Deckdisc

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde junho de 2014). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Deckdisc
Fundação 1998
Fundador(es) João Augusto
Distribuidor(es) Independente
País de origem  Brasil
Localização Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
Página oficial http://deckdisc.com.br/

Deckdisc (também conhecida apenas como Deck) é uma gravadora brasileira, conhecida por ser totalmente independente, pois ela faz todo o processo da gravação de um álbum, do estúdio até a distribuição.

História[editar | editar código-fonte]

A Deckdisc iniciou oficialmente suas atividades como gravadora em 1998, com distribuição da Universal Music. O primeiro sucesso foi a série Som de Barzinho, que atingiu dois milhões de cópias vendidas com seus cinco primeiros volumes.

Foi fundada por João Augusto, que foi diretor artístico da Polygram, da EMI Odeon e da Abril Music.

Formado em Jornalismo pela Universidade Federal Fluminense, João Augusto iniciou a carreira como colaborador do jornal O Fluminense. Em 1973, ingressou na Rádio Mauá, pertencente ao sistema Radiobrás, nas funções de discotecário e produtor.

No final de 1975, transferiu-se para a Rádio Nacional do Rio de Janeiro, também integrante do Sistema Radiobrás. No ano seguinte, paralelamente a suas atividades normais de produtor e sonoplasta, João Augusto foi o responsável por todas as comemorações de 40 anos da Nacional, orientando uma série de iniciativas relativas à história e às mudanças que vinham sendo operadas na emissora. Também em 1976 integrou o grupo que realizou a implantação da FM Nacional – a primeira emissora a tocar 100% de música brasileira –, produzindo uma série de programas especiais.

De 1977 a 1979, ainda trabalhando na Rádio Nacional, escreveu vários programas para o Mobral-Amazônia e para o Projeto Minerva, até ingressar na gravadora Polygram, atual Universal Music, e produzir o seu primeiro disco, da artista Zizi Possi. A partir daí, João Augusto se dedicou integralmente à produção de discos, tendo trabalhado com Erasmo Carlos, Marcos Sabino, Marina, Angela Ro Ro, Emílio Santiago, Gal Costa, Fafá de Belém e Caetano Veloso, entre outros.

Em 1992, a convite de Roberto Menescal, assumiu a Direção Artística da Polygram, onde permaneceu até 1984, quando voltou à produção independente, através de sua empresa Deck Produções. Nesse período, realizou inúmeros projetos para o Japão, incluindo a co-produção dos primeiros discos da cantora Lisa Ono e a produção de discos de vários artistas e de trilhas de novelas para a TV Globo.

Em 1993, assumiu a Direção Artística da EMI Music, onde viria a se tornar vice-presidente em 1996. Lá, trabalhou com Legião Urbana, Marisa Monte, Paralamas do Sucesso e Fernanda Abreu, e lançou artistas como Mamonas Assassinas, Art Popular, Negritude Junior, Exaltasamba e Soweto, entre outros. Em 1998, saiu da EMI para realizar o antigo sonho do selo independente: assim nascia a Deckdisc.

Os primeiros discos foram lançados com distribuição da Universal Music e o maior sucesso dessa fase foi a série "O Som do Barzinho", que chegou a dois milhões de cópias vendidas com seus cinco discos. Em 1999, assumiu a direção artística da Abril Music, em São Paulo, para onde levou a distribuição da gravadora. Nesse período, a Deckdisc lançou Ultraje a Rigor, Ira!, Falamansa, Rastapé e Maskavo. Para a Abril Music, João Augusto contratou Los Hermanos, Harmonia do Samba, Frank Aguiar, Bruno & Marrone e Edson & Hudson, entre outros, além de dirigir os álbuns de Mauricio Manieri e Capital Inicial.

Em novembro de 2001, João Augusto retornou ao Rio de Janeiro para finalmente lançar, com Rafael Ramos, seu filho, e Monica Ramos, esposa, a gravadora 100% independente que sempre imaginou: a Deckdisc. Através dela, foram lançados artistas como Sorriso Maroto, Pitty, Cachorro Grande, Grupo Revelação, João Donato, Fernanda Takai, Teresa Cristina, Strike, Moyseis Marques, Vander Lee, Arlindo Cruz, Biquini Cavadão e muitos outros artistas que fizeram dela a gravadora independente número 1 do Brasil.

Em abril de 2009, após seis meses de pesquisas e diligências, João Augusto adquiriu a fábrica de vinil Polysom, situada em Belford Roxo, Estado do Rio de Janeiro. Após cerca de 1 ano de reformas e restauração de equipamentos, a Polysom, única em toda a América Latina, produz discos de excelente qualidade nos formatos LP e Compacto. Graças à reativação da Polysom, as vendas do disco de vinil dispararam no Brasil, nos últimos três anos.

Também são de propriedade da Deckdisc o Estúdio Tambor e a Editora Musical Deck, que conta com cerca de 7 mil canções editadas e mais de 3 mil já gravadas. Entre seus autores, encontram-se grandes arrecadadores de direitos autorais do Brasil, como Tato (Falamansa), Pitty, Zé Henrique (da dupla Zé Henrique & Gabriel), Thais Nascimento, Miltinho Edilberto, Eduardo Krieger, Edgard Scandurra (Ira!), Roger Moreira (Ultraje a Rigor), Teresa Cristina, Pedro Miranda e integrantes do Grupo Revelação, do Sorriso Maroto e das bandas Dead Fish, Rancore, Gram, Cachorro Grande e Ludov. Em 2007, a Editora adquiriu mais de 3 mil copyrights da Abril Publishing, ligada ao Grupo Abril de Comunicação.

Artistas[editar | editar código-fonte]

Artistas Nacionais[editar | editar código-fonte]

Artistas que já lançaram discos pela Deckdisc e respectivos gêneros musicais:

Artistas Internacionais[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre gravadoras brasileiras é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.