Dante Ozzetti

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book.svg
Esta biografia de uma pessoa viva não cita as suas fontes ou referências, o que compromete sua credibilidade. (desde Julho de 2012)
Ajude a melhorar este artigo providenciando fontes confiáveis e independentes. Material controverso sobre pessoas vivas sem apoio de fontes confiáveis e verificáveis deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Dante Ozzetti
Informação geral
Nascimento 12 de setembro de 1956 (62 anos)
Origem São Paulo (SP)
País  Brasil
Gênero(s) MPB, Instrumental
Instrumento(s) violão
Período em atividade 1975 - Presente
Gravadora(s) MCD, Eldorado, Independente

Dante Ozzetti (12 de setembro de 1956), paulistano, com formação em arquitetura, também é compositor, arranjador e violonista. Com sua irmã, a cantora Ná Ozzetti, tem desenvolvido ao longo do tempo, um trabalho de criação musical. Foi produtor artístico e arranjador do primeiro disco solo de Ná, pela gravadora Continental, e produtor executivo e arranjador do CD "Ná" (1994). Por esses trabalhos, lhe foram atribuídos dois Prêmio Sharp como Melhor Arranjador e Melhor Disco.

Participou, em 1995, de show no Parc La Villet, em Paris, França,com Itamar Assumpção, Duofel e Ná Ozzetti.

Em 1997, Dante recebeu mais uma indicação ao Prêmio Sharp, como arranjador do CD "LoveLee Rita", de Ná Ozzetti.

Em 1999, fez os arranjos musicais e a produção musical do CD "Estopim", de Ná Ozzetti, e em 2001, os arranjos do CD "Show", de Ná Ozzetti, pela gravadora Som Livre.

Dante foi o vencedor do III Prêmio Visa de Música – Edição Compositores, em 2000, recebendo o prêmio do júri, e também o prêmio popular. Assinou contrato com a Gravadora Eldorado para a gravação de um CD, e em 2001 lançou o álbum "Ultrapássaro", título da música em parceria com Zé Miguel Wisnik. Fez o show de lançamento deste CD no Festival de Inverno de Campos do Jordão. Em seguida, foi convidado pela Orquestra Jazz Sinfônica do Estado de São Paulo para show no Memorial da América Latina, com o repertório do álbum. Trabalhou nos arranjos para o CD Mundo São Paulo, da Orquestra Jazz Sinfônica do Estado de São Paulo. Participou dos shows Vozes do Brasil, ao lado de Zélia Duncan e Ná Ozzetti, em São Paulo e Brasília. Produziu o CD De Papel da cantora Vanessa Bumagny; foi diretor musical e arranjador do projeto Dossiê Dolores Duran, a convite do Sesc Pompeia, que teve como intérpretes Zizi Possi, Fernanda Porto, Luciana Alves, Izzy Gordon e Fernanda Duran. Foi convidado pela Orquestra à Base de Cordas de Curitiba para escrever arranjos para o show com a cantora mineira Ceumar.

Participou em 2004, como compositor e instrumentista, do Festival Internacional de Buenos Aires, Argentina; Cena Lusófona de Coimbra, Portugal, ao lado de Zé Miguel Wisnik, Luiz Tatit e Ná Ozzetti; e ao lado de Ná Ozzetti, no Festival Internacional de Serpa, Portugal e Festival de Outono de Madrid, Espanha. Neste mesmo ano, foi diretor musical do espetáculo Elis E Tom, baseado no álbum homônimo, apresentado no Sesc Pompeia que teve como intérpretes João Bosco, Angela Maria e Jussara Silveira. Em 2005 foi diretor musical do espetáculo "Vanguarda Paulista", com Suzana Salles, Virginia Rosa, Ná Ozzetti e Tetê Espindola. Neste mesmo ano. fez arranjos para o espetáculo "Esboço de Tatit" para a Orquestra Jazz Sinfônica. Participou, ainda em 2005, do Festival Cultura, e ganhou o segundo lugar com a música "Achou!", composta em parceria com Luiz Tatit, e interpretada pela cantora Ceumar.

Participou, ainda em 2005, do Festival Cultura, e ganhou o segundo lugar com a música Achou!, feita em parceria com Luiz Tatit e interpretada pela cantora Ceumar. Em 2006, lançou com Ceumar o CD Achou!, pela gravadora MCD, com composições suas, com parceiros como Luiz Tatit, Chico Cesar, Zeca Baleiro, Zélia Duncan, Alzira Espindola e Kleber Albuquerque, interpretadas pela cantora. Em setembro de 2006, deu início à temporada de lançamento com shows deste CD. Em 2009, participou da produção e arranjos do CD Balangandans da cantora Ná Ozzetti, que ganhou o Prêmio Bravo Prime de Melhor CD de Música Popular. Em janeiro de 2010, atuou como professor de Composição e Arranjo na Oficina de Música de Curitiba. Tem se dedicado aos estudos dos ritmos da Amazônia e desenvolvido trabalho autoral nesse campo, além de atuar junto aos músicos da região, dirigindo e produzindo a cantora Patrícia Bastos, do Amapá, entre outros. Em 2011, trabalhou nos arranjos e na concepção do CD Meu Quintal da cantora Ná Ozzetti, e atualmente participa da turnê de lançamento. Ainda em 2011, fez a direção musical e os arranjos do DVD Negra da cantora e compositora Consuelo de Paula. Em 2013 lançou o CD Zulusa da cantora amapaense Patrícia Bastos no qual foi produtor, com esse CD ganhou o Prêmio da Música Brasileira 2014 como melhor álbum na categoria regional, além da indicação do reconhecido site Embrulhador como melhor disco de 2013. Em 2013 participou ainda da produção e arranjos do CD Embalar da cantora Na Ozzetti, que ganhou o Prêmio Governador do Estado.

Em 2014 produziu e lançou o CD Canto para Aldebarã, da cantora Thamires Tannous, que integrou o Prêmio Grão de Música no ano seguinte. Em 2015 produziu e lançou o CD Multiplicar-se Única, da cantora Regina Machado, sobre o repertório de Tom Zé. Produção o CD GRIS da cantora curitibana Juliana Cortes, lançado em 2016, gravado entre Curitiba, São Paulo e Buenos Aires. Com patrocínio da Natura Musical, finaliza o CD Batom Bacaba da cantora amapaense Patrícia Bastos. O álbum será lançado em 2016, juntamente com o seu trabalho instrumental Amazônia Órbita, com composições próprias feitas a partir das inflexões de ritmos da Amazônia.