Declínio dos Estados Unidos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

O declínio americano é o poder decrescente dos Estados Unidos em vários setores, geopolítica, militar, financeira, econômica, socialmente, na saúde e no meio ambiente. Há um debate entre os declinistas, que acreditam que a América está em declínio, e os excepcionalistas, que acham que os EUA vão ser o poder dominante por várias décadas que ainda virão.[1][2][3]

Alguns analistas sugerem que o declínio se origina ou se acelerou com a política externa de Donald Trump e a "retirada contínua do país da arena global".[4][5][6]

O desafio da China aos Estados Unidos pela dominância global constitui a questão central no debate sobre o declínio americano.[6] Os EUA não são mais a única superpotência incontestada a dominar em todos os domínios (ou seja, militar, cultura, economia, tecnologia, diplomacia).[7][8][9] De acordo com o Asia Power Index 2020, os Estados Unidos ainda assumem a liderança em capacidade militar, influência cultural, resiliência e redes de defesa, mas ficam atrás da China em quatro parâmetros de recursos econômicos, recursos futuros, relações econômicas e influência diplomática.[10]

Uma pesquisa de 2021 mostra que 79% dos americanos acreditam que "a América está caindo aos pedaços [falling appart]".[11][12]

Sinais e manifestações[editar | editar código-fonte]

De acordo com Jeet Heer, a hegemonia dos EUA sempre foi apoiada por três pilares: "força econômica, poder militar e o poder brando da dominação cultural."[13]

Economia[editar | editar código-fonte]

Em 1970, a participação dos EUA na produção mundial caiu de 40% para 25%,[14] enquanto o economista Jeffrey Sachs observou que a participação dos EUA na renda mundial era de 24,6% em 1980 caindo para 19,1% em 2011.[15] A relação entre os ganhos médios do CEO e o salário médio dos trabalhadores nos EUA passou de 24: 1 em 1965 para 262: 1 em 2005.[16][17] Uma pesquisa realizada pelo Pew Research Center mostra que a maioria dos americanos previu que a economia dos EUA seria mais fraca em 2050. Além disso, a pesquisa diz que a maioria das pessoas pensam que os EUA seriam "um país com uma dívida nacional crescente, um maior lacuna entre ricos e pobres e uma força de trabalho ameaçada pela automação. "[18]

Alguns acreditam que a crise fiscal americana decorre do aumento dos gastos com programas sociais ou, alternativamente, dos aumentos nos gastos militares para as guerras do Iraque e Afeganistão, que levariam ao declínio. No entanto, Richard Lachmann argumenta que, se nenhum gasto militar ou geral estiver pressionando a economia dos Estados Unidos, eles não contribuirão para o declínio dos EUA. Lachmann descreve o problema real como "a má alocação de receitas e despesas do governo, resultando em recursos sendo desviados de tarefas vitais para manter o domínio econômico ou geopolítico." [19]

PIB (PPC) por país em 2018. Embora a China não tenha passado os EUA em PIB nominal, já passou por essa métrica.

Competição com a China[editar | editar código-fonte]

Em 2014, a China ultrapassou os EUA em PIB de Paridade do Poder de Compra, tornando-se a maior potência econômica segundo essa métrica.[20] A revista The Economist argumentou que, por essas e outras razões, o século 21 seria o "Século Chinês".[21] A China também é agora o maior manufaturador do mundo.[22][23] A ascensão da China e de outras nações asiáticas está criando uma mudança do centro econômico geral dos Estados Unidos para a Ásia.[24][25]

Em 2020, a China assinou a Parceria Regional Econômica Abrangente, o maior bloco de livre comércio do mundo.[26] A Time Magazine argumentou que os Estados Unidos podem ser "os grandes perdedores" do tratado.[27] No mesmo ano, a China passou os Estados Unidos em comércio com a União Européia pela primeira vez.[28] Em dezembro, a UE anunciou que o Acordo Compreensivo de Investimento com a China foi concluído em princípio.[29] Alguns analistas disseram que o Acordo pode prejudicar as relações com os EUA.[30]

