Destiny Fulfilled

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Destiny Fulfilled
Álbum de estúdio de Destiny's Child
Lançamento 16 de novembro de 2004 (2004-11-16)[1]
Gravação 2003—04
Gênero(s) R&B
Duração 47:57
Idioma(s) (em inglês)
Formato(s)
Gravadora(s)
Produção
Certificação RIAA - 3× Platina[2]
Cronologia de Destiny's Child
This Is the Remix
(2002)
#1's
(2005)
Singles de Destiny Fulfilled
  1. "Lose My Breath"
    Lançamento: 21 de setembro de 2004 (2004-09-21)
  2. "Soldier"
    Lançamento: 7 de dezembro de 2004 (2004-12-07)
  3. "Girl"
    Lançamento: 2 de maio de 2005 (2005-05-02)
  4. "Cater 2 U"
    Lançamento: 14 de junho de 2005 (2005-06-14)

Destiny Fulfilled é o quinto e último álbum de estúdio do trio americano de R&B Destiny's Child. Foi lançado em 16 de novembro de 2004,[1] pela Columbia Records e pela Sony Urban Music. Um lançamento de retorno, que marcou a volta das Destiny's Child, após o grupo entrar em hiato, que permitiu que cada integrante lançasse álbuns solos. Ao contrário de seus álbuns anteriores, este disco cada uma das três integrantes, contribui igualmente para a composição e produção do projeto. Destiny's Child, continuou trabalhando com colaboradores frequentes como Rockwilder, Swizz Beatz e Rodney Jerkins, além de vários novos produtores.

Para o tema do álbum, as integrantes se inspiraram nas conversas que tiveram durante a primeira semana de gravação, quando discutiram sobre os acontecimentos em suas vidas enquanto estavam separadas. Composto principalmente por músicas de mid-tempo e baladas que são continuações subsequentes entre si, contando uma história completa, Destiny Fulfilled é um álbum de R&B. Foi lançado a críticas geralmente misturadas entre os críticos de música, que criticaram suas baladas mid-tempo e conteúdo lírico. O álbum foi comercialmente bem sucedido; Alcançou o número dois no Billboard 200 dos Estados Unidos, e desde então tem sido certificado de platina tripla, nessa região. Também foi bem sucedido em diferentes países do mundo recebendo certificações na Austrália, Canadá, Alemanha e Reino Unido, entre outros.

Como parte da promoção do álbum, o grupo cantou músicas do disco, em numerosas cerimônias de premiação e aparições televisionadas nos EUA e na Europa. Elas ainda embarcaram na turnê Destiny Fulfilled ... And Lovin' It, em 2005 com 67 datas em quatro continentes em todo o mundo. Destiny Fulfilled gerou quatro singles, "Lose My Breath", "Soldier", "Girl" e "Cater 2 U". Após a turnê, a banda se separou, o que fez Destiny Fulfilled, seu último álbum de estúdio.

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

"As pessoas nos perguntam porque, Nós somos amigas, Nós gostamos uma das outras, Nós soamos boas juntas. Nós crescemos juntas, e espero que possamos dar um exemplo para outros grupos e outros grupos femininos, especialmente, que você pode apoiar umas as outras e não ser insegura e ser feliz uma pela outra. E é OK, para fazer projetos solo e para crescer e ter uma vida. Mas também é bom voltar juntas ... Nem sempre tem que ser o que a mídia tenta fazer para ser. As mulheres podem se dar bem e ser mulheres de negócios e ser inteligente e não serem sexys o tempo todo."

—Beyoncé[3]

Ao gravar seu terceiro álbum de estúdio do grupo Survivor, no final de 2000, Beyoncé, anunciou que o Destiny's Child, estaria entrando em um hiato que permitiria a cada integrante lançar um álbum solo, que esperavam com isso aumentar ainda mais o interesse do público no grupo.[4] A idéia de lançamentos individuais emanou do gerente do grupo, o pai de Beyoncé, Mathew Knowles. Kelly Rowland, explicou ainda em uma entrevista que o Destiny's Child, esteve presente na mídia por um longo tempo e elas queriam "dar ao público um descanso de DC por um tempo".[5] Durante a mesma entrevista, ela revelou que o trio retornaria ao estúdio no outono de 2003 para começar com o trabalho em um novo álbum.[5]

