David Rockefeller

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde fevereiro de 2015)
Por favor, melhore este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário.
David Rockefeller
Rockefeller em 1953
Nascimento 12 de junho de 1915
Nova Iorque, Nova Iorque
Morte 20 de março de 2017 (101 anos)
Mount Pleasant, Nova Iorque
Nacionalidade norte-americano
Fortuna Aumento US$ 3,3 bilhões
Progenitores Mãe: Abby Aldrich Rockefeller
Pai: John D. Rockefeller, Jr.
Cônjuge Margaret McGrath
Alma mater Universidade Harvard
London School of Economics
Universidade de Chicago
Ocupação Banqueiro
Prémios Medalha Presidencial da Liberdade (1998)

David Rockefeller (Nova Iorque, 12 de junho de 1915Mount Pleasant, 20 de março de 2017[1]) foi um banqueiro e filantropo estadunidense, que atuou como presidente e executivo-chefe do Chase Manhattan Corporation. Foi o mais antigo membro vivo da família Rockefeller, patriarca desde julho de 2004. Era o filho mais novo de John D. Rockefeller, Jr. e Abby Aldrich Rockefeller, e último neto sobrevivente de John D. Rockefeller e Laura Spelman Rockefeller.

Vida e obra[editar | editar código-fonte]

David Rockefeller nasceu na cidade de Nova Iorque, e cresceu em uma casa de nove andares no número 10 da West 54th Street, na época, a maior residência particular da cidade.[2] Ele é o caçula dos seis filhos do financista John Davison Rockefeller, Jr. e da socialite Abigail Greene "Abby" Aldrich. John Jr. era o único filho do co-fundador da Standard Oil Company John Davison Rockefeller, Sr. e da professora Laura Celestia "Cettie" Spelman. Abby era filha do senador Nelson Aldrich Wilmarth e Abigail Pearce Truman "Abby" Chapman. Os cinco irmãos mais velhos de David eram Abby (1903-1976), John III (1906-1978), Nelson (1908-1979), Laurance (1910-2004), e Winthrop (1912-1973). A casa continha tesouros raros, antigos, medievais e renascentistas recolhidos por seu pai, com alguns, como as tapeçarias do unicórnio, mantido em um edifício adjacente na 12 West 54th Street. No sétimo andar ficava a moderna galeria de arte privada de sua mãe. A casa foi posteriormente doada pelo pai de David como um local para um jardim de esculturas, que agora faz parte do Museu de Arte Moderna de Nova Iorque.

Fachada da mansão Kykuit, na cidade de Nova Iorque, construída por John D. Rockefeller Sr., e sede da família Rockefeller

Quando criança ele passou muito tempo na propriedade familiar Kykuit, onde, em suas memórias, ele lembra de visitas de amigos de seu pai, incluindo o general George C. Marshall, o aventureiro almirante Richard Evelyn Byrd (cujas expedições à Antártida haviam sido financiadas pela família), e o aviador Charles Lindbergh. As férias de verão aconteciam no Eyrie, uma casa de 100 quartos em Seal Harbor, na costa sudeste da Ilha de Mount Desert, no Maine.[2] A casa foi demolida a pedido da família no início da década de 1960.

Rockefeller frequentou a Experimental Lincoln School na 123 Street, em Harlem. A escola foi ideia de Abraham Flexner, que tinha estruturado a instituição segundo a filosofia educacional de John Dewey. Foi inaugurada em 1916 e foi operada pela Teachers College da Universidade Columbia, com financiamento cruciais em seus primeiros anos da General Education Board dos Rockefellers, uma instituição educacional filantrópica depois vinculada à Fundação Rockefeller.

Em 1936, Rockefeller graduou-se cum laude pela Universidade de Harvard, onde também estudou economia durante um ano e posteriormente mais um ano na London School of Economics (LSE).[3] Foi na LSE que ele conheceu o futuro presidente John F. Kennedy (embora ele tivesse sido mais cedo seu contemporâneo na Universidade de Harvard) e namorou a irmã de Kennedy, Kathleen. Durante seu tempo no exterior, Rockefeller trabalhou brevemente na sucursal de Londres do que se tornou o Chase Manhattan Bank. Tendo retornado aos Estados Unidos para completar seus estudos de pós-graduação, em 1940, ele recebeu um Ph.D. da Universidade de Chicago.[2] Sua dissertação foi intitulada Unused Resources and Economic Waste (recursos não utilizados e desperdício econômico).[3]

Após completar seus estudos em Chicago, ele se tornou secretário do prefeito de Nova Iorque, Fiorello La Guardia, durante 18 meses a um "dólar por ano", na posição de serviço público. Embora o prefeito indicou à imprensa que Rockefeller era apenas um dos 60 estagiários do governo da cidade, o seu espaço de trabalho foi, de fato, a vacância do cargo de vice-prefeito.[carece de fontes?]

