Davincci Lourenço de Almeida

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
NoFonti.svg
Esta biografia de uma pessoa viva cita fontes confiáveis e independentes, mas elas não cobrem todo o texto. (desde julho de 2017) Ajude a melhorar esta biografia providenciando mais fontes confiáveis e independentes. Material controverso sobre pessoas vivas sem apoio de fontes confiáveis e verificáveis deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Davincci Lourenço de Almeida
Nome completo Davincci Lourenço de Almeida
Nascimento
São Paulo, SP
 Brasil
Nacionalidade  Brasileiro

Davincci Lourenço de Almeida é um cidadão brasileiro que ganhou notoriedade em fevereiro de 2017 quando figurou na capa da revista de circulação nacional IstoÉ. Com o título “Levei mala de dinheiro para Lula” [1], a reportagem da revista relata, baseada inteiramente nas declarações de Davincci Lourenço de Almeida, uma série de crimes cometidos por figuras proeminentes do empresariado e da política brasileira, incluindo o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o empresário Fernando de Arruda Botelho, ex-acionista da construtora Camargo Corrêa morto em acidente aéreo em abril de 2012. [2]

Antes da exposição resultante da reportagem da IstoÉ, Davincci Lourenço de Almeida já era uma figura conhecida nas redes sociais, onde mantinha uma série de perfis em diferentes plataformas. Um dos alvos mais conhecidos de suas acusações foi o deputado federal Celso Russomanno (PRB-SP).[3]

A atuação de Davincci Lourenço de Almeida nas redes sociais lhe rendeu alcunhas como o “rei do Fake News” [4], “alucinado” [5] e “visivelmente perturbado” [6]. Em razão da sua atuação, visando sempre figuras de reconhecimento nacional atacadas por meio de postagens e vídeos em redes sociais, é alvo de uma série de processos na Justiça[7]. Uma de suas acusações nas redes sociais foi analisada e desmentida pelo site Boatos.org.[3]

Entre os conteúdos divulgados por Davincci Lourenço de Almeida que ganharam repercussão após a publicação da reportagem da IstoÉ está um vídeo em que ele afirma que doenças como Dengue e o Zika vírus foram criadas propositalmente pelo governo.[8]

Em uma série de publicações em seus canais sociais, também é possível encontrar imagens de Davincci Lourenço de Almeida usando uniformas das Forças Armadas brasileiras e de uma série de outras forças policiais internacionais como FBI e a NYPD. [9]

Entrevista à IstoÉ[editar | editar código-fonte]

Em 17 de fevereiro de 2017, em sua edição n° 2.462, a revista IstoÉ publicou reportagem baseada em entrevistas concedidas por Davincci Lourenço de Almeida em que relata uma série de crimes, incluindo assassinato e corrupção.

Davincci Lourenço de Almeida foi caracterizado pela revista IstoÉ como “químico sem formação superior”[10], fazendo referência às alegações do próprio Davincci de que seria um inventor envolvido em projetos relacionados a nanotecnologia e um “um produto revolucionário para limpeza de aviões”. [11]

Processo de Lula, repercussão e críticas[editar | editar código-fonte]

Após a publicação da reportagem da IstoÉ, tanto a revista e os jornalistas Sérgio Pardellas e Germano Oliveira, quanto Davincci Lourenço de Almeida foram processados pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. [12][13]

Em nota oficial publicada em seu site, os advogados do ex-presidente afirmaram que “a revista [IstoÉ] ouviu uma pessoa sem equilíbrio ou credibilidade, com uma história maluca, sem checar ou ouvir o outro lado, jogando declarações sem base ou prova em sua capa para tentar difamar o ex-presidente”. [14]

Na inicial da ação, os advogados do ex-presidente destacaram publicações realizadas por Davincci Lourenço de Almeida em suas redes sociais. Em uma dessas postagens, Davincci Lourenço de Almeida afirma que participou de reuniões com “agentes da OTAN” e da “NASA” para repassar produtos tecnológicos: “Intitulando-se “físico químico nuclear”, ou expert em “física quântica”, mesmo confessando não possuir nenhum diploma de graduação, recentemente afirmou ter inventado “produtos de nanotecnologia”, que teriam sido vendidos a forças de segurança nacionais e internacionais: “em 1991 em uma reunião (sic) secreta com agentes da OTAN passei para engenharia da NASA produtos de NANOTECNOLOGIA MILITAR uv30 como projetar Pico e nano as medidas ainda desconhecida e usadas por humanos e agora 2017 percebo que usam em configuração projetada a ILUSÃO remota trabalhando o real com ilusionismo. Davincci Lourenço de almeida cientista de NANOTECNOLOGIA aeronáutica pode provar explicar que Projeto Blue Beam é plágio primário de holográficas é nano. o Passo Quatro do Projeto Blue Beam da NASA. A quarta etapa diz respeito à manifestação universal sobrenatural com meios eletrônicos. Ele contém três diferentes orientações. Uma é fazer com que a humanidade acreditar que um estrangeiro (fora do mundo), a invasão está prestes a ocorrer em todas as principais cidades do mundo, a fim de provocar cada nação importante para usar suas armas nucleares para atacar. Desta forma, o Tribunal de Justiça das Nações Unidas que exige que todas as nações, que lançou as armas nucleares para desarmar quando a invasão é que tenham sido comprovadamente falsos. ESPEREMOS COISAS OCULTAS NO MUNDO REAL”. (publicação de 31.01.2017 – destacou-se)”. [15]

