Delhi Crime

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Delhi Crime
Informação geral
Formato série
Gênero
Duração 45-64 minutos
Criador(es) Richie Mehta
País de origem Índia
Idioma original
Produção
Diretor(es) Richie Mehta
Produtor(es) executivo(s)
  • Aaron Kaplan
  • Jeff Sagansky
  • Florença Sloan
  • Apoorva Bakshi
  • Pooja Kohli
  • Sanjay Bachani
  • John Penotti
  • Kilian Kerwin
  • David A. Stern
  • Michael Hogan
Editor(es) Beverly Mills
Cinematografia Johan Heurlin Aidt
Câmera Câmera única
Distribuição Netflix
Elenco
  • Shefali Shah
  • Rasika Dugal
  • Adil Hussain
  • Rajesh Tailang
Composto por Andrew Lockington
Empresa(s) produtora(s) Ivanhoe Pictures
Golden Karavan
Localização Índia
Exibição
Emissora original Netflix
Formato de exibição 1080p (HDTV)
Formato de áudio Dolby Digital
Transmissão original 22 de março de 2019 (2019-03-22) – presente
Temporadas 1
Episódios 7

Delhi Crime (Crimes em Déli, no Brasil) é uma série de televisão de crime-drama indiana escrita e dirigida por Richie Mehta.[1] Estrelando Shefali Shah, Rasika Dugal, Adil Hussain e Rajesh Tailang, a série em sete episódios é ambientada após o estupro coletivo de Delhi em 2012.[2] Seus dois primeiros episódios foram estreados no Sundance Film Festival de 2019 na categoria Indie Episodic.[3] A série estreou na Netflix em 22 de março de 2019.[4]

No International Emmy Awards, realizado em setembro de 2020, Delhi Crime recebeu o prêmio de Melhor Série Dramática, tornando-se a primeira série indiana a ganhar nesta categoria. O programa foi renovado para uma segunda temporada com o retorno do elenco principal.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Crimes em Déli é baseado no caso de estupro coletivo de Déli em 2012 que ocorreu no bairro de Munirka, no sul de Déli. A série segue a história no rescaldo do estupro em grupo, onde a vice-comissária de polícia (DCP), Vartika Chaturvedi, é encarregada de encontrar os culpados, responsáveis ​​pelos ataques de ambos e pela morte de uma das vítimas.

Elenco[editar | editar código-fonte]

  • Shefali Shah como Vartika Chaturvedi
  • Rasika Dugal como Neeti Singh
  • Adil Hussain como Kumar Vijay
  • Rajesh Tailang como Bhupendra Singh
  • Denzil Smith como Vishal Chaturvedi
  • Yashaswini Dayama como Chandni
  • Avijit Dutt como Gururaj Dixit
  • Gopal Dutt como Sudhir Kumar
  • Sanjay Bishnoi como Akash
  • Mridul Sharma como Jai Singh
  • Jaya Bhattachary como Vimla Bharadwaj
  • Swati Bhatia como Ira

Produção[editar | editar código-fonte]

Mehta concebeu a idéia de Delhi Crime durante uma conversa com Neeraj Kumar, ex-comissário da Deli Police, que o apresentou à equipe de investigação e forneceu acesso a vários documentos legais que foram preparados como parte da investigação.[5] Mehta disse que o making of da série foi uma "jornada pessoalmente transformadora" para ele.[5] Ele falou com vários policiais envolvidos no caso e tentou "refazer os caminhos que a polícia tomou durante o curso da investigação".[5]

Mehta levou seis anos para terminar sua pesquisa. A série foi filmada em Delhi.[5] Mehta inicialmente queria fazer isso como um longa-metragem, mas, enquanto continuava a pesquisa, ele percebeu que não conseguia encaixar o conteúdo naquele tamanho.[6] O personagem de Vartika foi baseado em Chhaya Sharma, a ex-vice-comissária de polícia em Delhi.[6] Mehta conheceu ela, que estava na equipe que pegou os autores. Eles falaram por meses enquanto Mehta estudava seu ponto de vista do crime.[7] A série abrange seis dias, cobrindo o período entre 16 de dezembro e 21 de dezembro, do incidente até a prisão final.[7] A série estreou em janeiro de 2018 depois de receber permissão da polícia de Déli e da família da vítima.[7] Mehta decidiu não mostrar o estupro na tela porque pretendia "não cruzar essa linha na exploração.", como prometido à família.[7]

Recepção[editar | editar código-fonte]

No Rotten Tomatoes, a primeira temporada da série tem um índice de aprovação de 93% com base em 15 avaliações, com uma classificação média de 7,4/10. O concenso do site diz: "Com precisão e graça, Bowen, Bruce e Richie entregam um thriller bem equilibrado e refrescante que examina com veemência a verdadeira tragédia do crime ouvida em todo o mundo".[8]

Daniel Fienberg, do The Hollywood Reporter, chamou-o de "consistentemente diferente o suficiente para ser interessante". Ele também achava que as convenções processuais da polícia pareciam "razoavelmente novas e consistentemente envolventes".[9] Ben Travers, do IndieWire, escreveu: "Uma série de crimes verídicos, difíceis de assistir, a Deli Crime Story não será para todos — mas vai prender quem assiste".[10]

Referências

  1. «'Delhi Crime' to premiere on Netflix in March». Mint. 29 de janeiro de 2019. Consultado em 23 de fevereiro de 2019 
  2. «'Crimes em Déli', da Netflix, é visão enviesada de caso de estupro coletivo de 2012 na Índia». Huffpost Brasil. 30 de março de 2019. Consultado em 6 de abril de 2019 
  3. «Netflix Picks Up Indian Drama Series 'Delhi Crime' From Richie Mehta, Golden Karavan & Ivanhoe Pictures». Deadline. 28 de janeiro de 2019. Consultado em 23 de fevereiro de 2019 
  4. Victória Bravo (21 de março de 2019). «Minissérie sobre crime chocante chega à Netflix e diretor explica por que história deve ser contada». metro. Consultado em 6 de abril de 2019 
  5. a b c d «Delhi Crime to premiere on Netflix in March». The Indian Express. 24 de fevereiro de 2019. Consultado em 23 de fevereiro de 2019 
  6. a b «Indie Episodic: Delhi Crime Story». YouTube. Sundance Institute. 8 de janeiro de 2019 
  7. a b c d «Police efforts in 2012 gangrape get a hat tip in Richie Mehta's Sundance pick 'Delhi Crime Story'». Scroll. 26 de janeiro de 2019. Consultado em 23 de fevereiro de 2019 
  8. «Delhi Crime - 1° Temporada». Rotten Tomatoes. Consultado em 27 de dezembro de 2020 
  9. «'Delhi Crime Story': TV Review - Sundance 2019». The Hollywood Reporter. 5 de fevereiro de 2019. Consultado em 23 de fevereiro de 2019 
  10. «'Delhi Crime Story' Review: One of India's Most Heinous Attacks Is Netflix's Next Addictive Thriller». IndieWire. 30 de janeiro de 2019. Consultado em 23 de fevereiro de 2019 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]