De 1941 a 1942, Rockefeller foi diretor regional adjunto do Escritório de Defesa, Saúde e Serviços Sociais dos Estados Unidos. Depois que a guerra eclodiu, ele se alistou no Exército dos Estados Unidos e frequentou a Officer Candidate School, em 1943; ele acabou sendo promovido a capitão em 1945. Durante a Segunda Guerra Mundial, ele serviu no Norte de África e França (David falava fluentemente francês) para a inteligência militar da criação de unidades de inteligência políticos e econômicos. Durante sete meses, ele também atuou como adido militar adjunto da embaixada americana em Paris.[3] Durante este período, ele recorreria a contatos familiares e executivos da Standard Oil em caso de assistência.

Em 1946, Rockefeller se juntou à equipe do Chase National Bank, instituição associada desde longa data à família Rockefeller. O presidente na época era o seu tio Winthrop W. Aldrich. O Banco Chase, foi principalmente um banco de atacado, lidando com outras instituições proeminentes financeiras e grandes clientes corporativos, tais como General Electric (que tinha, através de sua filial RCA, arrendado espaço de destaque e tornou-se um primeiro inquilino crucial do Rockefeller Center, em 1930). O banco também estava intimamente associado à indústria petrolífera, tendo conexões de longa data com os seus conselheiros para as empresas sucessoras da Standard Oil, especialmente Exxon Mobil. Chase National posteriormente tornou-se o Chase Manhattan Bank em 1955 e mudou significativamente sua banca de consumo. A instituição agora é chamada JPMorgan Chase.

Rockefeller começou como um gerente assistente no Departamento Estrangeiro. Lá, ele financiou o comércio internacional de uma série de commodities, como café, açúcar e metais. Esta posição também lhe permitiu manter relações com mais de 1000 bancos correspondentes em todo o mundo. Ele atuou em outras posições e tornou-se presidente em 1960. [3] Foi presidente e executivo-chefe do Chase Manhattan (1969-1980) e presidente até 1981. Em 1980, era o maior acionista individual do banco, com 1.7% de suas ações.

Em 1954, Rockefeller tornou-se presidente do comitê encarregado de decidir o local da nova sede do banco. No ano seguinte, a sua decisão de erigir o edifício na área de Wall Street foi aceita; posteriormente foi visto como uma decisão que directamente reviveu o centro financeiro da cidade. Em 1960, a sede foi concluída sob sua direção no One Chase Manhattan Plaza, em Liberty Street, no centro de Manhattan, bem em frente ao Federal Reserve Bank de Nova York. Com 60 andares, era na época o maior prédio do banco no mundo; também tinha cinco andares subterrâneos e abrigava o maior cofre do banco.

Na década de 1960 Rockefeller e outros empresários formaram o International Advisory Committee (IAC), que até 2005 consistiu de vinte e oito proeminentes empresários de 19 países de todo o mundo, muitos dos quais eram seus amigos pessoais. Rockefeller, posteriormente, tornou-se presidente do comitê até que se aposentou dessa posição no IAC em 1999. Após a fusão com J.P. Morgan, esta comissão foi rebatizada para International Council, e contém figuras proeminentes, como Henry Kissinger, Riley P. Bechtel (do Grupo Bechtel ), Andre Desmarais, Lee Kuan Yew e George Shultz, o atual presidente. Historicamente, figuras proeminentes no IAC têm incluído Gianni Agnelli (um associado de longa data, que passou 30 anos no Comitê), John Loudon (presidente da Royal Dutch Shell), C. Douglas Dillon, David Packard e Henry Ford II.

Sob seu mandato como CEO, Chase expandiu internacionalmente e tornou-se um pilar central no sistema financeiro mundial; o Chase tem uma rede global de bancos correspondentes que tem sido estimados em cerca de 50.000, o maior de qualquer banco do mundo. Em 1973, Chase estabeleceu a primeira filial de um banco americano em Moscou, perto do Kremlin, na então União Soviética. Naquele ano Rockefeller viajou para a China, como resultado seu banco tornou-se o Banco Nacional e primeiro banco correspondente da China nos Estados Unidos.