Duas integrantes do grupo, Beyoncé e Rowland cada lançaram um álbum, enquanto Michelle Williams, lançou dois. Enquanto cada membro conseguiu sucesso doméstico, Beyoncé tinha sido considerado como o mais bem sucedido com o lançamento com Dangerously in Love (2003), que teve um sucesso comercial internacional e aclamação. Isso, juntamente com seus outros projetos em andamento, levou à especulação sobre a dissolução definitiva do Destiny's Child. Em meio a rumores e especulações, Rowland anunciou em 2004, o retorno do grupo ao estúdio para gravar o que se tornaria seu quiarto e último álbum. O grupo alegou que a reunião estava destinada a acontecer, e que a sua afinidade é fazer com que elas se mantivessem juntas.[3][6]

Direito na fabricação do álbum, elas planejaram caminhos separadas depois de carreira de quatorze anos, para facilitar suas buscas continuas em aspirações individuais. Beyoncé observou que seus destinos já estavam cumpridos; No entanto, Destiny's Child alegou que nomear o álbum Destiny Fulfilled, não era uma coincidência do tipo.[7] Beyoncé disse que "o grupo sentiu que ainda tinha algo a oferecer musicalmente" com o álbum antes de acrescentar: "Nós fizemos esse disco para nós mesmas, não para vender um milhão na primeira semana...Isso não significa tanto como o fato de que três amigas, voltaram juntas para fazer outro disco, esse era o nosso destino".[8] Rowland comentou: "Nós éramos como, "você sabe o que, nós estamos ficando mais velhas e nós queremos terminar com uma nota elevada. "Queremos dar aos nossos fãs um grande recorde final ".[9] Beyoncé, também comentou sobre a finalidade de sua carreira: "Quem sabe o que vai acontecer em três, cinco ou 10 anos? O principal é que mantenhamos nossa amizade e que o fazemos porque queremos, não porque seja um bom negócio.[9]

Produção e gravação[editar | editar código-fonte]

A produção do álbum começou no verão de 2004 com o Destiny's Child, tendo ajuda de colaboradores frequentes, incluindo Rockwilder, Swizz Beatz and Rodney Jerkins. O grupo trabalhou no álbum dentro de um período de três semanas.[3] Jerkins, que tinha trabalhado com Beyoncé para seu álbum solo Dangerously in Love, preocupado com como ele iria gerenciar a produção, dizendo: "Como é que isso vai funcionar? Porque Beyoncé, ela explodiu sozinha, então como é que vai trabalhar em um grupo juntas?".[7] Ele afirmou que, uma vez que ele entrou no estúdio, no entanto, seu ceticismo desapareceu quando ele viu a "emoção do grupo estar de volta no estúdio juntas", chamando o processo de "natural".[7] As três integrantes do grupo, declararam que a primeira semana de gravação foi gasta exclusivamente em conversas sobre os acontecimentos em suas vidas, enquanto estavam separadas uma das outras, como elas não tinham gasto tempo quailidade por um longo período. Isto as inspirou ainda mais a gravar as conversas e usá-lo como o tema principal do disco.[7]

Diferentemente do álbum Survivor, em que Beyoncé anteriormente sozinha, havia assumido um papel ativo na escrita e na produção do projeto, Destiny Fulfilled, viu cada integrante, contribuindo com insumos retirados de experiências pessoais e opiniões individuais e pontos de vista não dependentes uma das outras ".[3] Na maioria dos casos, os produtores do álbum iria enviar-lhes um CD contendo uma faixa que seria a base do grupo no processo de composição; Sem a supervisão do produtor de que parte uma iria cantar, que formou uma nova direção de seu estilo diferente de seus discos anteriores. A abordagem tradicional em que cada integrante, cantava um verso e cantava no coro foi substituída; Em algumas canções em Destiny Fulfilled, seus vocais foram alternados em cada parte da letra, uma técnica semelhante aos artistas do hip hop.[10] As Destiny's Child assumiu o papel de produção executiva ao lado de seu gerente, Mathew Knowles. Beyoncé, que produziu vocalmente as músicas, comentou que era importante para ela garantir que suas vozes fossem audíveis e identificáveis. Tomando isso como um de seus objetivos, o grupo decidiu se concentrar em canções de mid-tempo e em poucos números de dança e baladas, que elas consideravam as pessoas não podem cantar . Beyoncé elaborou "Queríamos ter certeza de que as músicas seriam algo para nós nos orgulhamos daqui a 10 anos, daqui a 20 anos, queríamos que fosse algo que as pessoas realmente pudessem sentir uma emoção. Que, mas eles ao mesmo tempo, fazem você querer dançar."[3] Como Rowland ficou engajada no tempo da escrita do álbum, mais influenciou sua composição. Ela também citou que além do grupo afetaou o álbum também: "Todas nós estivemos em três lugares diferentes ... então há muito o que falar, muitas coisas aconteceram, separadamente. Acho que é importante falar Sobre isso neste novo disco, para colocar o que estamos passando separadamente, para o novo disco.[11]

