Daniel Marques (músico)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Daniel Marques (músico)
Informação geral
Nascimento 06 de março de 1979 (43 anos)
Origem Rio de Janeiro
País  Brasil
Gênero(s) MPB, choro, bossa nova, frevo, jazz, maracatu, samba, forró, folk, clássico, instrumental, baião, rock
Ocupação(ões) Violonista, guitarrista, arranjador, compositor, produtor
Instrumento(s) violão de sete cordas, guitarra
Página oficial www.daniel-marques.com
Foto tirada em Granada na Espanha

Daniel Marques (Rio de Janeiro, 06 de março de 1979) é um violonista e guitarrista brasileiro, além de trabalhar como compositor, arranjador e produtor. É considerado um dos nomes mais importantes da música brasileira da nova geração.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Professor e artista[editar | editar código-fonte]

Atualmente vive entre Rio de Janeiro e Madrid onde colabora com o luthier de Paco de Lucia (Antonio Morales Nogues). Nessa parceria desenvolvem versoes 7 cordas dos modelos de violao que o Paco usava feitos por Antonio, como por exemplo o famoso modelo "La Maestro".[2]

Fundou um curso de musica brasileira em Berlim e foi professor por 3 anos na "Global Music Academy"[3],  escola inovadora voltada à world music. Também está listado como professor internacional na "International Arts Academy" na Grécia[4].

Considerado pelo jornal "O Globo" um dos novos representantes do violão no Brasil[5], anteriormente Daniel graduou-se no curso de bacharelado em violão da UFRJ e possui o título de Mestre pela mesma Universidade com a tese “O violão no Frevo: uma linguagem em construção”[6]. Depois foi professor dessa faculdade antes de se dedicar exclusivamente a sua carreira solo e consequentemente colher reconhecimento internacional como artista.

Diversos violonistas brasileiros vêm explorando possibilidades do sete-cordas em territórios fora do choro, como é o caso de Marques, que desenvolveu uma técnica de contraponto bastante peculiar, em que executa os baixos simultaneamente aos acordes, feitos nas vozes agudas.[7]

Já apresentou workshops em escolas de música dentro e fora do país.

Carreira[editar | editar código-fonte]

​Seu trabalho ja foi mencionado na revista Rolling Stone[8] e no New York Times[9]. Como líder da Orquestra Frevo Diabo, ganhou em 2010 um dos mais expressivos prêmios da musica no país, o Prêmio da Música Brasileira - ex-Prêmio TIM – na categoria ‘regional’[10]. Seu último álbum em duo com o saxofonista Rodrigo Ursaia foi listado em 2016 como um dos melhores instrumentistas do ano.

Participou de programas de TV como "Estúdio I", "Som Brasil", "Domingão do Faustão", entre outros. Tocou e gravou com artistas da música brasileira: Hermeto Pascoal, Paulo Moura, Guinga, Carlos Malta, Gabriel Grossi, Paula Santoro, Thiago Amud, Sérgio Krakowski, Robertinho Silva, Zé Paulo Becker, Junior Tostoi, Gilson Peranzzetta, Armandinho, UFRJazz, Nicolas Krassik, Jovino Santos Neto, entre outros.

Sua trajetória inclui também ter tocado ou dividido a noite em festivais pelo mundo com nomes internacionais: Randy Brecker, Stanley Jordan, John Williams, Paco de Lucia, Yamandu Costa, Charlie Hunter, Incognito, Dmitri Illarionov, Dominic Miller, Elena Papandreou, Roland Dyens, Marcin Dylla...

Além de visitar também a Ásia (China[11] e Índia[12]), já se apresentou em mais de 100 cidades em vários países Europeus: Itália, Portugal, Alemanha, Rússia, Polônia, Finlândia, Dinamarca, Suécia, Estônia, Alemanha, República TchecaLituânia, MontenegroMacedônia e Sérvia participando em diferentes festivais. O músico também excursionou nos EUA, apresentando-se no renomado festival SXSW Festival assim como em outros festivais e clubes em Chicago, São Francisco, Los Angeles, Nova Iorque e Filadélfia.[13]

Desde 2008, se apresenta em concertos no aniversário da princesa Viktoria da Suécia[14].

