Daniel Oliveira (jornalista)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Daniel Oliveira
Daniel Oliveira
Nome completo Daniel João Figueiredo de Oliveira
Nascimento 2 de julho de 1969 (49 anos)
Lisboa, Portugal
Nacionalidade português
Progenitores Mãe: Isabel Figueiredo
Pai: Herberto Helder
Ocupação jornalista, colunista, comentador, podcaster
Filiação independente (2013-presente)
Bloco de Esquerda (1998-2013)
Política XXI (1994-1998)
Partido Comunista Português (1983-1989)

Daniel João Figueiredo de Oliveira (Lisboa, 2 de Julho de 1969) é um jornalista português.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filho natural do poeta Herberto Hélder e de Isabel Figueiredo. De acordo com o próprio, a família materna teve vários apoiantes e militantes do Partido Comunista Português, mãe incluída. O poeta Manuel Gusmão, que foi seu padrasto e é pai do seu irmão e ex-deputado do Bloco de Esquerda José Gusmão, foi deputado do PCP à Assembleia Constituinte.

Jornalismo[editar | editar código-fonte]

Estudou no Liceu Pedro Nunes e no ISCTE - Instituto Universitário de Lisboa. Como jornalista, trabalhou n'O Século (1988-1989), no Diário de Lisboa (1989-1990), nas revistas (1997) e Vida Mundial (1998-1999), nos programas de reportagem da RTP Juízo Final (2000) e Loja do Cidadão (RTP) (2001) – tendo sido editor deste último –, no Diário Económico (2000) e no programa da RTP Todos Iguais (2001). Foi autor do programa Trabalho, da RTP, também em 2001. Venceu o prémio revelação Gazeta, do Clube de Jornalistas, em 1998 com uma reportagem sobre a Primavera de Praga, publicada na revista Vida Mundial. Foi publicitário de 1993 a 1994.[1]

Política[editar | editar código-fonte]

Entrou para o Juventude Comunista Portuguesa em 1983, tendo saído em 1989.

Fundou, em 1991, com Joaquim Pina Moura, José Barros Moura, José Luís Judas, Miguel Portas e Ivan Nunes a Plataforma de Esquerda, de que foi dirigente e que viria a abandonar quando esta fez um acordo autárquico nacional com o Partido Socialista.

Fundou, em 1994, com Miguel Portas, Ivan Nunes, Paulo Varela Gomes e ex-dirigentes do MDP/CDE, a Política XXI, que se juntaria ao PSR e à UDP, em 1998, para criar o Bloco de Esquerda. Foi assessor de imprensa do Bloco de Esquerda de 2002 a 2005, tendo abandonado funções políticas profissionais em fevereiro de 2005. Foi membro da Mesa Nacional e da Comissão Política do Bloco de Esquerda até 2006. Abandonou a militância do Bloco de Esquerda, de que foi um dos fundadores, em 2013, sendo hoje independente. Anunciou o abandono da vida política a 8 de outubro de 2015 para se dedicar exclusivamente ao jornalismo.[2]

Bloguista, colunista e comentador[editar | editar código-fonte]

Daniel Oliveira foi autor e fundador (com Rui Tavares, André Belo, Celso Martins e Pedro Aires Oliveira) do Barnabé, um dos blogues que atingiram maior notoriedade na blogosfera portuguesa, e escreveu, sozinho e acompanhado, no blogue Arrastão. É colunista dos jornais Expresso (na sua versão semanal e no diário digital) e Record, neste último enquanto adepto do Sporting Clube de Portugal. Publicou, em 2015, o livro de crónicas A Década dos Psicopatas (edição Tinta da China).

Participa no programa da SIC Notícias O Eixo do Mal (apresentado, entre 2005 e 2015, por Nuno Artur Silva e, desde fevereiro de 2015, por Aurélio Gomes, contando ainda com Clara Ferreira Alves, Pedro Marques Lopes e Luís Pedro Nunes – contou anteriormente com José Júdice e Pedro Mexia) e no programa do Canal Q e da TSF Sem Moderação, com João Galamba, José Eduardo Martins e Francisco Mendes da Silva.[3][4]

Um estudo realizado pela empresa de consultoria de comunicação Imago-Llorente & Cuenca, em parceria com a Universidade Católica Portuguesa, divulgado em março de 2015, colocou Daniel Oliveira em décimo quinto lugar na lista dos políticos portugueses mais influentes na rede social Twitter, tendo mais de 90 mil seguidores no Facebook.[5][6]

Desde maio de 2018, produz com João Martins um podcast intitulado Perguntar Não Ofende, onde conduz entrevistas com políticos, jornalistas e outras personalidades da cultura.[7][8][9]

Descendência[editar | editar código-fonte]

De Maria Francisca Fiadeiro Gorjão Henriques (Lisboa, São Domingos de Benfica, 20 de Janeiro de 1972), jornalista, que trabalhou em várias publicações, trabalhando desde há vários anos no jornal Público, tem uma filha, Laura Gorjão Henriques Figueiredo de Oliveira (Lisboa, São Sebastião da Pedreira, 12 de Agosto de 1998).[10]

Referências

  1. Ribeiro, Anabela Mota (14 de maio de 2015) [2012]. «Entrevista a Daniel Oliveira». Anabela Mota Ribeiro. Consultado em 26 de maio de 2018. 
  2. Oliveira, Daniel (8 de outubro de 2015). «Esta é uma nota escrita há mais de 10 dias...». Página oficial de Daniel Oliveira no Facebook. Consultado em 26 de junho de 2018. 
  3. «Resumo biográfico do colunista Daniel Oliveira». Expresso. Consultado em 26 de junho de 2018. 
  4. Mendonça, Bernardo; et al. (2 de março de 2018). «Daniel Oliveira: "Conheci estalinistas e fascistas com corações maravilhosos. Todos nós transportamos monstros e anjos"» (Entrevista em podcast). Expresso. Consultado em 26 de junho de 2018. 
  5. «Top 50: Mapa de Poder na Rede - Políticos Influentes no Twitter» (PDF). Imago Llorente & Cuenca. Março de 2015. Consultado em 26 de junho de 2018. 
  6. «Oposição mais presente no Twitter». Computerworld. 31 de março de 2015. Consultado em 26 de junho de 2018. 
  7. Coelho, Pedro Miguel (10 de abril de 2018). «Daniel Oliveira está "farto de dar opiniões" e decidiu fazer um podcast onde 'Perguntar Não Ofende'». Espalha-Factos. Consultado em 26 de junho de 2018. 
  8. André, Mário Rui (3 de maio de 2018). «Perguntar não ofende por isso Daniel Oliveira vai fazer todas as perguntas no seu novo podcast». Shifter. Consultado em 26 de junho de 2018. 
  9. Alvarez, Luciano. «Costa já lá esteve e Marcelo também vai, porque Perguntar não Ofende». PÚBLICO 
  10. "Gorjão Henriques", Nuno Gorjão Henriques e Miguel Gorjão Henriques, Dislivro, 2.ª Edição, Lisboa, 2006, Volume I, p. 170.