Desaparecimento do Douglas C-54 TC-48 da Força Aérea Argentina

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Desaparecimento do Douglas C-54 TC-48 da Força Aérea Argentina
Acidente aéreo
A aeronave desaparecida, dias antes, com seus passageiros e tripulantes.
Sumário
Data 3 de novembro de 1965
Causa desconhecida (possível falha de motor)
Local Costa Rica em algum lugar na costa de Puerto Limón
Origem Panamá Base Aáerea Howard
Destino El Salvador Aeroporto Internacional de El Salvador
Passageiros 59
Tripulantes 9
Mortos 68
Sobreviventes 0
Aeronave
Modelo Estados Unidos Douglas C-54 G
Operador Roundel of Argentina.svg Força Aérea Argentina
Prefixo TC-48
Primeiro voo 1945
Notas
«Descrição do acidente» (em inglês). Aviation Safety Network (aviation-safety.net) 

O Desaparecimento do Douglas C-54 TC-48 da Força Aérea Argentina foi um acidente aéreo ocorrido em 3 de novembro de 1965. Durante um voo entre o Panamá e El Salvador, a aeronave TC-48 da Força Aérea Argentina desapareceu no mar ao largo da Costa Rica enquanto transportava 9 tripulantes e 58 cadetes da Força Aérea Argentina e 1 cadete da Força Aérea do Peru em viagem de instrução aos Estados Unidos. O desaparecimento do Douglas TC-48 se constituiu no maior acidente da Costa Rica e, ao mesmo tempo, no maior mistério aeronáutico argentino (fruto de controvérsias e lendas urbanas).[1]

Aeronave[editar | editar código-fonte]

Após a Segunda Guerra Mundial, o governo dos Estados Unidos possuía a maior frota de transportadores militares do mundo. Para diminuir custos, resolveu se desfazer de boa parte dela que se tornara inútil em tempos de paz. Entre as aeronaves vendidas, encontrava-se o quadrimotor Douglas DC-4 (C-54 em sua versão militar). A Força Aérea Argentina foi uma das primeiras a adquirir o C-54, nas versões A (7 aeronaves) e G (o TC-48).[2]

A operação do C-54 na Força Aérea Argentina foi marcada por vários acidentes, de forma que a aeronave foi substituída pelo Douglas DC-6 em 1966.[2]

Aeronave Número de série Ano de fabricação Tempo de serviço (FAA) Observações
TC-42 10328 1944 1946-1966 Vendida para a companhia civil Aero Palas. Destruída em acidente no Peru em 19 de dezembro de 1971
T-43 10402 1944 1946-1966 Desativada e desmantelada.
T-44 7463 1944 1961-1966 Desativada e desmantelada.
T-45 7465 1944 1947-1966 Desativada e desmantelada. Cabine preservada no Museo Nacional de Aeronáutica
TC-46 10271 1944 1946-1966 Destruída em acidente com 10 mortos no Panamá em 16 de novembro de 1962
T-47 3082 1943 1946-1964 Destruída em acidente com 49 mortos no Peru em 08 de maio de 1964.
TC-48 35983 1945 1964-1966 Desaparecida na costa do Panamá durante voo entre o Panamá e El Salvador.

A aeronave desaparecida foi fabricada em 1945, com o número de série 35983, sendo brevemente incorporada à Força Aérea do Exército dos Estados Unidos da América (USAAF) com o número de cauda 45-0530. Cerca de um ano depois a American Overseas Airlines adquire a aeronave e a registra com o prefixo civil N90913. Em 1950 a aeronave está voando sob as cores da Pan Am, sendo chamada de Clipper Lightfoot. Em 1961 a Força Aérea dos Estados Unidos (USAF) a recompra e a prepara para ser vendida a alguma força aérea aliada. Em 1964 a Força Aérea Argentina adquire a aeronave para repor a perda do C-54 prefixo T-47. [2]

Desaparecimento[editar | editar código-fonte]

O presidente argentino Arturo Umberto Illia cumprimenta os tripulantes do TC-48.
Trecho do voo do TC-48

A Força Aérea Argentina preparou um voo de instrução para seus cadetes rumo aos Estados Unidos em fins de 1965. Para efetuar o transporte, foram preparadas as aeronaves TC-48 (único C-54G da Força Aérea) e T-43. Em 31 de outubro de 1965 é iniciado o voo de instrução, quando os T-43 e TC-48 (este com 9 tripulantes e 59 cadetes) decolam da base aérea de El Palomar, Argentina. Os TC-48 e T-43 ruma para Lima, primeira escala das várias até os Estados Unidos. Em Lima, a Força Aérea Peruana solicita a incorporação de 2 cadetes de sua escola de instrução, no que é atendida pelos militares argentinos. Como gesto simbólico, um cadete embarca no T-43 e o outro no TC-48. Em 1 de novembro voam para Guaiaquil, Equador. No dia 2 realizam breve escala na Base Aérea Howard, Cidade do Panamá, as aeronaves decolam em 3 de novembro rumo ao Aeroporto Internacional de El Salvador, em San Salvador, numa distância de 1150 quilômetros a serem percorridos em 3h45 de voo. [3]

