Destransição

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Destransição ou retransição é a interrupção ou reversão de uma identificação transgênero ou da transição de gênero, seja por meios sociais, legais ou médicos. Algumas pessoas destransicionam temporariamente.[1][2]

Desistência também é um termo que é usado para descrever a cessação da identidade transgênero ou disforia de gênero.[3]

Faltam pesquisas diretas, formais e padronizadas sobre a destransição.[3][4] O interesse profissional no fenômeno foi recebido com controvérsia. Destransicionistas (pessoas que destransicionam) também enfrentam controvérsias e preconceito.[5]

Antecedentes e terminologia[editar | editar código-fonte]

Transição é o processo em que uma pessoa trans muda sua expressão de gênero e/ou suas características físicas, de acordo com seu senso interno de identidade de gênero.[6] A transição geralmente envolve mudanças sociais (como roupas, nome pessoal e pronomes), mudanças legais (como nome e gênero) e mudanças médicas/físicas (como terapia de reposição hormonal e cirurgia de redesignação sexual).

A destransição (às vezes chamada de retransição) é o processo de interrupção ou reversão de identificação transgênero ou de transição de gênero.[7] Assim como a transição, a destransição não é um evento único. Os métodos de destransição podem variar bastante entre os indivíduos e podem envolver alterações na expressão de gênero, identidade social, documentos de identidade legal e/ou anatomia.[8] Desistência é um termo genérico para qualquer cessação,[9] e geralmente é aplicado especificamente à cessação da identidade transgênero ou da disforia de gênero.[10] Aqueles que realizam a destransição são conhecidos como destransicionistas.[11] A destransição é comumente associada ao arrependimento de transição, mas nem sempre o arrependimento e a destransição estão juntos.[12]

Ocorrência[editar | editar código-fonte]

Os estudos formais de destransição têm sido poucos em número,[13] de qualidade disputada[14] e politicamente controversos.[15] Nos estudos, as estimativas de frequência para destransição e desistência variam muito, e também existem diferenças notáveis na terminologia e metodologia adotada.[16][17] A destransição é mais comum nos estágios iniciais da transição, principalmente antes das cirurgias. Estima-se que o número de destransicionistas varia entre menos de um por cento a até cinco por cento.[18] Uma pesquisa de 2018 realizada pelos cirurgiões da Associação Profissional Mundial para a Saúde Transgênero (WPATH) constatou que aproximadamente 0,3% dos pacientes submetidos à cirurgia relacionada à transição posteriormente solicitaram atendimento cirúrgico relacionado à destransição.[19]

As taxas de desistência entre crianças podem ser maiores. Analisando crianças encaminhadas às clínicas de gênero por disforia de gênero ou não conformidade de gênero, um estudo de 2008 descobriu que 61% desistiram de sua incongruência ou inconformidade de gênero antes de completar 29 anos[20] e um estudo de 2013 descobriu que 63% desistiu antes de 20 anos.[21] Uma avaliação clínica de 2019 constatou que, dentro de um período de dezoito meses, 9,4% dos pacientes com disforia de gênero durante a adolescência deixaram de querer realizar intervenções médicas ou deixaram de sentir que sua identidade de gênero era incongruente com o sexo designado ao nascimento.[22] Pesquisas anteriores a 2000 podem relatar números inflacionados de desistência, já que crianças não conformes com gênero e sem disforia de gênero podem ter sido incluídas nos estudos.[23]

Um estudo alemão de 2003 encontrou evidências de um aumento no número de demandas por destransição, culpando práticas ruins por parte de médicos "bem-intencionados, mas certamente problemáticos" que – contrariamente às melhores práticas internacionais – assumiram que transicionar o mais rápido possível é o único curso de ação correto.[24] O cirurgião Miroslav Djordjevic e o psicoterapeuta James Caspian relataram que a demanda por reversão cirúrgica dos efeitos físicos da transição médica tem aumentado.[24]

destransicionistas citaram o trauma, o isolamento, a dissociação, a saúde mental inadequada e a pressão social como motivações para a transição.[25] O consentimento informado e a afirmação do auto-diagnóstico foram criticados por não atenderem às necessidades daqueles que decidem destransicionar.[26] Entre os eventuais destransicionistas, verificou-se que a progressão da transição amplia, em vez de remediar, a disforia de gênero. As pessoas podem se tornar fixadas no processo de transição, levando-os a seguir cada vez mais etapas na transição por meio de intervenção médica.[27]

