Death metal técnico

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Death metal técnico
Origens estilísticas
Contexto cultural Final da década de 1980 nos Estados Unidos
Instrumentos típicos Bateria, Baixo, Guitarra, Vocal
Popularidade Underground
Formas derivadas Death metal progressivo
Gêneros de fusão
Brutal death metal técnico
Formas regionais
Canadá, Estados Unidos, Suécia, Alemanha, Brasil

Death metal técnico (também conhecido como techdeath e por vezes sinônimo de death metal progressivo), é um termo utilizado para descrever bandas no subgênero death metal que focam em ritmos e estruturas musicais mais complexos.[1] Os artistas de death metal começaram a explorar mais profundamente o gênero, experimentando uma variedade de estruturas musicais incomuns como, tempos quebrados, atonalismo, cromatismo e outros. Como resultado dessas experiências, exemplificado pelas obras de Cynic, Atheist, Sarcófago, Death, Pestilence, e outros, o death metal técnico estabeleceu-se como um estilo musical complexo e variado.

O Death metal técnico incorpora uma grande variedade de influências de gêneros como o jazz fusion, rock progressivo e música clássica europeia. As músicas do estilo tendem a serem escritas sem melodias distintas, com assinaturas de tempo compostas e, muitas vezes, riffs de guitarra dissonantes ou atonais.

Início[editar | editar código-fonte]

As experimentações com formatos de death metal mais técnico começaram no fim dos anos 1980 e início de 1990 por bandas como o Death, Sarcófago, Morbid Angel, Suffocation, Monstrosity, Pestilence, Atheist e Cryptopsy.

Em 1989 foi lançado o álbum de estreia do Atheist, intitulado Piece of Time, seguido por Nocturnus com The Key, em 1990. Em 1991 o Death lançava Human. Este álbum do Death e os álbuns seguintes, provaram ser influentes entre as bandas de death metal técnico de 1990 e 2000. Também em 1991, a banda brasileira Sarcófago, lançava o álbum The Laws of Scourge, uma inovação para a banda e para a época. Outros álbuns desta época são Effigy of the Forgotten (1991) por Suffocation, Considered Dead (1991) por Gorguts, Nespithe (1993) por Demilich e Focus (1993) por Cynic. Embora a banda Cynic tenha sido reconhecida por sua técnica apurada, ela não foi totalmente compreendida até meados dos anos 1990, quando outras bandas criaram músicas que acentuaram o que eram então estabelecido como as "fronteiras do death metal".

Atualmente[editar | editar código-fonte]

Bandas classificadas por serem ícones para o death metal técnico incluem: Necrophagist, Spawn of Possession, Defeated Sanity, Opeth e Martyr.

Atualmente, grandes nomes do subgênero são: Archspire, Decapitated, Psycroptic e Beneath the Massacre. Bandas como Origin, Dying Fetus e Nile combinam ritmos complexos com a brutalidade do brutal death metal, formando o chamado brutal death metal técnico. Também percebe-se uma ascensão do death metal progressivo, com representantes como Obscura, Beyond Creation, The Faceless, Gojira e Rivers of Nihil.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Lee Du-Caine and Joel McIver (30-04-2010, 15:06 GMT). «A history of death metal». MusicRadar. Consultado em 5//2013  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)