album – Music, Celebrity, Artist News». MTV News. MTV Networks. Consultado em 29 de setembro de 2012. 
  14. a b c «Beyonce looms as next J-Lo». The Sydney Morning Herald. Fairfax Media. Associated Press. Consultado em 29 de setembro de 2012. 
  15. a b c Moss, Corey. «Beyonce Pushes Up Release Date Of Solo Debut». MTV News. MTV Networks. Consultado em 29 de setembro de 2012. 
  16. a b Ogunnaike, Lola. «Beyoncé's Second Date With Destiny's Child». The New York Times. The New York Times Company. Consultado em 29 de setembro de 2012. 
  17. a b Sanneh, Kelefa. «MUSIC; The Solo Beyoncé: She's No Ashanti – Part 1». The New York Times. The New York Times Company. Consultado em 29 de setembro de 2012. 
  18. a b Moss, Corey. «Beyonce Smitten By Triplets, Hungry Unknowns At Dance Audition». MTV News. MTV Networks. Consultado em 29 de setembro de 2012. 
  19. a b Reid, Shaheem. «Destiny's Child Attack The Movies, Broadway; Plan New Album». MTV News. MTV Networks. Consultado em 29 de setembro de 2012. 
  20. Touré. «Scott Storch's Outrageous Fortune». Rolling Stone. Wenner Media. Consultado em 29 de setembro de 2012. 
  21. «Beyoncé: Biography – Part 1». People. Time Inc. Consultado em 29 de setembro de 2012. 
  22. Tyrangiel, Josh. «Destiny's Adult». Time. Time Inc. Consultado em 29 de setembro de 2012. 
  23. Simpson, Oli. «Beyoncé: 'My first LP was nearly scrapped'». Digital Spy. Hachette Filipacchi Médias. Consultado em 29 de setembro de 2012. 
  24. a b Moss, Corey. «Nelly Hit Forces Change In Plans For Destiny's Child LPs». MTV News. MTV Networks. Consultado em 29 de setembro de 2012. 
  25. Kaufman, Gil. «Jigga Who? Beyonce Shares Fantasies With Sean Paul On 'Bonnie & Clyde' Sequel». MTV News. MTV Networks. Consultado em 29 de setembro de 2012. 
  26. a b Reid, Shaheem. «Beyonce's First Solo Single Will Be A Club Banger». MTV News. MTV Networks. Consultado em 29 de setembro de 2012. 
  27. Todd, Martens. «50 Cent Dominates Major Billboard Charts». Billboard. Prometheus Global Media. Consultado em 29 de setembro de 2012. 
  28. Susman, Gary. «'Anger' Management». Entertainment Weekly. Time Inc. Consultado em 29 de setembro de 2012. 
  29. a b Moss, Corey. «Beyonce Says 'I Can't Take It No More' To Fans, Will Sing In Movie Theaters». MTV News. MTV Networks. Consultado em 29 de setembro de 2012. 
  30. a b Martens, Todds. «Beyoncé Dominates Billboard Charts». Billboard. Prometheus Global Media. Consultado em 29 de setembro de 2012. 
  31. a b c Martens, Todds. «Beyoncé, Jay-Z: 'Crazy' As Ever». Billboard. Prometheus Global Media. Consultado em 29 de setembro de 2012. 
  32. a b c Martens, Todd. «'Baby' Kicks 'Tailfeather' From Chart Roost». Billboard. Prometheus Global Media. Consultado em 29 de setembro de 2012. 
  33. a b Martens, Todd. «'Stand Up' Ends 'Baby Boy' Reign». Billboard. Prometheus Global Media. Consultado em 29 de setembro de 2012. 
  34. Patel, Joseph. «Beyonce Dances, Flirts With Usher In 'Naughty Girl' Video». MTV News. MTV Networks. Consultado em 29 de setembro de 2012. 
  35. Stacy-Deanne; Kelly Kenyatta; Natasha Lowery (2005). Alicia Keys, Ashanti, Beyonce, Destiny's Child, Jennifer Lopez & Mya: Divas of the New Millennium. [S.l.]: Amber Books Publishing. pp. 60–61. ISBN 0-9749779-6-9. Consultado em 29 de setembro de 2012. 
