Dead Poets Society

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Dead Poets Society
O Clube dos Poetas Mortos (PRT)
Sociedade dos Poetas Mortos (BRA)
 Estados Unidos
1989 •  cor •  128 min 
Direção Peter Weir
Roteiro Tom Schulman
Elenco Robin Williams
Robert Sean Leonard
Ethan Hawke
Género drama
Distribuição Walt Disney Studios
Idioma inglês
Receita US$16.400.000

Dead Poets Society (no Brasil, Sociedade dos Poetas Mortos, em Portugal Clube dos Poetas Mortos) é um filme estadunidense de 1989[1], do gênero drama, dirigido por Peter Weir, escrito por Tom Schulman e estrelado por Robin Williams.

Recebeu 4 indicações ao 62.º Oscar, incluindo os de melhor filme, melhor diretor, melhor roteiro original e melhor ator, alcançando o prêmio de melhor roteiro original.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

No outono de 1959, o tímido Todd Anderson inicia seu último ano do ensino médio em uma escola preparatória de elite para homens, a Academia Welton. Para orientá-lo, é designado um dos alunos mais promissores da instituição, Neil Perry, que também será seu companheiro de quarto. Todd é apresentado aos amigos de Neil: Knox Overstreet, Richard Cameron, Stephen Meeks, Gerard Pitts e Charlie Dalton.

No primeiro dia de aula, eles são surpreendidos pelos métodos pouco ortodoxos de ensino do novo professor de inglês, John Keating, um ex-aluno de Welton, que incentiva seus alunos a "tornar sua vida extraordinária", um sentimento que ele resume com a expressão latina carpe diem, que significa "aproveite o dia", ""curta o momento".

As lições subsequentes incluem: fazer com que os alunos se revezem em pé em cima de uma mesa para demonstrar que existem diferentes maneiras de encarar a vida; arrancar a introdução de seus livros de poesia, que contém uma fórmula matemática usada para classificar a poesia; e convidá-los a criar seu próprio estilo de andar em um pátio, para incentivá-los a serem indivíduos originais. Seus métodos atraem a atenção do diretor estrito Gale Nolan.

Ao saber que Keating fora membro da ilegal Sociedade dos Poetas Mortos em Welton, Neil reinicia o clube, e ele e seus amigos fogem da escola para uma caverna onde leem poesia, incluindo suas próprias composições. À medida em que o ano escolar avança, as lições de Keating e o envolvimento dos alunos com o clube os incentiva a viver suas vidas em seus próprios termos. Knox persegue Chris Noel, uma atraente líder de torcida que está namorando Chet Danburry, um jogador de futebol de uma escola pública local cuja família é amiga dele.

Neil descobre seu amor por atuar e consegue o papel de Puck em uma produção local de Sonho de uma Noite de Verão, apesar do fato de que seu pai dominador Thomas o quer na Liga da Hera (e, finalmente, numa faculdade de medicina). Keating ajuda Todd a sair da concha e a perceber seu potencial quando o leva a um exercício de autoexpressão, resultando na composição de um poema espontaneamente na frente da classe.

No entanto, Charlie leva as coisas longe demais quando publica um artigo no jornal da escola em nome do clube exigindo que as meninas sejam admitidas em Welton. Nolan usa a palmatória em Charlie para forçá-lo a revelar quem mais está na Sociedade dos Poetas Mortos, mas ele resiste. Nolan também fala com Keating, avisando-o de que ele deve desencorajar seus alunos a questionar a autoridade. Keating admoesta os meninos (a seu modo), avisando-os de que é preciso avaliar todas as consequências dos próprios atos.

O pai de Neil descobre o envolvimento de seu filho na peça e o obriga a desistir na véspera da apresentação de abertura. Devastado, Neil procura Keating, que o aconselha a manter sua posição e provar a seu pai que seu amor por atuar é algo que ele leva a sério. O pai de Neil inesperadamente aparece na apresentação. Ele leva Neil para casa e diz que foi retirado de Welton, apenas para se matricular em uma academia militar para prepará-lo para a Universidade Harvard, para que ele se torne médico. Incapaz de encontrar a coragem de enfrentar seu pai, e sem o apoio de sua mãe preocupada, Neil, perturbado, comete suicídio.

