Detective Comics 27

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Detective Comics #27
Detective Comics 27.jpg

Capa da revista Detective Comics 27 (Maio de 1939). Arte de Bob Kane.
Editora(s) DC Comics
Primeira publicação Maio de 1939
Personagens principais Batman

Detective Comics #27 de maio de 1939 foi um marco histórico dos quadrinhos, pois foi a edição da revista Detective Comics que apresentou a primeira aparição do Batman, criado por Bob Kane e Bill Finger.

A criação de Batman[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Batman

Em 1939, o sucesso de Superman em Action Comics levou os editores da divisão de quadrinhos da National Publications (futura DC Comics) a pedirem mais super-heróis para seus títulos. Em resposta, Bob Kane criou o "Bat-Man."[1] O roteirista Bill Finger recordou que

Kane teve uma idéia para um personagem chamado 'Batman' (Homem-Morcego), e ele queria que eu visse seus desenhos. Fui até Kane e ele tinha desenhado um personagem que se parecia muito com o Superman ... calças justas vermelhas, creio, com botas ... sem luvas, sem luvas ... com uma pequena máscara de carnaval, balançando em uma corda. Ele tinha duas asas rígidas que pareciam asas de morcego. E sob ele um grande sinal ... BATMAN.[2]
 
Bill Finger.

Finger sugeriu mudanças para o personagem: um capuz ao invês de uma máscara de carnaval, uma capa em vez de asas, luvas e retirar as partes vermelhas do traje original[3][4][5][6].

Finger disse que criara o nome de Bruce Wayne para a identidade secreta da personagem. "A primeira inspiração para o nome de Bruce Wayne veio de Robert Bruce, o patriota escocês. Bruce, que é um playboy, deveria ter uma ascendência nobre. Queria um nome que sugerisse a guerra contra o colonialismo. Tentei Adams, Hancock ... então pensei em "Mad"Anthony Wayne.[7]

Mais tarde, Finger admitira que suas sugestões foram influenciados por O Fantasma de Lee Falk, um personagem de tiras de jornal com qual Kane estava bem familiarizado[8].

Vários aspectos da personalidade de Batman, a história do personagem, seu design visual e equipamentos foram inspirados na cultura popular dos anos 1930, incluindo filmes, revistas pulp, histórias em quadrinhos, manchetes de jornais, e até mesmo características de Kane[9]. Kane repecurtiu especialmente a influência dos filmes "The Mark of Zorro" (1920) e "The Bat Whispers" (1930) na criação da iconografia associada com o personagem, enquanto Finger se inspirou em personagens literários como Doc Savage, O Sombra e Sherlock Holmes, incluindo em sua descrição de Batman as aptidões de mestre-detetive e cientista[10].

Kane, em sua autobiografia de 1989, detalha as contribuições de Finger para a criação de Batman:

Um dia liguei para Bill e disse: Eu tenho um novo personagem chamado Bat-Man e fiz alguns esboços e croquis e gostaria que você desse uma olhada. Ele veio e mostrei-lhe os desenhos. Na época, eu só tinha criado uma máscara de carnaval para o rosto do Batman, como o Robin usaria mais tarde. Bill disse: 'Por que não fazê-la parecer mais com um capuz e encobrir o seu rosto?. Assim aparecem os globos oculares. Não é melhor só colocar fendas para os olhos para torná-lo com o olhar mais misterioso? Neste ponto, o Bat-Man vestia uma roupa vermelha; as asas, troncos e uma máscara negra. Eu pensei que o vermelho e o negro seria uma boa combinação. Bill disse que o traje era muito claro: "A cor ideal é cinza escuro para torná-lo mais sinistro. A capa parecia duas asas duras de morcego ligadas aos braços. Conforme Bill e eu conversávamos, percebemos que com isso ficaria complicado para Bat-Man entrar em ação. Assim foram transformadas numa capa, recortada para se assemelharem a asas de morcego, quando lutava ou se balançava para baixo em uma corda. Além disso, ele não tinha luvas. Foram adicionadas para que não deixasse impressões digitais.[8]
 
Bob Kane.

Kane abdicou dos direitos do personagem em troca de, entre outras compensações, uma assinatura obrigatória em todas as histórias do Batman. Esta assinatura não foi, originalmente, a frase "Batman criado por Bob Kane". Seu nome era simplesmente escrito na página-título de cada história. A frase desapareceria das história em quadrinhos em meados da década de 1960, quando se passou a darem créditos para os artistas de cada história. No final dos anos 1970, quando Jerry Siegel e Joe Shuster começaram a receber o crédito com a frase "criado por" sobre os títulos do Superman, assim como William Moulton Marston com a assinatura da criação da Mulher Maravilha, as histórias do Batman começaram a receber a frase: "Criado por Bob Kane", além de outros créditos.