  36. a b c Erlewine, Stephen Thomas. [[[:Predefinição:AllMusic]] «Review: Dangerously in Love»] Verifique valor |url= (ajuda). AllMusic. Rovi Corporation. Consultado em 29 de setembro de 2012. 
  37. Martens, Todds. «Beyoncé, Jay-Z Go Chart 'Crazy'». Billboard. Prometheus Global Media. Consultado em 29 de setembro de 2012. 
  38. «Discography Beyoncé». Irish Singles Chart. Hung Medien. Consultado em 29 de setembro de 2012. 
  39. Sexton, Paul. «Bedingfield Bounces Beyoncé On U.K. Charts». Billboard. Prometheus Global Media. Consultado em 29 de setembro de 2012. 
  40. a b Neal, Mark Anthony. «Beyoncé: Dangerously in Love». PopMatters. Consultado em 29 de setembro de 2012. 
  41. a b c «Review: Dangerously in Love». The Guardian. Guardian Media Group. Consultado em 29 de setembro de 2012. 
  42. Martens, Todd. «'Tailfeathers' Still Shakin' Singles Chart». Billboard. Prometheus Global Media. Consultado em 29 de setembro de 2012. 
  43. «Chart Stats – Chart For Week Up To 18/10/2003». Chart Stats. Official Charts Company. Consultado em 29 de setembro de 2012. 
  44. D, Spence. «Dangerously In Love – Music Review». IGN. News Corporation. Consultado em 29 de setembro de 2012. 
  45. «Beyonce Album & Song Chart History». Canadian Hot 100. Prometheus Global Media. Consultado em 29 de setembro de 2012. 
  46. «Hot 100 – Week of February 21, 2004». Billboard. Prometheus Global Media. Consultado em 29 de setembro de 2012. 
  47. Lamb, Bill. «Top 100 Pop Songs of the 2000s». About.com. The New York Times Company. Consultado em 29 de setembro de 2012. 
  48. «Hot 100 – Week of June 05, 2004». Billboard. Prometheus Global Media. Consultado em 29 de setembro de 2012. 
  49. «Beyoncé – Charts & Awards – Billboard Singles». Allmusic. Rovi Corporation 
  50. «Beyoncé – Naughty Girl (song)». Ultratop. Hung Medien. Consultado em 29 de setembro de 2012. 
  51. a b c «Dangerously In Love Reviews, Ratings, Credits, and More». Metacritic. CBS Interactive. Consultado em 29 de setembro de 2012. 
  52. a b Ratliff, Ben. «Dangerously in Love». Alpha Media Group. Blender. Consultado em 29 de setembro de 2012. 
  53. a b Drumming, Neil. «Dangerously in Love (2003) – Beyonce Beyoncé». Entertainment Weekly. Time Inc. Consultado em 29 de setembro de 2012. 
  54. Porcelli, Kim. «Dangerously in Love». Hot Press. Consultado em 29 de setembro de 2012. 
  55. a b Fitzpatrick, Rob. «Beyonce:Dangerously In Love». NME. IPC Media. Consultado em 29 de setembro de 2012. 
  56. a b DeCurtis, Anthony. «Dangerously in Love: Album Reviews». Rolling Stone. Wenner Media. Consultado em 29 de setembro de 2012. 
  57. a b Cinquemani, Sal. «Beyoncé: Dangerously in Love». Slant Magazine. Consultado em 29 de setembro de 2012. 
  58. a b King, Jason. "Beyoncé: Dangerously in Love". Vibe. Vibe Media: 150. August 2003.
  59. Jones, Steve. "Beyonce 'Dangerously' dolo". USA Today. Gannett Company: D.06. June 24, 2003. (Transcription of original review at talk page)
  60. Nichols, Natalie. «So, what's so dangerous about Beyonce's disc?». Los Angeles Times. Tribune Company. Consultado em 29 de setembro de 2012. 
