Darwinismo social

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Darwinismo social é um nome moderno dado a várias teorias da sociedade, que surgiram no Reino Unido, América do Norte e Europa Ocidental, na década de 1870.[1] Trata-se de uma tentativa de se aplicar o darwinismo nas sociedades humanas. Descreve o uso dos conceitos de luta pela existência e sobrevivência dos mais aptos, para justificar políticas que não fazem distinção entre aqueles capazes de sustentar a si e aqueles incapazes, de se sustentar. Esse conceito motivou as ideias de eugenia, racismo, imperialismo[2] , fascismo, nazismo e na luta entre grupos e etnias nacionais.[3]

O termo foi popularizado em 1944 pelo historiador norte-americano Richard Hofstadter, mas atualmente, por causa das conotações negativas da teoria do darwinismo social, especialmente após as atrocidades da Segunda Guerra Mundial, poucas pessoas se descrevem como social-darwinistas, e o termo é geralmente visto como pejorativo. [4]

Origens[editar | editar código-fonte]

O darwinismo social tem origem na teoria da seleção natural de Charles Darwin, que explica a diversidade de espécies de seres vivos através do processo evolução. O sucesso da teoria da evolução motivou o surgimento de correntes nas ciências sociais baseadas na tese da sobrevivência do mais adaptado, da importância de um controle sobre a demografia humana.[5]

De acordo com esse pensamento, existiriam características biológicas e sociais que determinariam que uma pessoa é superior à outra e que as pessoas que se enquadrassem nesses critérios seriam as mais aptas. Geralmente, alguns padrões determinados como indícios de superioridade em um ser humano seriam a habilidade nas ciências humanas e exatas em detrimento das outras ciências, como a arte, por exemplo, e a raça da qual ela faz parte.[5]

Um conjunto de pensadores atribui a fonte do darwinismo social ao próprio Darwin, que na sua obra A Origem do Homem, havia aplicado a sua teoria ao mundo social. Nesta obra, Darwin ocupa-se da evolução humana e, ao fazê-lo, aplica os mesmos critérios que utiliza em A Origem das Espécies.[5]

A teoria de Darwin diz também que no mundo sobrevive o mais adaptado, por isso há a evolução; que os seres vivos evoluem para continuarem vivos, e o próprio homem seria exemplo disso.[5]

Influência[editar | editar código-fonte]

O darwinismo social foi empregado para tentar explicar a inconstância pós-revolução industrial, sugerindo que os que estavam pobres eram os menos aptos (segundo interpretação da época da teoria de Darwin) e os mais ricos que evoluíram economicamente seriam os mais aptos a sobreviver, por isso, os mais evoluídos. Durante o século XIX, as potências europeias também usaram o darwinismo social como justificativa para o imperialismo.[6]

Críticas e controvérsias[editar | editar código-fonte]

Outros autores influenciados pelas ideias de Darwin se opuseram ao darwinismo social, como Herber Spencer e Piotr Kropotkin. Este último defende, em sua obra Ajuda Mútua: Um Fator de Evolução, que a solidariedade entre indivíduos de um mesmo grupo ou espécie é tão importante para a sobrevivência quanto a competição entre grupos e espécies.

Mais recentemente, o estudo das sociedades a partir do ponto de vista biológico foi chamado de sociobiologia, que com as inovações do campo da biologia e da sociologia, procura dar um parecer mais condizente com a realidade de hoje em dia. Da sociobiologia surgiu uma disciplina similar, a Psicologia Evolucionista.

Várias definições incompatíveis[editar | editar código-fonte]

O darwinismo social tem muitas definições, e algumas delas são incompatíveis entre si. Como tal, o darwinismo social tem sido criticado por ser uma filosofia inconsistente, que não conduz a quaisquer conclusões políticas claras. Por exemplo, o The Concise Oxford Dictionary of Politics afirma:

Cquote1.svg Parte da dificuldade em estabelecer o uso coerente e sensato é que o compromisso com a biologia da seleção natural e a "sobrevivência do mais apto" implicava nada uniforme, tanto para o método sociológico ou de doutrina política. O darwinista social poderia muito bem ser um defensor do laissez-faire, como um defensor do socialismo de Estado, tanto um imperialista como um eugenista doméstico. Cquote2.svg
Argumento crítico sobre o darwinismo social.[7]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Portal A Wikipédia possui o portal:

Referências

  1. Williams, Raymond. 2000. darwinismo social. Na avaliação crítica de Herbert Spencer. John Oferta. (Ed). pp. 186-199
  2. Leonard, Thomas C. (2009) Origins of the Myth of Social Darwinism: The Ambiguous Legacy of Richard Hofstadter’s Social Darwinism in American Thought (PDF) Journal of Economic Behavior & Organization 71, p.37–51
  3. Gregory Claeys (2000). A "sobrevivência do mais apto" e as Origens do darwinismo social. Revista de História das Ideias 61 (2): 223-240.
  4. Hodgson 2004, pp. 428–430
  5. a b c d Wells, D. Collin. 1907. "darwinismo social". American Journal of Sociology. Vol. 12, No. 5, pp. 695-716
  6. Spencer, Herbert. 1860. 'O organismo social ", publicado originalmente em The Review Westminster. Reproduzido em (1892) de Spencer Ensaios: científico, político e especulativo. Londres e Nova York.
  7. Oxford University, Iain (2009). The Concise Oxford Dictionary of Politics Oxford University Press [S.l.] p. 490. ISBN 9780199207800.  |last= e |autor= redundantes (Ajuda)