Days of Future Passed

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde fevereiro de 2013). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Days of Future Passed é o segundo álbum da banda britânica Moody Blues, lançado em dezembro de 1967. A característica principal deste disco é ser o primeiro "álbum conceitual" no universo do rock. Com a London Festival Orchestra, a banda soube fundir a música clássica com o rock'n'roll, tecendo um painel vivo e dinâmico.

O projeto[editar | editar código-fonte]

Inicialmente, os executivos da gravadora Decca Records desejavam criar uma versão da Sinfonia nº 9 de Antonin Dvorak tocada por instrumentos elétricos de um conjunto de rock junto com uma orquestra sinfônica. A finalidade era apresentar ao mundo um novo sistema de som, conhecido como Deram Sound System (DSS), em estéreo. Chamaram os Moody Blues. A banda porém resolveu executar este projeto com canções próprias, não a simples transcrição da música de Dvorak. À princípio os executivos ficaram um pouco céticos quanto à comerciabilidade do disco (as músicas não tinham intervalos entre elas, o que dificultava a apresentação em rádios por disc jockeys), porém concordaram com a experiência, e deram total apoio ao novo projeto.

O tema[editar | editar código-fonte]

Os Moody Blues resolveram utilizar um tema (conceito) que passou a ser o de "Uma jornada comum da existência humana, do nascer do dia ao pôr do sol". Em cima do tema, os músicos da banda criaram as músicas. Além deles, Peter Knight criou arranjos para outras passagens musicais que foram integradas às músicas da banda e serviam como ponte entre elas. O resultado é uma jornada musical vívida e dinâmica, com melodias belas e criativas.

As canções[editar | editar código-fonte]

As canções foram divididas em sete blocos, que indicam o tema da jornada humana, alguns deles com mais de uma música.

  1. "The Day Begins: The Day Begins/Morning Glory" (O dia se inicia/Glória matutina)
  2. "Dawn: Dawn is a Feeling" (Amanhecer: O amanhecer é um sentimento)
  3. "The Morning: Another Morning" (A manhã: Outra manhã)
  4. "Lunch Break: Lunch Break/Peak Hour" (Parada para a refeição/Hora de pico)
  5. "The Afternoon: Forever Afternoon (Tuesday?)/(Evening) Time To Get Away" (A tarde: Tarde Eterna (Terça?)/(Anoitecer) Hora de fugir)
  6. "Evening: The Sunset/Twilight Time" (Anoitecer: O Pôr-do-sol/Hora do crepúsculo)
  7. "The Night: Nights in White Satin/Late Lament" (A noite: Noites em cetim branco/Lamento tardio)

Duas músicas retiradas do disco foram lançadas como compacto simples e tornaram-se sucesso: "Tuesday Afternoon", que no álbum é intitulada "The Afternoon: Forever Afternoon (Tuesday?)", e "Nights in White Satin".

Os créditos[editar | editar código-fonte]

As músicas foram compostas pelos vários integrantes da banda, e a parte orquestral é creditada a "Redwave/Knight". "Knight" é o maestro e arranjador Peter Knight, enquanto que "Redwave" foi um nome criado pela banda para representá-la como um todo, já que Peter Knight construía a parte orquestral em cima dos temas criados pela banda. O poema inicial "Morning Glory" e o poema final "Late Lament", são de autoria de Graeme Edge, apesar de não virem creditados no disco vinil.

A produção[editar | editar código-fonte]

A produção ficou a cargo de Tony Clarke, assistido por Hugh Mendi. O engenheiro de som foi Derek Varnals. A arte e a capa ficaram a cargo de David Anstey. A gravadora foi a Decca Record.

Disco conceitual[editar | editar código-fonte]

Muitos consideram o disco dos Beatles, Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band, lançado em julho de 1967 - portanto, antes do lançamento de "Days of Future passed" - como o primeiro álbum conceitual de rock. Porém, como se sabe hoje em dia, apesar das ideias de Paul McCartney de criar um trabalho em cima de um tema, as músicas de John Lennon nada têm a ver com a "Banda do Sargento Pimenta". Portanto, não há nenhuma interligação temática entre elas, característica marcante nos discos conceituais. Neste disco dos Moody Blues há um tema (conceito), e em cima dele as músicas foram criadas, tornando-os os primeiros a criar um trabalho que mais tarde ficou conhecido como "disco conceitual".

As faixas[editar | editar código-fonte]

  1. "The Day Begins" – 5:51
    • "The Day Begins" (Peter Knight) – 4:08
    • "Morning Glory" (Graeme Edge) – 1:42
  2. "Dawn: Dawn is a Feeling" (Mike Pinder) – 3:49
  3. "The Morning: Another Morning" (Ray Thomas) – 3:56
  4. "Lunch Break" – 5:29
    • "Lunch Break" (Peter Knight) – 1:53
    • "Peak Hour" (John Lodge) – 3:40
  5. "The Afternoon" – 8:23
    • "Forever Afternoon (Tuesday?)" (Justin Hayward) – 4:48
    • "Time To Get Away" (Lodge) – 3:35
  6. "Evening" – 6:40
    • "The Sun Set" (Pinder) – 3:17
    • "Twilight Time" (Thomas) – 3:23
  7. "The Night – 7:26
    • "Nights In White Satin" (Hayward) – 5:37
    • "Late Lament" (Edge) – 1:46

Os músicos participantes[editar | editar código-fonte]

Moody Blues

  • Justin Hayward: Guitarras, piano, teclados e vocais.
  • John Lodge: Baixo, guitarra e vocais.
  • Mike Pinder: Teclados, Mellotron, Piano e vocais.
  • Ray Thomas: Flautas, instrumentos de sopro, percussão, teclados e vocais.
  • Graeme Edge: Bateria e percussão, vocais (declamação dos poemas).

Outros