Geralmente, os motivos para a destransição incluem barreiras financeiras à transição, rejeição social na transição, depressão ou probabilidade de suicídio devido à transição e. ainda, desconforto com as características sexuais desenvolvidas durante a transição. Motivos adicionais incluem preocupação com a falta de dados sobre os efeitos a longo prazo da terapia de reposição hormonal, preocupação com perda de fertilidade, complicações decorrentes de cirurgias e alterações na identidade de gênero.[28] Algumas pessoas destransicionam temporariamente, a fim de atingir um objetivo específico, como ter filhos biológicos ou até que as barreiras à transição sejam resolvidas.[29] Os idosos transgêneros também podem se afastar por se preocupar em receber cuidados adequados ou respeitosos posteriormente.[30] Um estudo qualitativo comparando as crianças desistentes com as persistentes (em relação à disforia de gênero) constatou que, enquanto as persistentes relacionavam sua disforia principalmente a uma incompatibilidade entre seus corpos e sua identidade, as desistentes estavam mais relacionadas, pelo menos retroativamente, a um desejo para cumprir o papel de outro gênero.[31]

A maioria dos desistentes jovens passam a se identificar como cisgênero e gay ou lésbica.[23]

Casos individuais[editar | editar código-fonte]

Mike Penner[editar | editar código-fonte]

Mike Penner, escritor sobre esportes do Los Angeles Times, identificou-se publicamente como transexual em abril de 2007 sob o nome de Christine Daniels, e escreveu sobre sua experiência com a transição até outubro de 2008, quando retomou sua identidade masculina. Ele morreu por suicídio em novembro de 2009.[32][33]

Walt Heyer[editar | editar código-fonte]

Desde 2011, Walt Heyer escreveu vários livros sobre sua experiência de arrependimento e destransição.[34][35]

Carey Callahan[editar | editar código-fonte]

Carey Callahan começou a falar abertamente sobre sua destransição em 2016. Callahan se identificou como trans por quatro anos. Seu trabalho em uma clínica de gênero a levou a buscar alternativas à transição. Ela defende as pessoas destransicionistas e as pessoas não conformes ao gênero enquanto trabalha como terapeuta licenciada. Ela foi entrevistada pela revista The Atlantic em 2018.[36][37]

Brian Belovitch[editar | editar código-fonte]

Brian Belovitch, artista performático de Nova York, (anteriormente conhecido como Tish Gervais) fez a transição em 1972, após pressão social para adaptar sua personalidade feminina às normas binárias de gênero. Ele viveu como mulher trans por quinze anos antes de "retransicionar", como ele chama, em 1987. Belovitch cita que as visões sobre sua própria identidade de gênero mudaram (referindo-se a si mesmo agora como "genderqueer ou gênero não-conforme"). Ele foi entrevistado pela revista Paper em 2018 e publicou suas memórias no final daquele ano.[38][39]

James Shupe[editar | editar código-fonte]

Em março de 2019, James Shupe, o primeiro americano a obter o reconhecimento legal de ter um gênero não-binário, criticou sua transição e se identificou publicamente como homem. Shupe viveu como mulher trans por dois anos e como pessoa não-binária por três.[40][41]

Keira Bell[editar | editar código-fonte]

Em 2020, Keira Bell, de 23 anos, ingressou em uma ação contra o Serviço de Desenvolvimento de Identidade de Gênero (GIDS) do NHS, o Serviço Nacional de Saúde do Reino Unido.[42] Bell foi prescrita com bloqueadores de puberdade aos 16 anos e com testosterona um ano depois. Seus seios foram removidos antes da interrupção dos tratamentos hormonais, quando passou a se identificar novamente como uma mulher cisgênero. Ela afirma que deveria ter sido "mais questionada" pela clínica de gênero, criticando a falta de terapia ou questionamentos que recebeu antes de receber o tratamento.[43][44]

Transição após a destransição[editar | editar código-fonte]

A Pesquisa de Transgêneros dos EUA de 2015 coletou respostas de indivíduos que se identificaram como transgêneros. Desses, 8% dos que fizeram a transição relataram já ter feito a destransição; e 62% desse grupo vivia com um gênero diferente daquele atribuído a eles no nascimento no momento da pesquisa.[45]

