Deltan Dallagnol

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Deltan Dallagnol
Dallagnol em coletiva de repatriação.
Deputado Federal pelo Paraná
Período asumirá em 1 de fevereiro de 2023
Procurador da República
Período 30 de janeiro de 2003
a 3 de novembro de 2021
Dados pessoais
Nascimento 15 de janeiro de 1980 (42 anos)
Pato Branco, Paraná
Nacionalidade brasileiro
Alma mater Universidade Federal do Paraná

Harvard Law School (LL.M.)

Prêmio(s)
Partido PODE (2021-presente)
Religião protestantismo (Igreja Batista)
Website Twitter oficial

Deltan Martinazzo Dallagnol (Pato Branco, 15 de janeiro de 1980) é um jurista e político brasileiro, filiado ao Podemos (PODE).[1][2] Foi procurador da República de 2003 a 2021,[3][4] e ganhou notoriedade por integrar e coordenar a força-tarefa da Operação Lava Jato, que investigou crimes de corrupção na Petrobras e em outras estatais.[5][6]

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Deltan Martinazzo Dallagnol nasceu em 1980 em Pato Branco, no Paraná. Filho do procurador de justiça Agenor Dallagnol e de Vilse Dallagnol. É cristão evangélico, sendo membro da igreja Batista.[7][8]

Formação acadêmica e carreira profissional[editar | editar código-fonte]

Dallagnol formou-se bacharel em direito pela Universidade Federal do Paraná (UFPR) em 2002[9] e mestre em direito pela Harvard Law School em 2013.[10][11]

Ingressou mediante concurso público no Ministério Público Federal como procurador da República em 30 de janeiro 2003,[12] quando entrou amparado por decisão judicial pois não havia completado dois anos de conclusão do curso de Direito.[13] Também havia sido aprovado em 1º lugar no concurso para o cargo de promotor de justiça do Ministério Público do Estado do Paraná e em 2º lugar no concurso para o cargo de juiz de direito do mesmo Estado.[12] Especializou-se em crimes contra o sistema financeiro nacional e lavagem de dinheiro,[3] com atuações em casos grandes como Banestado, e coordenou a força-tarefa da Operação Lava Jato.[5]

Em 3 de novembro de 2021, pediu exoneração do cargo de procurador da República.[4] Tornou-se colunista da Revista Oeste.[14]

Carreira política[editar | editar código-fonte]

Filiou-se ao Podemos (PODE) e nas eleições do dia 2 de outubro de 2022, foi eleito deputado federal pelo Paraná, sendo o mais votado do estado, com 344.917 votos.[15]

Diárias da Operação Lava Jato[editar | editar código-fonte]

No dia 9 de novembro de 2021, o Tribunal de Contas da União (TCU) tomou a decisão de obrigar procuradores da Operação Lava Jato a devolverem dinheiro de diárias de passagens utilizadas por ex-integrantes da operação. "Esse modelo viabilizou uma indústria de pagamento de diárias e passagens a certos procuradores escolhidos a dedo, o que é absolutamente incompatível com as regras que disciplinam o serviço público brasileiro" diz trecho da decisão, conforme noticiado pela CNN Brasil.[16]

"Já Deltan Dallagnol, que coordenava a força-tarefa de Curitiba, será citado para devolver solidariamente recursos aos cofres públicos por ter supostamente idealizado o modelo de trabalho do grupo de procuradores da operação. Se condenados de forma definitiva, os procuradores e ex-procuradores ficarão inelegíveis — o que pode atrapalhar os planos de Dallagnol e de Janot, que já estariam conversando com o partido Podemos para participar das próximas eleições"[17]

Segundo o Correio Braziliense, "a Corte entendeu que alguns gastos com passagens e diárias são considerados irregulares. A ação pode tornar os procuradores inelegíveis, entre eles, o ex-coordenador da força-tarefa, Deltan Dallagnol, que pretende se aventurar na política".[18]

Em 9 de agosto de 2022, o TCU, por cinco votos a zero, condenou Dallagnol, o ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot e o procurador João Vicente Romão a devolverem 2,8 milhões de reais à União pelas diárias gastas durante a Operação Lava-Jato. Tal decisão, no entanto, contrariou a área técnica do próprio TCU, que recomendou o arquivamento. Ambos poderiam recorrer da decisão, e tal julgamento deixou Deltan inelegível, através da Lei da Ficha Limpa.[19] Segundo a Folha de São Paulo, ao menos quatro dos cinco ministros que votaram pela condenação já foram citados e até mesmo investigados pela operação Lava-Jato antes de serem efetivados integrantes do Tribunal: Antonio Anastasia, Bruno Dantas, Aroldo Cedraz e Augusto Nardes.[20]

Em setembro de 2022, a 6ª vara federal de Curitiba acolheu os pedidos da defesa e suspendeu a ação do TCU. "A decisão mostra o que nós já sabíamos: o processo no TCU é repleto de irregularidades e não tem respaldo na realidade. Basta notar, por exemplo, que eu nunca sequer recebi as diárias em questão e nem tinha poder para autorizar os pagamentos", disse Deltan, em nota à imprensa.[21]

Projeto anticorrupção[editar | editar código-fonte]

Deltan em um congresso em 2016, defendendo as Dez medidas contra a corrupção.
Ver artigo principal: 10 Medidas contra corrupção

