David Miranda

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja David Miranda (desambiguação).
David Miranda
Dep. David Miranda
Deputado Federal pelo Rio de Janeiro
Período 1º de fevereiro de 2019
até a atualidade
Vereador do Rio de Janeiro
Período 1º de janeiro de 2017
até 1° de fevereiro de 2019
Dados pessoais
Nome completo David Michael Miranda
Nascimento 10 de maio de 1985 (34 anos)
Rio de Janeiro, RJ
Nacionalidade brasileiro
Cônjuge Glenn Greenwald (c. 2005)
Filhos 2
Partido PSOL
Profissão Jornalista

David Michael dos Santos Miranda (Rio de Janeiro, 10 de maio de 1985)[1] é um jornalista, estrategista de marketing e político brasileiro, filiado ao Partido Socialismo e Liberdade (PSOL) e atual deputado federal pelo estado do Rio de Janeiro.

Nasceu e cresceu no Jacarezinho, coordenou a campanha pelo asilo a Edward Snowden no Brasil e trabalhou ativamente junto ao seu marido Glenn Greenwald nas revelações dos programas secretos de vigilância global dos Estados Unidos, efetuados pela sua Agência de Segurança Nacional.[2][3] Em 2013 foi detido pelo governo britânico justamente pelo trabalho que realizou sobre a vigilância em massa.[4]

Ativista LGBT e casado com Greenwald há 14 anos,[2] filiou-se ao PSOL e foi eleito como o primeiro vereador LGBT na história da Câmara do Rio de Janeiro.[5] Em 2019, ocupou a vaga do deputado federal eleito Jean Wyllys, que decidiu não assumir o mandato e deixou o país devido a ameaças de morte.[2][6][7]

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Miranda nasceu no Jacarezinho, subúrbio do Rio de Janeiro. Sua mãe morreu quando ele tinha cinco anos de idade.[3] Nunca conheceu o pai e morava com sua tia (Faxineira e mãe de cinco filhos). Começou a trabalhar ainda com nove anos, chegando a ser caixa de casa lotérica, office boy, entregador de panfleto, despachante e operador de telemarketing. Aos treze anos, saiu da casa para morar com dois primos na favela do Rato Molhado, em Inhaúma, zona norte do Rio. Conheceu Glenn em 2005 na praia de Ipanema, na altura da Farme de Amoedo, local bastante frequentado por LGBTs, que se estende do mar pelos bares e restaurantes da rua até a Lagoa. Poucos meses depois estavam casados pelas leis brasileiras, mais avançadas na época do que as dos Estados Unidos.[8]

Vida pública[editar | editar código-fonte]

Caso Snowden[editar | editar código-fonte]

Glenn Greenwald, com quem David é casado, foi contatado por Edward Snowden no final de 2012.[9] Ele também contatou a documentarista Laura Poitras em janeiro de 2013, que passou a trabalhar com Greenwald para preparar a publicação das denuncias de espionagem.[10] David agenciou todas as publicações realizadas por seu marido. Os primeiros documentos foram publicados em 6 de junho de 2013.[11][12][13] No Brasil, o programa Fantástico do dia 8 de Setembro de 2013, baseado em documentos fornecidos por Snowden a Greenwald, revelou que a NSA vem espionando a Petrobrás com fins de beneficiar os americanos nas transações com o Brasil.[14] Ainda em 2013, em reportagem com a jornalista Sônia Bridi, Greenwald revelou que além de grandes empresas como a Petrobrás, a presidente do Brasil, Dilma Rousseff, foi espionada pelo governo americano.[15] A partir de então, as revelações têm provocado reação em todos os países do mundo e na comunidade de especialistas na segurança da Internet.[16][17] Elas vão desde a participação nos programas de vigilância de empresas como Google, Facebook, Microsoft, a contaminação de computadores no mundo todo e a quebra dos códigos de criptografia da internet, fazendo toda a internet vulnerável a ataques, tanto pela NSA americana, como por predadores e criminosos.[18]

