Demolição naval

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Trabalhadores a arrastar placas de aço de navios encalhados para terra, em Chatigão, Bangladexe

Demolição naval, desmantelamento ou demolição de navios é uma técnica de descarte de navios que envolve o desmantelamento dos navios, seja para servir de fonte de peças, que podem ser vendidas para reaproveitamento, ou para a extracção de matéria-prima, principalmente sucata . Também pode ser conhecido como desmontagem de navios, quebra de navios ou reciclagem de navios . Os navios modernos têm uma vida útil de 25 a 30 anos antes de a corrosão, a fadiga do metal e a falta de peças façam com que a sua operação deixe de ser económica.[1] A desmontagem de navios permite que os materiais do navio, especialmente o aço, sejam reciclados e transformados em novos produtos. Isso diminui a demanda por minério de ferro extraído e reduz o uso de energia no processo de fabricação de aço . Os utensílios e demais equipamentos a bordo das embarcações também podem ser reaproveitados. Embora a desmontagem de navios seja sustentável, existem preocupações sobre o uso por países mais pobres sem uma legislação ambiental rigorosa. Também exige muita mão de obra e é considerada uma das indústrias mais perigosas do mundo.[2]

Em 2012, cerca de 1.250 navios oceânicos foram demolidos, e a sua idade média era de 26 anos.[3][4] Em 2013, o total mundial de navios demolidos foi de 29.052.000 toneladas, 92% das quais foram demolidas na Ásia. Em janeiro de 2020, a Índia tinha a maior participação global com 30%;[5] seguido por Bangladexe, China e Paquistão .[6] Alang, na Índia, tem atualmente o maior cemitério de navios do mundo, seguido pelo Chittagong Ship Breaking Yard no Bangladexe e Gadani no Paquistão.

As maiores fontes de navios são a China, a Grécia e a Alemanha, respectivamente, embora haja uma variação maior na fonte de transportadores em relação ao descarte.[7] Os estaleiros de desmantelamento de navios da Índia, Bangladesh, China e Paquistão empregam 225.000 trabalhadores, além de fornecer muitos empregos indiretos. No Bangladesh, o aço reciclado cobre 20% das necessidades do país e na Índia quase 10%.[8]

Como alternativa ao desmantelamento de navios, os navios podem ser afundados para criar recifes artificiais após a remoção legalmente obrigatória de materiais perigosos, ou afundados em águas profundas do oceano. O armazenamento é uma opção temporária viável, seja em terra ou flutuando, embora todos os navios sejam eventualmente demolidos, afundados ou preservados para museus.

Referências

  1. «Life Cycle of a Ship | shippipedia». www.shippipedia.com. Consultado em 2 de agosto de 2015 
  2. Lord, Ross; Logan, Nick (12 de setembro de 2013). «Ship breaking: Newfoundland's legacy with one of the most hazardous jobs». globalnews.ca. Shaw Media Inc. Consultado em 4 de agosto de 2015 
  3. «NGO Shipbreaking Platform » Problems and Solutions». www.shipbreakingplatform.org. NGO Shipbreaking Platform. Consultado em 2 de agosto de 2015 
  4. «Technical guidelines for the environmentally sound management of the full and partial dismantling of ships» (PDF). Basel Convention Series/SBC. ISSN 1020-8364. Consultado em 3 de agosto de 2015 
  5. India eyes 60 per cent share of global ship recycling business; higher GDP contribution, Economic Times, 30 December 2019.
  6. Miroux, Anne (20 de novembro de 2014). «Review of Maritime Transport 2014» (PDF). unctad.org. United Nations Conference on trade and development. Consultado em 2 de agosto de 2015 
  7. Ashkar, Hisham H. (4 de junho de 2015). «Shipbreaking in 2014 | GRID-Arendal – Maps & Graphics library». www.grida.no. GRID-Arendal. Consultado em 2 de agosto de 2015 
  8. Rekacewicz, Philippe (25 de fevereiro de 2012). «Shipbreaking in Asia | GRID-Arendal – Maps & Graphics library». www.grida.no. GRID-Arendal. Consultado em 2 de agosto de 2015