Desproporção cefalopélvica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Desproporção cefalopélvica
Defeitos pélvicos que podem impedir a passagem do feto.
Especialidade obstetrícia
Classificação e recursos externos
CID-10 O33.9
DiseasesDB 2203
MeSH D052178
A Wikipédia não é um consultório médico. Leia o aviso médico 

Desproporção cefalopélvica (DCP) (do grego-latim cephalos, cabeça) é um termo obstétrico para quando a pelve materna não é larga suficiente para permitir a passagem da cabeça do bebê.

Pode ser devido a uma pequena pelve, a uma forma androide (masculinizada) da pele, a um grande feto, a uma desfavorável posição do feto ou de uma combinação destes fatores.

Certas condições médicas podem distorcer ossos pélvicos, tais como raquitismo ou fratura da pelves.

Medir o maior diâmetro da cabeça do bebê (mais de 10cm é muito grande) com uma ecografia e a dilatação do cérvix  (menos de 10cm pode não ser suficiente) permite prever esse problema antes do parto normal.[1]

Causas[editar | editar código-fonte]

Um grande feto (macrossomia fetal) pode ser causado por diabetes gestacional, gravidez prolongada, fatores genéticos e é mais comum após muitos filhos.

A forma da pelve também pode ser inadequada por malformações, fraturas ou andrógenas.[2] Adolescentes com menos de 15 anos e mulheres pequenas frequentemente tem a pelve menor que o necessário para um parto normal seguro.[3]

Diagnóstico[editar | editar código-fonte]

O diagnóstico de CPD pode ser durante o trabalho de parto, quando o bebê não está descendo adequadamente.

Teoricamente, medir a pelve (pelvimetria) pode identificar desproporção cefalopélvica. No entanto, a pelve relaxa antes do nascimento (com a ajuda de hormônios como a relaxina). Uma revisão de Cochrane , em 2017, descobriu que havia pouca evidência dos benefícios da pelvimetria quando o bebê está em apresentação cefálica.[4] Uma revisão em 2003, chegou à conclusão que a pelvimetria não altera o gerenciamento das mulheres grávidas e recomendou que todas as mulheres deveriam ser permitidas a iniciar o trabalho de parto normal, independentemente dos resultados da pelvimetria.[5] A pelvimetria foi considerada como um desperdício de tempo, causando cesárias e desconforto desnecessário.

Tratamento[editar | editar código-fonte]

No caso de um feto maior que o esperado para a semana de gestação, os obstetras recomendam a indução do trabalho de parto antes de 40 semanas. Se o trabalho de parto já começou, a DCP é indicação absoluta de cesariana

Veja também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]