  61. Christgau, Robert. «Consumer Guide: Rousing Constituencies». The Village Voice. New York. Consultado em 29 de setembro de 2012. 
  62. Christgau, Robert. «Album: Beyoncé: Dangerously in Love». Robert Christgau. Consultado em 29 de setembro de 2012. 
  63. Christgau, Robert (2000). «Key to Icons». Robert Christgau. Consultado em 29 de setembro de 2012. 
  64. «Kelly and Beyoncé dominate awards». BBC News. BBC. Consultado em 29 de setembro de 2012. 
  65. «2003 AMA Awards Nominees». Billboard. Consultado em 29 de setembro de 2012. 
  66. «Mobo Awards 2003: The nominees». BBC. Consultado em 29 de setembro de 2012. 
  67. «Beyonce tops with five Grammys». CNN. Turner Broadcasting System. Consultado em 29 de setembro de 2012. 
  68. Silverman, Stephen. «Much Grammy 'Love' for Beyoncé, OutKast». People. Time Inc. Consultado em 29 de setembro de 2012. 
  69. «Brits 2004: The winners». BBC News. BBC. Consultado em 29 de setembro de 2012. 
  70. Montgomery, James. «Outkast, Usher Top Nominees at MTV Europe Music Awards». MTV News. Consultado em 29 de setembro de 2012. 
  71. «The New Classics: Music». Entertainment Weekly. Time Inc. Consultado em 29 de setembro de 2012. 
  72. «Definitive 200». RochHall. Consultado em 29 de setembro de 2012. 
  73. «The Face Recordings of the Year 2003», The Face, consultado em 29 de setembro de 2012. 
  74. «Pazz Jop 2003 Lists», Village Voice, consultado em 29 de setembro de 2012. 
  75. «The 150 Albums that Define the Vibe Era», Vibe, consultado em 29 de setembro de 2012. 
  76. «MTV Base – Greatest Albums Ever», MTV, consultado em 29 de setembro de 2012. [ligação inativa] 
  77. a b Todd, Martens. «Beyonce, Branch Albums Storm The Chart». Billboard. Prometheus Global Media. Consultado em 29 de setembro de 2012. 
  78. a b «Certificações (Estados Unidos) (álbum) – Beyoncé – Dangerously in Love» (em inglês). Recording Industry Association of America  Se necessário, clique em Advanced, depois clique em Format, e seleccione Album, e clique em SEARCH.
  79. Grein, Paul. «Chart Watch Extra: The Top 20 New Acts Of The 2000s». Chart Watch. Yahoo! Music. Consultado em 29 de setembro de 2012. 
  80. a b Caulfield, Keith. «Beyoncé's 'Dangerously in Love' Album Surpasses 5 Million Sold in U.S.». Billboard. Consultado em 29 de setembro de 2012. 
  81. Cauldfield, Keith. «Beyonce Scores Her Sixth Million-Selling Album in U.S. With 'Lemonade'». Consultado em 29 de setembro de 2012. 
  82. Sexton, Paul. «Beyonce Tops U.K. Album, Singles Charts». Billboard. Prometheus Global Media. Consultado em 29 de setembro de 2012. 
  83. Jones, Alan. «Beyonce's 4 wins the album chart numbers game». Music Week. United Business Media. Consultado em 29 de setembro de 2012. 
  84. a b «Certificações (Reino Unido) (álbum) – Beyoncé – Dangerously in Love» (em inglês). British Phonographic Industry 
  85. «2003 UK Albums Chart» (PDF). ChartsPlus. Consultado em 29 de setembro de 2012. 
  86. «The Official Beyoncé and Destiny's Child Top 40 Revealed!». Official Charts Company. Consultado em 29 de setembro de 2012. 
  87. a b «ARIA Charts – Accreditations – 2011 Albums». Australian Recording Industry Association 
  88. a b «ARIA Charts – End Of Year Charts – Top 100 Albums 2003». Australian Recording Industry Association. Consultado em 8 de março de 2011. 
  89. a b «ARIA Charts – End Of Year Charts – Top 100 Albums 2004». Australian Recording Industry Association. Consultado em 29 de setembro de 2012. 