Também em 2020, a China também ultrapassou os EUA como a nação líder mundial em Investimento Estrangeiro Direto.[31]

Aprovação mundial da liderança americana[editar | editar código-fonte]

Os EUA tem uma aprovação como potência mundial de 31%, abaixo da China, e isso deixa a Alemanha como a potência mais popular com uma aprovação de 41%.[32]

Poder Militar[editar | editar código-fonte]

De acordo com um relatório de 98 páginas da Comissão de Estratégia de Defesa Nacional, "as vantagens militares de longa data da América diminuíram" e "A margem de erro estratégica do país tornou-se assustadoramente pequena. Dúvidas sobre a capacidade da América de deter e, se necessário, derrotar oponentes e honrar seus compromissos globais proliferaram. " O relatório citou "disfunção política" e "limites orçamentários" como fatores que impedem o governo de acompanhar as ameaças que o relatório descreveu como "uma crise de segurança nacional". O relatório escreveu que, para neutralizar a força americana, China e Rússia estavam tentando alcançar "hegemonia regional" e estavam desenvolvendo "intensificações militares agressivas".[33] Em 2018, o General da Força Aérea Frank Gorenc disse que a vantagem do poder aéreo dos Estados Unidos sobre a Rússia e a China estava diminuindo.[34] De acordo com a Forbes, o declínio militar começou quando o secretário de defesa Dick Cheney interrompeu uma centena de grandes programas de armas, 25 anos atrás, quando a União Soviética foi dissolvida.[35]

Gastos deficitários[editar | editar código-fonte]

Países com bases e complexos militares dos EUA.

Paul Kennedy postula que os gastos deficitários contínuos, especialmente no aumento militar, são a razão mais importante para o declínio de qualquer grande potência. Os custos das guerras no Iraque e no Afeganistão estão estimados em US $ 4,4 trilhões, o que Kennedy considera uma grande vitória para Osama bin Laden, cujo objetivo anunciado era levar os Estados Unidos à falência, arrastando-os para uma armadilha. Em 2011, o orçamento militar dos EUA - quase igualando-se ao do resto do mundo todo combinado - era maior em termos reais do que em qualquer momento desde a Segunda Guerra Mundial.[36]

Superextensão geopolítica[editar | editar código-fonte]

Havia 38 instalações militares americanas de grande e médio porte espalhadas ao redor do globo em 2005 - principalmente bases aéreas e navais - aproximadamente o mesmo número que as 36 bases navais e guarnições do exército britânicas em seu zênite imperial em 1898.[37] O historiador de Yale Paul Kennedy compara a situação dos EUA com a da Grã-Bretanha antes da Primeira Guerra Mundial, comentando que o mapa das bases dos EUA é semelhante ao da Grã-Bretanha antes da Guerra.[36]

De acordo com o historiador Emmanuel Todd, uma expansão da atividade militar e da agressão pode parecer um aumento do poder, mas pode mascarar um declínio no poder. Ele observa que isso ocorreu com a União Soviética nos anos 1970, e com o Império Romano, e que os Estados Unidos podem estar passando por um período semelhante.[38]

Saúde[editar | editar código-fonte]

De acordo com o Centro Nacional de Informações sobre Biotecnologia, Saúde e Bem-estar nos EUA estão em declínio. O Centro aponta para os custos crescentes da saúde como um problema que afeta todos os americanos:

Na virada do milênio, os Estados Unidos haviam se tornado um exemplo curioso entre seus pares. Os custos do sistema de saúde per capita aumentaram para o dobro do próximo país mais alto, mas a sobrevivência geral mal se mexia e estava caindo ano a ano para segmentos da população branca e para os nativos americanos em geral. Como resultado, o declínio relativo de longo prazo na expectativa de vida culminou em um declínio absoluto de vários anos na expectativa de vida nos Estados Unidos em 2015 e 2016.[39]