Composição[editar | editar código-fonte]

Durante uma entrevista para a MTV, Beyoncé afirmou que as músicas colocadas em conjunto, contaram uma história completa e observou que cada canção era uma continuação subseqüente para a próxima. Ela concluiu: "[O álbum continua com] toda essa jornada desse grupo de mulheres tentando encontrar o amor. E verdadeiramente o acham porque se amam e encontram em si mesmas. É amizade, é amor, é maturidade e crescimento, e é tudo o que nós queríamos que fosse."[7] Para as músicas do álbum, o grupo tentou desafiar-se, trabalhando com arranjos diferentes, tentando criar um som original; Para ter sucesso nisso, elas foram influenciadas por The Emotions, Jodeci e SWV, misturando elementos de cada um em sua música.[12] Destiny Fulfilled é predominantemente um álbum conceitual de R&B rastreando a viagem de uma mulher em um relacionamento.[13][14] Os críticos encontraram elementos da música soul, da dance e do hip-hop.[14][10] O álbum é composto principalmente de mid-tempo e balladas slowtempo,[15] seguindo a abertura de duas canções; Caroline Sullivan do The Guardian, sentiu que as baladas apresentaram "as menina do trio, musicalmente e liricamente".[13] Erich Anderson do Slant Magazine, encontrou elementos do meio da música de estrada nas baladas.[16] Os rappers americanos T.I. (À esquerda) e Lil Wayne (à direita) foram os únicos dois artistas em destaque no álbum, aparecendo na segunda canção "Soldier".

Os rappers americanos T.I. (À esquerda) e Lil Wayne (à direita) foram os únicos dois artistas em destaque no álbum, aparecendo na segunda canção "Soldier".

O álbum abre com a canção de dança up-tempo "Lose My Breath", uma faixa que detalha um homem cheio de promessas vazias para uma mulher.[3][15] É musicalmente completa com os militares, os tambores da banda de marcha e as facadas do teclado e a trilha de apoio contem vários efeitos sadios.[17][18] "Soldier", a segunda faixa com T.I. e Lil Wayne, os únicos artistas em destaque no álbum, contém elementos do hip hop soul e Crunk&B.[3][19] Insatisfeito e insatisfeito com o amante da canção de abertura, as protagonistas pedem um soldado decente, ainda cantando sobre encontrar um gângster.[20] Depois de encontrar o soldado, a terceira música, o número de R&B "Cater 2 U", liricamente, é sobre servir de forma submissa o homem considerado como tal.[21] Inspirado por ele, as protagonistas cantam sobre fazer várias coisas para fazê-lo feliz, musicalmente acompanhado por sintetizadores como a canção constrói um crescendo.[3][21]