  90. a b Patel, Joseph. «Beyonce Puts Off Second Solo LP To Reunite Destiny's Child». MTV News. MTV Networks. Consultado em 6 de Março de 2010. 
  91. Moss, Corey. «Another Beyonce Solo LP Due Before Destiny's Child Reunite». MTV News. MTV Networks. Consultado em 6 de Março de 2010. 
  92. Hall, Rashaun. «Beyoncé Barrels Ahead On Next Album». Billboard. Prometheus Global Media. Consultado em 6 de Março de 2010. 
  93. Caulfield, Keith. «Beyonce Notches 4th Billboard 200 No. 1 with '4'». Billboard. Prometheus Global Media. Consultado em 6 de Março de 2010. 
  94. Caulfield, Keith. «Lady Gaga and Beyonce: Do New Singles' Soft Numbers Spell Trouble for Their Albums?». Billboard. Prometheus Global Media. Consultado em 6 de Março de 2010. 
  95. a b «Dangerously In Love by Beyoncé on Apple Music – iTunes». US iTunes Store. Apple Inc. Consultado em 16 de Novembro de 2017. 
  96. «Dangerously in Love (Import Bonus Tracks)». Allmusic. Consultado em 6 de Março de 2010. 
  97. «Beyoncé – Dangerously In Love (CD, Album) at Discogs». Discogs. Consultado em 6 de Março de 2010. 
  98. «Dangerously in Love (Japan Bonus Tracks)». Allmusic. Consultado em 6 de Março de 2010. 
  99. «Dangerously in Love Asian Special Edition Taiwan Version». YesAsia. Consultado em 6 de Março de 2010. 
  100. «Brits 2004: The winners». BBC News. 17 de fevereiro de 2004 
  101. «Beyonce, Jay-Z Reign At BET Awards». CBS News. 30 de junho de 2004 
  102. «Beyonce Knowles biography, information, news, pics (pictures), links and products (music)». Popstarsplus.com. Consultado em 24 de outubro de 2010. 
  103. «Beyonce tops with five Grammys». CNN. 8 de fevereiro de 2004 
  104. «Winter Music Conference - 19th Annual International Dance Music Awards». Dancemusic.about.com. 11 de junho de 2010. Consultado em 24 de outubro de 2010. 
  105. «MTV Video Music Awards | Show Highlights, Winners, Performers, Hosts and More From Past Video Music Awards». MTV.com. Consultado em 24 de outubro de 2010. 
  106. «MTV Europe Music Awards: The winners». BBC News. 6 de novembro de 2003 
  107. «音楽のことならMTVJAPAN.com | 邦楽・洋楽・イベントなどの音楽エンターテイメント». Mtvjapan.com. 13 de outubro de 2010. Consultado em 24 de outubro de 2010. 
  108. «ASCAP 2004 Pop Music Awards». Ascap.com. Consultado em 24 de outubro de 2010. 
  109. «ASCAP 2005 Pop Music Awards: Winners List». Ascap.com. Consultado em 24 de outubro de 2010. 
  110. «2004 Soul Train Music Awards». Metrolyrics. 20 de março de 2004. Consultado em 24 de outubro de 2010. 
  111. «Who Won Nickelodeon Kids Choice Awards in 2004?». Whowonwhen.com. 3 de abril de 2004. Consultado em 24 de outubro de 2010. 
  112. «The 411/2003 Vibe Awards». The411online.com. Consultado em 24 de outubro de 2010. 
  113. a b c «Beyoncé > Charts & Awards > Billboard Singles». Allmusic. Rovi Corporation. 2003–2010. Consultado em 8 de março de 2011. 
  114. «Beyoncé Singles Discography». Australian Recording Industry Association. Hung Medien. Consultado em 8 de março de 2011. 
  115. «Beyoncé Singles Discography». Ö3 Austria Top 40. Hung Medien. Consultado em 8 de março de 2011. 
  116. «Beyoncé Singles Discography». Syndicat National de l'Édition Phonographique. Hung Medien. 2003–2010. Consultado em 8 de março de 2011. 
