Davi Kopenawa Yanomami

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Davi Kopenawa Yanomami
Davi Kopenawa Yanomami participa da Festa Literária Internacional de Paraty de 201
Nascimento 18 de fevereiro de 1956 (62 anos)
Alto Rio Toototobi
 Amazonas,  Brasil
Nacionalidade brasileiro
Ocupação Xamã e líder político

Davi Kopenawa Yanomami (Alto Rio Toototobi, Amazonas, 18 de fevereiro de 1956) é um xamã e líder político yanomami. Atualmente é presidente da Hutukara Associação Yanomami (HAY), uma entidade indígena de ajuda mútua e etno-desenvolvimento.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Ainda criança, viu a população de sua terra natal ser dizimada por duas epidemias, ambas trazidas pelo contato com o homem branco: uma de gripe, em 1959, e outra de sarampo, em 1967. Trabalhou na Fundação Nacional do Índio como intérprete. Mudou-se para a aldeia Watorik+ na década de 1980. Casou-se com a filha do pajé e se tornou chefe do posto indígena Demini[2].

Foi um dos responsáveis pela demarcação do território Yanomami em 1992. Recebeu o prêmio ambiental Global 500 da ONU. Em 2010, viu suas palavras La chute du ciel, escrita em parceria com o antropólogo francês Bruce Albert, ser lançada na França[3]. O livro foi traduzido para o inglês, e publicado no Brasil em 2015, traduzido por Beatriz Perrone-Moisés com prefácio de Eduardo Viveiros de Castro. O livro é um manifesto Xamânico e testemunho autobiográfico de Davi para denunciar a destruição de seu povo. Foi escrito a partir de suas palavras contadas a Bruce Albert, seu amigo há mais de três décadas.

Em 2014, denunciou ter sido ameaçado de morte por garimpeiros[4].

A Queda do Céu[editar | editar código-fonte]

A obra se estrutura em três partes principais: I. Devir outro; II. A fumaça do metal e III. A queda do céu. A primeira parte apresenta, dentre outras coisas, um conjunto de princípios cosmológicos próprios da cultura Yanomami. A segunda, por sua vez, expõe diferentes processos destrutivos e de forte impacto ambiental. A terceira parte, por fim, refere-se a predição xamânica do cataclismo ambiental. A edição brasileira produzida pela Companhia das Letras tem aproximadamente 800 páginas e traz, para além do texto original, diferentes anexos, glossários, mapas e notas explicativas. Segundo o antropólogo José Antonio Kelly Luciani, a importância da obra e suas contribuições se dão por diferentes aspectos: "O mais estrito, para etnografia dos povos Yanomami: a amplitude dos temas tratados e o detalhe descritivo fazem deste livro uma espécie de enciclopédia Yanomami. Para os etnólogos (...) é também uma etnografia de referência no que toca ao xamanismo, por exemplo, mas também para tudo o que tem a ver com as relações dos indígenas com o Estado, o capital, os brancos. Há outros temas muito bem tratados, como a política indígena e a política étnica... Além disso, o livro é acessível a uma audiência que não precisa ser acadêmica nem particularmente conhecedora dos povos indígenas para aprender muito sobre indígenas, a vida nas fronteiras internas dos estados nacionais, o desenvolvimento para aqueles nas suas margens."[5]

Referências

  1. admin. «Novo Estatuto da Hutukara». www.hutukara.org (em inglês). Consultado em 9 de maio de 2018 
  2. A Saga de Davi Kopenawa. Comissão Pró-Yanomami
  3. Davi Kopenawa Yanomami. Trip, 13 de julho de 2012
  4. 'Estou sendo ameaçado de morte', diz líder indígena Davi Kopenawa, em RR. G1, 29 de julho de 2014
  5. Machado, Ricardo. «'A Queda do Céu' - O incomparável olhar Yanomami de Davi Kopenawa. Entrevista especial com José Antonio Kelly Luciani - Instituto Humanitas Unisinos - IHU». www.ihu.unisinos.br. Consultado em 5 de junho de 2018 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]