Miranda e Greenwald no Congresso Nacional em 2013

Em agosto de 2013, Miranda foi detido pela Polícia Metropolitana de Londres[19] quando fez escala na Inglaterra na viagem de volta de Berlim para o Brasil. Foi duramente interrogado e ficou detido por nove horas, incomunicável, sem lhe darem sequer o direito de fazer uma ligação telefônica muito menos contatar um advogado. Após o interrogatório, seu laptop, telefone, computador, câmera e outros objetos pessoais foram apreendidos.[20] Para justificar sua detenção, a Inglaterra fez uso de lei britânica antiterrorista - o Anexo 7 do Terrorism Act 2000, o equivalente britânico do PATRIOT Act americano, considerando o brasileiro como suspeito de terrorismo[21][22] A Anistia Internacional afirmou que Miranda foi "claramente vítima de uma injustificada tática de vingança" contra Greenwald. Por sua vez, o jornalista descreveu a detenção de seu parceiro como intenção de intimidação àqueles que têm vindo a escrever sobre a NSA e sobre a conivência do governo britânico com o sistema de vigilância global através do serviço de inteligência britânico, o Government Communications Headquarters (GCHQ). Desde então, Miranda processou a Polícia Metropolitana londrina.[23][24] Em fevereiro de 2014, a Justiça Britânica considerou a detenção de David Miranda como sendo legal.[25] Ele recorreu da decisão do tribunal londrino e obteve uma vitória.[26] Os juízes estimaram que um artigo-chave desta lei antiterrorista promulgada no ano 2000 - mais especificamente seu anexo 7 -, que amparou a atuação policial contra David em Londres, é contrário à lei europeia e que portanto cabe ao Parlamento britânico mudá-lo.[27]

Campanha por asilo a Snowden[editar | editar código-fonte]

David Miranda coordenou a campanha por asilo a Snowden no Brasil.[28][29] Com a colaboração de coletivos de juventude como o Juntos[30] e de organizações como o Avaaz,[31] Miranda conseguiu coletar mais de 1,5 milhão de assinaturas pedindo que o governo de Dilma Rousseff acolhesse o ex-agente da NSA em solo brasileiro.[32] Houve uma pressão forte para o apelo da campanha, muitas figuras públicas se engajaram, mas o governo rejeitou o pedido de asilo, que teve como ápice a “Carta aberta aos brasileiros”[33] redigida pelo próprio Edward Snowden.

A campanha teve repercussão internacional, e ganhou notoriedade na mídia do mundo todo. A Rússia, que mantinha o ex-agente asilado temporariamente, prorrogou seu asilo em agosto de 2014 por mais três anos.[34] Ele deu declarações em 2016 afirmando que voltaria aos EUA se recebesse garantias do Estado de um julgamento justo, em que possa defender suas causas junto à sociedade.[35]

Eleições 2014[editar | editar código-fonte]

Nas eleições presidenciais de 2014, Luciana Genro se reuniu com David Miranda e Glenn Greenwald, se comprometendo com a campanha de asilo a Snowden no Brasil.[36] A relação com o partido de Luciana Genro, o PSOL, foi estabelecida na campanha por asilo ao ex-agente da CIA coordenada por David Miranda no ano de 2013.[37] A boa relação resultou na filiação de David Miranda ao Partido Socialismo e Liberdade.

Ativismo e trabalho político[editar | editar código-fonte]

David Miranda e Luciana Genro durante o Ato em Defesa do Mandato de Jean Wyllys em 2017

Miranda tem como militância de vida a causa LGBT e a luta por direitos civis aos segmentos da sociedade que sofrem preconceitos.[38] Sua atuação com os movimentos organizados, no entanto, despontou no ano em que milhões de jovens tomaram as ruas e apolítica para si nas jornadas de junho de 2013. A partir dali, evento que coincidiu com seu trabalho junto a Greenwald e Snowden, sua atuação política organizada aumentou. Se engajou nas eleições de 2014, filiou-se ao PSOL e em 2015 iniciou um trabalho de ativismo com o coletivo Juntos: a Casa da Juventude no Rio de Janeiro.[39] Trata-se de um território que reúne ativistas jovens de vários segmentos e pautas de toda a cidade, promovendo cultura, debate e midiativismo.

Também em 2015, a partir do trabalho com a Casa da Juventude, coordenou e formatou um documento internacional de proteção aos denunciantes do Estado, denominado Tratado Snowden.[40] O Tratado foi lançado com o apoio de inúmeras personalidades do mundo todo e segue sendo trabalhado junto a especialistas dos direitos humanos internacionais para ser apresentado a ONU.[41] A essência do Tratado é que se tenham normas internacionais sobre como os países devem se portar e proteger denunciantes como Edward Snowden.[42]

Em fevereiro de 2016, Miranda coordenou uma campanha em defesa do programa estadual do Rio de Janeiro que combate a LGBTfobia: “SOS Rio Sem Homofobia”. No contexto de crise profunda do estado do Rio de Janeiro, o secretário de Direitos Humanos a época, o pastor Ezequiel Teixeira, cortou verbas e inviabilizou o prosseguimento do programa Rio Sem Homofobia.[43] Diversos setores da sociedade e da comunidade LGBT se mobilizaram para defender a manutenção do programa. A campanha tocada por Miranda e a Casa da Juventude contou mais uma vez com o engajamento de jovens ativistas e personalidades brasileiras. O programa foi resgatado e o pastor deixou a pasta de direitos humanos.[44]