Em novembro de 1979, enquanto presidente do Banco Chase, Rockefeller envolveu-se em um incidente internacional quando ele e Henry Kissinger, juntamente com John J. McCloy e assessores de Rockefeller, convenceu o presidente Jimmy Carter, através do Departamento de Estado dos Estados Unidos a admitir o Xá do Irã, Mohammad Reza Pahlavi, para os Estados Unidos para tratamento hospitalar para o linfoma. Esta ação diretamente precipitada que ficou conhecida como a crise dos reféns do Irã colocou Rockefeller sob escrutínio da mídia intensa (especialmente do The New York Times), pela primeira vez em sua vida pública.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Memoirs, David Rockefeller, Nova Iorque: Random House, 2002.

Leitura adicional:

  • The Rockefeller Century: Three Generations of America's Greatest Family, John Ensor Harr and Peter J. Johnson. Nova Iorque: Charles Scribner's Sons, 1988.
  • The Rockefeller Conscience: An American Family in Public and in Private, John Ensor Harr and Peter J. Johnson, Nova Iorque: Charles Scribner's Sons, 1992.
  • The Life of Nelson A. Rockefeller: Worlds to Conquer 1908–1958, Cary Reich, Nova Iorque: Doubleday, 1996.
  • Abby Aldrich Rockefeller: The Woman in the Family, Bernice Kert, Nova Iorque: Random House, 1993.
  • Those Rockefeller Brothers: An Informal Biography of Five Extraordinary Young Men, Joe Alex Morris, Nova Iorque: Harper & Brothers, 1953.
  • The Rockefellers: An American Dynasty, Peter Collier and David Horowitz, Nova Iorque: Holt, Rinehart & Winston, 1976.
  • The American Establishment, Leonard Silk and Mark Silk, Nova Iorque: Basic Books, Inc., 1980.
  • American Hegemony and the Trilateral Commission, Stephen Gill, Boston: Cambridge University Press, Reprint Edition, 1991.
  • The Chase: The Chase Manhattan Bank, N.A., 1945–1985, John Donald Wilson, Boston: Harvard Business School Press, 1986.
  • Wriston: Walter Wriston, Citibank, and the Rise and Fall of American Financial Supremacy, Phillip L. Zweig, Nova Iorque: Crown Publishers, 1995.
  • Paul Volcker: The Making of a Financial Legend, Joseph B. Treaster, Nova Iorque: Wiley, 2004.
  • Financier: The Biography of André Meyer; A Story of Money, Power, and the Reshaping of American Business, Cary Reich, Nova Iorque: William Morrow and Company, Inc., 1983.
  • Continuing the Inquiry: The Council on Foreign Relations from 1921 to 1996, Peter Grose, Nova Iorque: Council on Foreign Relations: 1996.
  • Imperial Brain Trust: The Council on Foreign Relations and United States Foreign Policy, Laurence H. Shoup, and William Minter, Nova Iorque: Authors Choice Press, (Reprint), 2004.
  • Cloak of Green: The Links between Key Environmental Groups, Government and Big Business, Elaine Dewar, Nova Iorque: Lorimer, 1995.
  • The Shah's Last Ride, William Shawcross, Nova Iorque: Simon & Schuster, 1989.
  • Divided We Stand: A Biography of Nova Iorque City's World Trade Center, Eric Darton, Nova Iorque: Basic Books, 1999.
  • The Power Broker: Robert Moses and the Fall of Nova Iorque, Robert Caro, Nova Iorque: Random House, 1975.
  • The Rich and the Super-Rich: A Study in the Power of Money Today, Ferdinand Lundberg, Nova Iorque: Lyle Stuart; Reprint Edition, 1988.
  • Interlock: The untold story of American banks, oil interests, the Shah's money, debts, and the astounding connections between them, Mark Hulbert, Nova Iorque: Richardson & Snyder; 1st edition, 1982.
  • The Money Lenders: Bankers and a World in Turmoil, Anthony Sampson, Nova Iorque: Viking Press, 1982.
  • The Chairman: John J. McCloy—The Making of the American Establishment, Kai Bird, Nova Iorque: Simon & Schuster, 1992.

Referências

  1. Kandell, Jonathan (20 de março de 2017). «David Rockefeller, Philanthropist and Head of Chase Manhattan, Dies at 101» (em inglês). The New York Times 
  2. a b c Brooks, David (20 de outubro de 2002). «Born to Be Mild» (em inglês). The New York Times. Consultado em 21 de março de 2017 
  3. a b c d «David Rockefeller». The Rockefeller Archive Center (em inglês). Consultado em 21 de março de 2017 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: David Rockefeller