De acordo com o procurador, a Operação Lava Jato trouxe esperança na luta contra corrupção, mas ele considera difícil punir corruptos no Brasil sendo preciso mudar a legislação para garantir que os criminosos que cometam esse tipo de crime “permaneçam por mais tempo na cadeia e devolvam o dinheiro desviado da saúde, segurança e educação”. Teve um trabalho essencial para em março de 2016 superar 2 milhões de assinaturas do projeto "Dez medidas contra corrupção" apoiado pelo Ministério Público Federal.[3][22][23]

Em 2016, posicionou-se contrário a emenda para incluir anistia ao caixa 2 nas 10 medidas contra corrupção. Segundo Dallagnol, a proposta de anistiar o caixa dois, discutida na Câmara dos Deputados, representaria também a anistia à corrupção e à lavagem de dinheiro. A declaração foi feita no dia 28 de novembro de 2016, em debate na Fundação Getúlio Vargas (FGV), na Zona Sul do Rio. "A proposta que se fez de anistia não é uma proposta de anistia a caixa dois. É uma proposta de anistia a crimes relacionados ao caixa dois, redigida de modo tal a permitir anistia – na verdade o que se quer – é garantir anistia da corrupção e lavagem de dinheiro, inclusive praticados na Lava-Jato", disse o procurador.[24][25] Ele também é contrario ao projeto de lei (PLC 27/2017) que prevê sanções a magistrados e a promotores e procuradores por abuso de autoridade. Ele diz que o "projeto é fruto daquelas 10 medidas contra a corrupção, mas em vez de avançar na luta contra a corrupção, depois de ter sido muito deturpado, se for aprovado vai significar um grande retrocesso.”[26]

Valores recuperados pela força-tarefa[editar | editar código-fonte]

Deltan e o PGR Rodrigo Janot na cerimônia de devolução à Petrobras de valores recuperados pela Lava Jato.

Em novembro de 2015, o procurador Deltan Dallagnol afirmou que a Operação Lava Jato quebrou todos os recordes de devolução de recursos para o país, recuperando 2,4 bilhões de reais. Antes da Lava Jato, "tudo que foi recuperado no país e entrou nos cofres públicos, em todos os outros casos de corrupção juntos, somam menos de R$ 45 milhões", disse o procurador .[27]

Em março de 2016, o Procurador-Geral da República, Rodrigo Janot trouxe os números atualizados e afirmou que a Lava Jato já teria recuperado mais de quatro bilhões de reais.[28]

Em 21 de dezembro de 2016, Deltan Dallagnol divulgou em suas redes sociais mensagem sobre o bilionário acordo de leniência com a Odebrecht e a Braskem. Em sua conta no Facebook disse que "é possível um Brasil diferente e a hora é agora".[29] A Odebrecht foi condenada a pagar multa de 3,82 bilhões de reais às autoridades do Brasil, Estados Unidos e Suíça. A empreiteira informou que o valor será pago ao longo de 23 anos e a soma das parcelas será reajustada de acordo com a taxa SELIC. A Braskem pagará 3,1 bilhões de reais em parcelas anuais reajustadas pela variação do IPCA. Dos quase 6,9 bilhões de reais, o Brasil ficará com 2,3 bilhões de reais da Braskem e 3 bilhões de reais da Odebrecht, somando 5,3 bilhões de reais.[30] É o maior ressarcimento da história mundial, nas palavras do próprio procurador.[31]

Dallagnol analisou e entendeu que a criação de uma fundação privada promovida com dinheiro de um acordo entre a Petrobras e o Departamento de Justiça dos Estados Unidos, "era uma solução viável".[32]

Premiações[editar | editar código-fonte]

Global Investigations Review[editar | editar código-fonte]

Em 24 de setembro de 2015, foi premiado pelo Global Investigations Review (GIR). O GIR é um portal de notícias consolidado no cenário internacional como um dos principais canais sobre investigações contra a corrupção e instituiu o prêmio para celebrar os investigadores e as práticas de combate à corrupção e compliance que mais impressionaram no último ano. Em seis categorias, foram reconhecidas práticas investigatórias respeitadas e admiradas em todo o mundo. A força-tarefa concorreu com investigações famosas como a do caso de corrupção na Fifa. Os países que disputaram o prêmio com o Brasil foram Estados Unidos, Noruega, Reino Unido e Romênia.[33]

Prêmio República[editar | editar código-fonte]

Em 10 de maio de 2016, a Operação Lava Jato recebeu prêmio especial, com o título hors concours, na categoria de Combate à Corrupção no IV Prêmio República de Valorização do Ministério Público Federal (MPF). Foram premiadas, no total, onze iniciativas e quatro receberam menção honrosa. A premiação foi realizada no auditório da Associação Médica Brasileira, em Brasília. A cerimônia contou com a presença de autoridades, procuradores da República, jornalistas e instituições de responsabilidade social.[34]

Boas Práticas de Gestão da Ajufe[editar | editar código-fonte]

Em maio de 2016, a Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe) divulgou os nomes dos vencedores do “Prêmio Ajufe: Boas Práticas de Gestão”. O primeiro lugar da categoria Boas práticas para a eficiência da Justiça Federal foi para a prática indicada pelo coordenador das investigações da Operação Lava Jato, o procurador do MPF Deltan Martinazzo Dallagnol.[35]

Prêmio Anticorrupção[editar | editar código-fonte]

