DarkSide Books

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
DarkSide Books
Razão social DarkSide Entretenimento
Editora
Gênero Literatura de ficção, não ficção e quadrinhos
Fundação 2012
Fundador(es) Christiano Menezes e Chico de Assis
Sede Rio de Janeiro
Produtos Livros
Marcas
  • Medo Clássico
  • DarkLove
  • Graphic Novel
  • Crime Scene
  • Dark Fantasy
  • Cine Book Club
  • Crânio
  • Caveirinha
  • Fábulas Dark
  • Macabra
Website oficial www.darksidebooks.com.br

DarkSide Books é uma editora brasileira especializada nos gêneros de ficção científica, terror, fantasia e quadrinhos, sendo a primeira editora brasileira dedicada exclusivamente a esses nichos.

Histórico[editar | editar código-fonte]

A Darkside iniciou suas atividades entre o final de outubro e o início de novembro de 2012, na cidade do Rio de Janeiro. O período coincide com o Halloween, feriado de Dia das Bruxas, tradicionalmente celebrado na Grã-Bretanha e nos Estados Unidos, e o feriado nacional do Dia de Finados. De acordo com a página oficial da editora no Facebook, a fundação aconteceu em 24 de outubro de 2012, data que coincide com o início da história narrada no livro Os Goonies, de James Kahn, o primeiro livro publicado pela editora.[1][2]

Ela foi fundada pelos designers Christiano Menezes[3] e Chico de Assis[2] (que utilizam, respectivamente, os pseudônimos Chucky – referência ao personagem principal do filme Brinquedo Assassino – e Tio Chico – nome brasileiro do personagem Uncle Fester, da Família Addams).[2] Fãs de terror e quadrinhos, eles notaram que o mercado editorial não apresentava obras de qualidade para fãs do gênero, que hoje é uma das características principais da editora. A DarkSide viralizou na redes sociais, onde se estabeleceu rapidamente através dos fãs de terror.[4]

Christiano e Chico são designers gráficos de formação e juntos mantém um escritório de design, o Retina 78, que atende a grandes editoras como Companhia das Letras, Alfaguara, Rocco, Leya, Agir e Record e à própria DarkSide. Entre 2010 e 2012, eles foram sócios-editores da Editora Barba Negra, selo de quadrinhos da Editora LeYa.[4][5]

Durante o festival Youpix, no Rio de Janeiro, em dezembro de 2012, a Darkside esteve presente com um estande próprio, onde aproveitou a presença de um público de cerca de 4 mil pessoas para anunciar e promover seu primeiro lançamento, o livro Os Goonies, de James Kahn.[4][6] Em 2014, a editora vendeu 120 mil exemplares de um catálogo então com 20 livros, algo incomum para editoras de nicho no Brasil.[4][7]

Linha editorial[editar | editar código-fonte]

Adotando o lema de Aposte no escuro, a DarkSide foca em livros do chamado gênero especulativo ou ainda do gênero fantástico, que contém a fantasia, a ficção científica, o terror, e, posteriormente, os quadrinhos. Seus primeiros livros eram em capa comum, tamanho padrão. Desde 2015, todos os livros adotaram a capa dura, uma das marcas registradas de seus livros. Projetos especiais da linha Crânio ainda são publicados em capa comum.[1][4]

A editora conta hoje com pelo menos nove linhas editoriais distintas, segmentadas por assunto e público e mais uma programadas, a DarkVisions.[1]

DarkSide[editar | editar código-fonte]

É a principal linha, com publicações de grandes nomes da literatura de terror, como Clive Barker, Iain Banks, Stephen King, Andrew Pyper e Thomas Olde Heuvelt.[1][8]

Medo Clássico[editar | editar código-fonte]

É uma linha voltada para a publicação de livros de literatura clássica. O selo já publicou antologias com os melhores contos de Edgar Allan Poe, H. P. Lovecraft e Robert Louis Stevenson, além de edições especiais de Frankenstein, de Mary Shelley, Drácula, de Bram Stoker e uma coletânea com contos fantásticos e de terror escritos por autores brasileiros, chamada Medo Imortal, primeiro livro de autores brasileiros dessa linha.[1][9]

DarkLove[editar | editar código-fonte]