Marissa Dainton[editar | editar código-fonte]

Marissa Dainton transicionou cirurgicamente para uma mulher em 1993. Quatro anos depois, ela ingressou em uma igreja evangélica e decidiu retomar uma identidade masculina, porque passou a considerar sua transição como pecaminosa. Quando se casou com uma mulher da congregação, ela removeu sua vagina construída cirurgicamente, deixando-a sem genitália. No entanto, ela continuou a praticar cross-dressing em segredo, e em 2003 decidiu fazer a transição novamente. Ela obteve implante de mama, mas decidiu não construir uma nova vagina devido a possíveis complicações que poderiam ocorrer nessa segunda cirugia.[46][47]

Sam Kane[editar | editar código-fonte]

Sam Kane fez a transição cirúrgica para uma mulher em 1997, mas sete anos depois achou sua vida como uma mulher "superficial" e afirmou que os homens não a levavam a sério nos negócios como mulher. Ela voltou ao papel de gênero masculino e teve um novo pênis construído, por meio de cirúrgia, em 2004. Ela não considerou ter retornado com sucesso a ser homem e declarou: "Tendo se tornado Samantha, eu deveria ter ficado com Samantha". Ela novamente fez a transição para um papel de gênero feminino, desta vez não cirurgicamente, em 2017.[48][49]

Impacto cultural e político[editar | editar código-fonte]

Faltam diretrizes legais, médicas e psicológicas sobre o tema da destransição[50] e há uma atmosfera de censura percebida em torno da pesquisa do fenômeno.[51] Pessoas destransicionistas dizem que foram perseguidos por ativistas que enxergam a destransição como uma ameaça política aos direitos das pessoas trans.[52] As controvérsias em torno da destransição, dentro do ativismo trans, surgem principalmente sobre como o assunto é enquadrado na grande mídia e apropriado pelos políticos de direita.[53]

Em agosto de 2017, na Conferência de Saúde Trans do Mazzoni Center da Filadélfia, que é uma reunião anual de pessoas trans, advogados e profissionais de saúde, dois painéis de discussão sobre a destransição e métodos alternativos de trabalhar com a disforia de gênero foram cancelados.[54] Os organizadores da conferência disseram: "Quando um tópico se torna polêmico, como este, que está na mídia social, existe o dever de garantir que o debate não fique fora de controle na própria conferência. Após vários dias de considerações e revisão do feedback recebido, o comitê de planejamento decidiu que os workshops, embora válidos, não podem ser apresentados na conferência conforme havíamos planejado."[55]

Em setembro de 2017, a Universidade de Bath Spa revogou a permissão de James Caspian, um psicoterapeuta junguiano[56] que trabalha com pessoas trans e é administrador do The Beaumont Trust, para pesquisar o arrependimento dos procedimentos de mudança de sexo e a busca por destransição. Caspian alegou que o motivo da revogação pela universidade se deu porque seroa "uma pesquisa potencialmente politicamente incorreta, [que] traz um risco para a universidade. Ataques nas mídias sociais podem não estar confinados ao pesquisador, mas podem envolver a universidade. A publicação de material desagradável em blogs ou mídias sociais pode ser prejudicial para a reputação da universidade."[57] A universidade afirmou que a proposta de Caspian "não foi recusada por causa do assunto, mas por causa da abordagem metodológica proposta. A universidade não estava convencida de que essa abordagem garantiria o anonimato dos participantes ou a confidencialidade dos dados".[58] Ele levou o assunto ao Supremo Tribunal, que concluiu que seu pedido de revisão judicial era "totalmente sem mérito".

Os Padrões de Cuidado da Associação Profissional Mundial para a Saúde Transgênero (WPATH) não fizeram menção à destransição,[59] embora a maioria dos cirurgiões da WPATH tenha expressado o desejo de incluir diretrizes sobre destransição,[60] e o ex-presidente da WPATH, Eli Coleman, listou a destransição entre os tópicos que ele gostaria que fossem incluídos na nova edição dos Padrões de Cuidado da WPATH.[61]