Em 3 de dezembro de 2016, a Operação Lava Jato recebeu o Prêmio Anticorrupção da Transparência Internacional, sendo elogiada a atuação "em assegurar que os corruptos, não importa o quão poderosos sejam, são culpabilizados e a justiça seja feita. Nós estamos contentes de premiar os promotores brasileiros por trás da força-tarefa da Lava Jato com o Prêmio Anticorrupção 2016 pelos seus incansáveis esforços para acabar com a corrupção endêmica no Brasil".[36][37]

Premio Innovare[editar | editar código-fonte]

Em 6 de dezembro de 2016, recebeu o maior premio da Justiça brasileira, o Innovare, na categoria Ministério Público, concorrendo com 51 práticas inscritas na categoria.[38]

Premio da International Association of Prosecutors[editar | editar código-fonte]

Em setembro de 2018, recebeu o Special Achievement Award (Prêmio por Realização Especial) da International Association of Prosecutors, em Johanesburgo. O prêmio é dado a membros do Ministério Público que demonstraram dedicação especial no exercício de suas atividades profissionais.[39]

Controvérsias[editar | editar código-fonte]

Power Point de acusação[editar | editar código-fonte]

Wikinotícias
O Wikinotícias tem uma ou mais notícias relacionadas com este artigo: Deltan Dallagnol terá que indenizar Lula por danos morais

Em 14 de setembro de 2016, Deltan Dallagnol e parte da equipe da Lava Jato fizeram uma apresentação em Power Point do sumário das acusações contra Lula, colocando-o como "maestro de uma orquestra criminosa" mas sem ofertar denúncia estruturada de chefia da organização criminosa.[40] O ponto focal da polêmica foi a suposta afirmação "não temos prova, mas temos convicção", que jamais foi dita mas viralizou como se tivesse existido.[41] Um advogado que subscreveu textos e manifestos contra a Lava Jato[42][43] afirmou que a peça de acusação se baseou em delações premiadas e nas teorias de “probabilismo” e “explanacionismo,” teorias criadas e defendidas pelo próprio procurador para dar sustentação ao conjunto probatório sem provas explícitas que restou ao final das investigações.[44] A apresentação foi usada como motivo para um processo do ex-presidente contra o procurador,[45] que foi rejeitado em 20 de dezembro de 2017 pelo juiz da 5ª Vara Cível de SBC,[46] decisão que foi contestada em recurso pela defesa do ex-presidente.[47] Em 5 de setembro de 2018, o Tribunal de Justiça de São Paulo negou por unanimidade o recurso de Lula.[48] Em 2021, Dallagnol concluiu que o Power Point foi “Erro de cálculo… Foi um erro de conta nosso sobre o modo que pode ter gerado uma interpretação equivocada...”.[49]

Em 2022, Lula entrou com uma ação pedindo R$ 1 milhão por danos morais, alegando “violação de sua honra” por que na apresentação do Power Point, Deltan agiu de “forma abusiva e ilegal” contra o ex-presidente.[50] O Superior Tribunal de Justiça agendou para março o julgamento da ação,[51] condenando Deltan a indenizar Lula em R$ 75 mil. Também foi adicionando que houve abuso de poder. A votação foi quase unânime. A ministra Isabel Galotti porém argumenta que a ação deveria ter sido feita contra a União, e não contra um indivíduo. A assessoria de Lula comemorou a decisão montando uma imagem que ironiza o Power Point, com sua trajetória até a absolvição apontando para uma foto do ex-presidente ao centro. O advogado do ex-presidente também se pronunciou, alegando que Dallagnol "...violou os direitos da personalidade do recorrente [Lula] ao convocar uma entrevista coletiva em um hotel em Curitiba, fora dos autos, fora da sua atuação profissional, e afirmar categoricamente que o aqui recorrente seria líder de uma organização criminosa". [52] Dallagnol se pronunciou dizendo que foi vítima de uma reação do sistema por combater a corrupção[53] e que a decisão dos ministros do STF "...gera insegurança jurídica para procuradores, promotores, policiais e juízes que combatem a corrupção no Brasil."[54] Deltan afirma que recebeu em 36 horas R$ 500 mil em doações anônimas pelo Pix para pagar a ação. Deltan também diz que o excedente será doado para hospitais filantrópicos no tratamento de crianças com autismo e com câncer.[55] Lula argumenta que os juízes foram condescendentes com Dallagnol[56] e avalia entrar com um recurso para aumentar a indenização.[57] A quarta turma do Superior Tribunal de Justiça apreciou o recurso do ex-presidente e o acatou, condenando o ex-procurador por danos morais. Deltan e a Associação Nacional dos Procuradores da República recorreram da decisão, mas o colegiado da Corte improcedeu o processo em 9 de agosto de 2022, mantendo assim o valor fixado em R$ 75 mil, sem contar os juros e correções monetárias desde o início do processo. [58]

Auxílio-moradia[editar | editar código-fonte]

Em 5 de fevereiro de 2018 o jornal Folha de S.Paulo revelou que o procurador, assim como a maioria dos juízes e procuradores no país, recebe auxílio-moradia mesmo tendo imóvel próprio na cidade em que reside e trabalha.[59]

Processos no Conselho Nacional do Ministério Público[editar | editar código-fonte]

Declarações sobre decisões da Suprema Corte[editar | editar código-fonte]

Em 15 de agosto de 2018, o procurador deu uma entrevista para a Rádio CBN em que afirmou:[60]