Este selo, criado em 2013, tem obras escritas exclusivamente por mulheres, explorando temas que vão desde a ficção científica até a fantasia, o new weird e o terror, feminismo, questões sociais e íntimas e ciclos da vida. A linha privilegia também uma produção editorial com tradutoras, editoras e revisoras.[1][10][11] Este selo foi o responsável pela publicação de Becky Chambers no Brasil.[1]

DarkLove Classics[editar | editar código-fonte]

Derivado do selo DarkLove, este foi lançado em 2020, privilegiando os livros clássicos escritos por mulheres. O primeiro livro do selo foi Wuthering Heights, de Emily Brontë.[1]

Graphic Novel[editar | editar código-fonte]

A linha de quadrinhos surgiu em 2017 e busca publicações raras, inéditas, que fujam de temas comuns ou que sejam de autores consagrados, tanto nacionais quanto internacionais. Seus temas variam desde não ficção a mangás japoneses.[1][12][13]

Crime Scene[editar | editar código-fonte]

Este selo aborda casos e biografias de assassinos em série e crimes notórios, que ganharam a atenção da mídia e do público, tendo publicado livros da especialista brasileira Ilana Casoy e livros que contam trajetórias de psicopatas como Ted Bundy e Charles Manson.[1][14]

Dark Fantasy[editar | editar código-fonte]

O selo privilegia a publicação de autores consagrados do gênero de fantasia dark, com jornadas em mundos fantásticos e aventuras épicas, em ambientes de horror. O selo também publicou uma biografia de J. R. R. Tolkien.[1]

Cine Book Club[editar | editar código-fonte]

Este selo privilegia livros que abordem o cinema de horror. São novelizações de roteiros, obras originais que acabaram se tornando filmes ou roteiros integrais de grandes filmes do gênero. O selo também publica livros que contam os bastidores de grandes produções do cinema de terror, que trazem informações, curiosidades, fotos e entrevistas com atores, roteiristas, produtores e diretores.[1]

Crânio[editar | editar código-fonte]

Selo voltado para obras de não ficção, ciência, inovação, história e filosofia.[15] Os livros têm como objetivo fazer um convite aos leitores à reflexão e ao pensamento crítico. São livros que vão desde biografias à inteligências artificiais, feminismo e ciências humanas.[1]

Caveirinha[editar | editar código-fonte]

O selo infantil da editora privilegia o universo mágico, a imaginação e a criatividade. Suas obras apresentam autores clássicos, como H.P. Lovecraft, para o público infantil com obras coloridas e ilustradas, de bordas arredondadas.[1][16]

Fábulas Dark[editar | editar código-fonte]

Este selo publica obras clássicas, já sedimentadas no senso comum do público, convidando artistas nacionais para darem sua visão à obra. A primeira publicação foi uma edição especial de Alice no País das Maravilhas, de Lewis Carroll.[1][17]

Macabra[editar | editar código-fonte]

Este selo, em parceria com a Macabra.TV, publica obras transgressoras, com viés de horror, histórias macabras e casos bizarros. O selo foi inaugurado com três obras, o Vitorianas Macabras, Antologia Macabra e Medicina Macabra em janeiro de 2020.[18]

Magicae[editar | editar código-fonte]

Magicae não é um selo, mas uma coleção que abrange vários selos da editora, lançado em 2021. Seus livros exaltam a magia, a bruxaria, a ligação com a natureza e mistérios ocultos.[1]

Trajetória[editar | editar código-fonte]

A editora conta com cerca de 30 funcionários que se dividem entre os escritórios do Rio de Janeiro, São Paulo e Blumenau.[4] Em 2018, mais da metade do catálogo da editora estava presente na lista dos 5 mil livros mais vendidos do país, segundo a Nielsen. Em 2018, a DarkSide também ganhou o Troféu HQ Mix pela edição brasileira do livro My Friend Dahmer, de Derf Backderf, na categoria "melhor publicação de aventura/terror/fantasia".[19][20][21][22][23][24]

A editora também foi responsável pela publicação no Brasil da escritora Becky Chambers, ganhadora do Prémio Hugo de 2019 na categoria de Melhor Série Literária, com a série Wayfarer.[25]

Prêmios[editar | editar código-fonte]

