Descolamento prematuro da placenta

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Descolamento prematuro da placenta
Ilustração das hemorragias internas e externas por placenta abrupta
Sinónimos Placenta abrupta
Especialidade Obstetrícia
Sintomas Hemorragia vaginal, dor na parte inferior do abdómen, pressão arterial perigosamente baixa[1]
Complicações Mãe: coagulação intravascular disseminada, insuficiência renal[2]
Bebé: baixo peso à nascença, parto prematuro, natimorto[2]
Início habitual 24–26 semanas de gravidez[2]
Causas Não são claras[2]
Fatores de risco Fumar, pré-eclampsia, antecedentes de placenta abruta[2]
Método de diagnóstico Baseado nos sintomas, ecografia[1]
Condições semelhantes Placenta prévia, corioamnionite[3]
Tratamento Repouso no leito, parto[1]
Medicação Corticosteroides[1]
Frequência ~0.7% das gravidezes[2]
Classificação e recursos externos
CID-10 O20.0
CID-9 640.03, 640.0, 641.20
DiseasesDB 40
MedlinePlus 000901
eMedicine 252810, 795514
MeSH D000037, D000033, D000033, D000037
A Wikipédia não é um consultório médico. Leia o aviso médico 

Descolamento prematuro da placenta ou placenta abrupta é o descolamento da placenta da parede do útero antes do momento do parto.[2] A condição é mais frequente por volta das 25 semanas de gravidez.[2] Os sintomas mais comuns são hemorragia vaginal, dor na parte inferior do abdómen e pressão arterial perigosamente baixa.[1] Entre as possíveis complicações para a mãe estão a coagulação intravascular disseminada e insuficiência renal.[2] Entre as possíveis complicações para o bebé estão o sofrimento fetal, baixo peso à nascença, parto prematuro ou morte à nascença.[2][3]

As causas do descolamento prematuro da placenta ainda não são inteiramente claras.[2] Entre os fatores de risco estão fumar, pré-eclampsia, antecedentes de placenta abrupta, trauma físico durante a gravidez, consumo de cocaína e antecedentes de cesariana.[2][1] O diagnóstico tem por base os sintomas e pode ser apoiado por ecografia.[1] A condição é classificada como complicação da gravidez.[1]

Para os casos menos graves é recomendado repouso no leito. Para os casos de maior gravidade ou para aqueles que ocorrem perto da data prevista de parto, pode ser recomendado o parto.[1][4] Em situações estáveis pode ser tentado um parto vaginal, enquanto para outras situações é recomendada a realização de uma cesariana.[1] Em gravidezes com menos de 36 semanas de gestação podem ser administrados corticosteroides para acelerar o desenvolvimento dos pulmões do bebé.[1] O tratamento pode ainda necessitar de transfusões de sangue ou de uma histerectomia de emergência.[2]

O descolamento prematuro da placenta ocorre em 1 entre cada 200 gravidezes.[5] A par da placenta prévia e da ruptura uterina, é uma das causas mais comuns de hemorragias vaginais no último trimestre de gravidez.[6] A condição é a causa de cerca de 15% das mortes fetais por volta do nascimento.[2] A descrição mais antiga da condição que se conhece data de 1664.[7]

Referências

  1. a b c d e f g h i j k «Abruptio Placentae - Gynecology and Obstetrics». Merck Manuals Professional Edition (em inglês). Outubro de 2017. Consultado em 9 de dezembro de 2017 
  2. a b c d e f g h i j k l m n Tikkanen, M (fevereiro de 2011). «Placental abruption: epidemiology, risk factors and consequences». Acta Obstetricia et Gynecologica Scandinavica. 90 (2): 140–9. PMID 21241259. doi:10.1111/j.1600-0412.2010.01030.x 
  3. a b Saxena, Richa (2014). Bedside Obstetrics & Gynecology (em inglês). [S.l.]: JP Medical Ltd. pp. 205–209. ISBN 9789351521037 
  4. Gibbs, Ronald S. (2008). Danforth's Obstetrics and Gynecology (em inglês). [S.l.]: Lippincott Williams & Wilkins. p. 385. ISBN 9780781769372 
  5. Sheffield, [edited by] F. Gary Cunningham, Kenneth J. Leveno, Steven L. Bloom, Catherine Y. Spong, Jodi S. Dashe, Barbara L. Hoffman, Brian M. Casey, Jeanne S. (2014). Williams obstetrics 24th ed. [S.l.: s.n.] ISBN 978-0071798938 
  6. Hofmeyr, GJ; Qureshi, Z (outubro de 2016). «Preventing deaths due to haemorrhage». Best Practice & Research. Clinical Obstetrics & Gynaecology. 36: 68–82. PMID 27450867. doi:10.1016/j.bpobgyn.2016.05.004 
  7. The Journal of the Indiana State Medical Association (em inglês). [S.l.]: The Association. 1956. p. 1564