Nolan investiga a morte de Neil a pedido da família Perry. Cameron culpa Keating pela morte de Neil, para escapar da punição por sua própria participação na Sociedade dos Poetas Mortos, e ainda nomeia os outros membros da sociedade. Confrontado por Charlie, Cameron pede aos demais que deixem Keating arcar com toda a culpa. Charlie soca Cameron e é expulso. Cada um dos meninos é chamado ao escritório de Nolan para assinar uma carta atestando a verdade das alegações de Cameron, mesmo sabendo que são falsas. Quando chega a vez de Todd, ele reluta em assinar, mas o faz depois de ver que os outros concordaram e sucumbiram à pressão de seus pais.

Keating é demitido e Nolan (que ensinou inglês em Welton antes de se tornar diretor) assume o ensino da turma, com a intenção de fazê-la aderir às regras tradicionais de Welton. Keating interrompe a classe para reunir seus pertences restantes. Quando ele sai, Todd se levanta em cima da mesa e diz "Oh, capitão! Meu capitão!", o que leva os outros membros da Sociedade dos Poetas Mortos a fazer o mesmo, para a fúria de Nolan e a agradável surpresa de Keating. Tocado por esse gesto, Keating agradece orgulhosamente aos meninos e parte.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Ator/Atriz Personagem
Robin Williams John Keating
Ethan Hawke Todd Anderson
Robert Sean Leonard Neil Perry
Allelon Ruggiero Stephen Meeks Jr.
Gale Hansen Charlie Dalton
Josh Charles Knox Overstreet
Dylan Kussman Richard S Cameron
James Waterston Gerard Pitts
Norman Lloyd Sr. Nolan
Kurtwood Smith Sr Perry
Carla Belver Sr.ª Perry
Leon Pownall McAllister
George Martin Dr. Hager
Matt Carey Hopkins

Recepção da crítica[editar | editar código-fonte]

Sociedade dos Poetas Mortos detém uma taxa de aprovação de 84% e uma classificação média de 7.28 de 10 no Rotten Tomatoes com base em 57 avaliações. O consenso crítico do site diz: "Afetar as performances do elenco jovem e uma virada genuinamente inspiradora de Robin Williams concede as principais honras do drama da escola preparatória de Peter Weir". O filme possui uma pontuação de 79 em 100 no Metacritic com base em 14 críticas, indicando "críticas geralmente favoráveis".  Audiências consultadas pelo CinemaScore deram ao filme uma nota rara "A +".

Produção[editar | editar código-fonte]

Desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

Peter Weir estava ansioso para dar sequência a suas duas grandes estreias nos Estados Unidos com Harrison Ford, A Testemunha e A Costa do Mosquito, com uma comédia romântica estrelada por Gérard Depardieu no papel de um francês que se casa por conveniência com uma estadunidense, Green Card. Na época, Depardieu estava sendo muito requisitado devido ao sucesso de seu drama provençal Jean de Florette, e Weir foi avisado de que teria de esperar um ano para poder contar com Depardieu.[2]

No final de 1988, Weir se encontrou com Jeffrey Katzenberg na Disney (que produziria o filme via Touchstone Pictures). Katzenberg sugeriu que Weir lesse um roteiro recentemente recebido. No voo de volta a Sydney, Weir se encantou com o roteiro e, seis semanas depois, estava em Los Angeles recrutando o elenco principal do filme.[3]

O roteiro foi escrito por Tom Schulman, baseado em suas experiências na Academia Montgomery Bell, em Nashville, no Tennessee, especialmente com seu professor Samuel Pickering.[4][5] No manuscrito original de Schulman, Keating adoece, e morre lentamente de linfoma de Hodgkin. Uma cena o mostra no seu leito de morte no hospital. Essas ideias foram removidas do roteiro a pedido de Weir, que as considerou desnecessárias. Além disso, segundo Weir, elas tirariam a atenção do público em relação às ideias defendidas por Keating.[6]

