Desciclopédia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde Abril de 2011). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Desciclopédia
Uncyclopedia.png
Slogan "A enciclopédia livre de conteúdo"
Requer pagamento? Não
Gênero Wiki satírica\Enciclopédia On-Line
Cadastro Opcional e gratuito
Idiomas português
Lançamento 2005
Página oficial http://desciclopedia.org

Desciclopédia é uma organização sem fins lucrativos, paródia da Wikipédia.[1] É um site de humor colaborativo,[2] cujo objetivo é apresentar um ponto de vista satírico sobre todos os temas possíveis em formato wiki.[1]

Etimologia[editar | editar código-fonte]

A origem etimológica do nome Desciclopédia, no caso do Brasil, Portugal e países lusófonos é derivado do português des = nãociclopédia = enciclopédia, uma versão derivada do original em inglês internacional un + cyclopedia.

Números[editar | editar código-fonte]

A versão em português foi criada em 7 de agosto de 2005, e possui mais de 40.000 artigos,[3] e é a maior dentre suas irmãs, seguida da Uncyclopedia, a wiki-paródia original em inglês.

Ao longo de sua existência, este projeto tem conseguido se espalhar pelo mundo por mais de quarenta línguas, tornando-se o terceiro maior projeto ao estilo wiki no mundo. Seus usuários mantêm a estrutura de uma enciclopédia em muito semelhante à Wikipédia, dando formato de valor científico aos seus verbetes absurdos fugindo da informação verdadeira, muitas vezes usando propositadamente de preconceitos, declarações e citações vexatórias a celebridades e pessoas conhecidas.

Servidor[editar | editar código-fonte]

Algumas versões da Uncyclopedia utilizam servidores da Wikia, incluindo a Uncyclopedia original. Outras wikis do projeto, como a Desciclopédia, são hospedadas em servidores localizados no Canadá e operados por uma organização chamada de "Uncyclomedia Foundation".[4] E em alguns casos especiais, há uma hospedagem própria apenas para o idioma.

Impacto cultural[editar | editar código-fonte]

A Desciclopédia já foi utilizada como fonte pelos poderes executivo e judiciário do Governo Brasileiro, e citada pelo poder legislativo.

Poder executivo[editar | editar código-fonte]

No documento Plano Territorial de Desenvolvimento Rural Sustentável, realizado pelo Instituto Samaritano de Políticas Públicas Albert Schweitzer, com apoio do Ministério do Desenvolvimento Agrário, através da Secretaria de Desenvolvimento Territorial, o trecho que fala sobre o município de Santo Afonso (Mato Grosso) é baseado na Desciclopédia:[5]

Poder judiciário[editar | editar código-fonte]

Quando, em 2009, o advogado Paulo Roberto Yung se candidatou ao cargo de desembargador do Tribunal de Justiça de São Paulo, o conselheiro da OAB em São Paulo, Horacio Bernardes Neto, rejeitou seu pedido por considerar um achincalhe o fato de Paulo Roberto Yung ter apresentado, como referência, um contrato de prestação de serviço e honorários advocatícios, de 1996, do adido comercial do Domínio de Melchizedek.

Segundo o conselheiro Horacio Bernardes Neto, da seccional da Ordem dos Advogados do Brasil em São Paulo, o advogado postulante à vaga na lista sêxtupla para concorrer a uma vaga de desembargador no Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo instruiu o pedido com um documento tosco, injurídico, imperfeito, quiçá fraudulento, formalizado por uma representação diplomática inexistente no Brasil, firmado por um cidadão estrangeiro, não regularmente identificado, que se auto intitula adido comercial de uma micronação sem representação no Brasil. O conselheiro da Ordem dos Advogados do Brasil em São Paulo disse, ainda, que ao procurar no sistema processual do Tribunal de Justiça de São Paulo, não encontrou uma única ação em que o advogado Paulo Roberto Yung defendeu o Domínio de Melchizedek.[6]

A fonte usada pelo conselheiro da OAB, entretanto, foi a Desciclopédia.[7]

Poder legislativo[editar | editar código-fonte]

O deputado federal pelo Tocantins, Ângelo Agnolin, quando propôs um projeto de lei para censurar a Internet no Brasil utilizou, como argumentos, o fato do Tocantins ser insultado por meio do Twitter e de um verbete do site supostamente humorístico chamado Desciclopédia.[8]

Eleições[editar | editar código-fonte]

Nas eleições estaduais no Maranhão em 2010, a propaganda de Roseana Sarney utilizou a Desciclopédia como fonte fiável para dizer que seus adversários a estariam atacando e também o Maranhão.[9] [10] [11]

Cartilha do Mato Grosso para a Copa do Mundo de 2014[editar | editar código-fonte]

Uma cartilha distribuída pelo governo do estado do Mato Grosso para a Copa do Mundo de 2014 utilizou inadequadamente textos da Desciclopédia para descrever várias cidades do estado.[12]

Mensagens nas notificações do Facebook[editar | editar código-fonte]

Em 25 de junho de 2015 as notificações do Facebook foram alteradas com mensagens referentes à Desciclopédia por algumas horas.[13] [14] [15] [16] Vários usuários da rede social relataram o aparecimento de mensagens como "Fora politicamente correto, volta Desciclopédia", "O FB manda cair, mas a DP vai resistir", "Na União Soviética, a Desciclopédia derruba o Facebook", entre outras. O ato foi uma represália após o Facebook retirar a página de fãs da Desciclopédia do ar. Em nota, o Facebook declarou que as alterações foram feitas usando o sistema de tradução do site, que aceita as sugestões dos usuários. [17]

Referências

  1. a b Uncyclopedia:A wikipedia parody imitation alieneyes.wordpress.com. Visitado em 27 de maio de 2011.
  2. Diógenes Muniz (15 de setembro de 2006). "Wikipédia do mal" escracha celebridades com humor Folha Online. Visitado em 27 de maio de 2011.
  3. Dados de 1 de março de 2012, vide Desciclopédia (em português) Especial:Estatísticas
  4. [1], informação do site www.domaintools.com
  5. Plano Territorial de Desenvolvimento Rural Sustentável.
  6. Advogado de país fictício quer ser desembargador Consultor Jurídico (18 de março de 2009). Visitado em 22 de fevereiro de 2015.
  7. Marina Ito, site Consultor Jurídico, Advogado de país fictício quer ser desambargador, matéria de 18 de março de 2009 [em linha]
  8. Câmara dos Deputados, Departamento de Taquigrafia Revisão e Redação, Sessão: 134.1.54.0, Data: 31/05/11, Turno: Vespertino, Tipo da Sessão: Ordinária - CD, Local: Plenário Principal - CD, Início: 14h, Término: 18h06min (pdf)
  9. [2]
  10. [3]
  11. [4]
  12. [5]
  13. Facebook é invadido por mensagens a favor de site humorístico - Notícias - R7 Tecnologia e Ciência noticias.r7.com. Visitado em 2015-06-30.
  14. Facebook mostra mensagens estranhas sobre 'desciclopédia' em suposto bug. Visitado em 2015-06-30.
  15. Desciclopédia no Facebook? As mensagens estranhas seriam um bug?. Visitado em 2015-06-30.
  16. Mensagens supostamente hackeadas aparecem nas notificações de usuários no Facebook. Visitado em 2015-06-30.
  17. Facebook diz que invasão de mensagens a favor de site humorístico foram erros de tradução - Notícias - R7 Tecnologia e Ciência noticias.r7.com. Visitado em 2015-06-30.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]