  117. «Beyoncé Singles Discography». Media Control Charts. Musicline.de. 2002–2010. Consultado em 8 de março de 2011. 
  118. «Beyoncé Singles Discography». Recording Industry Association of New Zealand. Hung Medien. Consultado em 8 de março de 2011. 
  119. «Beyoncé Singles Discography». Swiss Music Charts. Hung Medien. 1999–2010. Consultado em 8 de março de 2011. 
  120. «Beyoncé Singles Discography». The Official Charts Company. Consultado em 8 de março de 2011.. Cópia arquivada em 27 de maio de 2012 
  121. «ARIA Charts - Accreditations - 2003 Singles». Australian Recording Industry Association. Consultado em 8 de março de 2011. 
  122. «New Zealand Portal». Recording Industry Association of New Zealand. Consultado em 8 de março de 2011. 
  123. «Beyoncé – Crazy in Love». Recording Industry Association of America. 22 de outubro de 2004. Consultado em 8 de março de 2011. 
  124. «Certified Awards Search». British Phonographic Industry. Consultado em 8 de março de 2011. 
  125. «ARIA Charts – Accreditations – 2003 Singles». Australian Recording Industry Association. Consultado em 8 de março de 2011. 
  126. «Gold and Platinum». Recording Industry Association of America. Consultado em 8 de março de 2011. 
  127. «Gold and Platinum». Recording Industry Association of America. Consultado em 8 de março de 2011. 
  128. «ARIA Charts - Accreditations - 2004 Singles». Australian Recording Industry Association. Consultado em 8 de março de 2011. 
  129. «Top 40 Singles». Recording Industry Association of New Zealand. Consultado em 8 de março de 2011. 
  130. «Gold and Platinum : Naughty Girl - Beyoncé». Recording Industry Association of America. Consultado em 8 de março de 2011. 
  131. «Musicline.de – Chartverfolgung – Beyonce – Dangerously In Love». Media Control (em German). PhonoNet GmbH. Consultado em 8 de março de 2011. 
  132. «Beyoncé – Dangerously In Love». Ultratop. Hung Medien. Consultado em 8 de março de 2011. 
  133. Beyoncé - Dangerously in Love (em alemão). Austriancharts.at. Hung Medien.
  134. Beyoncé – Dangerously in Love (em holandês). Ultratop.be. Hung Medien.
  135. Beyoncé – Dangerously in Love (em francês). Ultratop.be. Hung Medien.
  136. Gráfico ilegal entrouall «Dangerously in Love – Beyoncé» Verifique valor |url= (ajuda). Billboard. Prometheus Global Media. Consultado em 8 de março de 2011. 
  137. Beyoncé – Dangerously in Love (em dinamarquês). Danishcharts.com. Hung Medien.
  138. «Scottish Albums Chart: 29 June 2003- 05 July 2003». Official Charts Company. Consultado em 8 de março de 2011. 
  139. Sexton, Paul. «Bedingfield Bounces Beyonce On U.K. Charts». Billboard. Prometheus Global Media. Consultado em 8 de março de 2011. 
  140. Beyoncé Album & Song Chart History (em inglês). Billboard 200 para Beyoncé. Prometheus Global Media.
  141. Beyoncé Album & Song Chart History (em inglês). Billboard Top R&B/Hip Hop Albums para Beyoncé. Prometheus Global Media.
  142. Beyoncé – Dangerously in Love (em inglês). Finnishcharts.com. Hung Medien.
  143. Beyoncé – Dangerously in Love (em francês). Lescharts.com. Hung Medien.
  144. «Top 50 Albums – 31 -5/6» (em Greek). IFPI Greece. Consultado em 8 de março de 2011. 
  145. «Top 40 album- és válogatáslemez-lista – 2003. 37. hét» (em Hungarian). MAHASZ. Consultado em 8 de março de 2011. 
  146. «Top 75 Artist Album, Week Ending 26 June 2003». Irish Recorded Music Association. Chart-Track. Consultado em 8 de março de 2011. 
