Demetrio Albertini

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Demetrio Albertini
Demetrio Albertini
Albertini em 2016
Informações pessoais
Nome completo Demetrio Albertini
Data de nasc. 23 de agosto de 1971 (50 anos)
Local de nasc. Besana in Brianza, Itália
Nacionalidade italiano
Altura 1,80 m
destro
Apelido Metrônomo
Deme
Informações profissionais
Clube atual aposentado
Posição volante
Clubes de juventude
Milan
Clubes profissionais
Anos Clubes
1988–2002
1990–1991
2002–2003
2003–2004
2004
2005
Milan
Padova (emp.)
Atlético de Madrid
Lazio
Atalanta
Barcelona
Seleção nacional
1989
1990–1992
1992
1991–2002
Itália Sub-18
Itália Sub-21
Itália Sub-23
Itália

Demetrio Albertini (Besana in Brianza, 23 de agosto de 1971) é um ex-futebolista italiano que atuava como volante. Tornou-se conhecido graças à sua passagem pelo Milan, que durou quatorze anos.[1]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Início e empréstimo ao Padova[editar | editar código-fonte]

Albertini iniciou a carreira com apenas dezessete anos. Promovido ao elenco principal do Milan em 1988, disputou sua primeira partida apenas em janeiro de 1989, contra o Como. Jogou mais uma partida antes de ser liberado por empréstimo ao Padova em novembro de 1990, para ganhar mais experiência. Sua passagem pelos biancoscudati quase garantiu o acesso à Serie A de 1991–92, tendo atuado em 28 dos 38 jogos do clube.

Com o final do empréstimo, voltou ao Milan em 1992 e firmou-se como titular do time treinado por Fabio Capello, conquistando quinze títulos (só do Campeonato Italiano, foram cinco títulos). Sua passagem pelo time milanês contabilizou 293 partidas, tendo Albertini marcado 21 gols.[2][3] Sua visão de jogo e a precisão nos passes deram a Albertini o apelido de "Metrônomo".

Atlético de Madri, Lazio e Atalanta[editar | editar código-fonte]

Em 2002, o novo técnico do Milan, Carlo Ancelotti, ex-companheiro de Albertini no meio-campo rossonero, disse que o "Metrônomo" não estava em seus planos para a temporada, preferindo escalar o recém-contratado Andrea Pirlo no lugar do veterano. Por este motivo, ele decidiu deixar o Milan após quatorze anos e assinou com o Atlético de Madrid.[4]

Sua passagem pelo time espanhol foi mediana: em uma temporada, marcou cinco gols em 28 partidas. Em 2003, de volta à Itália, foi contratado pela Lazio, numa negociação que envolveu o lateral Giuseppe Pancaro. A transferência deixou Albertini chateado, tachando o Milan de "ingrato".[5] A passagem pelos biancocelesti também foi razoável (23 jogos, dois gols marcados), auxiliando, dentro de campo, o então novato treinador Roberto Mancini na campanha que levou a Lazio ao sexto lugar na Serie A de 2003–04 e venceu a Copa da Itália.

Em junho de 2004 assinou com a Atalanta, marcando apenas dois gols em dezesseis partidas disputadas.

Barcelona e aposentadoria[editar | editar código-fonte]

Em janeiro de 2005, Albertini assinou um contrato de apenas cinco meses com o Barcelona, para suprir as ausências de Thiago Motta, Gabri e Edmílson, que sofriam com lesões.[6] Na sua curta passagem pela equipe catalã, participou de apenas seis jogos[3][7], não marcando gol em nenhum deles. A última partida de Albertini no Barça foi contra o Numancia, e terminou empatada por 1–1. Dispensado no final da temporada, Albertini anunciou o término de sua carreira profissional em dezembro, aos 34 anos, e chegou a declarar que desejava iniciar carreira de treinador.[8]

Para homenageá-lo, o Milan promoveu uma partida de despedida contra o Barcelona. Pelo time de veteranos dos Rossoneri, atuavam Marco van Basten, Frank Rijkaard, Ruud Gullit e Franco Baresi. O amistoso terminou com vitória dos italianos por 3–2, com um gol de Albertini, que foi homenageado por jogadores e torcedores.[9]

Seleção Nacional[editar | editar código-fonte]

Tendo passagens pelas Seleções de base da Itália, Albertini estrearia pela Seleção principal em dezembro de 1991, contra o Chipre.

Convocado para a Copa do Mundo FIFA de 1994, jogou todas as partidas da Itália na competição. Foi dele o gol que abriu o placar da decisão por pênaltis contra o Brasil que se sagraria tetracampeão minutos depois.

Jogaria ainda duas Eurocopas (1996 e 2000) e a Copa do Mundo FIFA de 1998. Ao contrário de 1994, Albertini desperdiçou seu pênalti, defendido pelo goleiro francês Fabien Barthez.

Sua presença era tida como certa para a Copa do Mundo FIFA de 2002, mas uma lesão no tendão de Aquiles impediu sua convocação. Divergências com o técnico Giovanni Trapattoni[10] forçaram o final da carreira internacional do meio-campista, que jogou 79 partidas pela Seleção Italiana (seis como capitão) e marcou três gols.

Carreira como dirigente[editar | editar código-fonte]

Já aposentado, não conseguiu a licença de treinador, tendo ingressado na carreira de dirigente. Durante o Escândalo da Serie A 2006, foi nomeado vice-comissário extraordinário da Federação Italiana de Futebol (FIGC), além de ter sido vice-presidente do órgão até 2014. Disputou a presidência da FIGC no mesmo ano, perdendo a eleição para Carlo Tavecchio.

Durante o processo de falência do Parma, em abril de 2015, Albertini foi nomeado pela direção do clube como assessor administrativo.[11]

Títulos[editar | editar código-fonte]

Milan
Lazio
Barcelona

Galeria de imagens[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «AC Milan bid farewell to legend Albertini». Consultado em 4 de agosto de 2013 
  2. «AC Milan Hall of Fame: Demetrio Albertini». www.acmilan.com (em italiano). Consultado em 19 de março de 2015 
  3. a b «Demetrio ALBERTINI: "Metronomo"». www.magliarossonera.it/. Consultado em 19 de março de 2015 
  4. «Demetrio Albertini no Atlético de Madrid». Record. 3 de julho de 2002. Consultado em 14 de junho de 2021 
  5. Murillo Moret. «Demetrio Albertini: de regente do Milan a vice-presidente da FIGC». Calciopédia. Consultado em 14 de junho de 2021 
  6. «Barça anuncia a contratação do meia Albertini». GloboEsporte.com. 25 de janeiro de 2005. Consultado em 14 de junho de 2021 
  7. «UEFA Champions League –». UEFA 
  8. «Demetrio Albertini anuncia aposentadoria». Trivela. 5 de dezembro de 2005. Consultado em 14 de junho de 2021 
  9. «Addio Albertini, vincono le stelle». Consultado em 20 de julho de 2014 
  10. «Albertini compra briga com Trapattoni». www.football-italia.net/. GloboEsporte.com. 6 de setembro de 2002. Consultado em 6 de setembro de 2002 
  11. «Albertini explains Parma role». www.football-italia.net/. Football Italia. 3 de abril de 2015. Consultado em 6 de abril de 2015 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]