Daniel Coelho

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Daniel Coelho
Deputado Federal por Pernambuco Pernambuco
Período 1º de fevereiro de 2015
até atualidade[1]
Legislatura 55ª (2015 - 2019)
56ª (2019 - 2023)
Deputado Estadual de Pernambuco Pernambuco
Período 1º de fevereiro de 2011
até 31 de dezembro de 2014
Legislatura 17ª (2011 - 2015)
Vereador de Recife
Período 1º de janeiro de 2005
até 31 de janeiro de 2011
Legislatura 14ª (2005 - 2009)
Dados pessoais
Nome completo Daniel Pires Coelho
Nascimento 4 de novembro de 1978 (42 anos)
Recife, PE
Nacionalidade  Brasileira
Progenitores Mãe: Maria Izabel da Cruz Pires Coelho
Pai: João Ramos Coelho
Alma mater Universidade de Pernambuco
Cônjuge Rebeca Cristina de Medeiros Magalhães Coelho
Filhos Lucas
Partido PV (2003–2011)
PSDB (2011–2018)
Cidadania (2018–presente)[2]
Religião Católico
Profissão Administrador

Daniel Pires Coelho (Recife, 4 de novembro de 1978) é um administrador e político brasileiro. Atualmente exerce seu segundo mandato de deputado federal por Pernambuco, já tendo sido líder da bancada do partido.[1] É presidente estadual do Cidadania[3] e membro titular da Executiva Nacional e do Diretório Nacional do partido.[2][4] É membro das Frentes Parlamentares Ambientalista,[5] da Economia Solidária,[6] da Indústria,[7] de Defesa do Serviço Público,[8] entre outras. Daniel atualmente faz oposição a João Campos, prefeito de Recife, e ao governador Paulo Câmara, ambos do PSB. Ele é crítico ao governo do presidente Jair Bolsonaro.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Daniel Coelho é filho do ex-deputado João Ramos Coelho e de Maria Izabel da Cruz Pires Coelho. É casado com Rebeca Cristina de Medeiros Magalhães Coelho, com quem tem um filho, Lucas. É formado em Administração pela Universidade de Pernambuco (UPE) e tem mestrado, na mesma área, na Universidade de Bournemouth, na Inglaterra, onde morou entre 2000 e 2001.

Vereador e deputado estadual[editar | editar código-fonte]

Desde que ingressou na vida pública, em 2003, a principal bandeira de Daniel Coelho tem sido o meio ambiente.

Na Câmara Municipal do Recife, teve aprovados vários projetos ambientalistas, como o programa para redução gradativa do número de veículos de tração animal na cidade (Lei nº 16.680/10); o disciplinamento da arborização urbana (Lei nº 17.666/10); e a inclusão da disciplina de educação ambiental na grade curricular das escolas públicas municipais (Lei nº 17.300/07).

Na Assembleia Legislativa de Pernambuco, outros projetos na linha ambiental também já viraram lei, a exemplo do que determina a instalação de recipientes coletores para reciclagem de óleo vegetal (Lei Nº 14.378/11); o que obriga estabelecimentos a darem prioridade a quem usa sacola retornável (Lei Nº 14.396/11); e o que institui o Dia Estadual da Educação Ambiental (Lei Nº 14.377/11).

No primeiro recesso da legislatura, em julho de 2011, Daniel Coelho percorreu várias regiões do Estado defendendo o uso de fontes de energia limpa e se posicionando contra a instalação de uma usina nuclear no município de Itacuruba, no Sertão do São Francisco, noticiada pela imprensa como a primeira do Nordeste. Também tem se manifestado contra as fontes poluentes, em plenário, com frequência.

A atuação de Daniel Coelho como militante das causas ambientais e fiscalizador das contas públicas o levou a ser escolhido para liderar o Bloco de Oposição na Câmara Municipal do Recife, que voltou a existir após três anos sem representatividade.

Também foi presidente da Comissão de Meio Ambiente, Transporte e Trânsito da Câmara. Em seis anos de atuação, apresentou 495 matérias legislativas, entre projetos, emendas e requerimentos em geral.

Na Alepe, Daniel Coelho foi indicado para liderar a bancada de oposição, mas acabou impedido de assumir a função porque o partido ao qual era filiado, o Partido Verde (PV), passou a fazer parte do Governo do Estado. Tornou-se membro titular das comissões de Constituição, Legislação e Justiça e de Meio Ambiente.

Em reportagem do Diário de Pernambuco (em 22 de maio de 2011) foi apontado como o deputado mais assíduo do Estado. Também foi citado (em 10 de julho de 2011, no Diário de Pernambuco) como um dos parlamentares mais atuantes entre os novatos.