  147. Beyoncé – Dangerously in Love (em inglês). Italiancharts.com. Hung Medien.
  148. «Dangerously In Love – Beyoncé» (em Japanese). Oricon. Consultado em 8 de março de 2011. 
  149. Beyoncé – Dangerously in Love (em norueguês) Norwegiancharts.com. Hung Medien.
  150. Beyoncé – Dangerously in Love (em inglês). Charts.org.nz. Hung Medien.
  151. «Oficjalna lista sprzedaży». OLiS. Consultado em 8 de março de 2011. 
  152. Beyoncé – Dangerously in Love (em holandês). Dutchcharts.nl. Hung Medien.
  153. Beyoncé – Dangerously in Love (em inglês). Portuguesecharts.com. Hung Medien.
  154. «Chart Stats – Beyonce – Dangerously In Love». Chart Stats. Official Charts Company. Consultado em 8 de março de 2011. 
  155. Beyoncé – Dangerously in Love (em inglês). Swedishcharts.com. Hung Medien.
  156. Beyoncé – Dangerously in Love (em inglês). Swisscharts.com. Hung Medien.
  157. «Top 100 Album-Jahrescharts (2003)» (em German). offiziellecharts.de. Consultado em 8 de março de 2011. 
  158. «ARIA Charts – End Of Year Charts – Urban Albums 2003». Australian Recording Industry Association. Consultado em 8 de março de 2011. 
  159. «Jaaroverzichten 2003» (em Dutch). Ultratop. Hung Medien. Consultado em 8 de março de 2011. 
  160. «2003 Year End Charts – Top Billboard 200 Albums». Billboard. Prometheus Global Media. Consultado em 8 de março de 2011. 
  161. «2003 Year-End Chart – Top R&B/Hip-Hop Albums». Billboard. Prometheus Global Media. Consultado em 8 de março de 2011. 
  162. «Myydyimmät ulkomaiset albumit vuonna 2003» (em Finnish). YLE. International Federation of the Phonographic Industry. Consultado em 8 de março de 2011. 
  163. «Classement Albums – année 2003» (em French). Syndicat National de l'Édition Phonographique. Consultado em 8 de março de 2011. 
  164. «Összesített album- és válogatáslemez-lista – chart-pozíció alapján 2003» (em Hungarian). Mahasz. Consultado em 8 de março de 2011. 
  165. «Top 20 Albums of 2003». Irish Recorded Music Association. Consultado em 8 de março de 2011. 
  166. «Annual Top 50 Albums Chart 2003». Recording Industry Association of New Zealand. Consultado em 8 de março de 2011.  Note: The reader must select "2003" → "Albums".
  167. «Jaaroverzichten 2003». MegaCharts (em Dutch). Hung Medien. Consultado em 8 de março de 2011. 
  168. «End of Year Album Chart Top 100 – 2003». Official Charts Company. Consultado em 8 de março de 2011. 
  169. «Årslista Album – År 2003». Swedish Recording Industry Association. Consultado em 8 de março de 2011. 
  170. «Swiss Year-End Charts 2003». Media Control. Hung Medien. Consultado em 8 de março de 2011. 
  171. «Top 50 Global Best Selling Albums for 2003» (PDF). International Federation of the Phonographic Industry. Consultado em 8 de março de 2011. 
  172. «ARIA Charts – End Of Year Charts – Urban Albums 2004». Australian Recording Industry Association. Consultado em 8 de março de 2011. 
  173. «Jaaroverzichten 2004» (em Dutch). Ultratop. Hung Medien. Consultado em 8 de março de 2011. 
  174. «Classement Albums – année 2004» (em French). Syndicat National de l'Édition Phonographique. Consultado em 8 de março de 2011. 
  175. «2004 Year-End Chart – Billboard 200». Billboard. Prometheus Global Media. Consultado em 8 de março de 2011. 
  176. «2004 Year-End Chart – Top R&B/Hip-Hop Albums». Billboard. Prometheus Global Media. Consultado em 8 de março de 2011. 
  177. «2004 UK Albums Chart» (PDF). ChartsPlus. Consultado em 8 de março de 2011. 