A quarta canção "T-Shirt" é completa com sons de bateria inorgânicos, guitarra e loop, onde o trio canta sobre dormir na cama com a camiseta do seu homem, "com o cheiro de seu perfume".[17][21] "Is She the Reason", é uma balada de R&B, que foi notado para ter uma progressão de acordes semelhante aos materiais dos The Beatles, que liricamente fala sobre estar em concorrência com outra mulher para ter o amor e atenção de um homem.[21] Contém uma amostra carregada de trombeta na canção de Melba Moore's "Eu não conheço ninguém mais a quem recorrer".[20] A próxima música, "Girl" foi notado por sua influência Motown e um tema falando sobre a amizade.[14][21] "If", carregada de cordas, liricamente fala sobre os homens que não suas esposas, até que seu relacionamento termine e percebam seus erros.[14][21] "Free" foi descrito como um "clássico da alma de 1975"[22] com os críticos, também observando elementos da música funk dos anos 1970, onde o trio fala em ser "liberado" depois de estar em um relacionamento onde seu amante nunca tende a seus desejos, da mesma forma que ela faz por ele.[17] O número de midtempo "Through with Love", foi notado para ter uma natureza "irritada", porque fala sobre uma separação.[23] Ele contém uma parte em piano ondulante, onde o trio do grupo cantam com voz moderada e coral religioso ao fundo, com elementos que lembram o Música gospel.[19] Em "Love", "Com você Eu vivo e amo outra vez, Abro o pacto com a felicidade, Com você eu aprendo a sorrir novamente", enquanto o grupo "agradece a Deus pelo amor".[21] Elas ainda cantam sobre como as pessoas "não podem amar verdadeiramente a outro até que [eles] amem a Deus e então [a si mesmos]".[14] Elas proclamam ainda que encontraram amor e estão "loucamente vivendo ele".[24]

Lançamento e recepção[editar | editar código-fonte]

Destiny's Child performando "Say My Name" durante a turnê Destiny Fulfilled... and Lovin' It.

A lista da faixas de Destiny Fulfilled foi revelada o 15 de outubro de 2004.[25] O álbum foi lançado pela primeira vez no Japão em 10 de novembro de 2004.[26] Foi lançado em 16 de novembro de 2004, na América do Norte, via Columbia Records.[27] Embora a versão original pretendesse ser um dia antes, a Columbia Records estava preocupada com "o potencial de vazamentos na Internet e que isso pudesse" queimar "CD contrafacções" que poderiam "levar os consumidores a experimentar versões inferiores e incompletas do álbum", que levou ao adiamento de Destiny Fulfilled.[28]

O grupo performou "Lose My Breath" no programa de estreia especial de Abertura de 2004 da National Football League da ABC, depois de seu lançamento on-line em 9 de setembro de 2004, para quebrar seu hiato de um ano.[29][30] Em 25 de outubro de 2004, elas apareceram no Radio Music Awards, em Las Vegas, interpretando a música com uma abertura de jazz a cappella.[31] No mês seguinte, elas cantaram três músicas de seus álbuns anteriores e terminaram com "Lose My Breath" na The Oprah Winfrey Show, onde também se sentaram para uma entrevista com Oprah Winfrey.[32] Em 8 de novembro de 2004, o trio apareceu no Total Request Live (TRL) e executou a música junto com "Say My Name".[3][33] Elas foram para o programa de TV de entretenimento alemão Wetten, dass..?, em 13 de novembro de 2004, e executou "Lose My Breath".[34] No BET's 106 & Park, Destiny's Child cantou "Soldier" em 15 de novembro de 2004.[35] Elas também tocaram a canção no The Early Show da CBS, em 8 de dezembro de 2004.[36] No início de fevereiro de 2005, elas deram outra performance de "Soldier" no show britânico Top of the Pops.[37] No NBA All-Star Game de 2005, em 20 de fevereiro de 2005, elas cantaram tanto "Soldier" e "Lose My Breath".[38] Realizaram a última canção outra vez no ESPY Awards em 13 de julho 2005, com a cerimónia que a ESPN fez, quatro dias mais tarde.[39] "Cater 2 U" foi performada em 28 de junho durante a edição de 2005 do BET Awards em Los Angeles.[40][41]

Quando a data de lançamento adiantada do álbum foi anunciada, o grupo confirmou as datas iniciais de sua turnê mundial Destiny Fulfilled ... And Lovin' It, em conexão com a promoção do Destiny Fulfilled. As promoções da excursão foram arejadas pelo rádio e pela televisão através dos Estados Unidos e o grupo colaborou com McDonalds, que serviu como seu pricipal patrocinador.[25][42] A lista de shows da turnê incluiu músicas de Destiny Fulfilled, assim como dos álbuns anteriores do Destiny's Child e canções dos álbuns solo das integrantes, realizados individualmente. Numerosas mudanças de figurino ocorreram durante todo o show; O concerto exibiu produtos da linha de roupas Beyoncé da Casa de Deréon, uma empresa que co-fundou com sua mãe Tina Knowles.[43] Uma performance da turnê foi filmada em Atlanta em 15 de julho de 2005, e o DVD Destiny's Child: Live in Atlanta, que narra o concerto foi lançado em 28 de março de 2006.[44]