Daniel Coelho militou durante nove anos no Partido Verde (PV), ao qual se filiou pela afinidade às bandeiras ambientalista e de independência.

Após uma série de conflitos e divergências, o deputado (único eleito pela legenda) deixou o partido. Não se conformou com o fato de o PV ter aderido ao Governo do Estado depois de participar da campanha eleitoral como partido de oposição.

No dia 15 de setembro de 2011, Daniel filiou-se ao Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB) em um grande ato público, que lotou o Teatro Boa Vista, e oficializou sua participação na bancada de oposição da Alepe.

Deputado federal[editar | editar código-fonte]

Na eleição estadual de 2014, Daniel foi eleito deputado federal. Nesse primeiro mandato votou a favor nas seguintes pautas: o PL 4330 da Terceirização,[9] o Impeachment de Dilma Rousseff (PT),[10] a cassação de Eduardo Cunha (PMDB),[11] a PEC do Teto de Gastos,[12] a Reforma Trabalhista[13] e a denúncia contra Michel Temer (PMDB).[14] Daniel votou contrário às Medidas Provisórias 664 e 665, propostas por Dilma, relativas à pensão por morte e ao seguro desemprego respectivamente.[15][16]

Dentro do PSDB, Daniel fazia parte do grupo conhecido como "cabeças-pretas", que reunia jovens tucanos que eram oposição ao governo do então presidente da república Michel Temer (MDB) e que achavam errado o PSDB ter entrado no governo.[17] A mudança de Daniel para o Partido Popular Socialista (PPS) em abril de 2018 se deu através do movimento liberal Livres, que na época já havia deixado de ser uma corrrente interna do PSL e passaria a atuar em vários partidos de direita.[17] Em outubro de 2018, Daniel foi reeleito deputado federal com 41.080 votos a menos que em 2014.

Dentre as principais votações no congresso no seu segundo mandato, Daniel votou a favor nas seguintes pautas: criminalização de responsáveis pelo rompimento de barragens;[18] PEC da Reforma da Previdência[19][20] e exclusão dos professores nas regras da mesma;[21] PL 3723 que regulamenta a prática de atiradores e caçadores;[22] "Pacote Anti-crime" de Sergio Moro;[23] Novo Marco Legal do Saneamento;[24] congelamento de salário de servidores públicos durante a pandemia;[25] anistia da dívida das igrejas;[26] e a convocação de uma Convenção Interamericana contra o Racismo;[27] autonomia do Banco Central[28] e prisão do deputado bolsonarista Daniel Silveira (PSL/RJ).[29]

Daniel foi o único parlamentar da sua bancada a votar contra a MP 867, que segundo ambientalistas alteraria o Código Florestal anistiando desmatadores.[30] Também, junto ao deputado Marcelo Calero, foram os únicos da bancada do partido a votarem contra a MP 910 (conhecida como MP da Grilagem).[31] Daniel também votou contra nas seguintes pautas: aumento do Fundo Partidário[32] e a possibilidade de alteração[33] ou diminuição do Fundo Eleitoral;[34] ajuda financeira de R$ 89,6 bilhões aos estados durante a pandemia[35] e admissibilidade da PEC da Imunidade parlamentar.[36] Na regulamentação do novo FUNDEB, Daniel primeiramente votou pela possibilidade de destinar verbas para a educação privada,[37] mas num segundo momento votou para que a destinação fosse apenas para o ensino público.[38]

Na eleição municipal do Recife em 2020, o Cidadania retirou a pré-candidatura de Daniel Coelho à prefeitura e declarou apoio a Delegada Patrícia (do Podemos).[39] Após o presidente Jair Bolsonaro também declarar apoio a Patrícia, o Cidadania anunciou seu afastamento da campanha. Mesmo assim, Daniel Coelho seguiu como Coordenador da Campanha[39] e Patrícia acabou ficando em quarto lugar.