A destransição atraiu o interesse tanto de conservadores da direita política, como de feministas radicais da esquerda política. Ativistas à direita foram acusados de usar as histórias das pessoas destransicionistas para promover seu trabalho contra os direitos trans.[62] Na esquerda, as feministas radicais veem as experiências das pessoas destransicionistas como mais uma prova da imposição patriarcal dos papéis de gênero e do apagamento médico de gays e lésbicas.[63] Essa atenção suscitou nos destransicionistas sentimentos ambíguos de exploração e apoio.[64][65][66]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Conheça a história de homens e mulheres que mudaram de gênero e, depois, voltaram atrás». O Globo. 3 de setembro de 2017. Consultado em 28 de julho de 2020 
  2. Cohen, Hannah Barnes e Deborah (26 de novembro de 2019). «Arrependimento após mudança de sexo: 'Como volto a ser a Debbie que eu era?'». BBC News Brasil 
  3. a b «The Controversial Research on 'Desistance' in Transgender Youth». KQED (em inglês). Consultado em 28 de julho de 2020 
  4. Butler, Catherine; Hutchinson, Anna (2020). «Debate: The pressing need for research and services for gender desisters/detransitioners». Child and Adolescent Mental Health (em inglês). 25 (1): 45–47. ISSN 1475-3588. doi:10.1111/camh.12361 
  5. «The Ranks of Gender Detransitioners Are Growing. We Need to Understand Why». Quillette (em inglês). 2 de janeiro de 2020. Consultado em 28 de julho de 2020 
  6. Fenway Health 2010; HRC n.d.
  7. * "Destransição refere-se à reidentificação com a identidade de gênero dada no nascimento e uma decisão consciente de tomar medidas para reverter a essa designação. " Stewart 2018, p. 23. Ver também Marchiano 2017; Graham 2017; Tobia 2018; Herzog 2017a; Clark-Flory 2015; Danker et al. 2018; Turban et al. 2018b.
  8. Clark-Flory 2015; Herzog 2017a; Graham 2017; Tobia 2018
  9. Merriam-Webster n.d.; Collins n.d.
  10. Marchiano 2017; Steensma et al. 2013; Wallien and Cohen-Kettenis 2008
  11. Herzog 2017a; Graham 2017; Singal 2018
  12. * "Nem todo mundo que destransiciona se arrepende da transição, e, como a transição, o processo de decisão da destransição é uma escolha muito individual e pessoal". Yarbrough 2018, p. 130. See also Graham 2017; Herzog 2017a.
  13. * "Há uma escassez de literatura." Danker et al. 2018
    • "Precisamos urgentemente de dados sistemáticos sobre este tema, a fim de tecer as melhores práticas de atendimento clínico". Zucker 2019
  14. * "A pesquisa sobre os resultados da pós-transição é mista, na melhor das hipóteses." Marchiano 2017
  15. * "Pesquisas sobre esse tema são extremamente controversas" Danker et al. 2018
    • "[Uma] pesquisa potencialmente politicamente incorreta representa um risco para a universidade. Os ataques às mídias sociais podem não estar confinados ao pesquisador, mas podem envolver a universidade. A publicação de material desagradável em blogs ou mídias sociais pode ser prejudicial para a reputação da universidade ". Weale 2017. Ver também BBC 2017
  16. Estimativas de destransição:
    • "Oito por cento dos entrevistados da Pesquisa de 2015 dos EUA relataram o desejo de destransicionar em algum momento, ou seja, voltar a viver com o sexo a que foram designados no nascimento; no entanto, a maioria transicionou apenas temporariamente e 62% daqueles que uma vez transicionaram relataram viver em sua identidade de gênero real". Boslaugh 2018, p. 43
    • "A destransição após intervenções cirúrgicas ... é extremamente rara. A pesquisa estima o percentual de arrependimento entre 1 e 2% ... A destransição é realmente muito mais comum nos estágios antes da cirurgia, quando as pessoas ainda estão explorando suas opções. 'São pessoas que tomam hormônios e depois decidem abandoná-lo ', diz Randi Ettner, terapeuta que serviu no conselho da Associação Profissional Mundial para a Saúde Transgênero." Clark-Flory 2015
    • "Um estudo de 50 anos na Suécia constatou que apenas 2,2% das pessoas que fizeram a transição médica mais tarde experimentaram arrependimento de ter feito a transição" Herzog 2017a
