Defesa Chewbacca

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Cena do episódio "Chef Aid", que mostra Johnnie Cochran usando a defesa Chewbacca.

Defesa de Chewbacca é uma terminologia informal usada nos Estados Unidos para se referir a uma estratégia legal em que o objetivo do argumento aparenta confundir deliberadamente o júri em vez de refutar factualmente o caso ou argumento opositório. O termo foi originalmente usado no episódio "Chef Aid", da série animada South Park. O episódio, que estreou em 7 de outubro de 1998, satiriza o argumento final do advogado Johnnie Cochran defendendo O. J. Simpson em seu julgamento de homicídio. O termo tem sido comumente utilizado em descrições de casos legais, especialmente criminosos. O conceito de disfarçar uma falha num argumento ao apresentar grandes quantidades de informações irrelevantes já foi descrito como o equivalente moderno de red herring[nota 1] ou da falácia ignoratio elenchi (falácia da conclusão irrelevante).[3]

No contexto do episódio, o fictício Cochran começa seu caso de defesa baseando seu argumento na série de filmes Star Wars, especificamente na afirmação (incorreta) de que o personagem Chewbacca vive no planeta Endor. Ele continua apontando contradições durante o argumento, primeiro ele levanta a suposta insensatez dessa colocação, observando que o próprio argumento "não faz sentido", e então, ele continua ao citar que um advogado de terno abordar Star Wars como evidência "também não faz sentido" e, portanto, o caso deve ser rejeitado. O argumento final diz: "Se Chewbacca vive em Endor, você deve absolver", uma satiriza ao argumento final da defesa do próprio Cochran: "Se não se encaixa, vocês devem absolver".

Origem[editar | editar código-fonte]

No episódio, o personagem Chef contata um executivo de uma "grande gravadora" procurando ser creditado como compositor de um hit fictício de Alanis Morissette chamado "Stinky Britches". A reivindicação é comprovada por uma gravação de 20 anos.[4]

A empresa discográfica recusa e contrata Johnnie Cochran, que apresenta uma ação judicial contra o Chef pelo assédio. No tribunal, Cochran recorre à sua "famosa" defesa Chewbacca, que ele usou durante o julgamento de O. J. Simpson, de acordo com o advogado do Chef, Gerald Broflovski. Embora Broflovski use a lógica, o raciocínio e o fato de o Chef possuir direitos autorais adequados ao trabalho dele, Cochran argumento o seguinte:

Cochran: ...Senhoras e senhores desse suposto júri, tenho uma coisa final que eu quero que considere. Senhoras e senhores, este é Chewbacca. Chewbacca é um Wookiee do planeta Kashyyyk. Mas Chewbacca vive no planeta Endor. Agora pense nisso; Isso não faz sentido!

Gerald Broflovski: Droga!... Ele está usando a defesa Chewbacca!

Cochran: Por que um Wookiee, de 8 pés de altura, quer morar em Endor, com um monte de Ewoks de 2 pés de altura? Isso não faz sentido! Mas, o mais importante, que você precisa se perguntar: o que isso tem a ver com esse caso? Nada. Senhoras e senhores, não tem nada a ver com este caso! Não faz sentido! Olhe para mim. Eu sou um advogado defendendo uma grande gravadora, e estou falando sobre Chewbacca! Isso faz sentido? Senhoras e senhores, não tem sentido! Nada disso faz sentido! E então vocês tem que lembrar, quando vocês estiverem na sala do jurado deliberando e confirmando a Proclamação de Emancipação, isso faz sentido? Não! Senhoras e senhores desse suposto júri, isso não faz sentido! Se Chewbacca vive em Endor, você deve absolver! A defesa fecha.[5]

A última declaração é uma paródia dos argumentos de encerramento de Cochran no caso de homicídio de O. J. Simpson, onde ele diz ao júri: "Se não se encaixa, vocês devem absolver!" Ele se referia a uma demonstração do tribunal em que Simpson parecia incapaz de colocar um par de luvas de couro sangrenta encontradas na cena do crime e em sua casa sobre as luvas cirúrgicas.[6]

No episódio, a defesa de Cochran é bem sucedida e o júri considera o Chef culpado de "assediar uma grande gravadora", após isso, o juiz fixa sua punição como uma multa de dois milhões de dólares a ser paga dentro de 24 horas ou, na sua falta, quatro anos de prisão (o juiz inicialmente o condena a oito milhões de anos, mas é corrigido por um oficial do tribunal).[4]

Em último recurso, um concerto beneficente chamado "Chef Aid" é organizado para arrecadar dinheiro para que Chef contrate Cochran para o seu próprio processo contra a gravadora. No concerto, Cochran tem uma mudança sentimental e oferece representar Chef gratuitamente. Ele novamente usa, e com sucesso, a defesa Chewbacca, desta vez para derrotar a gravadora e forçá-los a reconhecer a autoria de Chef sobre a música. Desta vez, ele termina tirando um fantoche de macaco e gritando: "Aqui, olhe para o macaco. Olhe para o macaco tolo!" fazendo com que a cabeça de um jurado explodisse.[4]

Utilização[editar | editar código-fonte]

O obituário da Associated Press mencionou a paródia da defesa Chewbacca como uma das maneiras pelas quais o advogado entrou para a cultura pop.[7]