Os três mesmos de sempre do Supremo que tiram tudo de Curitiba e mandam tudo para a Justiça Eleitoral e que dão sempre os habeas corpus. Estão sempre formando uma panelinha e que mandam mensagem muito forte de leniência a favor da corrupção.
— Deltan Dallagnol

Mesmo que o procurador tenha amenizado a declaração ao afastar dolo dos Ministros do STF o CNMP decidiu em 27 de setembro de 2018, após análise da denúncia apresentada pelo Ministro Dias Toffoli, abrir um processo administrativo disciplinar contra o procurador,[61] que já responde a outro processo de mesma natureza.[62]

Apropriação de multa estatal para fundo privado do MPF/PR[editar | editar código-fonte]

Em 23 de janeiro de 2019, o MPF/PR trouxe a publico a assinatura de um contrato negociado com a Petrobras[63] em que esta concordava em ceder aos MPF/PR e MP/PR R$ 2,5 bilhões para a constituição de um fundo privado de direito civil atrelado aos MPs citados, que poderiam indicar dois ocupantes dos cinco cargos destinados aos administradores do fundo. O assunto, polêmico em razão de suas varias omissões[64] e acordos com o DoJ/EUA[65][66], voltou à tona quando, no dia 7 de março o acordo entre Petrobrás e MPF foi homologado pela juíza substituta da 13ª Vara Federal de Curitiba, Gabriela Hardt. Em 12 de março de 2019, em face das inúmeras contestações, inclusive da PGR Raquel Dodge[67] e do minisitro do STF Marco Aurélio Mello[68][69], o MPF/PR e o MP/PR desistiram de constituir esse fundo.[70]

O recuo não foi suficiente e por isso, em 28 de março de 2019 o corregedor nacional do Ministério Público, Orlando Rochadel, determinou a instauração de reclamação disciplinar contra os procuradores regionais designados para atuar no acordo extrajudicial firmado entre o MP e a Petrobras.[71] Contra a juíza que homologou o fundo, Gabriela Hardt, foi aberta em 22 de março pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) uma reclamação disciplinar com acusação de "conluio" com procuradores neste caso especifico.[72]

Tuítes contra Renan Calheiros[editar | editar código-fonte]

Em razão de tuítes com componente político e acusações ao senador Renan Calheiros[73] este oficiou em 19 de março de 2019 uma representação contra o procurador em face de seus tuítes que nas palavras do senador “descumpriu seu dever funcional ao promover campanha”, em especial contra o próprio Renan na disputa pela presidência do Senado.[74]

Troca de mensagens com o ex-juiz Sergio Moro[editar | editar código-fonte]

Em 10 de junho de 2019, o corregedor nacional do Ministério Público, Orlando Rochadel, instaurou reclamação disciplinar para investigar os fatos divulgados pelo site The Intercept sobre troca de mensagens envolvendo entre o procurador e o ex-juiz Sergio Moro. A instauração foi realizada com base em solicitação dos conselheiros do CNMP Luiz Fernando Bandeira, Gustavo Rocha, Erick Venâncio e Leonardo Accioly.[75] Os diálogos divulgados pelo site The Intercept Brasil resultou, em agosto de 2019, na desarquivação do processo administrativo disciplinar contra Dallagnol e Roberto Pozzobon.[76]

Ministro Gilmar Mendes[editar | editar código-fonte]

Desde que se tornou conhecido que Dallagnol incentivou uma investigação clandestina contra o ministro Dias Toffoli[77] e da esposa com o objetivo de encontrar evidências que ligassem a família às empreiteiras investigadas por casos de corrupção na Petrobras,[78] o ministro do Supremo critica a Dallagnol e sua colaboração com Moro, os procuradores da Operação Lava Jato. Gilmar Mendes disse que sobre a condenação do Lula, as ações do promotor "anularam a condenação".[79] Disse os métodos de Dallagnol e dos procuradores da força-tarefa pode ser comparado ao "caso clássico do policial que coloca drogas no carro do investigado”.[80] No julgamento do Agravo Regimental 4435-DF, o Ministro usou termos como “cretinos”, “desqualificada”[81], “despreparada”[82], gentalha”[83], “esse tipo de gente”[84], para se referir ao procurador e os seus subordinados. Ele disse procuradores tiveram atitude de juvenis ao querer confrontar o STF.[85]

Dallagnol, em resposta, disse que “À falta de argumentos sólidos, são lançadas à Lava Jato e ao PGR diretivas vagas e acusações vazias”.[86] Ele aponta que Gilmar Mendes e outros juízes eram "leniente em casos de combate à corrupção"[87] e “Não são críticas que mancham imagem do tribunal, mas posturas como a do Ministro Gilmar Mendes”[88].

