Desastre na mina de jade de Hpakant em 2020

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Desastre na mina de jade de Hpakant em 2020
Mina de jade de Hpakant está localizado em: Myanmar
Mina de jade de Hpakant
Mina de jade de Hpakant, em Myanmar
Data 2 de julho de 2020 (2020-07-02)
Local Hpakant, estado de Cachim, Myanmar
Mortes 172
Lesões relatadas 54
Desaparecimentos Pelo menos 100
Vertente da mina de jade

O desastre na mina de jade de Hpakant ocorreu em 2 de julho de 2020, quando um deslizamento de terra matou pelo menos 172 pessoas em um local de mineração de jade na área de Hpakant, no estado de Cachim, em Myanmar. A 3 de julho de 2020, cerca de 100 pessoas estão desaparecidas e 54 ficaram feridas e foram levadas para o hospital. As vítimas eram "catadores de jade" independentes que vasculhavam rejeitos de operadores maiores e viviam em alojamentos desorganizados na base de grandes montes de entulhos escavados por máquinas pesadas. Às 06:30, horário local, fortes chuvas provocaram o colapso de um monte de lixo de mineração que desabou em um lago. Isso gerou uma onda de lama e água que enterrou os mineradores que trabalhavam no local.

Embora a indústria de jade de Myanmar seja conhecida por mortes e acidentes, este desastre de 2020 é o acidente mais mortal da história.

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Myanmar é o maior fornecedor de jade em um comércio no valor de 30 bilhões de dólares por ano; no entanto, acidentes são frequentes em seus locais de mineração. A maior mina de jade do mundo está em Hpakant, no estado de Cachim.[1] Um deslizamento de terra matou pelo menos 116 pessoas no desastre na mina de jade de Hpakant em 2015.[2] Em 2019, cinquenta trabalhadores foram enterrados em um colapso da mina, resultando na morte de quatro deles e de dois trabalhadores de resgate.[2]

Dezenas de mineradores foram mortos em acidentes menores nos últimos anos, com "catadores de jade" independentes que vasculham rejeitos de operadores maiores, particularmente em risco.[3] Esses mineradores freelancers vivem em locais desorganizados na base de grandes montes de entulho escavados por máquinas pesadas.[4] Os mineradores freelancers geralmente são migrantes de outras regiões de Mianmar e não são registrados, o que dificulta o cálculo de pessoas desaparecidas.[4] A mineração é realizada no local por centenas de pessoas que vasculham os rejeitos despejados por caminhões no local. Os rejeitos formam grandes encostas, em uma cena semelhante à paisagem lunar, desprovida de árvores, suscetível ao colapso.[1]

Enquanto o gabinete de Htin Kyaw, liderado por Htin Kyaw e Aung San Suu Kyi, prometeu reformar a indústria de jade e reduzir os acidentes quando assumiu o poder em 2016, pouco foi feito na prática.[3]

Em 1 de julho, as autoridades emitiram um alerta contra a mineração na área devido às fortes chuvas. No entanto, esse aviso foi desafiado por muitos mineradores.[1]

Deslizamento[editar | editar código-fonte]

Mineração de jade no estado de Cachim

As pessoas que encontravam-se no local eram mineradores freelancers que vasculhavam os rejeitos da Yadanar Kyay, uma companhia de mineração.[3][5]

Às 06:30, horário local,[6] fortes chuvas provocaram o colapso de uma pilha de resíduos de mineração que desabaram em um lago. Isso gerou uma onda de lama e água que enterrou os mineradores que trabalhavam no local.[3] A onda foi descrita pelas testemunhas como sendo de "6 metros de altura".[7] O colapso e a subsequente onda de lama e água foram filmados em vídeo,[1] assim como as frenéticas tentativas de fuga dos mineradores.[3]

Um sobrevivente disse que viu uma pilha de resíduos prestes a desabar quando as pessoas gritaram "corra, corra". Segundo Khaing: "Dentro de um minuto, todas as pessoas no fundo [da colina] simplesmente desapareceram. Sinto-me vazio no coração [...] Havia pessoas presas na lama gritando por ajuda, mas ninguém pôde ajudá-las".[1]

Número de mortes[editar | editar código-fonte]

Em 3 de julho de 2020, 172 corpos foram recuperados do local,[5] pelo menos 100 estão desaparecidos[8] e outras 54 pessoas ficaram feridas.[2][8] Além disso, teme-se que muitos mineradores estejam presos e soterrados.[2][6] Os esforços de resgate foram dificultados pelas fortes chuvas.[2] Fotografias da área mostravam filas de corpos recuperados colocados em uma colina.[3] É esperado que o número de mortos aumente, pois outros corpos estão na lama.[3] Na sexta-feira, 3 de julho, dezenas de corpos recuperados foram enterrados em uma vala desenterrada por uma escavadeira mecânica perto do deslizamento de terra.[5]

Embora a indústria de jade de Myanmar seja conhecida por mortes e acidentes, este desastre de 2020 é o acidente mais mortal da história.[9]

Referências

  1. a b c d e «Myanmar jade mine landslide kills 160» (em inglês). BBC. 2 de julho de 2020. Consultado em 3 de julho de 2020 
  2. a b c d e «Jade mine landslide kills at least 100 in Myanmar, with more people still missing» (em inglês). CNN. 2 de julho de 2020. Consultado em 3 de julho de 2020 
  3. a b c d e f g «At least 113 killed as Myanmar jade mine collapse buries workers» (em inglês). Reuters. 2 de julho de 2020. Consultado em 3 de julho de 2020 
  4. a b «Landslide kills more than 100 in "dystopian wasteland" of Myanmar's jade mines» (em inglês). CBS News. 2 de julho de 2020. Consultado em 3 de julho de 2020 
  5. a b c «Mass burial for scores killed in Myanmar jade mine disaster» (em inglês). CNA. 4 de julho de 2020. Consultado em 4 de julho de 2020 
  6. a b «Myanmar jade mine accident: 125 killed, some 200 trapped» (em inglês). CGTN. 2 de julho de 2020. Consultado em 3 de julho de 2020 
  7. Nang, Saw; Paddock, Richard C. (2 de julho de 2020). «Myanmar Jade Mine Collapse Kills at Least 168». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 3 de julho de 2020 
  8. a b «Myanmar Jade Mine Collapse Kills at Least 168» (em inglês). The New York Times. 3 de julho de 2020. Consultado em 3 de julho de 2020 
  9. «Myanmar: Over 100 dead in jade mine landslide disaster» (em inglês). Deutsche Welle. 2 de julho de 2020. Consultado em 3 de julho de 2020