Deficiência de alfa-1-antitripsina

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Deficiencia de alfa-1-antitripsina
Especialidade endocrinologia
Classificação e recursos externos
CID-10 E88.0
CID-9 273.4
OMIM 613490
DiseasesDB 434
MedlinePlus 000120
eMedicine med/108
MeSH D019896, :D019896
A Wikipédia não é um consultório médico. Leia o aviso médico 

A deficiência de alfa-1 antitripsina é uma doença genética autossómica recessiva, descrita pela primeira vez em 1963, de gravidade variável, relativamente rara.[1]

A alfa 1 antitripsina (A1-AT) é uma enzima proteica (fig.1) codificada por um gene localizado no braço longo do cromossoma 14 – 14q –, região 31-32.3. É produzida no fígado e tem como função inibir a elastase neutrofílica que, quando activa (a elastase neutrofílica), tem a capacidade de destruir o parênquima pulmonar através da hidrólise das fibras de elastina. Esta destruição do parênquima pulmonar, resulta em limitação do fluxo de ar nos pulmões, portanto a deficiência de A1-AT é um dos fatores determinantes na DPOC (doença pulmonar obstrutiva crônica).

Referências

  1. Aquiles A Camelier ; Daniel Hugo Winter ; José Roberto Jardim ; Carlos Eduardo Galvão Barboza ; Alberto Cukier ; Marc Miravitlles (julho de 2008). «Deficiência de alfa-1 antitripsina: diagnóstico e tratamento». Jornal Brasileiro de Pneumologia. Consultado em 29 de janeiro de 2012 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Deficiência de alfa-1-antitripsina