Em dezembro de 2019, o procurador ajuizou demanda indenizatória em face da União requerendo danos morais por conta das ofensas e posterior ação de regresso contra o Ministro.[89][90]. Além das declarações proferidas no julgamento do AR 4435-DF, outros pronunciamentos do juiz foram objeto da ação, em especial entrevistas concedidas à Rádio Gaúcha e manifestações na sessão de julgamento do Habeas Corpus 166.373. A petição inicial é assinada pelos advogados Pedro Henrique Xavier e Francisco Otávio Xavier e pede indenização no valor de R$ 59 mil[91]. Segundo o Estadão, Dallagnol ainda declarou que “os valores, se recebidos, serão destinados à construção do hospital oncopediátrico ‘Erastinho’, vinculado ao Hospital Erasto Gaertner, em Curitiba.”[89] Em 10 de agosto de 2020, a demanda foi julgada inteiramente procedente pelo juízo da 11ª Vara Federal de Curitiba[92]

Vazamento de conversas no Telegram[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Vaza Jato

Em junho de 2019, o periódico virtual The Intercept publicou matéria com transcrições de conversas entre o ex-ministro Sergio Moro e Dallagnol no âmbito da Operação Lava-Jato. As coversas demonstram evidências de colaboração ilegal entre Dallagnol e o ex-juiz, Moro.[93] As transcrições sugerem que o juiz deu acesso privilegiado à acusação, auxiliou o Ministério Público a construir os casos contra os investigados, ordenou modificação nas fases da operação, cobrou agilidade em novas operações, forneceu conselhos estratégicos, antecipou decisões, deu pistas informais e sugestões de recursos ao Ministério Público.[94] As transcrições demonstram ainda que Dallagnol tinha receio da fragilidade das acusações feitas contra o ex-presidente Lula e que buscou combinar previamente elementos do caso. Há ainda conversas entre membros do ministério público versando sobre formas de inviabilizar uma entrevista do ex-presidente Lula à colunista da Folha de S. Paulo Mônica Bergamo, no âmbito da eleição presidencial de 2018, pelo receio de que a entrevista poderia "eleger o Haddad ou permitir a volta do PT ao poder", o que indica partidarização e politização da conduta da promotoria.[95] As conversas de em agosto de 2015, revelam as relações de Dallagnol com a Globo:

Deltan, jantei na semana passada com o José Roberto Marinho da Globo e conversei sobre a campanha e novas formas de aprofundarmos a divulgação. Falamos por alto em uma série no jornal nacional comparando os modelos de combate a corrupção de outros países e mostrando como as 10 medidas aproximaria o Brasil dos sistemas mais eficientes do mundo, mas há abertura para outras ideias. O diretor executivo de jornalismo da Globo está em contato conosco para conversar sobre o assunto. Vou fazer uma conversa inicial e colocá-lo em contato com você tudo bem?[96]

Em nota, a força-tarefa da Lava Jato confirmou a existência do vazamento de comunicações entre promotores e juízes e afirmou ser "vítima de ação criminosa de um hacker que praticou os mais graves ataques à atividade do Ministério Público."[97]

Publicações[editar | editar código-fonte]

Artigos[editar | editar código-fonte]

  • Justiça sem privilégios, O Globo[98]
  • Lava Jato não usa prisões para obter colaboração de réus, UOL, 17 de novembro de 2015[99]
  • Pelo MP: As provas da Suíça, JOTA, 16 de novembro de 2015
  • Brasil é o paraíso da impunidade para réus do colarinho branco, UOL, 1 de outubro de 2015[100]
  • A Lava Jato e o propinoduto de 2003, Folha de S.Paulo, 25 de agosto de 2015[101]
  • As luzes da delação premiada, Época, 4 de julho de 2015[102]

Livros[editar | editar código-fonte]

  • As lógicas das provas no processo – Prova direta, indícios e presunções. Livraria do advogado editora, 2015, ISBN 9788573489750
  • Controle Externo da Atividade Policial Pelo Ministério Público, 2013, ISBN 9788577617470
  • Correção Monetária e Juros no Mútuo Bancário, 2002, ISBN 9788536202921
  • A Luta Contra A Corrupção – A Lava Jato e o Futuro de Um País Marcado Pela Impunidade, 2017, ISBN 9788568377109

