Derrotismo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Derrotismo é um termo que significa aceitar a perda sem lutar ou a vontade de lutar. A palavra geralmente tem um significado negativo, é freqüentemente usada na psicologia e está associada ao pessimismo.[1][2] No uso político, o termo geralmente tem um significado propagandístico e refere-se à traição em uma situação em que a continuação da batalha é de fato impossível. A palavra é um termo típico de tempo de guerra, embora às vezes seja usado na política, nos negócios,[3] no esporte, na psicologia e na filosofia.[4]

Origem[editar | editar código-fonte]

Diz-se que os franceses usaram o termo primeiro para descrever o estado de espírito dos soldados russos na Primeira Guerra Mundial, mas também podem ter sido usados ​​pelo movimento político francês, que apoiou a Guerra Franco-Prussiana. Isso seria apoiado pelo fato de que os revolucionários da Rússia usaram o termo "derrotismo revolucionário" antes mesmo da Primeira Guerra Mundial.[5][6] Na Inglaterra, a palavra "defeatist" foi retirada da palavra francesa défaitiste em 1917 para descrever uma pessoa suspeita de agir contra seu estado.[7]

Referências

  1. Stanislav Grof (20 de julho de 2000). Psychology of the Future: Lessons from Modern Consciousness Research. [S.l.]: SUNY Press. ISBN 978-0-7914-4621-8 
  2. Alan F. Friedman; P. Kevin Bolinskey; Richard W. Levak; David S. Nichols (21 de agosto de 2014). Psychological Assessment with the MMPI-2 / MMPI-2-RF. [S.l.]: Routledge. ISBN 978-1-136-31591-6 
  3. Len Sperry (1996). Corporate Therapy and Consulting. [S.l.]: Psychology Press. ISBN 978-0-87630-820-2 
  4. Rudiger Bubner (28 de agosto de 2003). The Innovations of Idealism. [S.l.]: Cambridge University Press. ISBN 978-0-521-66262-8 
  5. François Furet (junho de 1999). The Passing of an Illusion: The Idea of Communism in the Twentieth Century. [S.l.]: University of Chicago Press. p. 61. ISBN 978-0-226-27340-2 
  6. Robert Wohl (1966). French Communism in the Making, 1914-1924. [S.l.]: Stanford University Press. pp. 97–105. ISBN 978-0-8047-0177-8 
  7. Ernest Weekley (5 de março de 2013). An Etymological Dictionary of Modern English. [S.l.]: Courier Corporation. ISBN 978-0-486-12287-8