David Kato

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

David Kato Kisule (1964 - Kampala, 26 de janeiro de 2011) foi um professor e ativista dos direitos LGBT ugandense, considerado o pai do movimento pelos direitos gays do país.

Kato foi assassinado em 2011, logo após vencer um processo contra um jornal, chamado, Rolling Stone, que tinha publicado o seu nome e fotografia que o identificava como gay e pedindo para ele ser executado.[1] David foi espancado até à morte, em sua casa, nos arredores de Kampala, a 26 de janeiro de 2011.[2]

Referências

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.