Em julho de 2016 Miranda protagonizou o principal embate do ano contra o Grupo Globo e um de seus herdeiros, João Roberto Marinho.[45] Diante da grave crise institucional do país, e do eminente impeachment da presidente Dilma Rousseff, e ainda do questionamento do papel da imprensa (sobretudo do Grupo Globo), Miranda publicou um artigo[46] no jornal britânico The Guardian criticando o papel da mídia e seu oligopólio no Brasil. O artigo teve ampla repercussão internacional. Marinho pediu direito de resposta no jornal e foi publicado nos comentários do artigo de Miranda. Em seguida, Marinho recebeu mais uma resposta de Miranda, desta vez no The Intercept.[47]

Em agosto de 2016 disputou as eleições para vereador na cidade do Rio de Janeiro pelo PSOL.[48] Foi eleito como um dos seis vereadores do partido na cidade e compôs a segunda maior bancada do Palácio Pedro Ernesto.[49] David Miranda foi o primeiro vereador gay da cidade do Rio de Janeiro a assumir uma cadeira na casa.

Deputado Federal[editar | editar código-fonte]

Disputou as eleições de 2018 pelo PSOL, candidato à Câmara dos Deputados. Recebeu pouco mais de 17 mil votos, alcançando a primeira suplência da coligação PSOL-PCB.[50] Com a decisão do deputado Jean Wyllys (PSOL) de não assumir o mandato, para o qual foi reeleito, e viver fora do país, David assumiu o mandato em 1° de fevereiro de 2019.[6][7]