Versões iniciais do roteiro também sugerem que a principal paixão dos alunos seria a dança, e não a poesia, e que o título do filme seria "Sultões do suingue", e que o filme focaria mais em Keating do que nos alunos. Mas essas ideias foram logo descartadas.[7]

As filmagens começaram no inverno de 1988, e aconteram no colégio de Santo André e no teatro Everett, em Middletown (Delaware), assim como na vizinha Wilmington (Delaware).[8] Durante as filmagens, Weir pediu, ao elenco mais jovem, que não falasse gírias, mesmo quando a câmera não estivesse ligada.[9]

Elenco[editar | editar código-fonte]

Liam Neeson conseguiu, originalmente, o papel de Keating, antes que Weir ocupasse a direção no lugar de Jeff Kanew.[10] Outros atores considerados foram Dustin Hoffman,[11] Tom Hanks e Mickey Rourke.[12]

Principais prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Óscar 1990 (Estados Unidos)

  • Venceu na categoria de Melhor Roteiro Original.
  • Recebeu indicação nas categorias de Melhor Filme, Melhor Diretor e Melhor Ator (Robin Williams).

Globo de Ouro 1990 (Estados Unidos)

  • Recebeu quatro indicações nas categorias de Melhor Filme – Drama, Melhor Diretor, Melhor Ator - Drama (Robin Williams) e Melhor Roteiro.[13]

Prêmio César 1991 (França)

BAFTA 1990 (Reino Unido)

  • Venceu na categoria de Melhor Filme e Melhor Trilha Sonora.
  • Indicado nas categorias de Melhor Ator (Robin Williams), Melhor Diretor, Melhor Edição e Melhor Roteiro Original.

Prêmio David di Donatello 1990 (Itália)

  • Venceu na categoria de Melhor Filme Estrangeiro.

Sindacato Nazionale Giornalisti Cinematografici Italiani 1990 (Itália)

  • Venceu na categoria de Melhor Diretor de Filme Estrangeiro.

Political Film Society 1990 (Estados Unidos)

  • Recebeu o prêmio Democracia.

Writers Guild of America 1990 (Estados Unidos)

  • Venceu na categoria de Melhor Roteiro Escrito Diretamente para Cinema.

Referências

  1. «Clássicos de 1989». Almanaque – Tribuna do Paraná. Parana-online.com.br 
  2. King, James (2018). Fast Times and Excellent Adventures. [S.l.]: London: Constable. 429 páginas. ISBN 9781472123725 
  3. King, James (2018). Fast Times and Excellent Adventures. [S.l.]: London: Constable. 430 páginas. ISBN 9781472123725 
  4. «"Real-life professor inspires 'Dead Poets' character"». Consultado em 10 de dezembro de 2020 
  5. Bill Henderson (12 de janeiro de 1992). «Robin Williams and Then Some». Consultado em 10 de dezembro de 2020 
  6. Tom McCurrie (15 de março de 2004). «DEAD POETS SOCIETY'S TOM SCHULMAN ON THE ART OF SURVIVING HOLLYWOOD». Consultado em 10 de dezembro de 2020 
  7. King, James (2018). Fast Times and Excellent Adventures. [S.l.]: London: Constable. 430 páginas. ISBN 9781472123725 
  8. Ryan Cormier (3 de abril de 2014). «25 'Dead Poets Society' in Delaware facts». Consultado em 11 de fevereiro de 2020 
  9. King, James (2018). Fast Times and Excellent Adventures. [S.l.]: London: Constable. 433 páginas. ISBN 9781472123725 
  10. Meil, Eila (2005). Casting Might-Have-Beens: A. [S.l.]: New York: McFarland. ISBN 9780786420179 
  11. Brady, Celia (1989). "Bring Back the Kids: Hollywood's Littlest Stars and Biggest Egos in their Middle Ages". [S.l.]: Spy: 107 
  12. Walsh, Keri (2014). Mickey Rourke. [S.l.]: London: Bloomsbury. 2 páginas. ISBN 9781844574308 
  13. «Dead Poets Society» (em inglês). Starpulse.com. Consultado em 12 de abril de 2014 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Dead Poets Society