Referências

  1. «Oficialmente na política, Deltan Dallagnol se filia ao Podemos». Consultor Jurídico. Consultado em 14 de março de 2022 
  2. null. «Deltan Dallagnol já consta como filiado ao Podemos na Justiça Eleitoral». Gazeta do Povo. Consultado em 26 de novembro de 2021 
  3. a b c Agostine, Cristiane (28 de julho de 2015). «Dallagnol: "A Lava-Jato trouxe esperança, mas precisamos da sua ajuda"». Valor Econômico. Consultado em 8 de março de 2016 
  4. a b «Após anunciar saída do MPF, exoneração de Deltan Dallagnol é publicada em Diário Oficial». G1. 5 de novembro de 2021. Consultado em 5 novembro de 2021 
  5. a b Jailton de Carvalho (22 de junho de 2016). «Diante de deputados, procurador da Lava-Jato compara corrupção a uma 'serial killer'». O Globo. Globo. Consultado em 25 de julho de 2016 
  6. «PF nas ruas: 49.ª fase da Lava Jato mira corrupção na usina de Belo Monte». Gazeta do Povo. 9 de março de 2018. Consultado em 11 de março de 2018 
  7. «(sem título)». Senado Federal. Consultado em 9 de dezembro de 2021 
  8. «Nova face do MP declara 'guerra contra a impunidade'». O Globo. 12 de dezembro de 2014. Consultado em 22 de abril de 2016 
  9. «Relembre a trajetória de Deltan na Lava Jato». Portal Terra. 1 de setembro de 2020. Consultado em 9 de dezembro de 2021 
  10. «Operation Car Wash». The Practice (em inglês). Consultado em 6 de novembro de 2021 
  11. «Após polêmicas, Dallagnol apresenta diploma e comprova que estudou em Harvard». Paraná Portal. 24 de maio de 2019. Consultado em 9 de dezembro de 2021 
  12. a b «Deltan rebate Reinaldo Azevedo sobre ingresso no MPF». Gazeta do Povo 
  13. «Dallagnol virou procurador contra o que diz a lei. E ficou na base da "teoria do fato consumado"». uol.com.br 
  14. «Revista Oeste». Revista Oeste. Consultado em 14 de novembro de 2022 
  15. «Da Lava Jato para o Congresso: Moro e Dallagnol são eleitos no Paraná». CNN Brasil 
  16. «TCU determina que integrantes da Lava Jato devolvam dinheiro usado em força-tarefa». CNN Brasil. Consultado em 12 de novembro de 2021 
  17. .«Mônica Bergamo: TCU determina que procuradores da Lava Jato devolvam diárias milionárias, e Dallagnol pode ficar inelegível». Folha de S.Paulo. 10 de novembro de 2021. Consultado em 12 de novembro de 2021 
  18. Patriolino', 'Luana (10 de novembro de 2021). «TCU manda procuradores da Lava-Jato devolverem recursos». Política. Consultado em 11 de dezembro de 2021. Corte entendeu que houve dano aos cofres públicos com despesas consideradas irregulares. Em caso de condenação, procuradores podem se tornar inelegíveis 
  19. https://g1.globo.com/politica/noticia/2022/08/09/camara-do-tcu-condena-dallagnol-janot-e-procurador-a-ressarcir-cofres-publicos-por-diarias-e-passagens.ghtml
  20. https://www1.folha.uol.com.br/poder/2022/08/3-dos-4-ministros-do-tcu-que-votaram-contra-deltan-foram-alvo-de-inqueritos.shtml
  21. «Juiz suspende condenação de Deltan por diárias da "lava jato"». Consultor Jurídico. 19 de setembro de 2022 
  22. «MPF entrega à sociedade mais de 2 milhões de assinaturas de apoio à Campanha 10 medidas». Ministério Público Federal. 22 de março de 2016. Consultado em 3 de agosto de 2016 
  23. «MPF alcança assinaturas necessárias para projeto anticorrupção». O Globo. Globo.com. 23 de fevereiro de 2016. Consultado em 8 de março de 2016 
  24. Barreira, Gabriel (28 de novembro de 2016). «Anistia ao caixa 2 seria também contra corrupção e lavagem, diz Dallagnol». G1. Globo. Consultado em 28 de novembro de 2016 
  25. «Anistia à caixa 2 é tentativa de perdoar corrupção, afirma Dallagnol». O Povo. 28 de novembro de 2016. Consultado em 28 de novembro de 2016 
  26. «Deltan: Projeto de abuso abre caminho para investigado acusar investigador». EXAME. Consultado em 21 de outubro de 2019 
  27. Cleide Carvalho (1 de novembro de 2015). «Lava-Jato já recuperou R$ 2,4 bilhões para a União». O Globo. Consultado em 8 de março de 2016 
  28. «Lava Jato já recuperou mais de R$ 4 bi, diz Janot». BBC Brasil + Portal Terra. 16 de março de 2016. Consultado em 6 de setembro de 2016. Cópia arquivada em 19 de março de 2016 
  29. a b «'O maior ressarcimento na história mundial', diz Deltan Dallagnol nas redes». Uol. Consultado em 21 de dezembro de 2016 
  30. Mariana Oliveira e Lucas Salomão, TV Globo e G1, Brasília. «Odebrecht e Braskem assinam acordos de leniência com EUA e Suíça». G1. Globo.com. Consultado em 21 de dezembro de 2016 
  31. a b «'O maior ressarcimento na história mundial', diz Dallagnol sobre acordo com Odebrecht e Braskem». Hoje em dia. Consultado em 21 de dezembro de 2016 
  32. «Dallagnol: Proposta de criar fundação com dinheiro da Lava Jato foi um erro». noticias.uol.com.br. Consultado em 15 de julho de 2020 
  33. «Força-tarefa do MPF na Lava Jato ganha prêmio internacional de investigação». MPF. 25 de setembro de 2015. Consultado em 24 de março de 2016. Arquivado do original em 1 de outubro de 2015 
  34. «Lava Jato recebe premiação especial na quarta edição do Prêmio República». MPF. 11 de maio de 2016. Consultado em 26 de maio de 2016 