A reportagem da IstoÉ gerou repercussão imediata em outros veículos da mídia brasileiras e foi contestada no que diz respeito à confiabilidade das informações prestadas por Davincci Lourenço de Almeida. A publicação online Jornal GGN destacou que “Fonte da IstoÉ se contradiz ao acusar Lula” [16], a publicação Revista Fórum divulgou a reportagem “Sujeito que denuncia Lula na IstoÉ é visivelmente perturbado”[6], e a publicação Diário do Centro do Mundo publicou “Istoé perde todos os limites e põe alucinado para atacar Lula”.[5]

Celso Russomanno[editar | editar código-fonte]

Um dos alvos das acusações de Davincci Lourenço de Almeida nas redes sociais é o deputado federal Celso Russomanno (PRB-SP), que em maio de 2017 divulgou um vídeo em sua página oficial no YouTube para desmentir acusações feitas por Davincci. [17]. Davincci divulgou amplamente que Russomanno teria participado de um esquema de fraudes em urnas eletrônicas durante a eleição municipal na cidade de São Paulo em 2016.

O boato que circulava em redes sociais havia sido identificado e desmentido em setembro de 2016 pelo site Boatos.org.[3]

Processos em curso na Justiça[editar | editar código-fonte]

Além do processo movido pelo ex-presidente Lula, Davincci Lourenço de Almeida foi acionado por outras pessoas e empresas por calúnia e difamação. Entre os que estão processando Davincci a companhia Vale Fertilizantes [18] e executivos e acionistas da construtora Camargo Corrêa[19]. Davincci também é investigado em um inquérito policial no TRF-3. [20]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Sérgio Pardellas e Germano Oliveira (17 fevereiro 2017). «Levei mala de dinheiro para Lula». Consultado em 11 julho 2017. 
  2. Estado de São Paulo (13 abril 2012). «Morre Fernando Arruda Botelho, da Camargo Corrêa, em acidente aéreo». Consultado em 11 julho 2017. 
  3. a b c Boatos.org (26 setembro 2016). «Celso Russomanno fraudou urnas e alterou resultado das eleições #boato». Consultado em 11 julho 2017. 
  4. «Davincci Lourenço de Almeida é o Rei das Fake News» 
  5. a b Diário do Centro do Mundo/Fernando Brito (18 fevereiro 2017). «Istoé perde todos os limites e põe alucinado para atacar Lula». Consultado em 11 julho 2017. 
  6. a b Revista Fórum (20 fevereiro 2017). «Sujeito que denuncia Lula na "IstoÉ" é visivelmente perturbado». Consultado em 11 julho 2017. 
  7. «Davincci Lourenço de Almeida: Processos em curso na Justiça» 
  8. Davincci Lourenço de Almeida: Zika, Vírus PeTista no YouTube
  9. «Davincci Lourenço de Almeida não é militar». 28 junho 2017. Consultado em 11 julho 2017. 
  10. Transcrição de reportagem da revista IstoÉ
  11. Transcrição de reportagem da revista IstoÉ
  12. Página oficial de Lula (23 de fevereiro de 2017). «Lula processa revista Isto É por matéria mentirosa e sensacionalista». Consultado em 11 de julho de 2017. 
  13. Consultor Jurídico (24 fevereiro 2017). «Ex-presidente Lula pede R$ 1 milhão à IstoÉ por danos morais em reportagem». Consultado em 11 julho 2017. 
  14. Transcrição da nota publicada no site de Lula
  15. PDF da inicial da ação impetrada pelos advogados do ex-presidente Lula
  16. Jornal GGN (18 fevereiro 2017). «Fonte da IstoÉ se contradiz ao acusar Lula, e entregador da "mala de dinheiro" desmente». Consultado em 11 julho 2017. 
  17. Celso Russomanno desmente acusações sobre fraudes nas urnas eletrônicas no YouTube
  18. JusBrasil - Processo n. 1000054-03.2017.8.26.0050 - Crimes de Calúnia, Injúria e Difamação de Competência - Querelante : Vale Fertilizantes S/A - Querelado: Davincci Lourenço de Almeida
  19. JusBrasil - Processo n. 1000361-88.2016.8.26.0050 – Representação Criminal/Notícia de Crime - Querelante: Rosana Camargo de Arruda Botelho - Querelado: Davincci Lourenço de Almeida
  20. JusBrasil - Processo n. 0012939-07.2016.403.6119 – Inquérito Policial – Autor: Justiça Pública - Investigado: Davincci Lourenço de Almeida