O Colégio Americano de Médicos também diz que o sistema de saúde está em declínio, argumentando que eles têm muito poucos médicos de cuidados primários e que o custo está aumentando mais rápido do que as pessoas podem pagar. O Colégio diz que "a saúde nos Estados Unidos está enfrentando um desafio sem precedentes de acessibilidade e sustentabilidade".[40] De acordo com o Índice de Progresso Social, os EUA estão enfrentando "quedas pequenas, mas constantes" em Saúde e outros assuntos.[41] Esse declínio na saúde alarmou os políticos americanos que debatem sobre como pode ser revertido.[42]

Cultura[editar | editar código-fonte]

Comentadores como Allan Bloom, E. D. Hirsch e Russel Jacoby acreditam que a cultura americana está em declínio. A ascensão do pós-modernismo desde a Segunda Guerra Mundial contribuiu para o declínio da cultura americana, de acordo com Jeffery Goldfrab.[43]

William J. Bennett argumenta que o declínio cultural da América está sinalizando "uma mudança nas atitudes e crenças do público".[44] A taxa de mortalidade materna mais do que dobrou nos EUA desde o final da década de 1980, em contraste com outras nações desenvolvidas.[45] De acordo com o Index of Leading Cultural Indicators, publicado em 1993, retratando estatisticamente as condições morais, sociais e comportamentais da sociedade americana moderna, muitas vezes descrita como 'valores', a condição cultural da América estava em declínio em relação às situações de 30 anos atrás, 1963. O índice mostrou que houve um aumento de crimes violentos em mais de 6 vezes, nascimentos ilegítimos em mais de 5 vezes, a taxa de divórcio em 5 vezes, a porcentagem de crianças vivendo em lares monoparentais em quatro vezes e a taxa de suicídio de adolescentes em três vezes durante o período de 30 anos.[46]

De acordo com Kenneth Weisbrode, embora as estatísticas apontem para o declínio americano (aumento da taxa de mortalidade, paralisia política, aumento da criminalidade), "os americanos têm uma cultura baixa há muito tempo e há muito a promovem". Ele acha que a "obsessão" com o declínio não é algo novo, como algo que remonta aos puritanos. "O declínio cultural, em outras palavras, é tão americano quanto uma torta de maçã", argumenta Weisbrode. Weisbrode compara a França pré-revolucionária e a América atual por sua vulgaridade, que ele argumenta ser "uma extensão ou resultado quase natural de tudo o que é civilizado: uma glorificação do ego".[47]

Daniel Bell argumentou que a percepção de declínio faz parte da cultura. "O que a longa história do 'declínio' americano - em oposição ao possível declínio real da América - sugere", diz Daniel Bell, "é que essas ansiedades têm uma existência própria que é bastante distinta da posição geopolítica real de nosso país; que surgem tanto de algo profundamente enraizado na psique coletiva de nossas classes tagarelas quanto de análises políticas e econômicas sóbrias. "[48]

Samuel P. Huntington comentou criticamente sobre uma tendência na cultura americana e na política de prever o declínio constante desde o final dos anos 1950. Segundo ele, o declínio surgiu em várias ondas distintas, a saber, em reação ao lançamento do Sputnik pela União Soviética; para a Guerra do Vietnã; ao choque do petróleo de 1973; às tensões soviéticas no final dos anos 1970; e ao mal-estar geral que acompanhou o fim da Guerra Fria.[49]

Comparação com estados anteriores[editar | editar código-fonte]

Ver também: Colapso de uma superpotência

Michael Hudson aponta que o perdão da dívida é necessário quando as dívidas dos indivíduos ao estado são muito grandes. Roma pôs fim a essa prática, enquanto os impérios anteriores (Assírio) sobreviveram por meio do perdão periódico da dívida, essa prática acabou com o império romano, resultando no empobrecimento e expropriação dos fazendeiros, criando um crescente lumpemproletariado. O mesmo processo contribuiu para o colapso do Império britânico e continua até hoje, com crises financeiras periódicas (1930, 2008) que só são aliviadas por resgates governamentais e / ou guerra. Hudson acrescenta que toda vez que a história se repete, o preço sobe, ou seja, os EUA estão sendo destruídos por dívida bancária sem mecanismo de perdão, tornando o colapso inevitável.[50]