Em 2020, o quadrinho Silvestre, de Wagner Willian, publicado pelo selo Graphic Novel, da DarkSideBooks, foi premiado com o Prêmio Jabuti de Melhor Quadrinho.[26]

Veja também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e f g h i j k l m n o p «DarkSide Institucional». DarkSide Books. Consultado em 19 de novembro de 2019 
  2. a b c Carla Knoplech, ed. (20 de fevereiro de 2016). «Pequena editora de terror, DarkSide Books tem números grandiosos». Veja Rio. Consultado em 19 de novembro de 2019 
  3. Renato Lebeau (ed.). «Entrevista com Christiano Menezes, DarkSide Book». Impulso HQ. Consultado em 19 de novembro de 2019 
  4. a b c d e f João Prata (ed.). «Em tempos sombrios do mercado editorial, a Darkside faz uma aposta certeira no terror». Projeto Draft. Consultado em 19 de novembro de 2019 
  5. «Editora Barba Negra encerra atividades». SuperNovo. Consultado em 19 de novembro de 2019 
  6. Roberto Cunha (ed.). «Os Goonies, O Massacre da Serra Elétrica e outros clássicos do cinema vão parar nas livrarias». Adoro Cinema. Consultado em 19 de novembro de 2019 
  7. Daniel Lameira (ed.). «O ponto cego do mercado editorial». Publish News. Consultado em 19 de novembro de 2019 
  8. Adriana Cecchi, ed. (6 de junho de 2016). «Entrevista - Andrew Pyper, autor de O Demonologista e Os Condenados». Redatora de Merda. Consultado em 21 de novembro de 2019 
  9. Everton Lopes Batista, ed. (25 de outubro de 2019). «Livro 'Medo Imortal' resgata ficção de horror escrita por autores brasileiros clássicos». Folha de S.Paulo. Consultado em 19 de novembro de 2019 
  10. DarkSide Books (ed.). «5 protagonistas inspiradoras da marca DarkLove». Selo DarkLove. Consultado em 19 de novembro de 2019 
  11. Sarah Ferragoni (ed.). «Darklove: selo Darkside exclusivo de autoras». Beco Literário. Consultado em 19 de novembro de 2019 
  12. Samir Naliato (ed.). «DarkSide Books lança o mangá A menina do outro lado, de Nagabe». Universo HQ. Consultado em 19 de novembro de 2019 
  13. Samir Naliato (ed.). «Editora DarkSide inaugura linha de graphic novels». Universo HQ. Consultado em 19 de novembro de 2019 
  14. Caroline Borges (ed.). «DarkSide Books leva nomes consagrados da literatura nacional para a Bienal do Livro em SP». Segs. Consultado em 19 de novembro de 2019 
  15. «Desconstruindo o machismo». Publish News. Consultado em 19 de novembro de 2019 
  16. Amauri Terto (ed.). «'A Vida Não Me Assusta', uma pérola literária que une Maya Angelou e Basquiat». Huffpost Brasil. Consultado em 19 de novembro de 2019 
  17. Editora DarkSide (ed.). «Mika Takahashi conta como foi ilustrar Alice no País das Maravilhas». DarkBlog. Consultado em 21 de novembro de 2019 
  18. «Macabra inaugura selo editorial em parceria com a DarkSide Books». Macabra.TV. Consultado em 22 de janeiro de 2020 
  19. «DarkSide traz luz ao mercado com ajuda de Jesus e Caveirinha». Publish News. 10 de março de 2015 
  20. «O lado pop da literatura». Diário do Nordeste. 8 de junho de 2015 
  21. «Pequena editora de terror, DarkSide Books tem números grandiosos». Veja Rio. 2 de janeiro de 2017 
  22. «O lado negro da Literatura». O Tempo. 6 de março de 2017 
  23. «Darkside Books: conheça a editora mais sombria do Brasil». Hypeness. Março de 2018 
  24. «Confira os vencedores do 30° Troféu HQ Mix». Universo HQ. 30 de agosto de 2018 
  25. Editora DarkSide (ed.). «Becky Chambers vence Hugo Awards 2019». DarkBlog. Consultado em 21 de novembro de 2019 
  26. «Premiados de 2020 em Literatura». Prêmio Jabuti. Consultado em 16 de março de 2021 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]