Em fevereiro de 2021, Daniel protocolou uma proposta de decreto parlamentar para derrubar o decreto de Bolsonaro que facilita a compra de armas no Brasil.[40]

Desempenho eleitoral[editar | editar código-fonte]

Ano Eleição Cargo Partido Coligação Suplentes/Vice Votos Resultado
2004 Municipal do Recife Vereador PV sem coligação Antônio Borges (PV) 5.289 (0,65%) Eleito[41]
2008 Municipal do Recife Vereador PV PV / PSC / PPS / PP / PTC Dra. Vera Lopes (PPS) 7.587 (0,89%) Releito[42]
2010 Estadual de Pernambuco Deputado Estadual PV sem coligação Lucrécio Gomes (PV) 47.533 (1,06%) Eleito
(21º lugar, 1º do partido)[43]
2012 Municipal do Recife Prefeito PSDB PSDB / PPS / PTdoB Débora Albuquerque (PPS) 245.120 (27,65%) Não eleito
(2º lugar, único turno)[44]
2014 Estadual de Pernambuco Deputado Federal PSDB PSDB / PSB / PMDB / PCdoB / PV / PR / PSD / PPS / SD / PPL / DEM / PROS / PP / PEN / PTC Augusto Coutinho (SD),
Fernando Monteiro (PP)
138.825 (3,10%) Eleito
(6º lugar, 6º da coligação)[45]
2016 Municipal do Recife Prefeito PSDB PSDB / PSL Sérgio Bivar (PSL) 162.356 (18,59%) Não eleito
(3º lugar, 1º turno)[46]
2018 Estadual de Pernambuco Deputado Federal PPS PPS / PTB / DEM / PSDB / PSC / PRB / PODE Zeca Cavalcanti (PTB),
Vinicius Mendonça (DEM)
97.745 (2,26%) Reeleito
(11º lugar, 3º da coligação)[47]