O cientista político Paul K. Macdonald escreve que as grandes potências podem estar em declínio relativo ou absoluto e discutiu as maneiras como frequentemente respondem. O mais comum é a contenção (reduzindo alguns, mas não todos os compromissos do estado).[51]

Samuel P. Huntington disse que as previsões do declínio americano têm feito parte da política americana desde o final dos anos 1950. De acordo com Daniel Bell, "muitos dos principais comentaristas da América tiveram um impulso poderoso de ver os Estados Unidos como um caso fraco e 'eliminado' que cairá para rivais mais fortes tão inevitavelmente quanto Roma caiu para os bárbaros, ou a França para Henrique V em Agincourt. "[52][53]

Império Britânico[editar | editar código-fonte]

Kennedy argumenta que “a solidez financeira britânica foi o fator mais decisivo em suas vitórias sobre a França durante o século 18. Este capítulo termina com as Guerras Napoleônicas e a fusão da força financeira britânica com uma força industrial recém-descoberta. ” À medida que o dólar americano perde seu papel de moeda mundial, não poderá continuar tendo déficits comerciais para financiar seus gastos militares.[36]

De acordo com Richard Lachmann, os EUA durariam muito mais tempo se, como a Grã-Bretanha, pudessem restringir famílias e elites particulares de controlar exclusivamente escritórios e poderes governamentais.[19]

União Soviética[editar | editar código-fonte]

O historiador Harold James escreveu um artigo intitulado "Late Soviet America", comparando os atuais Estados Unidos com a ex-União Soviética. James escreveu que muitos aspectos dos EUA agora se assemelham ao final da União Soviética: intensificação do conflito social, rivalidades étnicas/raciais e declínio econômico. Ele previu que o dólar pode perder seu valor e começar a se parecer com o rublo soviético. James terminou o artigo dizendo que o declínio econômico continuará, mesmo se houver mudança na liderança, apontando para a incapacidade de Gorbachev de prevenir o colapso após suceder Brejnev.[54]

Da mesma forma, um colunista do South China Morning Post escreveu que: "A Rússia Soviética sob Mikhail Gorbachev não sabia que já havia perdido o império até que fosse tarde demais. O destino dos Estados Unidos não será diferente."[55]

Análises de comentaristas[editar | editar código-fonte]

  • De acordo com o ativista político americano Noam Chomsky, o declínio da América começou logo após o fim da Segunda Guerra Mundial, com a "perda da China" seguida pelas Guerras da Indochina. Em 1970, a participação dos Estados Unidos na riqueza mundial havia caído para cerca de 25%, o que ainda era grande, mas fortemente reduzido. Chomsky descarta a "retórica notável de vários anos de triunfalismo na década de 1990" como "principalmente auto-ilusão". Chomsky argumentou em 2011 que o poder não será transferido para a China e a Índia, porque esses são países pobres com graves problemas internos e não haverá competidores pelo poder hegemônico global no futuro previsível.[2]
  • O historiador americano Morris Berman escreveu uma trilogia de livros publicados entre 2000 e 2011 sobre o declínio da civilização americana.
  • Igor Panarin, graduado da KGB, escreveu The Crash of the Dollar and the Disintegration of the USA (2019). Ele previu que a América iria quebrar e se desintegrar em seis partes em 2010.[56]
  • O russo Stanislav Belkovsky previu que poderia ser a vez da América mergulhar na violência autodestrutiva e no colapso inevitável.[57]
  • O americano Chris Hedges, em seu livro de 2018, America The Farewell Tour, prevê que "dentro de uma década, no máximo duas" a América deixará de ser a superpotência dominante no mundo.
  • Em 2017, Evan Osnos do The New Yorker delineou um cenário potencial para uma revolução violenta nos EUA e as consequências para os “super-ricos”.[58]
  • Donald Trump se tornou o primeiro presidente americano a promover a ideia de que os EUA estavam em declínio.[59]
  • O Think tank americano Atlantic Council argumenta que, embora os EUA estejam de fato em declínio, pensar que ele é irreversível é "pessimismo irracional".[60]
  • Após a invasão do Capitólio dos Estados Unidos, a repórter do Huffpost Emily Peck escreveu um artigo que dizia que a rebelião havia "cristalizado 4 anos de declínio americano".[61]