O criminologista Thomas O'Connor diz que, quando a evidência de DNA mostra "inclusão", isto é, não exonera um cliente por exclusão da amostra de DNA fornecida, o que resta tentar "é atacar o laboratório visando a sua [falta] de garantia de qualidade e testes de proficiência, ou usar uma 'defesa Chewbacca'... e tente arrasar-deslumbrar o júri sobre o quão complexo e complicado são as evidências ou as estimativas de probabilidade opostas.[8] A cientista forense Erin Kenneally argumentou que os desafios judiciais para evidências digitais frequentemente usam a defesa Chewbacca, apresentando múltiplas explicações alternativas de provas forenses obtidas de computadores e provedores de Internet para confundir o júri em uma dúvida razoável. Kenneally também fornece métodos que podem ser usados para refutar uma defesa Chewbacca..[9][10] Kenneally e sua colega Anjali Swienton apresentaram esse tópico anteriormente no Sistema da Corte Estadual da Florida e na reunião anual da Academia Americana de Ciências Forenses de 2005.[11]

O termo também foi utilizado em comentários políticos; Ellis Weiner escreveu no HuffPost que Dinesh D'Souza estava usando a defesa Chewbacca em críticas ao então nova presidente da Câmara, Nancy Pelosi, definindo-o como quando "alguém afirma sua afirmação dizendo algo tão insensivelmente absurdo que o cérebro do ouvinte cai completamente".[12]

O livro de Jay Heinrichs, Thank You for Arguing, afirma que o termo "defesa Chewbacca" está "escondendo-se no léxico" como outro nome para a falácia red herring.[13]

O termo foi usado por Paul Krugman, que escreveu no The New York Times que John Taylor estaria usando a defesa Chewbacca como uma aparentemente última opção para defender sua posição de política monetária havaiana, após anos declarando publicamente que "a flexibilização quantitativa levaria a uma grande aceleração da inflação".[14]

Notas

  1. Red herring (traduzido como: Arenque vermelho) é um anglicismo que se refere a uma estratégia de distração, uma falacia lógica que desvia a atenção do tema debatido.[1][2]

Referências

  1. Oxford English Dictionary. red herring, n. Terceira edição, Setembro de 2009; versão online Dezembro de 2011. http://www.oed.com/view/Entry/160314; acessado em 18 de dezembro de 2011. An entry for this word was first included in New English Dictionary, 1904.
  2. Ricardo Garcia Damborenea (8 de junho de 2011). Uso de razón: El arte de Razonar, Persuadir, Refutar. Un programa integral de iniciación a la lógica, el debate y la dialéctica. [S.l.]: Ediciones Uso de Razón. 476 páginas 
  3. Willing v. State, Slip Copy at n.1 (Sup. Ct. Nev. 14 de maio de 2013).
  4. a b c Parker, Trey (7 de outubro de 1998). «Chef Aid». South Park. Temporada 2. Séries 27. Episódio 14. Comedy Central 
  5. «Video of the scene»  is available.
  6. «CNN Interactive: Video Almanac - 1995» (em inglês). CNN. Consultado em 4 de novembro de 2017. Cópia arquivada em 31 de julho de 2012 
  7. «Cochran was rare attorney turned pop culture figure» (em inglês). Associated Press. 30 de março de 2005. Consultado em 27 de janeiro de 2007. Cópia arquivada em 15 de setembro de 2012 
  8. Thomas O'Connor, Ph.D., Austin Peay State University Center at Ft. Campbell and North Carolina Wesleyan College. «DNA Typing and Identification» (em inglês). Consultado em 27 de janeiro de 2007. Arquivado do original em 9 de outubro de 2006 
  9. Erin Kenneally, M.F.S., J.D. «Applying Admissibility, Reliability to Technology» (PDF) (em inglês). Corte Estadual da Florida. Consultado em 27 de janeiro de 2007. Arquivado do original (PDF) em 7 de dezembro de 2006 
  10. Anjali R. Swienton, M.F.S., J.D. Erin Kenneally, M.F.S., J.D. «Poking the Wookie: the Chewbacca Defense in Digital Evidence Cases» (PDF) (em inglês). SciLaw Forensics, Ltd. Consultado em 27 de janeiro de 2007. Arquivado do original (PDF) em 27 de setembro de 2006 
  11. «Upcoming AAFS Annual Meeting» (em inglês). CERIAS, Universidade de Purdue. Consultado em 27 de janeiro de 2007. Arquivado do original em 8 de janeiro de 2009 
  12. Ellis Weiner (24 de janeiro de 2007). «D is for Diabolical» (em inglês). HuffPost. Consultado em 27 de janeiro de 2007. Cópia arquivada em 14 de março de 2017 
  13. Heinrichs, Jay (2007). Thank You for Arguing: What Aristotle, Lincoln, and Homer Simpson Can Teach Us About the Art of Persuasion. Nova Iorque: Three Rivers Press. pp. 148–49. ISBN 978-0-307-34144-0 
  14. Paul Krugman (12 de julho de 2013). «The Monetary Debate: Enter Chewbacca» (em inglês). The New York Times. Consultado em 12 de julho de 2013. Cópia arquivada em 13 de julho de 2013 

Leituras posteriores[editar | editar código-fonte]

  • Arp, Robert (dezembro de 2006). «The Chewbacca Defense: A South Park Logic Lesson». In: Arp, Robert. South Park and Philosophy: You Know, I Learned Something Today. [S.l.]: Blackwell Publishing. ISBN 978-1-4051-6160-2 
  • John G. Browning, A Long Time Ago, in A Courtroom Far, Far Away There's No Denying That the Force Is All Around Us-Even Judges Refer to George Lucas's Pop Culture Science Fiction Saga, 77 Tex. B.J. 158, 161 (2014) Texas Bar Journal