      • "Houve 15 (5 [transições de mulheres para homens] e 10 [de homens para mulheres]) que se arrependeram, o que corresponde a uma taxa de arrependimento de 2,2% para ambos os sexos. Houve um declínio significativo de arrependimentos ao longo do período" O "arrependimento" é definido como "pedido de reversão do status legal de gênero entre aqueles que transicionaram", o que "dá à pessoa o direito ao tratamento para reverter as mudanças o máximo possível".) Dhejne et al. 2014
  17. Estimativas de destransição:
    • "Existe uma grande quantidade de pesquisas replicadas que nos dizem que 80-95% das crianças que experimentam uma identificação entre sexos na infância acabam desistindo e se identificando com o sexo biológico quando adultos". Marchiano 2017
    • "Contudo, houve quase uma dúzia de estudos analisando a taxa de desistência entre crianças trans [que] James Cantor resumiu [como] várias crianças trans... transicionam quando são adultas." Herzog 2017a
    • "Durante décadas, estudos de acompanhamento de crianças transgêneros mostraram que uma maioria substancial - de 65 a 94% - deixou de se identificar como transgênero" Brooks 2018
    • "Pouquíssimas crianças trans ainda querem fazer a transição quando adultos. Em vez disso, geralmente se tornam pessoas gays ou lésbicas. O número exato varia de acordo com o estudo, mas aproximadamente 60-90% das pessoas transexuais não querem mais transicionar quando atingem a idade adulta". Cantor 2016
  18. Goldberg, Michelle (28 de julho de 2014). «What Is a Woman?» (em inglês). ISSN 0028-792X. Consultado em 6 de novembro de 2019 
  19. Danker et al. 2018
  20. Stein 2009; Wallien and Cohen-Kettenis 2008
  21. Brooks 2018; Herzog 2017a; Steensma et al. 2013
  22. Churcher Clarke & Spiliadis 2019
  23. a b «Debate: The pressing need for research and services for gender desisters/Detransitioners». Child and Adolescent Mental Health. 25: 45–47. 2020. PMID 32285632. doi:10.1111/camh.12361 
  24. a b "Recentemente, no entanto, houve algumas indicações de um aumento nos pedidos de retransição e os pacientes estão se apresentando cada vez mais, para quem a primeira exploração diagnóstica indica distúrbios de identidade abrangentes, possivelmente incluindo tendências fetichistas de travestis e expectativas irrealistas de uma 'vida completamente nova', mas não indica uma transposição de papéis de gênero vivida ou internamente fixada." Bosinski 2003
  25. Marchiano 2017
  26. Graham 2017; Marchiano 2017; Singal 2018; Yoo 2018
  27. Marchiano 2017
  28. * "Seis pessoas expressaram claramente seu sentimento de arrependimento pela decisão; três delas acusaram o clínico de incompetência. As quatro outras deram como principais razões: isolamento social, resultados cirúrgicos decepcionantes e um súbito desaparecimento do desejo de viver como mulher" Kuiper and Cohen-Kettenis 1998. Ver também Borreli 2017; Bowen 2007; Clark-Flory 2015; Danker et al. 2018; Herzog 2017a; McFadden 2017; Sarner 2017; Turban et al. 2018a.
  29. Americo 2018; Kanner 2018
  30. Witten 2015
  31. «Desisting and persisting gender dysphoria after childhood: A qualitative follow-up study». Clinical Child Psychology and Psychiatry. 16: 499–516. 2011. PMID 21216800. doi:10.1177/1359104510378303 
  32. Pieper 2015; Friess 2009; Herman 2011
  33. Facebook; Twitter; options, Show more sharing; Facebook; Twitter; LinkedIn; Email; URLCopied!, Copy Link; Print (29 de novembro de 2009). «Mike Penner dies at 52; Los Angeles Times sportswriter». Los Angeles Times (em inglês). Consultado em 28 de julho de 2020 
  34. Heyer n.d.; Dumas 2015
  35. Heyer, Walt. «Hormones, surgery, regret: I was a transgender woman for 8 years — time I can't get back». USA TODAY (em inglês). Consultado em 28 de julho de 2020 
  36. Pollock 2018; Singal 2018; Graham et al. 2017; Murphy 2018; Graham et al. 2017
  37. «Gender identity is hard but jumping to medical solutions is worse». The Economist. ISSN 0013-0613 