Na Cultura Popular[editar | editar código-fonte]

No primeiro episódio da série dramática política da HBO, The Newsroom, transmitida em 24 de junho de 2012, Will McAvoy (interpretado por Jeff Daniels) lamenta que a América não é mais o melhor país do mundo. Ele explica que os Estados Unidos são o número um apenas em pessoas que acreditam em anjos, gastos militares e pessoas encarceradas.[62]

Ver Também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. MacDonald, Paul K.; Parent, Joseph M. (15 de abril de 2018). Twilight of the Titans: Great Power Decline and Retrenchment (em inglês). [S.l.]: Cornell University Press 
  2. a b «American Decline: Causes and Consequences». chomsky.info. Consultado em 30 de novembro de 2020 
  3. TomDispatch, ContributorA regular antidote to the mainstream media (24 de maio de 2018). «The Hidden Meaning of American Decline». HuffPost (em inglês). Consultado em 30 de novembro de 2020 
  4. «Nobel prize nominee who predicted 9/11 and the fall of the Berlin wall has a terrifying message about Trump». The Independent (em inglês). 7 de dezembro de 2016. Consultado em 30 de novembro de 2020 
  5. Ward, Alex (14 de setembro de 2018). «America's declining power, in one quote». Vox (em inglês). Consultado em 30 de novembro de 2020 
  6. a b Wyne, Ali (21 de junho de 2018). «Is America Choosing Decline?». The New Republic. ISSN 0028-6583. Consultado em 30 de novembro de 2020 
  7. February 28, Godfree Roberts •; 2020 • 1; Reply, 900 Words • 263 Comments • (28 de fevereiro de 2020). «Does China Outspend US on Defense?». The Unz Review. Consultado em 30 de novembro de 2020 
  8. Allison, Graham (15 de outubro de 2020). «China Is Now the World's Largest Economy. We Shouldn't Be Shocked.». The National Interest (em inglês). Consultado em 30 de novembro de 2020 
  9. Institute, Lowy. «United States - Lowy Institute Asia Power Index». Lowy Institute Asia Power Index 2020 (em inglês). Consultado em 30 de novembro de 2020 
  10. Institute, Lowy. «China - Lowy Institute Asia Power Index». Lowy Institute Asia Power Index 2020 (em inglês). Consultado em 30 de novembro de 2020 
  11. «79 percent of Americans say US is falling apart». Futurism (em inglês). Consultado em 30 de janeiro de 2021 
  12. Allen, Mike. «Republicans and Democrats agree — the country is falling apart». Axios (em inglês). Consultado em 30 de janeiro de 2021 
  13. Heer, Jeet (7 de março de 2018). «Are We Witnessing the Fall of the American Empire?». The New Republic. ISSN 0028-6583. Consultado em 30 de janeiro de 2021 
  14. «American Decline: Causes and Consequences». chomsky.info. Consultado em 30 de novembro de 2020 
  15. Heer, Jeet (7 de março de 2018). «Are We Witnessing the Fall of the American Empire?». The New Republic. ISSN 0028-6583. Consultado em 30 de novembro de 2020 
  16. «12 signs America is on the decline». Fortune (em inglês). Consultado em 30 de novembro de 2020 
  17. Hertz, Sarah; Friedman, Hershey H. (24 June 2015). "Is the United States Still the Best Country in the World? Think Again". Social Science Research Network.
  18. «Public Sees America's Future in Decline on Many Fronts». Pew Research Center’s Social & Demographic Trends Project (em inglês). 21 de março de 2019. Consultado em 30 de novembro de 2020 