Referências

  1. a b Câmara dos Deputados. «Deputado federal Daniel Coelho». Consultado em 20 de fevereiro de 2021 
  2. a b Cidadania. «Membros da Executiva Nacional do Cidadania». Consultado em 20 de fevereiro de 2021 
  3. Cidadania. «Diretórios Estaduais do Cidadania». Consultado em 20 de fevereiro de 2021 
  4. Cidadania. «Membros do Diretório Nacional do Cidadania». Consultado em 20 de fevereiro de 2021 
  5. Câmara de Deputados. «Frente Parlamentar Ambientalista». Consultado em 20 de fevereiro de 2021 
  6. Câmara de Deputados. «Frente Parlamentar Mista em Defesa da Economia Solidária». Consultado em 20 de fevereiro de 2021 
  7. Câmara de Deputados. «Frente Parlamentar Mista Nacional da Indústria (FPI)». Consultado em 20 de fevereiro de 2021 
  8. Câmara de Deputados. «Frente Parlamentar Mista em Defesa do Serviço Público». Consultado em 20 de fevereiro de 2021 
  9. EBC (8 de abril de 2015). «Confira como votou cada deputado no projeto de lei da terceirização». Consultado em 26 de fevereiro de 2021 
  10. G1 (18 de abril de 2016). «O Voto dos Deputados: Prosseguimento do impeachment de Dilma Rousseff». Consultado em 26 de fevereiro de 2021 
  11. G1 (12 de setembro de 2016). «O Voto dos Deputados: Cassação de Eduardo Cunha». Consultado em 26 de fevereiro de 2021 
  12. G1 (10 de outubro de 2016). «O Voto dos Deputados: PEC do Teto dos Gastos (1º turno)». Consultado em 26 de fevereiro de 2021 
  13. G1 (26 de abril de 2017). «O Voto dos Deputados: Reforma Trabalhista». Consultado em 26 de fevereiro de 2021 
  14. G1 (2 de agosto de 2017). «O Voto dos Deputados: Primeira denúncia contra Temer». Consultado em 26 de fevereiro de 2021 
  15. G1 (13 de maio de 2015). «Saiba como cada deputado votou a segunda MP do ajuste fiscal». Consultado em 26 de fevereiro de 2021 
  16. Carta Capital (6 de maio de 2015). «MP 665: Saiba como cada deputado votou o ajuste fiscal». Consultado em 26 de fevereiro de 2021 
  17. a b IstoÉ (2 de abril de 2018). «Líder dos cabeças-pretas do PSDB, deputado Daniel Coelho anuncia filiação ao PPS». Consultado em 26 de fevereiro de 2021 
  18. G1 (25 de junho de 2019). «O Voto dos Deputados: Criminalização do rompimento de barragem por negligência». Consultado em 26 de fevereiro de 2021 
  19. G1 (10 de julho de 2019). «O Voto dos Deputados: PEC da Reforma da Previdência (1º turno)». Consultado em 26 de fevereiro de 2021 
  20. G1 (7 de agosto de 2019). «O Voto dos Deputados: PEC da Reforma da Previdência (2º turno)». Consultado em 26 de fevereiro de 2021 
  21. G1 (10 de julho de 2019). «O Voto dos Deputados: Destaque para excluir professores da Reforma da Previdência». Consultado em 26 de fevereiro de 2021 
  22. G1 (5 de novembro de 2019). «O Voto dos Deputados: Regras para armas de caçadores e coleciomadores». Consultado em 26 de fevereiro de 2021 
  23. G1 (4 de dezembro de 2019). «O Voto dos Deputados: Pacote Anticrime». Consultado em 26 de fevereiro de 2021 
  24. G1 (11 de dezembro de 2019). «O Voto dos Deputados: Novo Marco Legal do Saneamento Básico». Consultado em 26 de fevereiro de 2021 
  25. Congresso em Foco (21 de agosto de 2020). «Veja como cada deputado votou no veto ao reajuste de salário de servidores». Consultado em 26 de fevereiro de 2021 
  26. Congresso em Foco (9 de setembro de 2020). «Veja como cada deputado votou na emenda que perdoa dívidas de igrejas». Consultado em 26 de fevereiro de 2021 
  27. Estado de Minas (9 de dezembro de 2020). «Veja quais deputados votaram contra a Convenção contra o Racismo na Câmara». Consultado em 26 de fevereiro de 2021 
  28. Congresso em Foco (10 de fevereiro de 2021). «Veja como cada deputado votou a autonomia do Banco Central». Consultado em 26 de fevereiro de 2021 
  29. Congresso em Foco (19 de fevereiro de 2021). «Prisão de Daniel Silveira: veja como cada deputado votou». Consultado em 26 de fevereiro de 2021 
  30. Congresso em Foco (29 de maio de 2019). «Veja os deputados favoráveis à MP que muda Código Florestal». Consultado em 26 de fevereiro de 2021 
  31. Folha (12 de maio de 2020). «341 deputados votaram pela 'MP da grilagem'». Consultado em 26 de fevereiro de 2021 
  32. G1 (4 de setembro de 2019). «Lista dos deputados que votaram para aumentar o Fundão Eleitoral». Consultado em 26 de fevereiro de 2021 
  33. G1 (3 de setembro de 2019). «O Voto dos Deputados: Alteração no Fundo Eleitoral». Consultado em 26 de fevereiro de 2021 
  34. G1 (17 de dezembro de 2019). «O Voto dos Deputados: Redução do Fundo Eleitoral». Consultado em 26 de fevereiro de 2021 
  35. G1 (13 de abril de 2020). «Saiba como partidos e deputados votaram sobre ajuda de R$ 89,6 bi aos Estados». Consultado em 26 de fevereiro de 2021 
  36. G1 (25 de fevereiro de 2021). «Saiba como cada deputado votou na validade da PEC da Imunidade». Consultado em 26 de fevereiro de 2021 
  37. Congresso em Foco (10 de dezembro de 2020). «Deputados destinam dinheiro público a escolas ligadas a igrejas. Veja como cada um votou». Consultado em 26 de fevereiro de 2021 
  38. Congresso em Foco (17 de dezembro de 2020). «Veja como cada deputado votou na regulamentação do Fundeb». Consultado em 26 de fevereiro de 2021 
  39. a b JCPM/UOL (8 de novembro de 2020). «Cidadania anuncia afastamento da campanha da Delegada Patrícia, mas Daniel Coelho mantém apoio a ela». Consultado em 26 de fevereiro de 2021 
  40. Folha de Pernambuco (15 de fevereiro de 2021). «Daniel Coelho protocolará proposta para derrubar decreto de armas de Bolsonaro». Consultado em 26 de fevereiro de 2021 
  41. TSE. «Apuração de votos e candidatos eleitos (1º turno)». Eleições 2004. Consultado em 2 de fevereiro de 2021 
  42. Folha. «Apuração de votos e candidatos eleitos (1º turno)». Eleições 2008. Consultado em 2 de fevereiro de 2021 
  43. UOL. «Apuração de votos e candidatos eleitos (1º turno)». Eleições 2010. Consultado em 2 de fevereiro de 2021 
  44. UOL. «Apuração de votos e candidatos eleitos (1º turno)». Eleições 2012. Consultado em 2 de fevereiro de 2021 
  45. UOL. «Apuração de votos e candidatos eleitos (1º turno)». Eleições 2014. Consultado em 2 de fevereiro de 2021 
  46. UOL. «Apuração de votos e candidatos eleitos (1º turno)». Eleições 2016. Consultado em 2 de fevereiro de 2021 
  47. UOL. «Apuração de votos e candidatos eleitos (1º turno)». Eleições 2018. Consultado em 2 de fevereiro de 2021 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um político brasileiro é um esboço relacionado ao Projeto Biografias de Políticos. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.