  178. «Jaaroverzichten 2004». MegaCharts (em Dutch). Hung Medien. Consultado em 8 de março de 2011. 
  179. «2005 Year-End Chart – Billboard 200». Billboard. Prometheus Global Media. Consultado em 8 de março de 2011. 
  180. «2005 Year-End Chart – Top R&B/Hip-Hop Albums». Billboard. Prometheus Global Media. Consultado em 8 de março de 2011. 
  181. «Decade End Charts – Billboard 200 Albums». Billboard. Prometheus Global Media. Consultado em 8 de março de 2011. 
  182. «Billboard Charts – Decade-end Albums – Top R&B/Hip-Hop Albums». Billboard. Nielsen Business Media. 2009. Consultado em 8 de março de 2011. 
  183. «Greatest of All Time Billboard 200 Albums by Women : Page 1». Billboard. Consultado em 8 de março de 2011. 
  184. «Certificações (Argentina) (álbum) – Beyoncé – Dangerously in Love» (em espanhol). Cámara Argentina de Productores de Fonogramas y Videogramas 
  185. «Gold-/Platin-Datenbank (Beyoncé; 'Dangerously in Love')» (em alemão). Bundesverband Musikindustrie 
  186. «Certificações (Áustria) (álbum) – Beyoncé – Dangerously in Love» (em alemão). Federação Internacional da Indústria Fonográfica (Áustria)  Introduza Beyoncé no campo Interpret. Introduza Dangerously in Love no campo Titel. Seleccione álbum no campo Format. Clique Suchen.
  187. «Ultratop − Goud en Platina - 2004» (em inglês). Ultratop & Hung Medien / hitparade.ch 
  188. «Certificações (Canadá) (álbum) – Beyoncé – Dangerously in Love» (em inglês). Music Canada 
  189. «Certificações (Espanha) (álbum) – Beyoncé – Dangerously in Love» (PDF) (em espanhol). Productores de Música de España 
  190. «"French album certifications – Beyonce – Dangerously in Love"» (em Francese). SNEP. 27 de Setembro de 2013. Consultado em 16 de Novembro de 2013. 
  191. «Certificações (Grécia) (álbum) – Beyoncé – Dangerously in Love» (em grego). Federação Internacional da Indústria Fonográfica (Grécia) 
  192. «Gold Awards» (em Japanese). International Federation of the Phonographic Industry. Consultado em 8 de março de 2011. 
  193. «Certificações (Japão) (álbum) – Beyoncé – Dangerously in Love» (em japonês). Recording Industry Association of Japan 
  194. «Certificações (Noruega) (álbum) – Beyoncé – Dangerously in Love» (em noruguês). Federação Internacional da Indústria Fonográfica (Noruega) 
  195. «Certificações (Nova Zelândia) (álbum) – Beyoncé – Dangerously in Love» (em inglês). Recorded Music NZ 
  196. «Certificações (Rússia) (álbum) – Beyoncé – Dangerously in Love» (em russo). National Federation of Phonogram Producers (NFPF) 
  197. «Guld- och Platinacertifikat − År 2009» (PDF) (em sueco). Federação Internacional da Indústria Fonográfica (Suécia) 
  198. «The Official Swiss Charts and Music Community: Awards (Beyoncé; 'Dangerously in Love')» (em inglês). Hung Medien 
  199. «IFPI Platinum Europe Awards – 2003» (em inglês). Federação Internacional da Indústria Fonográfica 
  200. «Dangerously in Love – Musik – CDON.COM». cdon.dk. Consultado em 8 de março de 2011. 
  201. «Dangerously in Love – Musiikki – CDON.COM». cdon.fi. Consultado em 8 de março de 2011. 
  202. «Dangerously In Love: Beyonce, Jay-Z: Amazon.fr: Musique». Amazon.fr. Consultado em 8 de março de 2011. 
  203. «Dangerously In Love de Beyoncé sur Apple Music – iTunes» (em French). iTunes Store (FR). Apple Inc. Consultado em 8 de março de 2011. 