  19. a b Lachmann, Richard (2011). "The roots of american decline". Contexts. 10 (1): 44–49.
  20. Bird, Mike. «China Just Overtook The US As The World's Largest Economy». Business Insider. Consultado em 30 de novembro de 2020 
  21. «The Chinese century is well under way». The Economist. 27 de outubro de 2018. ISSN 0013-0613. Consultado em 30 de novembro de 2020 
  22. «Infographic: China Is the World's Manufacturing Superpower». Statista Infographics (em inglês). Consultado em 30 de janeiro de 2021 
  23. «Infographic: China Is the World's Manufacturing Superpower». Statista Infographics (em inglês). Consultado em 30 de janeiro de 2021 
  24. «How can we explain Asia's spectacular economic rise?». World Economic Forum (em inglês). Consultado em 30 de janeiro de 2021 
  25. Rapoza, Kenneth. «The Future: China's Rise, America's Decline». Forbes (em inglês). Consultado em 30 de janeiro de 2021 
  26. «US being left behind after Asia forms world's biggest trade bloc RCEP: US Chamber». CNA (em inglês). Consultado em 30 de janeiro de 2021 
  27. «Why the U.S. Could Be the Big Loser in the Huge RCEP Trade Deal Between China and 14 Other Countries». Time. Consultado em 30 de janeiro de 2021 
  28. EST, Tom O'Connor On 12/4/20 at 2:41 PM (4 de dezembro de 2020). «China celebrates surpassing US in trade with EU for the first time». Newsweek (em inglês). Consultado em 7 de dezembro de 2020 
  29. «The Strategic Implications of the China-EU Investment Deal». thediplomat.com (em inglês). Consultado em 30 de janeiro de 2021 
  30. Erlanger, Steven (6 de janeiro de 2021). «Will the Sudden E.U.-China Deal Damage Relations With Biden?». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 30 de janeiro de 2021 
  31. Jeong, Paul Hannon and Eun-Young (25 de janeiro de 2021). «China Overtakes U.S. as World's Leading Destination for Foreign Direct Investment». Wall Street Journal (em inglês). ISSN 0099-9660. Consultado em 30 de janeiro de 2021 
  32. Inc, Gallup (18 de janeiro de 2018). «World's Approval of U.S. Leadership Drops to New Low». Gallup.com (em inglês). Consultado em 30 de novembro de 2020 
  33. Schmitt, Eric (14 de novembro de 2018). «U.S. Military's Global Edge Has Diminished, Strategy Review Finds (Published 2018)». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 30 de janeiro de 2021 
  34. Farley, Robert (5 de julho de 2018). «Yes, the U.S. Military Is In Decline. And There Is No Need to Panic». The National Interest (em inglês). Consultado em 30 de janeiro de 2021 
  35. Thompson, Loren. «Five Reasons Trump Won't Reverse The U.S. Military's Long Decline». Forbes (em inglês). Consultado em 30 de janeiro de 2021 
  36. a b c Kennedy, Paul (2017). The Rise And Fall of British Naval Mastery. [S.l.: s.n.] 
  37. Johnson, Chalmers (6 de fevereiro de 2007). Nemesis: The Last Days of the American Republic (em inglês). [S.l.]: Henry Holt and Company 
  38. «The good European». www.newstatesman.com (em inglês). Consultado em 30 de janeiro de 2021 
  39. Muennig, Peter A.; Reynolds, Megan; Fink, David S.; Zafari, Zafar; Geronimus, Arline T. (dezembro de 2018). «America's Declining Well-Being, Health, and Life Expectancy: Not Just a White Problem». American Journal of Public Health (12): 1626–1631. ISSN 0090-0036. PMC 6221922Acessível livremente. PMID 30252522. doi:10.2105/AJPH.2018.304585. Consultado em 2 de fevereiro de 2021 
