Descobertas de cemitérios de indígenas em escolas canadenses

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Descobertas de cemitérios de indígenas em escolas canadenses (Canadá)
Disc Plain red (edge).svg
Marieval
Disc Plain red (edge).svg
Brandon
Locais de sepulturas não marcadas de indígenas descobertas em escolas residenciais

Em maio e junho de 2021, os restos mortais de centenas de indígenas, incluindo crianças, foram descobertos perto dos antigos locais de três escolas para indígenas canadenses nas províncias de Manitoba, Colúmbia Britânica e Saskatchewan.

Contexto[editar | editar código-fonte]

O sistema escolar residencial indígena canadense era uma rede de internatos obrigatórios para os povos indígenas. Financiado pelo Departamento de Assuntos Indígenas do governo canadense e administrado por igrejas cristãs, o sistema escolar foi criado para remover as crianças indígenas da influência de sua própria cultura e assimilá-las na cultura canadense dominante.[1][2] O sistema de escolas residenciais funcionou por mais de 120 anos, sendo que a última escola fechou em 1996. Um número significativo de crianças indígenas morreu enquanto frequentava essas escolas, com algumas escolas apresentando taxas de até 1 morte para cada 20 alunos.[3] Um número exato de mortes relacionadas à escola permanece desconhecido devido a registros incompletos e negligenciados.[4] As estimativas variam de 3,2 mil a mais de 30 mil.[5][6]

O quarto volume do relatório final da Comissão de Verdade e Reconciliação do Canadá (TRC), dedicado a crianças desaparecidas e enterros não registrados, foi desenvolvido depois que os membros originais da TRC perceberam, em 2007, que a questão exigia seu próprio grupo de trabalho. Em 2009, o TRC solicitou 1,5 milhão de dólares em financiamento extra do governo federal para concluir esta obra, recurso que foi negado.[4] Os pesquisadores concluíram, após vasculhar terrenos perto de escolas usando imagens de satélite e mapas, que, "na maior parte, os cemitérios que a Comissão documentou estão abandonados, em desuso e vulneráveis a distúrbios acidentais".[7]:1 Até agora, eles conseguiram identificar nomes e outras informações de pelo menos 4,1 mil crianças que morreram nessas escolas.[8]

Localizações[editar | editar código-fonte]

Mapa interativo de todas escolas indígenas do Canadá.
  Confirmadas   Investigação (até 26 de junho de 2021)
  Outras escolas residenciais indígenas

Kamloops[editar | editar código-fonte]

Em 28 de maio de 2021, os restos mortais de 215 crianças foram encontrados enterrados perto do local da Escola Residencial Indígena Kamloops em Kamloops, Colúmbia Britânica, nas terras da Primeira Nação Tk'emlúps te Secwépemc.[9][10] Os restos mortais foram localizados com a ajuda de um especialista em radar de penetração no solo. Tk'emlúps te Secwépemc chefe Rosanne Casimir escreveu que se acreditava que as mortes eram não documentadas e que um trabalho estava em andamento para determinar se os registros relacionados estavam guardados no Museu Real da Colúmbia Britânica. Em uma declaração divulgada pela Autoridade de Saúde das Primeiras Nações, Richard Jock disse: "O fato de esta situação existir, infelizmente, não é uma surpresa e ilustra os impactos prejudiciais e duradouros que o sistema escolar residencial continua a ter sobre as pessoas das Primeiras Nações, suas famílias e comunidades.".

Brandon[editar | editar código-fonte]

A partir de abril de 2019, uma equipe da Nação Sioux Valley Dakota e da Universidade de Simon Fraser investigou três cemitérios na Escola Residencial Indígena Brandon, em Manitoba. Em 4 de junho de 2021, foi anunciado que haviam localizado 104 sepulturas potenciais, das quais 78 são contabilizadas por meio de registros históricos.[11][12]

Marieval[editar | editar código-fonte]

Em 25 de junho de 2021, a descoberta de até 751 sepulturas não marcadas perto do antigo local da Escola Residencial Indígena de Marieval em Marieval, Saskatchewan, nas terras da Primeira Nação das Cowessess, foram anunciadas pelo chefe Cadmus Delmore. Tal como aconteceu com a descoberta de Kamloops, um radar de penetração no solo foi usado para identificar locais para investigação.[13]

