Day trading

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Cotação intraday do Dólar americano/Euro.

Day trading, day(-)trade ou intraday trading (do inglês, literalmente: compra e venda no mesmo dia), é uma modalidade de negociação utilizada em mercados financeiros (como bolsa de valores), que tem por objetivo a obtenção de lucro com a oscilação de preço, ao longo do dia, de ativos financeiros.[1]

O especulador, profissional ou amador, de day trading é chamado de day trader. Tal atividade ganhou impulso com o estabelecimento de bolsas como a NASDAQ (cuja primeira sessão ocorreu em 1971), e de plataformas de negociação eletrônicas, que se tornaram populares pela internet,[2] ao final da década de 1990.

O day trading consiste na compra e venda, ou venda e recompra de um mesmo ativo financeiro (que pode se tratar de ações, derivativos, commodities ou moedas) no mesmo dia, pelo mesmo especulador ou por meio de uma mesma sociedade corretora. Dependendo do prazo entre a compra e venda diferentes, termos específicos, como Scalping são empregados para caracterizar a operação. Neste contexto, negócios de arbitragem são - na maioria - efetuados entre segundos, ou até centésimos ou mesmo milésimos de segundos, como no caso das chamadas Operações de Alta Frequência (em inglês HFT, High Frequency Trading).[3][4]

Ao se utilizar da alavancagem financeira, através de recursos como margin trading ou margin buying (uma forma de financiar as transações diárias), para minimizar o peso dos custos de transação (como taxa de corretagem, emolumentos, Impostos etc) envolvidos, o daytrader também maximiza os riscos.
O Day trading é uma operação altamente especulativa que tanto pode eventualmente trazer ganhos acima da média do mercado para operadores de grande porte ou considerável experiência de mercado, que tenham rígido controle de risco; como também (nas médias estatística e probabilística) caracterizar-se pelo alto risco e a tendência de gerar vultosos prejuízos aos operadores com pouca experiência de mercado, especialmente os de pequeno e médio porte, e que além disso tenham controle de risco frouxo ou inexistente.[5] No entanto, a especulação é uma atividade sujeita a críticas sendo negativa como comportamento individual e nociva pelo bem comum.[6] [7]


Day trader[editar | editar código-fonte]

Existem vários tipos de day trader, entre eles os institucionais, que trabalham para as instituições financeiras e têm certas vantagens devido ao seu acesso a mais recursos, ferramentas, equipamentos, grandes quantidades de capital e alavancagem, grande disponibilidade de fluxos de fundos para negociar continuamente no mercados, linhas dedicadas e diretas para centros de dados e de intercâmbio, de comércio e software analítico, equipes de apoio para ajudar e muito mais.[8]

Existem também os retail day traders, que usam corretoras de varejo e, geralmente, o comércio com seu próprio capital,[9] e os algo traders, que usam programas de computador e outras ferramentas para entrar com ordens de negociação automaticamente. Pelo fato de tudo isso acontece com o auxílio do algoritmo de computador, esse processo também é chamado de negociação algorítmica (algo trading, em inglês).[10]

Referências

  1. «Banco Central do Brasil: Day-trade». www.bcb.gov.br. Consultado em 11 de agosto de 2008. 
  2. ver por exemplo o sistema Homebroker da Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros de São Paulo)
  3. [1] Matéria (de 07/Out./2012) do Jornal "O Globo" sobre o tema
  4. Patterson, Scott "Mentes Brilhantes, Rombos Bilionários" Editora Best Business 2012 ISBN 8576844699 págs. 148, 2§ e 392, 3º§
  5. Elder; Alexander "Aprenda a Operar no Mercado de Ações" Campus Elsevier 2006, Capítulo 6 ("Operações de Mercado"), seção "Day Trading" Págs. 147 à 165 ISBN 8535218980
  6. https://sites.google.com/site/thefinancialspeculation>
  7. http://www.jstor.org/stable/2376347?seq=12#page_scan_tab_contents%7CJohn A. Ryan, International Journal of Ethics Vol. 12, No. 3 (Apr., 1902), p. 339
  8. Davis, E. Philip; Steil, Benn (2001). «Part IV: Institutional Trading». Institutional Investors. United States of America: MIT Press. p. 378. ISBN 0-262-04192-8. Consultado em 26 de março de 2012. 
  9. «Retail Investor». Investopedia. IAC. Consultado em 29 de junho de 2016. 
  10. «Automated Trading and What an Auto Trader does». Consultado em 1 de junho de 2010. 

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  • [2] Detalhes sobre a tributação do Day Trading no Brasil, segundo a BM&F Bovespa.
Ícone de esboço Este artigo sobre economia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.