  40. «America's Health Care System in State of Decline | ACP Newsroom | ACP». www.acponline.org. Consultado em 2 de fevereiro de 2021 
  41. Haynie, Devon (2020). «"Report: American Quality of Life Declines Over Past Decade"». usnews 
  42. «Reversing the Decline in America's Health». Global Health NOW (em inglês). Consultado em 2 de fevereiro de 2021 
  43. Goldfrab, Jeffery C. (1989). The Decline and Fall of American Culture?. [S.l.: s.n.] p. 659–680 
  44. «Quantifying America's Decline». Ashbrook (em inglês). Consultado em 30 de janeiro de 2021 
  45. «Pregnancy Mortality Surveillance System | Maternal and Infant Health | CDC». www.cdc.gov (em inglês). 25 de novembro de 2020. Consultado em 30 de janeiro de 2021 
  46. «Quantifying America's Decline». Ashbrook (em inglês). Consultado em 30 de janeiro de 2021 
  47. Weisbrode, Kenneth (19 de julho de 2016). «Don't Panic about America's Cultural Decline». The National Interest (em inglês). Consultado em 30 de janeiro de 2021 
  48. Bell, David A. (7 de outubro de 2010). «Political Columnists Think America Is In Decline. Big Surprise.». The New Republic. ISSN 0028-6583. Consultado em 30 de janeiro de 2021 
  49. McArdle, Megan (7 de outubro de 2010). «America's Perpetual Decline». The Atlantic (em inglês). Consultado em 30 de janeiro de 2021 
  50. Hudson, Michael (2015). Killing the Host: How Financial Parasites and Debt Destroy the Global Economy. [S.l.: s.n.] 
  51. Macdonald, Paul (2018). Twilight of the Titans: Great Power Decline and Retrenchment. [S.l.]: Cornell University Press. 
  52. Bell, David A. (7 de outubro de 2010). «Political Columnists Think America Is In Decline. Big Surprise.». The New Republic. ISSN 0028-6583. Consultado em 2 de fevereiro de 2021 
  53. McArdle, Megan (7 de outubro de 2010). «America's Perpetual Decline». The Atlantic (em inglês). Consultado em 2 de fevereiro de 2021 
  54. James, Harold (1 de julho de 2020). «Late Soviet America | by Harold James». Project Syndicate (em inglês). Consultado em 2 de fevereiro de 2021 
  55. «Forget the rise of China, it's the fall of America you should worry about». South China Morning Post (em inglês). 7 de janeiro de 2021. Consultado em 2 de fevereiro de 2021 
  56. Bohm, Michael (29 de novembro de 2012). «Russia's Misery Loves U.S. Company». The Moscow Times (em inglês). Consultado em 30 de novembro de 2020 
  57. Shlapentokh, Dmitry (29 de julho de 2020). «How the Putin Regime Perceives US Protests». Institute of Modern Russia (em inglês). Consultado em 30 de novembro de 2020 
  58. Osnos, Evan. «Survival of the Richest». The New Yorker (em inglês). Consultado em 30 de novembro de 2020 
  59. Engelhardt, Tom (27 de setembro de 2018). «America Was in Decline Long Before Trump Stepped Into Office» (em inglês). ISSN 0027-8378. Consultado em 30 de novembro de 2020 
  60. «The Longer Telegram: Toward a new American China strategy». Atlantic Council (em inglês). 28 de janeiro de 2021. Consultado em 30 de janeiro de 2021 
  61. Peck, Emily (8 de janeiro de 2021). «The Capitol Riot Crystalizes 4 Years Of American Decline». HuffPost (em inglês). Consultado em 30 de janeiro de 2021 
  62. «The Newsroom - America is not the greatest country in the world anymore (em inglês)»