Às 5h43 (hora local), decolou o T-43. Seis minutos depois decolou o TC-48. As aeronaves seguiam a aerovia Mike e voavam a 6500 pés e em velocidade de cruzeiro. Por volta das 6h27 o TC-48 indica ao centro de controle do Panamá estar na posição 5 da aeronave Mike. A última transmissão do TC-48 recebida pelo centro de controle do Panamá, às 6h36, é caótica: ...Tegucigalpa, Tegucigalpa, TC-48, fuego motor tr...tres, a...zaje inmediato.... Com o motor nº 3 em pane seguida por incêndio, o TC-48 busca um pouso de emergência. O TC-48 seria visto pela última vez às 6h44 pelo C-46 da LACSA (Lineas Aéreas Costarricenses S.A.) que rumava para Miami. O comandante da aeronave relatou ter visto os motores 3 e 4 (asa direita) desligados, tendo instruído o TC-48 por rádio para rumar ao aeroporto de Puerto Limón.[4] [3]

O mau tempo impediu o C-46 de acompanhar o TC-48 que desapareceu enquanto rumava para Puerto Limón, por volta das 7h15.[5]

Investigações[editar | editar código-fonte]

O C-46 da LACSA transmite a emergência para o centro de controle de San José. O T-43 pousa em San Salvador e é avisado do desaparecimento do TC-48. Logo retorna para uma busca, atrapalhada pelo mau tempo na região. Por conta da imprecisão da última posição real da aeronave, buscas são efetuadas em terra e no mar. Após 23 expedições em terra e 50 voos de pesquisa, as buscas são encerradas em dezembro de 1967. Durante esse tempo apenas uns coletes salva-vidas com emblemas da forças argentinas foram encontrados pelo USS Dodge County (LST-722).As autoridades estadunidenses concluíram que a aeronave caiu possivelmente no mar a 30 km da costa. [1] [6]

Consequências[editar | editar código-fonte]

As buscas infrutíferas por parte das autoridades não impediram que familiares dos desaparecidos realizassem suas próprias buscas. Expedições financiadas por familiares foram realizadas nas décadas de 1960 a 2010. Ao mesmo tempo surgiram lendas urbanas indicando que a aeronave havia pousado na selva, em plena Cordilheira de Talamanca, e que seus ocupantes eram reféns de alguma tribo selvagem.[5][7]

Poucos dias depois, em 7 de novembro de 1965, um Lockheed P2V-5 Neptune da Armada Argentina bateu em um morro no sul do Brasil, durante uma missão de patrulha noturna realizada para o exercício militar UNITAS. O acidente matou todos os 10 ocupantes da aeronave e enlutou ainda mais as Forças Armadas Argentinas. [8]

Na cultura popular[editar | editar código-fonte]

Em 2016 o escritor, oficial naval e professor da Escuela Nacional de Nautica Víctor Ferrazzano lançou o livro El Acidente del TC-48 .[9]

Referências

  1. a b «El enigma del TC48: el avión argentino que desapareció en el Caribe hace 52 años y todavía se busca». Lá Nación (Argentina). 30 de novembro de 2017. Consultado em 24 de fevereiro de 2019 
  2. a b c Alejandro Golpe (2013). «Douglas C-54 en la Fuerza Aérea Argentina». Aviación Militar Argentina. Consultado em 24 de fevereiro de 2019 
  3. a b «"TC-48" - el vuelo». Missing Aero. 2003. Consultado em 24 de fevereiro de 2019 
  4. «Sin rastro del avión argentino com 68 personas». La Nación (Costa Rica). 4 de novembro de 1965. Consultado em 24 de fevereiro de 2019 
  5. a b Mariano Torres García (29 de dezembro de 2017). «La búsqueda en el mar del avión TC 48, perdido en 1965». Diario Los Andes. Consultado em 24 de fevereiro de 2019 
  6. «A 52 años de la desaparición, sigue la búsqueda del "avión de los cadetes"». Rádio Mitre. 3 de novembro de 2017. Consultado em 24 de fevereiro de 2019 
  7. Pepe Tobal (1 de novembro de 2015). «TC-48: El enigma del avión de los cadetes». La Voz. Consultado em 24 de fevereiro de 2019 
  8. «Dados do acidente». Aviation Safety Network. Consultado em 24 de fevereiro de 2019 
  9. Víctor Ferrazzano (2016). «CAPITULO 1: El viaje del TC-48». El Acidente del TC-48. Consultado em 24 de fevereiro de 2019