Referências

  1. «Biografia David Miranda». Câmara dos deputados. Consultado em 16 de fevereiro de 2019 
  2. a b c Luiza Albuquerque, Ana (25 de janeiro de 2019). «Jean Wyllys sai como herói, passando o bastão para mim, afirma David Miranda». Folha de S.Paulo. Consultado em 16 de fevereiro de 2019 
  3. a b Pedro Caleiro, João (24 de janeiro de 2019). «David Miranda, que vai substituir Jean Wyllys, já manda recado a Bolsonaro». EXAME. Consultado em 16 de fevereiro de 2019 
  4. «Reações à detenção do brasileiro David Miranda em Londres». O Globo. 19 de agosto de 2013. Consultado em 13 de maio de 2017 
  5. «Rio e SP terão vereadores gays.». Guia Gay de Salvador. 3 de outubro de 2016. Consultado em 13 de maio de 2017 
  6. a b «Jean Wyllys decide não tomar posse para novo mandato em razão de ameaças, diz assessoria». G1. Consultado em 24 de janeiro de 2019 
  7. a b Maia, Gustavo (24 de janeiro de 2019). «"Negro, gay e favelado": quem é o suplente de Jean Wyllys na Câmara». UOL Política. Consultado em 24 de janeiro de 2019 
  8. «Conheça o braço direito do jornalista que os EUA mais odeiam hoje no mundo». Terra 
  9. Maass, Peter (13 de agosto de 2013). «How Laura Poitras Helped Snowden Spill His Secrets» 🔗. The New York Times. ISSN 0362-4331 
  10. «Entenda o caso de Edward Snowden, que revelou espionagem dos EUA». Mundo. 2 de julho de 2013 
  11. «"Se violação atingiu a presidente, o que não dizer de cidadãos?", diz Cardozo - Edição de Notícias». www.edicaoms.com.br. Consultado em 10 de dezembro de 2016 
  12. «Correio Braziliense - Notícias, DF, Política, Economia, Brasil». www.correiobraziliense.com.br. Consultado em 10 de dezembro de 2016 
  13. Greenwald, Glenn (6 de junho de 2013). «NSA collecting phone records of millions of Verizon customers daily». The Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077 
  14. «Petrobras foi espionada pelos EUA, apontam documentos da NSA». Fantástico. 8 de setembro de 2013 
  15. «Documentos da NSA apontam Dilma Rousseff como alvo de espionagem». Política. 1 de setembro de 2013 
  16. «Revelações mostram que NSA pode quebrar barreiras de proteção da internet». Jornal Nacional. 5 de setembro de 2013 
  17. «NSA violava privacidade milhares de vezes por ano, diz jornal». Mundo. 16 de agosto de 2013 
  18. «NSA capta dados de rede social para traçar perfil de americanos, diz jornal». Mundo. 28 de setembro de 2013 
  19. Bonis, Gabriel. «Brasileiro detido abre ação contra o governo britânico». CartaCapital 
  20. «País protesta contra a detenção de brasileiro em aeroporto de Londres | VEJA.com». VEJA.com. 18 de agosto de 2013 
  21. Bonis, Gabriel. «Brasileiro detido abre ação contra o governo britânico». CartaCapital 
  22. «Reino Unido: parceiro de Greenwald está envolvido em 'terrorismo'». Terra 
  23. «Brasileiro inicia ação na Justiça após detenção em Londres». O Globo. 20 de agosto de 2013 
  24. «Defesa de David Miranda contesta legalidade de detenção em aeroporto». O Globo. 6 de novembro de 2013 
  25. «Detenção de David Miranda em aeroporto de Londres foi legal, diz Justiça britânica - 19/02/2014 - Mundo - Folha de S.Paulo». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 10 de dezembro de 2016 
  26. «'Britânicos têm democracia que não é democracia', diz David Miranda». O Globo. 19 de fevereiro de 2014 
  27. «Corte vê detenção de David Miranda como incompatível com lei europeia». Mundo. 19 de janeiro de 2016 
  28. «Brasileiro e ONG iniciam campanha por asilo a Snowden - 17/12/2013 - Mundo - Folha de S.Paulo». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 10 de dezembro de 2016 
  29. 24/7, Brasil (10 de dezembro de 2016). «David Miranda clama por asilo a Snowden». jornal 
  30. «Debate com David Miranda fortalece a campanha por Asilo para Snowden!». Juntos!. 26 de janeiro de 2014 
  31. «Como o Brasil pode ajudar o herói da liberdade de informação?». Avaaz. Consultado em 10 de dezembro de 2016 
  32. «David Miranda diz que pedirá apoio do Congresso por asilo a Snowden». Mundo. 27 de janeiro de 2014 
  33. «David Miranda: Carta aberta aos brasileiros - 22/12/2013 - Opinião - Folha de S.Paulo». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 10 de dezembro de 2016 
  34. «Após fuga dos EUA, Edward Snowden foi acolhido por refugiados em Hong Kong - Notícias - Internacional» 🔗. Internacional 
  35. «Snowden estipula condições para voltar aos EUA». br.sputniknews.com. Consultado em 10 de dezembro de 2016 
  36. «Luciana Genro se reúne com jornalista do caso Snowden». Terra 
  37. Genro, Luciana (16 de julho de 2014). «Luciana Genro afirma que receberá Snowden no Brasil, se eleita em outubro próximo». Luciana Genro 
  38. «Conheça o braço direito do jornalista que os EUA mais odeiam hoje no mundo». Terra 
  39. «JUNTOS RJ inaugura Casa da Juventude com David Miranda na Pedra do Sal | Movimento Esquerda Socialista - MES». Movimento Esquerda Socialista - MES. 26 de abril de 2015 
  40. «SNOWDEN TREATY». SNOWDEN TREATY. Consultado em 10 de dezembro de 2016 
  41. Onofre, Julio Sánchez. «"Tratado Snowden", oportunidad para México en combate a espionaje» 
  42. «Snowden lança campanha por tratado global de privacidade». br.reuters.com. Consultado em 10 de dezembro de 2016 
  43. «Rio Sem Homofobia suspende serviços e demite». O Globo. 16 de fevereiro de 2016 
  44. «Pezão exonera Ezequiel Teixeira, o pastor-secretário que diz acreditar na 'cura gay'». Extra Online 
  45. «David Miranda: um perfil do ativista que enfureceu João Roberto Marinho. Por Leo Mendes» 
  46. «A razão real que os inimigos de Dilma Rousseff querem seu impeachment». The Guardian (em inglês). 22 de abril de 2016. ISSN 0261-3077 
  47. «João Roberto Marinho Me Atacou no Guardian e Tentou Enganar o Mundo. Eis Minha Resposta.». The Intercept. Consultado em 10 de dezembro de 2016 
  48. «David Miranda, companheiro de Greenwald, é candidato a vereador no Rio - Agência Estado - UOL Notícias». UOL Notícias 
  49. «Apoiado por Snowden, David Miranda é eleito vereador no Rio». Olhar Digital - O futuro passa primeiro aqui. Consultado em 10 de dezembro de 2016 
  50. «Apuração dos votos: Eleições de 2018». Gazeta do Povo. Consultado em 24 de janeiro de 2019 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Categoria no Commons
Wikinotícias Notícias no Wikinotícias
Wikinotícias Categoria no Wikinotícias