 Apresentou-se no Tampere Guitar Festival, na Finlândia, na mesma noite em que o violonista clássico John Williams

Discografia[editar | editar código-fonte]

Carreira solo[editar | editar código-fonte]

Colaborações com outros artistas[editar | editar código-fonte]

  • 1999 - "Faca de Ponta" (Tafari Roots)
  • 2004 - "Sob o Redentor" (Zé Paulo Becker)
  • 2005 - "UFRJazz Ensemble - Interpreta Júlio Barbosa" (UFRJazz Ensemble)
  • 2006 - "Habeas Corpus" (Maurício Baia)
  • 2007 - "Vulgar e Sublime" (Armando Lobo)
  • 2009 - "Frevo Diabo" (Orquestra Frevo Diabo)
  • 2010 - "Claro Escuro" (Pedro Sá Moraes)
  • 2010 - "Sacradança" (Thiago Amud)
  • 2011 - "Origem é Giro" (Cristina Renzzetti)
  • 2011 - "Apaixonada" (Nina Ripe)
  • 2013 - "De Ponta a Ponta Tudo é Praia-Palma" (Thiago Amud)
  • 2013 - "Karakokê Tupy 2" (Gabriel Moura)

Prêmios e festivais[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

http://www.guitarrasmorales.guitars/paco-de-lucia/

  1. «25 de abril: Daniel Marques | Concerto». BERLINDA.ORG. Consultado em 27 de setembro de 2015 
  2. «Paco de Lucía» (em espanhol). Consultado em 16 de maio de 2022 
  3. «Global Music Academy». Arquivado do original em 28 de setembro de 2015 
  4. «International Art Academy». www.artsociety.gr. Consultado em 11 de agosto de 2015 
  5. «Sete representantes do novo violão brasileiro». Consultado em 11 de agosto de 2015 
  6. «O Violão no Frevo: Uma Linguagem em Construção». Consultado em 11 de agosto de 2015 
  7. «Revista Guitar Player - Daniel Marques - Violão de Sete Cordas Orquestral». guitarplayer.uol.com.br. Consultado em 11 de agosto de 2015. Arquivado do original em 28 de setembro de 2015 
  8. «Gig Review: New Brazilian Music & Jazz, Mumbai». My Site (em inglês). 9 de maio de 2017. Consultado em 16 de maio de 2022 
  9. Pareles, Jon (16 de janeiro de 2014). «Taking Brazil's Rhythms and Stretching Them Out». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 16 de maio de 2022 
  10. «Frevo Diabo - Dicionário Cravo Albin da Música Popular Brasileira». Dicionário Cravo Albin da Música Popular Brasileira. Consultado em 11 de agosto de 2015 
  11. «节目 /Program | OCT-LOFT Jazz FestivalOCT-LOFT Jazz Festival». www.octloftjazz.com. Consultado em 27 de setembro de 2015 
  12. «Calcutta International Classical Guitar Festival 2014». calguitarfest.in. Consultado em 27 de setembro de 2015. Arquivado do original em 12 de agosto de 2015 
  13. «Daniel Marques - Dados Artísticos - Dicionário Cravo Albin da Música Popular Brasileira». Dicionário Cravo Albin da Música Popular Brasileira. Consultado em 11 de agosto de 2015 
  14. «Daniel Marques - Dados Artísticos - Dicionário Cravo Albin da Música Popular Brasileira». Dicionário Cravo Albin da Música Popular Brasileira. Consultado em 11 de agosto de 2015 
  15. «FESTVALDA». www.valda.com.br. Consultado em 28 de setembro de 2015. Arquivado do original em 3 de março de 2016 
  16. Tramberg, Krista. «Jazzkaar - Daniel Marques Trio». www.jazzkaar.ee. Consultado em 28 de setembro de 2015. Arquivado do original em 28 de setembro de 2015 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]