  35. «Conheça os autores das propostas vencedoras do "Prêmio Ajufe: Boas Práticas de Gestão"». Associação dos Juízes Federais do Brasil. 20 de maio de 2016. Consultado em 26 de maio de 2016 
  36. "Força-tarefa da Lava Jato vence prêmio anticorrupção da Transparência Internacional". UOL, 3 de dezembro de 2016
  37. "Lava Jato ganha prêmio anticorrupção da Transparência Internacional". Terra Notícias, 3 de dezembro de 2016
  38. «Força-tarefa da Lava Jato ganha prêmio Innovare e Dallagnol diz ser impossível prever fim da operação». Fausto Macedo 
  39. http://www.mpf.mp.br/, Ministério Publico Federal -. «Lava Jato: procuradores que atuam no caso são premiados pela International Association of Prosecutors». MPF 
  40. «Coletiva da Lava a jato marcada por política», Carta capital .
  41. «Afinal, procurador da Lava Jato disse 'não temos prova, temos convicção'?». Operação lava jato. 15 de setembro de 2016 
  42. «Defesa da Odebrecht criou manifesto contra a Lava Jato». Folha de S.Paulo 
  43. «Advogados, juízes e defensores protestam no RJ contra violações na "lava jato"». Consultor Jurídico 
  44. «Exóticas, teorias usadas pelo MPF no caso Lula seriam chumbadas pelo CNMP». conjur.com.br 
  45. «Lula aciona Deltan Dallagnol na Justiça por coletiva do PowerPoint». Jornal do Brasil. 15 de dezembro de 2016. Consultado em 3 de maio de 2018 
  46. «Power Point e entrevista de Dallagnol não ofenderam honra de Lula, diz juiz». Consultor Jurídico. 20 de dezembro de 2017. Consultado em 3 de maio de 2018 
  47. Marcelo Rocha. «Após perder na primeira instância, Lula recorre a tribunal contra Deltan Dallagnol». Época. Globo.com. Consultado em 3 de maio de 2018 
  48. Nathan Lopes (5 de setembro de 2018). «Lula perde ação em que pedia R$ 1 milhão contra coordenador da Lava Jato». Uol. Consultado em 5 de setembro de 2018 
  49. «Deltan Dallagnol diz que PowerPoint sobre Lula foi 'erro de cálculo'». ISTOÉ Independente. 3 de dezembro de 2021. Consultado em 14 de março de 2022 
  50. null. «Lula pede indenização de R$ 1 mi a Deltan em ação no STJ: quais as chances de conseguir». Gazeta do Povo. Consultado em 15 de março de 2022 
  51. «STJ marca julgamento de ação de Lula contra Deltan e seu PowerPoint - CartaCapital». www.cartacapital.com.br. Consultado em 15 de março de 2022 
  52. Estadão Conteúdo (22 de março de 2022). «STJ condena Deltan Dallagnol a indenizar Lula em R$ 75 mil por PowerPoint». Plural. Consultado em 23 de março de 2022 
  53. «STJ condena Dallagnol a pagar R$ 75.000 a Lula por PowerPoint». Poder360. 22 de março de 2022. Consultado em 23 de março de 2022. Cópia arquivada em 23 de março de 2022 
  54. «Deltan reage após ser condenado a indenizar Lula: 'Reação do sistema'». noticias.uol.com.br. Consultado em 23 de março de 2022 
  55. «Dallagnol recebe R$ 500 mil em doações e agradece apoiadores». Poder360. 24 de março de 2022. Consultado em 26 de março de 2022. Cópia arquivada em 26 de março de 2022 
  56. Ana Lesnovski e Álvaro Borba (25 de março de 2022). «DELTAN SEGUNDO LULA». Youtube. Meteoro Brasil. Consultado em 26 de março de 2022 
  57. Mariana Haubert (25 de março de 2022). «"Se pode arrecadar, pode pagar mais", diz Lula sobre Dallagnol». Poder360. Consultado em 26 de março de 2022. Cópia arquivada em 26 de março de 2022 
  58. Márcio Falcão e Fernanda Vivas (10 de agosto de 2022). «STJ rejeita recursos e mantém ordem para Deltan Dallagnol indenizar Lula». G1. Consultado em 17 de agosto de 2022. Ministros julgaram questionamentos contra decisão que apontou excesso de ex-procurador em entrevista com 'PowerPoint' que definia Lula como chefe de organização criminosa. 
  59. Bergamo, Mônica (5 de fevereiro de 2018). «Deltan Dallagnol recebe auxílio-moradia mesmo com imóvel próprio». Folha de S.Paulo. Consultado em 5 de fevereiro de 2018 
  60. Bittar, Willian (15 de agosto de 2018). «Deltan Dallagnol afirma que ministros do STF formam "panelinha" e "sempre dão habeas corpus"». CBN Curitiba. Consultado em 29 de setembro de 2018 
  61. «Corregedoria abre processo contra Dallagnol por "pitacos" sobre decisões do STF». Bem Parana/Conjur. 28 de setembro de 2018. Consultado em 29 de setembro de 2018 
  62. Gantois, Gustavo (19 de junho de 2018). «CNMP abre reclamação disciplinar contra uso de rede social por Deltan». Jota.info. Consultado em 29 de setembro de 2018 
  63. «Acordo MPF e Petrobras» (PDF). Migalhas via MPF. Consultado em 29 de março de 2019 
  64. «Lava Jato: ONG bilionária com dinheiro da Petrobras é vista como "Estado paralelo"». Carta Capital. 9 de março de 2019. Consultado em 29 de setembro de 2019 
  65. «MPF de Curitiba troca dinheiro da Petrobras por repasse de informações aos EUA». Rede Brasil Atual. 10 de março de 2019. Consultado em 29 de setembro de 2019 
  66. «Bagunça não é prerrogativa». O Estado de São Paulo. 10 de março de 2019. Consultado em 29 de março de 2019 
  67. «Em ação no STF, Raquel Dodge pede fim do fundo da Lava Jato: 'É ilegal'». Rede Brasil Atual. 13 de março de 2019. Consultado em 29 de março de 2019 
