Decano (diplomacia)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Decano, em diplomacia, é o título que se dá ao chefe de uma missão estrangeira num país que maior antiguidade tenha e, por isso, tem precedência sobre os seus demais colegas ali creditados. Em muitos dos países que mantém relações com a Santa Sé é comum caber ao núncio apostólico este papel pelo só fato de representar ao Papa, e noutros (como por exemplo Costa do Marfim e Senegal), se outorga o título ao representante de suas antigas metrópoles.

Na atualidade as funções do decano são limitadas e reduzidas a atuar como porta-voz do corpo diplomático nalgumas cerimônias. Alguns países não aceitam esta função, ao argumento de que não há necessidade de intermediário entre o chefe de uma delegação legalmente constituída e sua entidade ministerial de relações exteriores.

Em muitos caso o Decano também intermedeia assuntos conflituosos entre os membros de uma representação diplomática e o país de acolhida (impasses internacionais, por exemplo) ou entre as diversas representações diplomáticas.

O Embaixador da Nicarágua nos Estados Unidos da América Guillermo Sevilla Sacasa, que ocupou ali este posto por 36 anos, era chamado de Decano do corpo diplomático naquele país.

Ícone de esboço Este artigo sobre relações internacionais, diplomacia ou sobre um diplomata é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.