Um cemitério comunitário próximo à escola foi usado pela primeira vez em 1885.[13] Em maio de 2021, a Cowessess anunciou que pesquisaria o local usando um radar de penetração no solo, em colaboração com um grupo da Politécnica de Saskatchewan. Na época, estima-se que um terço dos túmulos foram marcados. A busca foi planejada dois anos antes, mas atrasada devido à pandemia de COVID-19. Tudo começou em 1º de junho e foi ampliado quatro vezes depois de episódios narrados por anciãos de que corpos foram enterrados perto do terreno da escola.[14]

Em 23 de junho, centenas de sepulturas não marcadas foram encontradas, de acordo com a Federação das Nações Indígenas Soberanas (FSIN), que representa as Primeiras Nações de Saskatchewan.[15] O número total de sepulturas foi anunciado como 751 em uma entrevista coletiva no dia seguinte, mais de três vezes superior ao número das 215 descobertas em Kamloops no mês anterior.[13][16] Pelo menos 600 sepulturas foram confirmadas, uma vez que a tecnologia de radar teve uma taxa de erro de 10-15%. Os corpos não estavam em uma vala comum; em vez disso, as lápides foram removidas por membros da Igreja Católica na década de 1960.[17]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «The Residential School System». Indigenous Foundations. UBC First Nations and Indigenous Studies. Consultado em 14 de abril de 2017 
  2. Luxen, Micah (4 de junho de 2015). «Survivors of Canada's 'cultural genocide' still healing». BBC News. Consultado em 25 de junho de 2021 
  3. Hopper, Tristan (29 de maio de 2021). «Why so many children died at Indian Residential Schools». National Post. Consultado em 26 de junho de 2021 
  4. a b Smith, Joanna (15 de dezembro de 2015). «Truth and Reconciliation Commission's report details deaths of 3,201 children in residential schools». Toronto Star (em inglês). Consultado em 25 de junho de 2021 
  5. Tasker, John Paul (29 de maio de 2015). «Residential schools findings point to 'cultural genocide', commission chair says». CBC News. Consultado em 1 de julho de 2016. Cópia arquivada em 18 de maio de 2016 
  6. Moran, Ry (5 de outubro de 2020). «Truth and Reconciliation Commission». The Canadian Encyclopedia 
  7. Truth and Reconciliation Commission (2015). Canada's Residential Schools: Missing Children and Unmarked Burials - The Final Report of the Truth and Reconciliation Commission of Canada (PDF). 4. Montreal: McGill-Queen’s University Press. ISBN 978-0-7735-9825-6. Consultado em 25 de junho de 2021 
  8. «Missing Children Project». Truth and Reconciliation Commission of Canada. Consultado em 26 de junho de 2021 
  9. Snucins, Andrew (28 de maio de 2021). «Remains of 215 children found at former Kamloops residential school». The Globe and Mail. Consultado em 28 de maio de 2021 
  10. Dickson, Courtney; Watson, Bridgette (28 de maio de 2021). «Remains of 215 children found buried at former B.C. residential school, First Nation says». CBC News. Consultado em 28 de maio de 2021 
  11. «Finding Indigenous Children: The Brandon Indian Residential School Project» (Nota de imprensa). Simon Fraser University. 4 de junho de 2021. Consultado em 25 de junho de 2021 
  12. Froese, Ian (20 de junho de 2021). «Team investigating Brandon's former residential school for graves turns to elders for clues». CBC News. Consultado em 25 de junho de 2021 
  13. a b c Nardi, Christopher (24 de junho de 2021). «Hundreds of bodies reported found in unmarked graves at former Saskatchewan residential school». The National Post. Consultado em 24 de junho de 2021 
  14. Neustaeter, Brooklyn (23 de junho de 2021). «Sask. First Nation finds hundreds of burial sites near former residential school». Toronto: CTV News. Consultado em 24 de junho de 2021 
  15. «Sask. First Nation announces hundreds of unmarked graves found at former residential school site». CBC News. 23 de junho de 2021. Consultado em 24 de junho de 2021 
  16. Taylor, Brooke (24 de junho de 2021). «Cowessess First Nation says 751 unmarked graves found near former Sask. residential school». Toronto: CTV News. Consultado em 24 de junho de 2021 
  17. Skjerven, Kelly (24 de junho de 2021). «751 unmarked graves found at former Saskatchewan residential school». Global News. Consultado em 24 de junho de 2021