De Volkskrant

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Aviso: O título de apresentação "<i>De Volkskrant</i>" substitui o título anterior "de Volkskrant".
de Volkskrant
Volkskrant.svg
Periodicidade diária
Formato compacto
Sede Amesterdão, Países Baixos
Preço 1.20 € Segunda-Sexta
2.40 € Sábado
Fundação 2 de outubro de 1919
Proprietário De Persgroep Nederland
Página oficial www.volkskrant.nl

de Volkskrant (em holandês: də ˈvɔɫkskrɑnt, literalmente "o jornal do povo") é um jornal diário matinal neerlandês , com uma circulação de aproximadamente 250.000 tiragens, a grande parte nos Países Baixos.

História[editar | editar código-fonte]

De Volkskrant foi fundado em 1919 e desde 1921 é distribuído diariamente e as manhãs. Originalmente o de Volkskrant era um jornal católico, estreitamente ligado ao Catholic People's Party (partido cristão neerlandês dissolvido em 1980) e ao pilar católico romano. Na sua refundação em 1945, seu escritório foi movido de Den Bosch para Amsterdão. [1] Se tornou um jornal de centro-esquerda nos anos 60. Mas sua posição esquerdista tem diminuído desde a década de 1980.[2] Em 23 de agosto de 2006 o Volkskrant publicou sua 25.000ª edição.

Circulação[editar | editar código-fonte]

Em 2002, a circulação era de 326.000 cópias diárias, em 2011 esse valor diminuiu para 235.000, o qual, no entanto, faz do de Volkskrant o terceiro maior jornal dos Países Baixos, depois do De Telegraaf e Algemeen Dagblad. A circulação total no território neerlandês em 2002 era de 4,9 milhões.[carece de fontes?]

Propriedade[editar | editar código-fonte]

De Volkskrant era parte da PCM Uitgevers N.V., editora também proprietária do NRC Handelsblad, Algemeen Dagblad, e Trouw. Até janeiro de 2003 o jornal Het Parool também era parte da PCM Uitgevers.

Em 2009 a PCM Uitgevers foi comprada pelo De Persgroep N.V., empresa de nacionalidade belga.

Versão livre[editar | editar código-fonte]

Em outrubro de 2006, o Volkskrant anunciou que passaria a publicar uma versão gratuita de seu jornal voltada ao público jovem.[3] Desta forma, competiria com o Metro e Sp!ts, dois outros jornais diários de circulação livre. No entando, a PCM não deu permissão para o projeto e o plano foi abandonado. Como alternativa a PCM pretendia lançar um jornal, também gratuito, junto com o investidor Marcel Boekhoorn.[4] PCM, mais tarde, abandonou o projeto e Boekhoorn iniciou o jornal De Pers com seus próprios recursos. Um ano depois a PCM iniciou seu próprio jornal gratuito, o DAG, que teve curta duração e se tornou de circulação digital após outro ano.

Referências

  1. Sommer, Martin Zelfbewust op zoek in de Volkskrant 23 August 2006
  2. Sommer, Martin Zelfbewust op zoek in de Volkskrant 23 August 2006
    "Hoogtepunt en tevens laatste oprisping van het linkse levensgevoel was de beruchte Koninginnedagkrant van 1 mei 1980. [..] De rellen kwamen er en de Volkskrant solidariseerde zich met het oproer. [..] Zo bleef de Volkskrant de progressiviteit trouw, zij het langzamerhand steeds meer in homeopathische verdunning."
  3. «Dutch newspaper De Volkskrant to launch free version for younger readers». International Herald Tribune. 29 de março de 2009. Consultado em 31 de janeiro de 2012 
  4. http://www.trouw.nl/hetnieuws/nederland/article515988.ece/PCM_en_Boekhoorn_samen_in_gratis_krant

Ligações externas[editar | editar código-fonte]