Singles[editar | editar código-fonte]

O primeiro single do álbum, "Lose My Breath", estreou na AOL Music em 9 de setembro de 2004 e foi lançado em 21 de setembro. Sua estréia no número 30 no Billboard Hot 100, antes do lançamento deu o álbum cedo Boost.[29] O single atingiu o terceiro lugar no gráfico para a semana que terminou em 6 de novembro de 2004, dando ao grupo seu nono top dez single.[45] "Lose My Breath" encabeçou o Hot Dance Club Songs, para a semana que termina em 8 de janeiro de 2005 e foi mais tarde certificado de ouro pela Recording Industry Association of America, (RIAA) em 28 de abril de 2005, vendendo 500.000 cópias nos EUA.[46][47] Ele também foi bem sucedido em toda a Europa, atingindo o primeiro lugar no European Hot 100 Singles, para a semana que termina em 4 de dezembro de 2004, passando quatro semanas consecutivas no topo.[48] Ele conseguiu o topo das paradas na Bélgica, Irlanda, Itália e Suíça e apareceu ainda entre os dez primeiros em quase todos os outros gráficos.[49] A American Broadcasting Company (ABC) usou a canção como a música para sua montagem introdutória nos Playoffs da NBA 2004 e nas primeiras semanas dos Playoffs da NBA de 2005.[50]

"Soldier", lançado como segundo single do disco, em 7 de dezembro de 2004, atingiu o pico na terceira posição no Billboard Hot 100 chart tornando-se o décimo top ten single da banda naquele gráfico.[51] Além disso, tornou-se o segundo single do álbum para o topo do Hot Dance Club Songs gráfico para a semana que termina em 26 de fevereiro de 2005.[52] A RIAA deu-lhe uma certificação de ouro pelas vendas de mais de 500 mil cópias digitais nos EUA.[47] "Soldier", alcançou o quarto lugar na lista de singles do Reino Unido, número 3 nos gráficos da ARIA na Austrália e apareceu entre os 20 primeiros em muitos países europeus.[53][54] O terceiro single do álbum "Girl", foi lançado em 2 de maio de 2005 no Reino Unido e em 17 de maio nos EUA.[55][56] Foi bem sucedido no gráfico de ARIA, que alcança no número cinco e no número seis, ambos na carta de singles BRITÂNICO e na parada de singles de Nova Zelândia além de aparecer em outras paradas européias.[53][57] Nos EU, atingiu o número 23 no Billboard Hot 100, tornando-se o mais baixo gráfico de um single do álbum lá.[51] O quarto e último single do Destiny Fulfilled, foi "Cater 2 U" lançado nos EUA e na Itália apenas a partir de 14 de junho de 2005.[58][59] Alcançou o 14º lugar no Billboard Hot 100 e o número três na Hot R&B/Hip-Hop Songs, sendo ainda certificado ouro pela RIAA.[47][51][60]

Recepção da crítica[editar | editar código-fonte]

Críticas profissionais
Pontuações agregadas
Fonte Avaliação
Metacritic 52/100[61]
Avaliações da crítica
Fonte Avaliação
Allmusic 2.5 de 5 estrelas.[15]
The A.V. Club (mista)[62]
Blender 3 de 5 estrelas.
Entertainment Weekly C+[22]
Los Angeles Times 2.5 de 5 estrelas.[14]
Rolling Stone 2 de 5 estrelas.[20]
Slant Magazine 3 de 5 estrelas.[16]
Stylus Magazine D+[19]
The Guardian 2 de 5 estrelas.[13]
The New York Times (mista)[23]