  38. Tobia 2018; Belovitch 2018
  39. «Inside One Person's Journey From Man to Woman and Back Again». PAPER (em inglês). 3 de abril de 2018. Consultado em 28 de julho de 2020 
  40. Showalter 2019; Christian Today 2019; Shupe 2019
  41. Shupe), James Shupe (Formerly Jamie (1 de dezembro de 2018). «You Can't Feel Like A Girl: An Essay By Jamie Shupe». Medium (em inglês). Consultado em 28 de julho de 2020 
  42. Holt, Alison (1 de março de 2020). «NHS gender clinic 'should have challenged me more' over transition». BBC. Consultado em 3 de março de 2020 
  43. Holt, Alison (1 de março de 2020). «NHS gender clinic 'should have challenged me more'». BBC News (em inglês) 
  44. Holt, Alison (8 de março de 2020). «Trans processa clínica de saúde no Reino Unido: 'Transição deveria ser mais cautelosa'». BBC News Brasil 
  45. Boslaugh 2018, p. 43; James et al. 2016, pp. 111, 292–294
  46. Batty, David (30 de julho de 2004). «Mistaken identity». The Guardian. Consultado em 21 de março de 2020 
  47. «Weekend feature: sex change operations». the Guardian (em inglês). 30 de julho de 2004. Consultado em 28 de julho de 2020 
  48. «Top London lawyer changed gender three times». NZ Herald. The New Zealand Herald. 1 de março de 2017. Consultado em 21 de março de 2020 
  49. Chan, Emily (31 de agosto de 2018). «Transgender lawyer has gender re-assignment surgery for THIRD time». Mail Online. Consultado em 28 de julho de 2020 
  50. Graham 2017
  51. Shute 2017; BBC 2017; Borreli 2017; Stein 2009; Veissière 2018
  52. * "'A complexidade do nosso ponto de vista é bastante inconveniente para as pessoas de todos os lados do espectro político' ', diz Carey no filme. Para ela, a destransição resultou no maior assédio que ela já enfrentou em sua vida."Pollock 2018
    • "Isso desencadeou um debate dentro e fora da comunidade trans, com vários lados acusando um ao outro de intolerância, assédio, censura e prejudicando a luta pelos direitos trans. É uma questão tão preocupante que muitas pessoas que entrevistei solicitaram o anonimato. (Todos os nomes das pessoas destransicionistas foram alterados.) Outros se recusaram a falar no registro, com medo das possíveis consequências".Herzog 2017a
    • "[Outras mensagens recebidas] foram de médicos e detransicionadores, agradecendo-me por apresentar uma perspectiva que eles sentiam que muitos tinham medo de expressar". Veissière 2018
    • "[A] comunidade trans faz o possível para fingir que a destransição nunca acontece... as pessoas trans que destransicionam são frequentemente tratadas como aberrações ou como um constrangimento para os objetivos da nossa comunidade. Eles são considerados traidores da causa da libertação trans." Tobia 2018
  53. «(De)trans visibility: Moral panic in mainstream media reports on de/Retransition». European Journal of English Studies. 24: 89–99. 2020. doi:10.1080/13825577.2020.1730052 
  54. Rodriguez 2017; Herzog 2017
  55. Mazzoni 2017
  56. Caspian
  57. BBC 2017; Weale 2017; Hurst 2017
  58. Petherick, Sam (20 de fevereiro de 2019). «Ex-Bath Spa student James Caspian fails in court fight against university». Somerset Live. Consultado em 1 de maio de 2020 
  59. * WPATH 2012 "Atualmente, não há diretrizes ou recursos profissionais para os prestadores de serviços que encontram pacientes que experimentam arrependimento e/ou buscam a destransição". Danker et al. 2018
  60. "88% das pessoas sentem que a próxima edição (8ª) das diretrizes da WPATH deveria incluir um capítulo sobre destransição". Danker et al. 2018
  61. "Sugestões diversas ... detransição." Coleman 2017
  62. Ford 2018; Herzog 2017a; Bowen 2007; Tobia 2018
  63. Herzog 2017a; Bowen 2007
  64. Herzog 2017a; Bowen 2007
  65. «J.K Rowling diz que tratamento hormonal de pessoas trans é igual a processos de 'cura gay'». HuffPost Brasil. 6 de julho de 2020. Consultado em 28 de julho de 2020 
  66. «Stephen King Says 'Trans Women Are Women' Amid JK Rowling's Controversy Over 'Menstruation' Tweets». sputniknews.com (em inglês). Consultado em 28 de julho de 2020