Desabrochar de Cem Flores

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
History of China.png
História da China
História Antiga
Neolítico 8500 AEC – 2070 AEC
Dinastia Xia 2070 AEC – 1600 AEC
Dinastia Shang 1600 AEC – 1046 AEC
Dinastia Zhou 1046 AEC – 256 AEC
 Zhou Ocidental
 Zhou Oriental
   Primaveras e Outonos
   Estados Combatentes
História Imperial
Dinastia Qin 221 AEC – 206 AEC
Dinastia Han 206 AEC – 220 EC
  Han Ocidental
  Dinastia Xin
  Han Oriental
Três Reinos 220–280
  Wei, Shu and Wu
Dinastia Jin 265–420
  Jin Ocidental
  Jin Oriental Dezesseis Reinos
Dinastias do Norte e do Sul
420–589
Dinastia Sui 581–618
Dinastia Tang 618–907
  (Segunda dinastia Zhou 690–705)
Cinco Dinastias
e Dez Reinos

907–960
Dinastia Liao
907–1125
Dinastia Song
960–1279
  Song do Norte Xia Ocidental
  Song do Sul Jin
Dinastia Yuan 1271–1368
Dinastia Ming 1368–1644
Dinastia Qing 1644–1911
História Moderna
República da China 1912–1949
República Popular
da China

1949–presente
República da
China
(Taiwan)

1949–presente
 v  e 

O Desabrochar de Cem Flores foi um período na história da República Popular da China (1956-1957) durante o qual o Partido Comunista incentivou a expressão das mais variadas escolas de pensamento (inclusive anticomunistas) para corrigir e melhorar o sistema.

A campanha visava inicialmente evitar que a China se tornasse refém de uma única escola de pensamento – o que era inaceitável pela tradição do país –. Os primeiros passos do Desabrochar envolveram apenas burocratas locais e suas queixas em relação a problemas da burocracia central do Partido, mas em 1956 ela se tornou mais ampla, aberta a qualquer intelectual e crítico do governo.

O nome deriva do slogan chinês tradicional: "Que flores de todos os tipos desabrochem, que diversas escolas de pensamento se enfrentem!" Mao Zedong definiu o objetivo do Desabrochar de Cem Flores em 1956:

"É apenas através de discussão, crítica e raciocínio que nós podemos promover a correção das idéias, superando as ruins e realmente fixar nossos objetivos. (…) Nós não devemos temer essas coisas."

De início os intelectuais se mostraram céticos, apesar de todas as garantias de Mao para a liberdade de expressão, e surgiram pouquíssimas críticas ao sistema. Somente após alguns meses as críticas se avolumaram, e concentravam-se especialmente na baixa qualidade de vida da população, na corrupção, no banimento à literatura estrangeira, nas relações contra as mulheres, e na falta de diversas liberdades.

Com o tempo, porém, as críticas se tornam pesadas demais e foram identificadas pelo Partido como vindas de "direitistas burgueses", e decidiu-se por encerrar o Desabrochar de Cem Flores. Os intelectuais perderam muito crédito junto ao Grande Timoneiro, que iniciou uma campanha contra os imperialistas e restaurou o sistema ideológico que viria a ser conhecido como Maoísmo.

Para alguns críticos (especialmente ocidentais), a campanha do Desabrochar de Cem Flores foi uma estratégia do Partido Comunista Chinês para identificar elementos anti-revolucionários e expurgá-los antes que pudesse prejudicar a construção do comunismo. Mas ao que tudo indica o próprio Mao teria ficado insatisfeito e surpreso com a falta de apoio dos intelectuais ao comunismo, fato que agravaria sua desconfiança em relação a esse grupo e levaria, em parte, ao movimento conhecido como Revolução Cultural, na década seguinte.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]