Destiny Fulfilled recebeu críticas mistas de críticos de música. No Metacritic, que atribui uma pontuação média ponderada de 100 para comentários de críticos mainstream, o álbum recebeu uma média de 52 pontuações em 17 comentários.[61] Dimitri Ehrlich da revista Vibe, elogiou a produção do álbum, dizendo que "exibe valores de produção avançados", com "impressionante" composição e habilidades vocais e concluiu que "oferece satisfação divina".[21] Um escritor da Billboard sentiu que Destiny Fulfilled, funcionou como "um testamento para a evolução de Beyoncé que possui talentos múltiplos".[10] Stephen Thomas Erlewine do AllMusic, elogiou as habilidades de Rowland e Williams como vocalistas e suas contribuições para os refrões, mas achou que Beyoncé "rouba todas as músicas do Destiny Fulfilled", elogiando-a por parecer "maior do que a vida, mesmo quando ela está quieta"; No entanto, ele concluiu, "como um todo, o álbum acaba soando muito reservado e pesado, o que torna uma decepção".[15] Andy Battaglia do The A.V. Club, escreveu em sua resenha que "Destiny Fulfilled, possui, sons distantes e independentes". mais criticando suas baladas mid-tempo para soar "ininterrupto na melhor das hipóteses, sem inspiração no pior". Kelefa Sanneh, do The New York Times, comentou que é "um disco surpreendentemente, superficial, que nunca justifica a sua existência".[23] Alan Ranta, da "Tiny Mix Tapes", duvidou da sinceridade lírica de Beyoncé, dizendo: "o sucesso deste álbum depende mais uma vez da suspensão completa da incredulidade dos fãs, que Beyoncé pode realmente realmente amar outro ser humano, como Tanto quanto ela ama a si mesma e suas posses."[24]

Caroline Sullivan de The Guardian, comentou que os vocais principais das canções eram susceptíveis de ser cantado por cada integrante igualmente, observando que fez o álbum "democrático"; No entanto, ela criticou-os por desperdiçar "a extensão de seus talentos" no álbum.[13] Tom Sinclair de Entertainment Weekly, também notou seu "ar geral de democracia no trabalho" e observou que Destiny Fulfilled "freqüentemente se move em um ritmo meloso-como, ponderado para baixo com uma preponderância de baladas esquisitas bem executadas, mas muito aborrecidas."[22] Jenny Eliscu, da revista Rolling Stone, ecoou seus comentários, dizendo: "Em todos, exceto um par de canções, os versos são divididos em três seções, com Beyoncé levando as coisas fora, seguido por Rowland, então Williams".[20] Ela observou que depois de um par de músicas otimistas, "o álbum cai em uma seqüência interminável de baladas de R&B exageradas, onde a única graça salvadora é ... como as cantoras, podem se harmonizar como ninguém".[20] Eric Henderson da revista Slant, comentou Que as baladas do álbum construoem em "o mesmo tipo de ofertas sexuais e procura de trocas, que tem marcado suas piores faixas".[16] A maioria dos críticos questionou por que Beyoncé teve que retornar ao Destiny's Child depois de alcançar o maior sucesso entre as integrantes do grupo.[20][22] Henderson lambasted disse que Beyoncé retornou ao grupo, outra vez com a "intenção cheia" de fazer média de vantagem e reforçar seu status do "diva" ao estrelato.[16] Em maio de 2006, Destiny Fulfilled foi listado no número 24 em uma lista intitulada "The 50 Worst Albums Ever!" publicado pela revista Q.[63]

Prêmio e indicações[editar | editar código-fonte]

O album ganhou na categoria para o álbum favorito de Soul/R & B na edição de 2005 do American Music Awards, onde o trio ganhou também o prêmio de banda favorita de Soul/R&B.[64] No Soul Train Music Awards de 2005, o Destiny Fulfilled, recebeu um prêmio de Melhor Álbum R&B/ Soul, enquanto "Soldier" recebeu Melhor R&B/Soul Single.[65] O álbum foi indicado na categoria de Melhor Álbum Contemporâneo de R&B nos 48º Grammy Awards em 2006, mas perdeu para Mariah Carey, The Emancipation of Mimi.[66][67] Os seus singles "Soldier" e "Cater 2 U" receberam ainda indicações em três categorias diferentes na mesma cerimónia. No ano anterior, "Lose My Breath" foi indicado na categoria de Melhor Performance Vocal de R&B por um Duo ou Grupo nos 47º Grammy Awards.[68]

Desempenho nas paradas[editar | editar código-fonte]

Destiny's Child se apresentando em 2005 durante a turnê Destiny Fulfilled ... And Lovin' It.

