Desilu Productions

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, comprometendo a sua verificabilidade (desde agosto de 2011).
Por favor, adicione mais referências inserindo-as no texto. Material sem fontes poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Desilu Productions
Tipo Privada
Indústria Televisão
Fundação 1950
Fundador(es) Lucille Ball
Desi Arnaz
Destino Comprada pela Gulf+Western em 1967 que renomeou a companhia como Paramount Television
Encerramento dezembro de 1967
Sede Los Angeles, Califórnia,
 Estados Unidos
Holding Gulf+Western
Sucessora(s) Paramount Television
Lucille Ball Productions
Desilu, Too, LLC

A Desilu Productions era uma companhia de produção televisiva, propriedade dos atores Lucille Ball e Desi Arnaz, que de 1950 até o final da década de 1960 produziu programas de sucesso como I Love Lucy, Star Trek, Mission: Impossible, Family Affair e The Untouchables

Suas sucessoras foram a Paramount Television, a Lucille Ball Productions (resultado da venda da porção de Ball da Desilu para a Paramount) e a Desilu, Too, LCC (resultado da parte de Arnaz da Desilu após sua morte).

História[editar | editar código-fonte]

Origens[editar | editar código-fonte]

A companhia foi fundada em 1950. O nome foi tirado de uma combinação de "DESI Arnaz" e "LUcille Ball", e nomeada em homenagem ao rancho dos dois em Chatswoth, Califórnia, localizado à 40 km ao noroeste de Hollywood no Vale de São Fernando.

A Desilu foi inicialmente criada para produzir o teatro de variedades de Arnaz e Ball, que foi concebido de modo que o casal poderia provar para os executivos da CBS, que queriam adaptar a série de rádio de Ball My Favorite Husband para a televisão, que o público americano poderia aceitar o cubano Arnaz como sendo casado com a escocesa-irlandesa americana Ball. O projeto de televisão eventualmente se tornou I Love Lucy, série a qual eles ficaram com a propriedade em troca de salários reduzidos.[1]

Para os primeiros anos de I Love Lucy, a Desilu alugou o Estúdio 2 da General Service Studios (atual Hollywood Center Studios), na Santa Monica Boulevard localizada na parte de Hollywood de Los Angeles. O Estúdio 2 foi chamado de "Teatro da Desilu", e depois que uma parede foi derrubada para acomodá-lo, uma entrada especial foi criada na 6633 Romaine Street, no lado sul do estúdio.

Inovações tecnológicas[editar | editar código-fonte]

A Desilu é muitas vezes erroneamente creditada como sento tanto o primeiro estúdio a filmar usando filme ao invés de fazer uma transmissão ao vivo, quanto o primeiro estúdio de televisão a filmar com filme em um esquema de várias câmeras. Entretanto, nenhuma é verdadeira. Séries anteriores filmadas com filmes incluem Your Show Time, The Stu Erwin Show e The Life of Riley; e Jerry Fairbanks havia desenvolvido, e estava usando, várias câmeras para produzir programas de televisão em 1950.[2] A inovação da Desilu foi usar um esquema de várias câmeras de filme antes de uma platéia de estúdio.

Para este fim, a Desilu começou a criação de suas produções usando materiais convencionais de estúdios cinematográficos, técnicas de produção e processamento. O uso de tais materiais e técnicas significou que os negativos de 35 mm (o material de origem para fins de direitos autorais) ficaram imediatamente disponíveis para produção e distribuição de cópias quando I Love Lucy foi para a sindicação em emissoras locais por todo o país. Dessa forma não há nenhum episódio "perdido" dos programas, ou programas gravados através do cinescópio da exibição televisiva.

Através do uso de técnicas ortodoxas de produção e filmagem de Hollywood, o conteúdo e a qualidade que as produções da Desilu exibiam eram altas desde o início. Além disso, eles eram facilmente adaptáveis tanto para formatos de drama quanto para os de comédia, e conseguiam lidar com os efeitos especiais ou tomadas interiores e exteriores com igual facilidade.

Papel de Ball na companhia[editar | editar código-fonte]

A contribuição de Ball estava mais no lado artístico, mas era igualmente importante para o sucesso da Desilu. Ao final da década de 1940, Ball passou a maior parte dos 20 anos anteriores aparecendo em filmes "B" de todos os gêneros: comédia, drama, variedade, ação, aventura e faroeste. Nesse época, seu apelido se transformou em "Rainha B". Tal experiência a fez conhecer o gosto do público para continuar esta forma de entretenimento no meio da televisão.

Na época que a Desilu estava revisando e desenvolvendo os conteúdos da propostas para novas produções televisivas, Ball havia desenvolvido um senso para qual as propostas de programação oferecidas a Desilu seriam populares para um grande público (com os de filme "B"); e se seriam bem sucedidas tanto em sua exibição original quanto nas reprises da sindicação.

Ball compreendeu que apesar do conteúdo dos filmes "B" ser pequeno, o apetite do público para com (e satisfação com) eles não diminuía. Ao entender isso, suas ideias sobre conteúdo de produção ficaram em completa harmonia com o modelo de produção financeiro para a televisão do qual seu marido foi pioneiro.

Nesse modelo, alta qualidade (igual à altos custos) e conceitos de produção originais (como The Untouchables e Star Trek) eram aprovados por Ball para serem desenvolvidos em uma série, baseado em seu julgamento e na avaliação de que o projeto proposto teria longa aceitação pelo público e divertimento, dessa forma garantindo grandes lucros do programa através de reprises, que iria mais do que pagar por todas as despesas do estúdio por desenvolver ideias e produzir o programa.

Como resultado, mesmo décadas após a absorção da Desilu Productions, e o fim da produção de todas as suas séries originais, seus programas ainda atingiram grandes sucessos nas reprises pós-produção, se desenvolvendo em franquias de filmes e além (como Star Trek, Mission: Impossible e The Untouchables).

Referências

  1. Weiler, A. H. (18 de junho de 1950). «Team of Ball and Arnaz Will Make Own Movies». The New York Times: X4 
  2. «Flight to the West?». TIME. 6 de março de 1950