  68. «"É a Babel", diz Marco Aurélio sobre R$ 2,5 bi para Fundação da Lava Jato». Blog Jornalista Thales Faria. 11 de março de 2019. Consultado em 29 de março de 2019 
  69. «Ministro do STF suspende criação de fundo bilionário da Lava Jato». Congresso em Foco. 15 de março de 2019. Consultado em 29 de março de 2019 
  70. «Lava Jato recua e desiste do fundo de R$ 2,5 bilhões anticorrupção». Paranaportal. 28 de fevereiro de 2019. Consultado em 12 de março de 2019 
  71. «CNMP vai apurar atuação de procuradores da "lava jato" em fundo bilionário do MPF». Conjur. 28 de março de 2019. Consultado em 29 de março de 2019 
  72. «CNJ registra reclamação disciplinar contra a juíza que condenou Lula». Correio Braziliense. 27 de março de 2019. Consultado em 29 de março de 2019 
  73. «Twitterː Deltan vs. Renan» (PDF). Poder360. 19 de março de 2019. Consultado em 11 de dezembro de 2021 
  74. «Renan entra com representação contra Dallagnol no CNMP por 'campanha política'». Poder360. 19 de março de 2019. Consultado em 29 de março de 2019 
  75. Gabriela Coelho (10 de junho de 2019). «CNMP instaura reclamação disciplinar contra Dallagnol e procuradores». ConJur. Consultado em 14 de junho de 2019 
  76. «Giro Veja: Conselho do MP desarquiva processo contra Deltan Dallagnol». VEJA.com. Consultado em 19 de agosto de 2019 
  77. «URGENTE: Gilmar Mendes reage à VAZA JATO de hoje e pede providências urgentes contra Deltan Dallagnol». Consultado em 17 de setembro de 2019 
  78. «Novos diálogos: Deltan articulou e fomentou investigações sobre Dias Toffoli e esposa de Gilmar Mendes». Consultado em 17 de setembro de 2019 
  79. «Moro era 'chefe da Lava Jato' e Dallagnol 'um bobinho', diz Gilmar Mendes sobre vazamentos». br.sputniknews.com. Consultado em 17 de setembro de 2019 
  80. «Gilmar sobre Deltan: 'Caso clássico do policial que coloca drogas no carro do investigado'». HuffPost Brasil. 8 de agosto de 2019. Consultado em 17 de setembro de 2019 
  81. Comércio, Jornal do. «Desembargadora determina perda dos direitos políticos de Paulinho da Força». Jornal do Comércio. Consultado em 17 de setembro de 2019 
  82. «Procurador da Lava Jato fala após críticas de Gilmar Mendes». 16 de março de 2019 
  83. «Jovem Pan News Difusora». www.superdifusora.am.br. Consultado em 17 de setembro de 2019 
  84. «Gilmar Mendes: manifestações sobre excessos na operação Lava Jato». JOTA Info. Consultado em 17 de setembro de 2019 
  85. Deltan Dallagnol responde crítica de Gilmar Mendes, consultado em 17 de setembro de 2019 
  86. «Deltan Dallagnol, da Lava Jato, responde a Gilmar Mendes: "Acusações vazias"» 
  87. Afiada, Conversa. «Conselheiros do MPF apostam no afastamento de Dallagnol». Conversa Afiada. Consultado em 17 de setembro de 2019 
  88. «Deltan responde: "Não são críticas que mancham imagem do tribunal, mas posturas como a do Ministro Gilmar Mendes"». República de Curitiba. 27 de abril de 2018 
  89. a b «Deltan da Lava Jato move ação contra Gilmar por danos morais». Fausto Macedo. Consultado em 12 de dezembro de 2019 
  90. CartaCapital, Redação (9 de dezembro de 2019). «Deltan Dallagnol processa Gilmar Mendes por danos morais». CartaCapital. Consultado em 12 de dezembro de 2019 
  91. «Deltan Dallagnol pede indenização da União por ofensas de Gilmar Mendes». Consultor Jurídico. Consultado em 12 de dezembro de 2019 
  92. «Justiça condena União a pagar indenização de R$ 59 mil por ofensas de Gilmar Mendes a Deltan Dallagnol». G1. Consultado em 13 de agosto de 2020 
  93. «Em conversa, Deltan comemorou a entrada de Moro no Telegram». VEJA. Consultado em 18 de março de 2022 
  94. Martins, Rafael Moro; Neves, Rafael; Linhares, João Felipe; Greenwald, Glenn (20 de janeiro de 2020). «'Tentemos ser generosos rs': Lava Jato usou site O Antagonista para interferir na escolha do presidente do Banco do Brasil – e a parceria entre os dois não começou aí». The Intercept (em inglês). Consultado em 18 de março de 2022 
  95. «Chats revelam colaboração proibida de Moro com Deltan». The Intercept. 9 de junho de 2019. Consultado em 9 de junho de 2019 
  96. «'Vaza Jato' expõe Moro, Dallagnol e Globo na perseguição a Lula». Correio do Brasil. 9 de fevereiro de 2021. Consultado em 18 de março de 2022 
  97. «Sem citar Moro, Lava Jato se defende e se diz alvo de ataque criminoso». Poder360. 9 de junho de 2019. Consultado em 9 de junho de 2019 
  98. «Justiça sem privilégios». globo.com. 6 de dezembro de 2015 
  99. «Lava Jato não usa prisões para obter colaboração de réus». Uol. Consultado em 29 de dezembro de 2016 
  100. «Brasil é o paraíso da impunidade para réus do colarinho branco». Uol. Consultado em 29 de dezembro de 2016 
  101. «A Lava Jato e o propinoduto de 2003». Folha de S.Paulo. Uol. Consultado em 29 de dezembro de 2016 
  102. «As luzes da delação premiada». Época. 4 de julho de 2015. Consultado em 29 de dezembro de 2016 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Deltan Dallagnol