Nos Estados Unidos, o álbum estreou no número 19 no Billboard 200 para a semana que terminou em 27 de novembro de 2004 para acumular vendas de 61.000 cópias, antes de uma semana de rastreamento inteira.[69] Em sua primeira semana oficial de vendas, a Destiny Fulfilled, vendeu mais de 497.000 cópias, com um aumento de 713% em relação às vendas iniciais; A posição da parada de álbuns disparou para o número dois na Billboard 200 para a semana que termina em 4 de dezembro de 2004.[70] Na mesma semana, estreou no número um no Top R&B/Hip-Hop Albums, tornando-se o segundo topper gráfico do grupo após Survivor em 2001.[71] Depois de ser removido da posição superior por três semanas consecutivas, Destiny Fulfilled voltou ao número um para a semana que terminou em 1 de janeiro de 2005.[72] Em 14 de janeiro de 2005 foi certificado platina triplo pela Recording Industry Association of America, (RIAA) pelas vendas de 3.000.000 cópias.[73] Ele surgiu como o sétimo álbum mais vendido e terceiro álbum de R&B mais vendido em 2005.[74][72] Em outubro de 2009, o álbum vendeu 3,1 milhões de cópias nos EUA de acordo com a Nielsen SoundScan.[75]

No Reino Unido, Destiny Fulfilled, estreou no número cinco na UK Albums Chart, em 27 de novembro de 2004, que também se tornou sua posição de pico naquele país.[76] Tendo passado um total de 21 semanas no gráfico, tornou-se o terceiro álbum do grupo a entrar no top ten no Reino Unido até 2005 e o quarto em toda a sua carreira.[53] Em 19 de novembro de 2004, a British Phonographic Industry (BPI) o certificou como disco de Platina, por vender 300.000 cópias. Na lista de álbuns irlandeses, Destiny Fulfilled estreou e alcançou o 6º lugar em 18 de novembro de 2004, tornando-se o terceiro álbum consecutivo de Top 10 da Destiny's Child na Irlanda.[77][78] Também foi bem sucedido em outros países europeus, atingindo o terceiro lugar na lista de álbuns alemães, sendo ainda certificado platina nessa região.[79] Na França, Destiny Fulfilled atingiu o pico no número nove em sua primeira semana em 14 de novembro de 2004.[80] Foi visto pela última vez na lista de álbuns do país no número 163 em 3 de setembro de 2005.[81]

No Australian ARIA Albums Chart, Destiny Fulfilled estreou no número 11 em 28 de novembro de 2004, uma posição que mais tarde se tornou seu pico. Passando um total de 31 semanas até 2004 e 2005 subindo e descendo o gráfico, o álbum foi certificado Platinum pela Australian Recording Industry Association (ARIA) para o envio de 70.000 cópias nessa região.[82] Na Nova Zelândia, Destiny Fulfilled, atingiu o pico no número 21 em 25 de abril de 2005 e a Recorded Music NZ (RMNZ) concedeu-lhe uma certificação de ouro para 7.500 cópias vendidas.[83] No Japão, o álbum estreou e alcançou o quinto lugar no ranking Oricon devido ao sucesso de "Lose My Breath", que alcançou o número um na parada de singles. O álbum vendeu mais de 625.000 cópias lá e foi certificado dupla Platina, pela Oricon tornando-se o álbum do grupo de maior sucesso lá até à data.[84] Ele ganhou na categoria Rock/Pop Álbum do Ano Internacional no Japan Gold Disc Award, organizado pela Recording Industry Association of Japan (RIAJ).[85] Destiny Fulfilled foi nomeado o oitavo álbum mais vendido de 2004 pela International Federation of the Phonographic Industry (IFPI).[71]

Separação[editar | editar código-fonte]

