Digitalis purpurea

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Dedaleira)
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma caixa taxonómicaDigitalis purpurea
Digitalis purpurea L.

Digitalis purpurea L.
Classificação científica
Reino: Plantae
Divisão: Magnoliophyta
Classe: Magnoliopsida
Ordem: Lamiales
Família: Plantaginaceae
Género: Digitalis
Espécie: D. purpurea
Nome binomial
Digitalis purpurea
L.
Subespécies e variedades
D. purpurea subsp. purpurea

D. p. subsp. purpurea var. nevadensis

D. p. subsp. purpurea var. toletana

D. p. subsp. purpurea var. tormentosa

D. purpurea subsp. amandiana

D. purpurea subsp. dubia

D. purpurea subsp. mariana

D. purpurea subsp. thapsi

Digitalis purpurea L., comumente chamada dedaleira (da designação alemã "Roter Fingerhut", 'dedal vermelho', dada às flores desta planta) ou "campainha", pelo formato de suas flores, é uma erva lenhosa ou semilenhosa da família Scrophulariaceae, nativa da Europa. É usada como planta ornamental, com inúmeras variedades hortícolas de flores róseas ou brancas. É excelente para bordaduras e maciços, jardineiras ou vasos. Se impedida de terminar o ciclo através do corte da inflorescência murcha, a dedaleira retorna a florescer.

Uso medicinal[editar | editar código-fonte]

A dedaleira pode ser usada para fins medicinais, por conter digitalina, um importante medicamento cardíaco, prescrito em alguns casos de arritmia ou insuficiência cardíaca. Entretanto, sua utilização medicinal deve ser muito criteriosa, pois, em doses altas e se administrada a pessoas que não necessitam de seus efeitos, tem efeitos tóxicos. O uso em altas doses pode provocar um ataque cardíaco, podendo matar uma pessoa sem deixar rastros da causa da morte.

Genética[editar | editar código-fonte]

As cores das pétalas da Digitalis purpurea são determinadas por pelo menos três genes, que interagem uns com os outros..[1]

O gene dominante M determina a produção de um pigmento roxo, um tipo de antocianina. O gene recessivo m não produz esse pigmento. O gene dominante D é um enhancer, que estimula a super expressão do gene M, fazendo com que seja produzida uma grande quantidade de pigmento. O gene recessivo d não estimula essa super produção, fazendo com que apenas uma pequena quantidade de pigmento seja produzida. Por último, o gene W faz com que o pigmento seja depositado apenas em alguns pontos no interior da pétala, enquanto que o gene w permite que a cor apareça por toda a pétala.

Os quatro fenótipos possíveis de Digitalis purpurea

Essa combinação leva a uma grande quantidade de possíveis genótipos, mas como há interação gênica, apenas quatro fenótipos são observados:

  • M/_; W/_; _/_ = flor branca com pontos roxos;
  • m/m; _/_; _/_ = flor branca com pontos amarelados;
  • M/_; w/w; d/d = flor roxa clara;
  • M/_; w/w; D/_ = flor roxa escura.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Dedaleira (Digitalis purpurea)
Ícone de esboço Este artigo sobre a ordem Lamiales, integrado no Projeto Plantas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
  1. Griffiths AJF, Miller JH, Suzuki DT, et al. An Introduction to Genetic Analysis. 7th edition. New York: W. H. Freeman; 2000. Gene interaction in petal color of foxgloves.