Delfim de França

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Crown of the Dauphin of France.svg
Delfim de França
Dauphin de Viennois
Pariato Royal Standard of the King of France.svg França
Criação João II,
16 de julho de 1349
Ordem Nobreza titulada
Tipo Hereditário
1.º Titular Carlos de Valois
Linhagem Casa de Valois
Casa de Bourbon
Actual Titular

Delfim de França (dauphin) era o título do herdeiro aparente da coroa francesa durante as dinastias de Valois e Bourbon.

A tradição remonta ao século XIV, quando Humberto II, Senhor do Viennois vendeu as suas terras ao rei Filipe VI de França na condição de que o herdeiro fosse designado por Delfim, em honra do seu brasão de armas que ostentava um golfinho. O primeiro príncipe que usou esta designação foi o futuro rei Carlos V de França, Delfim a partir de 1349.

História[editar | editar código-fonte]

Título de Conde de Viena (1133-1349)[editar | editar código-fonte]

Os Condes de Viennois e de Albon, senhores do Condado de Viennois, foram os primeiros a ostentar o título de Delfim de Viennois.

Este título vem do fato de que muitos condes vienenses tiveram Dauphin como seu nome do meio, um equivalente masculino bastante incomum do primeiro nome feminino Delphine (ou Dauphine), desde Guigues IV, Conde de Albon e Viennois de 1133 a 1142. Uma das hipóteses é que esse primeiro nome "golfinho" (Delphinus em latim), que alude ao animal marinho homônimo, lembraria as fortes ligações do condado com a região da Provença e a cultura greco-latina do mundo mediterrâneo. Refere-se a uma lenda específica do Reino de Arles em virtude da qual todos os cavaleiros são denominados "Delfim". Outros historiadores supõem que a esposa de Guigues III, Matilda, seria a viúva de um rei dos romano-germânicos (talvez Conrado da Francônia).

Títulos dos herdeiros reais[editar | editar código-fonte]

O primeiro príncipe francês chamado le Dauphin foi Carlos, o Sábio, mais tarde ascendendo ao trono como Carlos V de França. O título era aproximadamente equivalente ao de Príncipe de Gales (na Inglaterra), Duque de Rothesay (na Escócia), Príncipe do Brasil (em Portugal) e Príncipe das Astúrias (que vigora até os dias atuais na Espanha). Até 1641, o estilo oficial de um delfim de França era: "pela graça de Deus, delfim de Viennois, conde de Valentinois e Diois". Um delfim de França combinava o brasão de armas do delfim, que ostentava simbolicamente dois golfinhos, com as flores-de-lis francesas e poderia acumular ainda outros símbolos heráldicos. Por exemplo, Francisco de Valois, filho de Francisco I, detinha o título de Duque da Bretanha e uniu as armas daquela província com as armas reservadas a um delfim; Francisco II, enquanto delfim, também foi rei consorte da Escócia por via de seu casamento com Maria I, e acrescentou as armas do Reino da Escócia às suas pessoais como delfim.

Originalmente, o Delfim era pessoalmente responsável pelos domínios do Delfinado, região histórica que integrava o território do Sacro Império Romano e que jamais foi anexado formalmente pela França diante da oposição ferrenha do Imperador Romano Germânico. Por conta disso, o Delfinado foi regido por movimentos anárquicos ao longo dos séculos XIV e XV.

Delfins de França 1349-1830[editar | editar código-fonte]

Nota: As datas referem-se ao período em que o titular foi conhecido por este título

Referências

  1. McGrady, Deborah (2019). The Writer's Gift or the Patron's Pleasure?: The Literary Economy in Late Medieval France (em inglês). Toronto: University of Toronto Press. p. 245. ISBN 9781487503659 
  2. Curry, Anne; Bell, Adrian R. (2011). Soldiers, Weapons and Armies in the Fifteenth Century (em inglês). Woodbridge: Boydell & Brewer Ltd. p. 2. ISBN 9781843836681