Em uma visita ao Palau Sant Jordi, em Barcelona, Espanha, em 11 de julho de 2005, Rowland anunciou para de 16.000 espectadores, que Destiny Fulfilled ... And Lovin' It seria a última turnê juntas, revelando a sua dissolução formal.[86] Após a última parte da turnê norte-americana, o grupo se separou.[6] Em uma declaração divulgada à MTV, a banda disse que a turnê lhes proporcionou a oportunidade de acabar com Destiny's Child com uma "nota alta".[86] Elas também falaram sobre o momento em que o grupo começou seu esforço musical e suas realizações de prosseguir carreiras individuais, depois de trabalhar juntas por vários anos. Destiny's Child agradeceu aos fãs por seu apoio, sem fechar a chance de vê-los continuar com os objetivos de cada integrante na música, cinema e televisão.[86] Em outra entrevista, elas explicaram que sua dissolução foi planejada durante a produção do álbum. Enquanto estavam no estúdio, elas discutiram as aspirações individuais de cada uma e perceberam que permanecer como um grupo as impediriam de ir atrás de seus interesses solos. Rowland revelou que elas queriam se separar enquanto elas ainda estavam no auge e "amigas [uma das outras]".[7] Beyoncé, no entanto, enfatizou que Destiny Fulfilled, não seria seu último álbum em defintivo do grupo e revelou a idéia de uma possível reunião, no futuro distante.

Faixas[editar | editar código-fonte]

N.º Título Compositor(es) Produtor(es) Duração
1. "Lose My Breath"   4:02
2. "Soldier" (featuring T.I. & Lil Wayne)
  • Beyoncé
  • Rich Harrison
5:25
3. "Cater 2 U"  
  • Rodney Jerkins
  • B. Knowles
  • Rowland
  • Ricky "Ric Rude" Lewis
  • Robert Waller
  • M. Williams
  • Beyoncé
  • Darkchild
  • Ric Rude
4:07
4. "T-Shirt"  
  • Angela Renee Beyincé
  • Vidal Davis
  • Garrett
  • Andre Harris
  • B. Knowles
  • Rowland
  • M. Williams
  • Beyoncé
  • Dre & Vidal
  • Sean Garrett
4:40
5. "Is She the Reason"  
  • Garrett
  • B. Knowles
  • Rowland
  • M. Williams
  • Patrick "9th Wonder" Douthit
  • Gene McFadden
  • John Whitehead
  • Victor Carstarphen
  • Beyoncé
  • 9th Wonder
4:47
6. "Girl"  
  • Don Davis
  • Eddie Robinson
  • Douthit
  • B. Knowles
  • Garrett
  • Beyince
  • Rowland
  • M. Williams
  • Beyoncé
  • 9th Wonder
3:44
7. "Bad Habit" (Solo de: Kelly Rowland[87])
3:54
8. "If"  
  • Big Drawers
  • Charles "Chuck" Jackson
  • Marvin Yancy
  • Dana "Rockwilder" Stinson
  • B. Knowles
  • Rowland
  • M. Williams
  • Beyoncé
  • Rockwilder
  • Big Drawers
  • Juanita Wynns
4:15
9. "Free"  
  • Big Drawers
  • Dana Stinson
  • Fonce Mizell
  • Larry Mizell
  • James Carter
  • B. Knowles
  • Rowland
  • M. Williams
  • Beyoncé
  • Rockwilder
4:51
10. "Through with Love" (Vocais de fundo adicionais, realizados por um coro gospel desconhecido[88])
3:35
11. "Love"  
  • B. Knowles
  • Rowland
  • M. Williams
  • Beyince
  • Erron Williams
  • Beyoncé
  • Erron Williams
4:32
Duração total:
47:57

Notas:

  • "Is She the Reason" contém uma amostra da música de Melba Moore, "I Don't Know No One Else to Turn To".
  • "If" contém uma amostra da música de Natalie Cole, "Inseparable".
  • "Girl" contém uma amostra da música de The Dramatics, "Ocean of Thoughts and Dreams".
  • "Free" contém uma amostra da música de Donald Byrd, "Night Whistler".

Prêmios[editar | editar código-fonte]

Ano Cerimônia Nomeação Categoria Resultado
2005[90] Grammy Award "Lose My Breath" Best R&B Performance by a Duo or Group with Vocal Indicação
2006[91][92] "Cater 2 U" Indicação
Best R&B Song Indicação
"Soldier"
(com: T.I. e Lil Wayne)
Best Rap/Sung Collaboration Indicação
Destiny Fulfilled Best Contemporary R&B Album Indicação

Desempenho[editar | editar código-fonte]