  204. a b c «Beyoncé – Dangerously In Love (LP, Album) at Discogs». Discogs. Consultado em 8 de março de 2011. 
  205. «Dangerously in Love – Musikk – CDON.COM». cdon.no. Consultado em 8 de março de 2011. 
  206. «Dangerously in Love – Musik – CDON.COM». cdon.se. Consultado em 8 de março de 2011. 
  207. «Dangerously In Love av Beyoncé på Apple Music – iTunes» (em Swedish). iTunes Store (SE). Apple Inc. Consultado em 8 de março de 2011. 
  208. Dene, Lewis. «Beyoncé Dangerously In Love Review». BBC. Consultado em 8 de março de 2011. 
  209. «Beyoncé – Dangerously In Love (CD, Album) at Discogs». Discogs. Consultado em 8 de março de 2011. 
  210. «Dangerously In Love de Beyoncé na Apple Music – iTunes». iTunes Store (GB). Apple Inc. Consultado em 8 de março de 2011. 
  211. «Beyoncé – Dangerously In Love (CD, Album) at Discogs». Discogs. Consultado em 8 de março de 2011. 
  212. «Beyoncé – Dangerously In Love (CD, Album) at Discogs». Discogs. Consultado em 8 de março de 2011. 
  213. «Dangerously In Love de Beyoncé no Apple Music – iTunes». iTunes Store (BR). Apple Inc. Consultado em 8 de março de 2011. 
  214. «Beyoncé – Dangerously In Love (CD, Album) at Discogs». Discogs. Consultado em 8 de março de 2011. 
  215. «Dangerously in Love by Beyoncé on Apple Music». iTunes Store (CA). Apple Inc. Consultado em 8 de março de 2011. 
  216. «Beyoncé – Dangerously In Love (CD, Album) at Discogs». Discogs. Consultado em 8 de março de 2011. 
  217. «Dangerously In Love de Beyoncé en Apple Music – iTunes» (em Spanish). iTunes Store (MX). Apple Inc. Consultado em 8 de março de 2011. 
  218. «Dangerously In Love by Beyoncé on Apple Music – iTunes». iTunes Store (NZ). Apple Inc. Consultado em 8 de março de 2011. 
  219. «Dangerously In Love de Beyoncé na Apple Music – iTunes». iTunes Store (PT). Apple Inc. Consultado em 8 de março de 2011. 
  220. «Beyoncé – Dangerously In Love (CD, Album) at Discogs». Discogs. Consultado em 8 de março de 2011. 
  221. «Beyoncé – Dangerously In Love (2×LP, Album) at Discogs». Discogs. Consultado em 8 de março de 2011. 
  222. «Apple Music 内のBeyoncé「Dangerously In Love」 – iTunes» (em Japanese). iTunes Store (JP). Apple Inc. Consultado em 8 de março de 2011. 
  223. «Beyoncé – Dangerously In Love (CD, Album) at Discogs». Discogs. Consultado em 8 de março de 2011. 
  224. «Dangerously in Love: Amazon.com.au: Music». Amazon.com.au. Consultado em 8 de março de 2011. 
  225. «Beyoncé – Dangerously In Love (CD, Album) at Discogs». Discogs. Consultado em 8 de março de 2011. 
  226. «Dangerously in Love – Beyoncé: Amazon.de: Musik». Amazon.de. Consultado em 8 de março de 2011. 
  227. «„Dangerously In Love" von Beyoncé auf Apple Music – iTunes» (em German). iTunes Store (DE). Apple Inc. Consultado em 8 de março de 2011. 
  228. «Dangerously In Love: Beyonce: Amazon.it: Musica». Amazon.it. Consultado em 8 de março de 2011. 
  229. «Dangerously In Love di Beyoncé su Apple Music – iTunes» (em Italian). iTunes Store (IT). Apple Inc. Consultado em 8 de março de 2011. 
  230. «Dangerously In Love (Asian Edition) : Beyonce». HMV. Consultado em 8 de março de 2011. 
  231. «Beyoncé – Dangerously In Love (CD, Album) at Discogs». Discogs. Consultado em 8 de março de 2011. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]