David Lane

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
David Lane
Nome David Eden Lane
Data de nascimento 2 de novembro de 1938
Local de nascimento Woden, Iowa, Estados Unidos
Data de morte 28 de maio de 2007 (68 anos)
Local de morte Terre Haute, Indiana, Estados Unidos
Nacionalidade(s) norte-americano
Apelido(s) Wodensson
Reconhecido por Supremacia branca, Wotanismo, 14/88
Crime(s) Violação de direitos civis, extorsão, conspiração
Pena 190 anos
Situação Morto

David Eden Lane (Woden, 2 de novembro de 1938Terre Haute, 28 de maio de 2007) foi um supremacista branco estadunidense. É considerado um dos mais influentes líderes do neonazismo.[1] Morreu na prisão federal de Terre Haute, enquanto cumpria uma pena de 190 anos.

Vida e obra[editar | editar código-fonte]

Foi casado com Katja Lane (Katuscha Maddox), que defendia seus mesmos ideais, tendo ela sido, em conjunto com Ron McVan, a publicadora do livro "Temple of Wotan" (Templo de Wotan, em português).

Davi Lane criou um culto derivado do Odinismo, o Wotanismo. (Odin e Wotan são os mesmos deuses, porém na Escandinávia usa-se a denominação Odin" e no restante da Europa usa-se o termo "Wotan"). Segundo ele, "WOTAN" também poderia ser uma sigla para "Will of the Aryan Nation" (em português "Vontade da Nação Ariana").

Críticas ao wotanismo[editar | editar código-fonte]

Seu modo de avaliar Wotan (o rei dos Deuses na mitologia nórdica) foi por vezes criticado por neopagãos ao redor do globo. David Lane via Wotan como o arquétipo da raça ariana, crendo que ele era apenas um símbolo cultural étnico e um modelo a ser seguido, já que era o Deus da Sabedoria e da Guerra, remontando à ideia de que todo ariano deveria possuir intelecto e físico superiores aos pertencentes às demais raças.

Dessa forma, abandona a ideia de Wotan como "criatura divina" e torna-o apenas uma figura política e psicológica, atitude desaprovada pela maioria dos neopagãos.

The Order[editar | editar código-fonte]

Foi o fundador do "The Order" (em português, A Ordem), grupo auto-denominado nacionalista branco revolucionário e que perdurou de 1983 a 1984. O grupo ficou famoso pelo assassinato do radialista Alan Berg em 18 de Junho de 1984.

Referências

  1. Adriana Dias (junho de 2015). «O filho de Odin: a construção de si na autobiografia do líder neonazista David Lane». Revista Espaço Acadêmico n. 196, junho/2015. Consultado em 4 de julho de 2015