Dear White People (série de televisão)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Dear White People
Dear White People (PT)
Cara Gente Branca (BR)
Informação geral
Formato Série
Gênero Sátira
Duração 30 minutos
Criador(es) Justin Simien
País de origem  Estados Unidos
Idioma original inglês
Produção
Diretor(es) Tina Mabry
Barry Jenkins
Charlie McDowell
Produtor(es) Jamie Neese
Stephanie Allain
Julia Lebedev
Roteirista(s) Justin Simien
Narrador(es) Giancarlo Esposito
Elenco Logan Browning
Brandon P. Bell
Antoinette Robertson
Empresa(s) de produção Lionsgate Television
Exibição
Emissora de televisão original Netflix
Transmissão original 28 de abril de 2017
N.º de temporadas 3
N.º de episódios 30

Dear White People (bra: Cara Gente Branca ) é uma série de televisão satírica americana baseada no filme de 2014 de mesmo nome. A produção foi encomendada pela Netflix e contará com dez episódios de 30 minutos cada. Justin Simien, diretor e roteirista do longa-metragem original, escreveu todos episódios da série e dirigiu o episódio-piloto. A primeira temporada foi lançada em 28 de abril de 2017.[1][2]

Em 21 de junho de 2018, a série foi renovada para terceira temporada,[3] que estreou em 2 de agosto de 2019.

Enredo[editar | editar código-fonte]

A série acompanha um grupo de estudantes negros de uma importante universidade dos Estados Unidos, pertencente à Ivy League, cuja maioria dos alunos é branca. Dear White People retrata como esses personagens lidam com o racismo no campus da universidade. Depois de uma festa de Halloween, com a temática blackface, organizada por um grupo de alunos brancos, várias tensões raciais se desenrolam no ambiente acadêmico. São 10 episódios, cada um focando um dos personagens centrais, incluindo Sam White (Logan Browning), a criadora do programa de rádio que dá nome ao seriado.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Principal[editar | editar código-fonte]

  • Logan BrowningSamantha "Sam" White
  • Brandon P. Bell – Troy Fairbanks
  • DeRon HortonLionel Higgins
  • Antoinette Robertson – Colandrea "Coco" Conners
  • Marque Richardson – Reggie Green
  • Ashley Blaine Featherson – Joelle Brooks
  • John Patrick AmedoriGabe Mitchell
  • Wyatt Nash – Kurt Fletcher
  • Giancarlo Esposito – Narrador

Recorrente[editar | editar código-fonte]

  • Jemar Michael – Al
  • Jeremy Tardy – Rashid Bakr
  • Ally Maki – Ikumi
  • Nia Jervier – Kelsey Phillips
  • Brandon Black – Pastor Kordel
  • Caitlin Carver – Muffy Tuttle
  • Brant DaughertyThane Lockwood
  • Obba BabatundéReitor Fairbanks
  • John Rubinstein – Presidente Fletcher
  • DJ Blickenstaff – Silvio
  • Nia LongNeika Hobbs
  • Francia RaisaVanessa
  • Alex Alcheh – Milo

Dublagem brasileira[editar | editar código-fonte]

Estúdio: BTI Studios
Direção: Rogério Cesar
Tradução: Nelson Forçan

Personagem Dublador(a) Brasil
Samantha "Sam" White Fernanda Bullara
Troy Fairbanks Dado Monteiro
Lionel Higgins Glauco Monteiro
Colandrea "Coco" Conners Priscila Franco
Gabe Mitchell Rogério César
Reggie Green Yuri Chesman
Joelle Brooks Jussara Marques
Narrador Hélio Vaccari

Recepção da crítica[editar | editar código-fonte]

A série causou polêmica nos Estados Unidos antes mesmo de sua estreia. Quando foi divulgado pela Netflix o teaser da produção, muitos americanos a acusaram de "apologia a violência contra brancos e de reduzi-los a estereótipos racistas".[4] Dear White People recebeu 100% de aprovação no Rotten Tomatoes.[5] A crítica estrangeira e brasileira tem elogiado a série, recebendo resenhas positivas, como a do Financial Times, "importante e astuta", e da Folha de S.Paulo, questões sobre o racismo explícitas "por um texto ágil que, apesar do proselitismo, entretém e faz pensar".[6] Embora elogiada, muitos jornalistas observam a baixa repercussão da série ao grande público, se comparado a outra recente produção da Netflix, 13 Reasons Why.[4][6] Isso é explicado, segundo análises feitas por militantes do movimento negro, pelos baixos investimentos em divulgação, realizados pela Netflix, para Dear White People, assim o engajamento do público não teve tanto apoio da mídia tradicional e das redes sociais.[7]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Almeida, Diego (8 de fevereiro de 2017). «Netflix define estreias das adaptações de Cara Gente Branca e Anne de Green Gables». Observatório do Cinema. Consultado em 16 de abril de 2017 
  2. Plasse, Marcel (14 de abril de 2017). «"Polêmica" Série Cara Gente Branca Ganha Primeiro Trailer Legendado». Pipoca Moderna. Consultado em 14 de abril de 2017 
  3. «'Dear White People' Renewed for Season 3 at Netflix». 21 de junho de 2018. Consultado em 22 de junho de 2018 
  4. a b Cardoso, Monise (3 de maio de 2017). «"Cara Gente Branca", e por que não gostamos de falar sobre racismo». Nova Escola. Consultado em 7 de maio de 2017 
  5. Domingos, Diego (4 de maio de 2017). «'Cara Gente Branca': Série da Netflix recebe 100% de aprovação no Rotten Tomatoes». Cine Pop. Consultado em 8 de maio de 2017 
  6. a b Coelho, Luciana (7 de maio de 2017). «'Cara Gente Branca' traz dor da consciência». Folha de S.Paulo. Consultado em 7 de maio de 2017 
  7. Maldonado, Helder (4 de maio de 2017). «Cara Gente Branca prova que racismo é um tabu e uma amarga realidade ainda hoje». R7. Consultado em 7 de maio de 2017 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre televisão é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.