Finger não recebeu o mesmo reconhecimento de Kane. Apesar de ser creditado por outros trabalhos para DC desde os anos 1940, começou, na década de 1960, a brigar para receber o reconhecimento por sua contribuição em Batman. Na sessão das cartas de Batman # 169 (fevereiro de 1965), por exemplo, contestou o nome do editor Julius Schwartz como o criador do Charada, um dos vilões recorrentes do Batman. No entanto, o contrato de Finger o deixava apenas com os "royaltes" da página e sem assinatura. Kane escreveu: "Bill estava desanimado com a falta de grandes realizações em sua carreira. Ele sentiu que não tinha usado o seu potencial criativo ao máximo e que o sucesso já tinha passado por ele."[7] No momento da morte de Finger em 1974, a DC ainda não o creditava oficialmente como co-criador de Batman. Em 2014, a editora passou a credita-lo como criador na edição comemorativa deDetective Comics #27, em 2015, a Warner Bros. e a DC Entertainment anunciaram que Finger seria creditado também nos filmes e séries de televisão.[11]

The Case of the Chemical Syndicate[editar | editar código-fonte]

"The Case of the Chemical Syndicate" (traduzido pela Panini Comics como "O caso da sociedade química") é o título da história escrita por Bill Finger e desenhada por Bob Kane[12] publicada em Detective Comics # 27 (maio de 1939). Finger disse, "Batman foi originalmente escrito no estilo dos "pulps"[13], e esta influência fica evidente quando o herói mostra remorso logo após matar ou mutilar os criminosos. Batman provou ser um personagem de sucesso, e ganhou um título próprio em 1940. Ainda assim continuou a ter histórias publicadas em Detective Comics. Nessa época, a Nacional foi a editora mais influente e rentável da indústria; Batman e outro herói da editora, Superman, foram os pilares do sucesso da empresa[14].

Os dois personagens foram apresentados lado a lado, como as estrelas da revista World's Finest Comics, que originalmente se chamava World's Best Comics, lançada no outono de 1941[15]. Entre os artistas estavam Jerry Robinson e Dick Sprang que também trabalhavam produzindo tiras para a editora durante este período.

Referências

  1. Daniels, Les. Batman: The Complete History. Chronicle Books, 1999. ISBN 0-8118-4232-0, pg. 18
  2. Steranko, Jim. The Steranko History of Comics 1. Reading, PA: Supergraphics, 1970. (ISBN 0-517-50188-0)
  3. Daniels (1999), pg. 21, 23
  4. Havholm, Peter; Sandifer, Philip (2003). «Corporate Authorship: A Response to Jerome Christensen». Critical Inquiry. 30 (1): 192. ISSN 0093-1896. doi:10.1086/380810 
  5. Biografia por Joe Desris em Batman Archives, Volume 3 (DC Comics, 1994), p. 223 ISBN 1-56389-099-2
  6. Les Daniels (1999). Batman: The Complete History. [S.l.]: Chronicle Books. pp. 21, 23. 0-8118-4232-0 
  7. a b Kane, Andrae, p. 44
  8. a b Kane, Andrae, p. 41
  9. Daniels, Les. DC Comics: A Celebration of the World's Favorite Comic Book Heroes. New York: Billboard Books/Watson-Guptill Publications, 2003, ISBN 0-8230-7919-8, pg. 23
  10. Boichel, Bill. "Batman: Commodity as Myth." The Many Lives of the Batman: Critical Approaches to a Superhero and His Media. Routledge: London, 1991. ISBN 0-85170-276-7, pg. 6–7
  11. Samir Naliato (18 de setembro de 2015). «Bill Finger será reconhecido no cinema como cocriador do Batman». Universo HQ 
  12. Eduardo Nasi. «Batman - Crônicas - Volume Um Panini Comics» 🔗. Universo HQ 
  13. Daniels (1999), pg. 25
  14. Wright, Bradford W. Comic Book Nation. Baltimore: Johns Hopkins, 2001. ISBN 0-8018-7450-5, pg. 19
  15. Gary Dowell, Don Mangus, James L. Halperin (editor). Heritage Comics Signature Auction #819. [S.l.]: Heritage Capital Corporation. 122 páginas. ISBN 1599670216, ISBN 9781599670218 
Ícone de esboço Este artigo sobre Banda desenhada da DC Comics é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.